Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

A saída do José Trajano da ESPN e a repercussão entre os colegas da imprensa

josetrajano

O que eu mais gosto do José Trajano é o carinho que ele tem pelo América do Rio e pelas pessoas e coisas simples. As opiniões dele são como de todos nós, jornalistas e radialistas: muita gente concorda, discorda, gosta, não gosta ou tanto faz. O que importa é que é um grande profissional e a saída dele da ESPN, esta semana, repercutiu muito em nosso meio.

Andre Rizek ‏@andrizek fez dois comentários via twitter:

“Não tenho nenhuma intimidade com José Trajano. Só admiração e respeito por um dos maiores de minha época. Que seja (ou continue sendo) feliz

O que o Trajano fez, por tanto tempo, na construção da Espn Brasil é sem dúvida um dos maiores trabalhos da história da imprensa nacional.”

* **

O Igor Assunção ‏@Igortep  da 98FM lembrou um fato importantíssimo sobre ele e de um outro grande companheiro:

“Tudo que eu penso sobre José Trajano fica pequeno perto do que ele fez por um dos meus melhores amigos, o @lbertozzi. Que seja feliz. É isso”.

* * *

O Fernando Rocha, comentou na coluna dele, que circulará amanhã no Diário do Aço, de Ipatinga:

* “O jornalista José Trajano, depois de 21 anos na ESPN/Brasil, que ajudou a fundar, foi demitido na última sexta-feira, por não aceitar as restrições impostas pela direção da emissora, cuja sede fica nos Estados Unidos, com relação às suas posições políticas. Aos poucos, a única emissora entre os canais fechados, com críticos diferenciados, inteligentes, imparciais, mas às vezes  nem tanto, vai caindo na vala comum da imprensa festiva nacional. Lamentável!” 

A coluna completa está aqui:

* “Mudanças na arbitragem”

Finalmente, depois da enxurrada de críticas dos dirigentes, imprensa, torcidas, de norte a sul do país, a CBF resolveu mudar o comando da arbitragem nacional. Mas, e daí? Vai mudar alguma coisa? Vai melhorar? Sei não.

Agora, o “novo” homem forte é um velho conhecido do torcedor paulista, da confiança do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, com quem trabalhou na Federação Paulista, exercendo função parecida por 11 anos, até ser demitido ao escalar um árbitro que estava suspenso.

Muitos problemas aguardam pelo Coronel  Marcos Marinho, como por exemplo este que infelizmente está voltando:  as  reclamações seguidas dos jogadores e técnicos durante as partidas, os cercos para intimidar os árbitros, algo que interrompe e mancha os jogos.

Nossa arbitragem no geral já está ruim há muito tempo,  e continua piorando, a cada ano, mas outro absurdo ainda maior, a falta de critério, se repete a cada rodada, em todas as competições.

A impressão é que cada um, cada juiz, tem um critério particular, diferente uns dos outros, ou mesmo que não tem critério algum, adotando julgamentos diferentes no mesmo jogo.

Marca uma falta aqui, outro ignora a mesma falta ali, assim vai. O nosso árbitro marca ou deixa de marcar conforme sua conveniência ou conforme a conveniência do jogo, dependendo da situação.

O maior exemplo de todos é a marcação, ou não, de faltas e de pênaltis com bola na mão ou mão na bola. Não há crítico, torcedor, que consiga compreender a regra adotada por alguns juízes e não adotada por outros.

Outra aberração  é o comportamento pessoal dos nosso árbitros. Recentemente, o catarinense Héber Roberto Lopes, um dos melhorzinhos que tem por aí,  deu um empurrão em Dudu, do Palmeiras, que não é flor que se cheire.

Antes, o lateral Fágner, do Corinthians, deu uma entrada violentíssima em Éderson, do Flamengo, mas esse mesmo assoprador de apito nem falta marcou e, pior ainda, em julgamento por causa dessa omissão foi absolvido pela Justiça desportiva; como “prêmio” pelo seu gesto incivilizado, Fágner foi convocado por Tite para a seleção brasileira; Éderson continua afastado sem previsão de volta ao futebol.

