Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Gil Costa; o que não tinha medo de ninguém, falava o que queria, e que não teve um final feliz

Lendo os comentários sobre o “imbróglio” Lélio Gustavo, jogadores e etecetera e tal, vi o JB, um dos comentaristas citando o saudoso Gil Costa. Tanta coisa me veio à cabeça!

Ótimas e tristes lembranças.

As positivas são todas profissionais, especialmente as polêmicas que o Gil arrumava e envolvia toda a equipe dele. No esporte e na política.

As negativas se referem apenas às consequências que ele enfrentou por ser do jeito que era. Se encaixava na frase “um sujeito que só faz o mal a ele mesmo”.

CHAO2

Inesquecíveis tempos da Rádio Capital, a última emissora que deu trabalho à Rádio Itatiaia na disputa pelo primeiro lugar de audiência no esporte.

Também pudera; ela tirou quase metade do time da Itatiaia, que era absoluto, inclusive o carro chefe da época, o Vilibaldo Alves.

Pena que durou tão pouco; de junho de 1979 a meados de 1983, quando o Gil bateu pesado no recém eleito governador Tancredo de Almeida Neves. Mas pesado mesmo, “da medalhinha” pra cima; também no joelho, na canela e por aí vai.

Perto do Gil, o Lélio é “coroinha”, (usando frase do Emanuel Carneiro).

Tancredo mandou recado através do então deputado João Pinto Ribeiro (amigo comum deles), que não queria briga; que o Gil ficasse na dele, cuidando da rádio, e ele, do governo.

O recado funcionou como um detonador de uma bomba devastadora! O Gil foi para o microfone e esculhambou com o homem, tipo: “Mas eu quero é briga mesmo; seu velho gagá, enrolado; político abelha (que só faz cera). . .” e tome porrada!

Isso no editorial do “Jornal da Capital”, às 8 da manhã. Na “Resenha do Jegue” da tarde anterior, o Gil nos perguntara (eu, Marco Antônio Bruck, Kleyton Borges, e outros, que ficávamos com ele no estúdio), ao vivo: “Vocês sabem a diferença da Xuxa para o Tancredo?”.

Nós, em coro: “Nããããoooo!!!!!”.

E ele mesmo respondia: “É que ela já viu a coisa preta, e o Tancredo vai ver agora!”.

A Xuxa tinha terminado um namoro com o Pelé semanas antes da posse do Tancredo!

Minutos depois do explosivo “editorial” contra o governador, o telefone tocou na sala do Gil, que era o diretor geral da rádio. Seria a secretária do Dr. Edevaldo Alves da Silva, dono da FMU, universidade paulista que constava como dona da Rede Capital de Comunicações, que recomendava que ele pegasse o primeiro vôo da Pampulha para São Paulo porque o “Professor Edevaldo” precisava falar pessoalmente com ele, “com a máxima urgência”.

Todos pensamos que o Gil estava sendo chamado para ser nomeado diretor nacional da Rede, que tinha 9 emissoras nas principais capitais do Brasil. Afinal de contas, a Capital Minas era a única que brigava pelo primeiro lugar em audiência, a maior em faturamento (mesmo sendo de Beagá) e a de maior repercussão. Essa conversa circulava entre as emissoras da rede há algum tempo.

Além do mais havia o fator político: dizia-se que a Rede Capital era do Paulo Maluf, que sonhava virar presidente da república, e assim como o Gil era do PDS, partido da ditadura militar que governava o país.

O Gil pegou o avião das 11 horas, foi recepcionado por um motorista do “Professor Edevaldo” no Aeroporto de Congonhas, para uma reunião que começou às 12h15 e terminou às 12h30.

Voltou no vôo das 15 horas, demitido, e nunca mais conseguiu espaço em nenhuma rádio ou qualquer veículo de comunicação.

Consta que Maluf caiu no canto da sereia: esperava contar com o apoio de Tancredo para a presidência da república, numa futura eleição indireta ou direta. Para fazer média com o então governador eleito pelo PMDB, a cabeça do Gil Costa era uma coisa simples, na bandeja!

E assim foi!

Como o Gil já tinha inimigos demais e era radical, a situação dele só se complicava. Todos se uniram contra ele, que era poderoso, porém, sem fontes de renda e com incontáveis demandas judiciais, seu dinheiro e poder foram minguando.

O regime militar estava dando os seus últimos suspiros. Seus muitos e caros advogados não conseguiam ganhar nenhuma disputa judicial, contra ou a favor dele.

Nascido no estado do Mato Grosso, não tinha nenhum espírito conciliatório e jamais se rendeu às evidências de que precisava negociar uma solução política.

Morreu em situação financeira crítica e foi enterrado em Belo Horizonte com a presença de pouquíssimas pessoas. Um homem que chegou a ter no fim dos anos 1970, início dos 1980, em torno de 50 mil votos; maior corretor publicitário da imprensa naqueles tempos; audiência impressionante, teve um triste fim.

Herói para muitos; terror para outros! Na verdade foi as duas coisas.

Sou eternamente grato a ele; outros o odeiam até hoje. A vida é assim!

A vida do Gil dá um livro!

Um dia, talvez, tentarei escrevê-lo!


» Comentar

Comentários:
25
  • Pedro Gollo disse:

    Bom Chico o radio mineiro sente falta do Gi e do Odvaldo Faria a briga deles fazia a audiencia subir pensei a vida toda que o Gil Costa era Baiano

  • marosdeon disse:

    O Gil Costa era muito engraçado , doido varrido lembro de meu pai ouvindo seu programa e rindo pra caramba.

  • Antonio Moreira da Silva disse:

    Eu ja morava em BH e era ouvinte do Gil Costa (Rezenha do Jegue) em sequência Rádio Capital. Me lembro da vista do Gil que era assim: É Gil Costa prá lá, é Gil Costa prá cá, é Gil Costa em todo lugar. Estou com Gil e não abro, estou com Gil e não abro deixem o Gil Costa falar. Ele era muito tentado.

  • Marta disse:

    como é bom ver que ainda existe pessoas generosas e que reconhece o trabalho e a competência do próximo, você conseguiu descrever em algumas linhas a pessoa do Gil Costa.Belas palavras e realmente estórias do Gil vale ser escrita apesar do triste fim. Parabéns!

  • Marco Galvão disse:

    Só hoje vi, algumas coisas sobre o Gil Costa!

    Um ídolo que tive na minha paixão pelo rádio. Excelente na Itatiaia….Gigante na Capital. Uma pessoa que me serviu como absoluta referência. A polemica dele era “avassaladora”. Se eu pudesse escolher e assinar….estaria no nosso grupo até hoje! Abraços!

  • Raws disse:

    Chico, a ultima foto desse notebook, parece-me no mesmo local, tinha uma garrafa de “guaraná” ao lado, será o efeito quaresma? Hehehe…

  • RONI disse:

    que saudades da galera outrora. gilcosta, osvaldo faria . jairo anatorio, alair rodrigues,vilibaldo alves,kafunga , pinguim , kajuru,chico maia , flavio anselmo, luis carlos alves,gontijo. bom hoje somos obrigados a aguentar …

  • Paulo disse:

    Gil Costa foi o único que bateu de frente com o Oswaldo Faria.
    Dias Depois entrou em atritos com Celso Martinelli
    O Cara era muito forte e independente.

  • José Luiz de Carvalho disse:

    E espero que ainda escreva esse livro, pois a imprensa esportiva mineira( principalmente o rádio) é muito rica em histórias e personagens.

  • Rubens Silva disse:

    Caro Chico Maia:

    Como é bom ler você novamente. Tenho a impressão de te estar ouvindo pelos corredores da rádio, sempre com essa simpatia e esta serenidade costumeira.
    Essa história do Gil se aplica ao momento presente, infelizmente, pois nos dois casos, trata-se de profissional que sabe o que diz, porém, nem sempre as coisas podem ser como devem por esse país tupiniquim.

    Abraço,

    Rubens Silva

  • Martens disse:

    Entao esta coisa de ditador ja vem do avo, so pode falar bem dele, a poucos dias o senador neto nao estava tentando apagar tudo que fala dos podres dele online.

  • Thiago Dória disse:

    .
    .
    Se antigamente os “Neves” cerceavam o rádio, nos dias atuais, além do rádio, da tv e dos jornais impressos, eles também tentam estender a sua censura até à internet.

    http://aecioneves.blogs.sapo.pt/31960.html

    http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/aecio-tenta-esconder-tentativa-de-censura-a-conteudos.html

    http://aecionevesnao.blogspot.com.br/2014/03/guga-noblat-foi-atras-de-politicos.html

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=15328

    Os “Neves” têm uma extrema dificuldade de conviver com a opinião contrária a deles. Fazem de tudo para calar as pessoas que discordam dos seus pensamentos e ações.

    Ainda sobre a mídia, para quem ainda duvida da ajuda da Rede Globo ao Golpe Militar de 1964, esta aí um documento INÉDITO:

    http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2014/04/eua-confirma-acao-de-roberto-marinho-nos-bastidores-da-ditadura-3931.html

    Essa CPI ninguém fala, né ?!?

    http://www.youtube.com/watch?v=8Y8xDM0j9CA

    http://www.ocafezinho.com/2013/07/30/jornal-da-record-exibe-mais-uma-materia-sobre-globogate/

    http://www.ocafezinho.com/2013/11/01/requiao-enfrenta-a-globo/

    http://www.ocafezinho.com/2013/07/26/globo-nao-pagou-os-r-615-milhoes/

    Coitada da Globo…né?!?

    Tão santinha…

    Faz umas matérias sobre o “Golpe na Venezuela”, sobre a “corrupção e sonegação de impostos”, mas no fundo, na raiz, no âmago de sua essência….os golpistas e sonegadores são eles !!!

  • Tom Vital disse:

    Grande Gil! Bons tempos do rádio mineiro.

  • antonio luis disse:

    Explendido comentario seu sobre o gil costa chico maia, na época eu tinha la os meu 12 pra 13 anos e ouvia sempre a resenha do jegue e ficava assustado e abismado com o que o gil costa falava. Naquela época o programa dele devia ser o primeiro em audiencia.

  • Raws disse:

    Chico, nós que ocupamos quase o mesmo tempo debaixo desse grande céu, temos muitas historias pra contar. Você na área da comunicação( que é para mim uma dádiva), acaba de nos presentear com este fato, de quando em vez, revire o fundo do baú e nos propicie mais momentos históricos como esses. Os exemplos de outrora, para quem os respeitam, são como ensinamentos paternos.
    Obs. Volto a repetir, que pena não termos uma imprensa livre, ontem e hoje, quem sabe a de amanhã…

  • Juliano Coelho disse:

    Chico Maia, ótimo post, história interessante do Gil Gomes comprova mais uma vez como o “sistema” tem força.

  • J.B.CRUZ disse:

    caro chico:
    depois que o gilberto costa ferreira(gil costa), saiu da capital,foi para inconfidência e teve um programa de 12:00 as 14:00, a resenha do jegue, que mais polêmico impossível..depois ele foi para rádio mineira, que estava no limbo da audiência, e ressuscitou a emissôra com o seu famoso “resenha do jegue”..na mineira,que parece era daquele deputado sérgio naya, ele arrumou uma “briga das feia” e já em emados da década de 90,não se ouviu falar mais em gil costa..
    mas, como você diz em seu comentário; o “homem’ era bravo mesmo,certo ou errado, ele não arredava pé de suas convicções…
    chico: me lembro de você na rádio capital,inconfidência(foi a copa de 86),minas esportes onde você foi e continua sendo uma bandeira nos meios esportivos mineiros..carlos valadares,
    gil costa,paulo roberto pinto coêlho,jairo anatólio lima,olavo leite kafunga bastos, ,vilibaldo alves,atleticanos declarados(falecidos),mas sempre esteve e estão na minha agenda de pessoas admiradas pelo que fizeram em suas funções esportivas..

  • parabéns chico maia ,muito bem lembrado o estilo nitroglicerina do gil costa que abria a resenha do jegue com “minha cara e minha nobre família mineira ,estamos iniciando a resenha do jegue onde vamos,botar prá feder carbureto e chifre de capeta embalsamado”

  • maurilio grillo disse:

    Amigo Chico Maia, ninguem comentou Gil Costa,como voce acaba de comentar. Eu mesmo, que havia deixado o Sistema Nacional de Radio da Globo, aceitei convite dele para ser seu segundo homem na direçao d!a Capita -gerente-.Como vinha de uma empresa séria,depois de uns quinze dias da saida da radio do bairro Serra para a contorno, chamei o Gil para uma reuniao. Levei a ele minha preocupaçao em relaçao ao palavreado que ele usava no Microfone:”Gil, voce precisa fazer uma opçao na funçao que deseja ocupar na emissora….Diretor Geral ou Comunicador,pois o palavreado qque voce usa no microfone nao fica bem para um empresário, mas, como Comunucador voce é imbativél e a audiencia só tende aumentar,como tambem o faturamento. Já como Diretor Geral da emissora que a cada dia cresce na audiencia, voce compromete a Rádio, pois a maioria dos empresários e políticos só o recebem por MEDO,embora a Radio comeca ter uma forca comercial. Ele respondeu: “Grillo, continuarei como Diiretor Geral e Comunicador”Eu estava ha 20 poucos dias na emissora como seu Gerente, nada me restou e apresentei o meu pedido de demissao. Alguns dias depois fui convidado pelo Secretario de Estado da A gricultura, para implantar a Rádio Guarani Onda O Som verde,que mais tarde serviu a televisao brasileira criar programas e hoje veiculos Rurais. A Capital e Gil Costa, lembrnças do nosso Rádio passado. Mas Gil Costa foi humano ( no modo escolhido e um amigo dos amigos. Um abraco do Grillo.

  • O Gil Costa foi dono também da Rádio mineira.lembro que mantive contato com ele querendo saber o que tinha sido feito da emissora, a primeira em minas.

  • Me lembro bem do Gil Costa! Linha bem popular, povão mesmo! Não tinha papas na língua e muitas vezes descambava para a grosseria mesmo. Um episódio marcante foi nas finais do Mineiro de 1984. No primeiro jogo, em que o Cruzeiro venceu o Galo por 4×0, houve nos dias anteriores uma briga feia da Rádio Capital com os atletas do Atlético que se recusaram a dar entrevistas para a Capital. A transmissão do jogo foi cômica! Toda vez que um atleta do Galo pegava na bola, era assim: Lá vai o ponta esquerda agressor de repórter (Éder); passa para o centroavante bichado (Reinaldo); falta a favor do time alvinegro, vai bater Velinho (Nelinho)… e por aí foi! Foram poucos os jogadores poupados… Não concordo, mas que foi engraçado, foi! Abs.

  • Ronaldo Bento disse:

    É isso aí. A massa comandando tudo. Todos os citados são atleticanos de carteirinha…

  • Geraldo do Nascimento Atherton disse:

    Olá Chico, como é bom ver alguém lembrar da linda e triste história do Gil Costa, Eu o admirava e tive o prazer de ouvi-lo na Itatiaia, Capital (como Eu adorava essa radio!) e finalmente tentando reerguer a radio Mineira, depois Ele sumiu e quando fiquei sabendo da sua morte já havia passado algum tempo. Eu admirava esse grande profissional, o mesmo aconteceu com o Paulo Roberto Pinto Coelho que Eu admirava e era fã. saudades desses dois. saudades!!!!

  • marcio martins disse:

    Chico

    Sempre bom quando se fala das coisas do radio antigo, eu que nunca dispensei a companhia desta velha, porém imortal ferramenta. Lendo esta historia faço uma viagem no tempo e só agora sabendo através de vc em detalhes, coisas que o ouvinte nao tinha acesso à época. Lembro de tudo isto que vc relatou, quando houve o impacto daquela revoada de profissionais da Itatiaia p Capital caindo como uma bomba no radio mineiro. Teve outra briga do Gil que vc não citou, foi com o Osvaldo Faria, algumas acusações relacionadas com viagens internacionais que não acrecentam cita-las aqui por serem de pessoas q ja se foram, mas vc deve saber o que me refiro. Teve o atrito com o juiz eleitoral em que ele perdeu a eleição por conta de divergencias de Gil Costa, Gilberto Costa. Lembro do eco dos radios pela cidade no horario de almoço, quando a abertura era o hino do Senhor do Bonfim. Era impressionante a audiencia. Hoje ouvindo a turma da 98 FC me remete aquela época. Não por parecerem, mas por neste horario tb seno a opção de muita gente. Aqueles auxiliares do Gil era uma diversão muito boa, pois no programa, não faltava a parte de humor tb. Chico, aproveitando o assunto, gostaria de saber de vc. Não ficou guardado gravações da época? Ninguem se preocupou em registrar o trabalho desta turma na época? O Vilibaldo Alves por exemplo, o unico registro dele que tem disponivel é o gol do Joazinho na libertadores. A Itatiaia não tem isto? Não fornece? Muito estranho isto.

  • José Luiz Gontijo disse:

    Fui seu funcionário e convivi algum tempo com Gil, perto de seu final, em sua última tentativa de reerguer a sua Rádio Mineira. Tempos de muita doçura com as pessoas. Não conseguiu, mas sonhou até o último momento. Bravo!