  • A omissão no combate à violência dentro de campo é a falha mais grave da arbitragem brasileira, sem que a CBF tome qualquer providência. Os árbitros devem ser exatamente os responsáveis pela lisura do jogo, e pelo dever de proteger aqueles que entram em campo para jogar futebol, de outros que entram para matar o jogo, as jogadas e os adversários. A indiferença é, há tempos, a característica da arbitragem brasileira em relação ao jogo sujo. E parece ser esta, também, a característica da CBF, portanto, não acredito que esse Coronel Marinho, com esse currículo,  tenha condições de alterar o atual quadro caótico.
  • Depois de décadas, finalmente surgiu algo de novo na justiça brasileira, alguém com inteligência, coragem, capaz de combater esses marginais que comandam torcidas organizadas. Em São Paulo, o juiz de Direito Ulisses Augusto Pascolati Júnior determinou o bloqueio das contas bancarias de 12 dirigentes da torcida uniformizada do São Paulo, acusados de invadir e saquear recentemente o CT do clube paulista. O que ele fez de diferente, além das medidas já conhecidas previstas no Estatuto do Torcedor, foi mexer no bolso dessa gente, que sobrevive à sombra dos clubes contando com a conivência de dirigentes inescrupulosos. Sem estardalhaço, simples assim.
  • A decisão do América de “vender” o mando de campo de seu jogo contra o líder, Palmeiras, previsto para o próximo domingo, em Londrina, ao invés do Independencia, é um ato de imoralidade contra todos os demais clubes, seus torcedores, mas  sobretudo Flamengo e Atlético, que disputam diretamente com o clube paulista, o título nacional. Muito parecido isso com a política atual, onde os partidos pequenos vendem por muito dinheiro, seu tempo de propaganda na TV para siglas maiores. Mas a CBF, que deveria coibir este abuso, nada faz.
  • O jornalista José Trajano, depois de 21 anos na ESPN/Brasil, que ajudou a fundar, foi demitido na última sexta-feira, por não aceitar as restrições impostas pela direção da emissora, cuja sede fica nos Estados Unidos, com relação às suas posições políticas. Aos poucos, a única emissora entre os canais fechados, com  críticos diferenciados, inteligentes, imparciais mas às vezes  nem tanto,  vai caindo na vala comum da imprensa festiva nacional. Lamentável!

» Comentar

Comentários:
12
  • Marcio disse:

    Não há sinais de que a escalada fascista enfrentará resistências de jornais e jornalistas. Nós últimos dias tivemos:
    · Indiciamento sem provas de Lula.
    · Prisão sem motivos de Guido Mantega.
    · Prisão sem motivos de Antônio Palocci.
    · Novo inquérito contra Lula, para investigar a colocação de uma antena de celular pela Oi, próxima ao sítio em Atibaia que não é do Lula.
    · Decisão do TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4a Região) de consagrar o Estado de Exceção, ou seja, o Juiz Sergio Moro está liberado para fazer o que quiser.
    · Demissão de um professor de direito no Mackenzie, por ter escrito um artigo contra o golpe.
    · Ameaça de demissão aos jornalistas quem insistirem em usar o termo “golpe”, formulada por diretor de redação da revista Época.
    · Demissão de José Trajano, comentarista símbolo da ESPN, por manifestações políticas.

    E a mídia se cala sobre estas arbitrariedades !!!

    Quando os jornais voltarem a publicar receitas culinárias, talvez eles entendam o mau que foi o silencio e conivência com o enredo fascista em curso.

  • Carlos Almeida disse:

    Bom, analisando apenas o Trajano comentarista de mesa, desde o início dos anos 90 no Cartão Verde: arrogante, prepotente, mal educado, sempre com menosprezo ou sarcasmo às opiniões divergentes e pautas (e clubes) que não lhe agradavam.
    Não sentirei saudade nenhuma.

  • Paulo Cesar disse:

    Analisando exclusivamente seu papel à frente das câmeras (não conheço o caráter, não posso julgar), acho, assim como o Leandro, que já vai tarde, também.

    Ético, correto, justo, blá, blá, blá…, tudo até a página quatro. Sou asssinante de TV por assinatura há quase 20 anos. Neste período, vi algumas cenas de bairrismo explícito deste senhor, especialmente quando o assunto envolvia o “eixo”, ou o seu Rio de Janeiro. Quando se falava de Fluminense (sua segunda paixão, após o América do RJ), então… Deixa pra lá…

    Aliás, li pitacos de outros blogueiros sobre a demissão do Trajano, pontuando sobre o jornalismo esportivo de liberdade total no canal durante sua gestão, tendo alguns lamentado a provável perda da “liberdade de expressão da” ESPN). Respeito as opiniões, mas vejo sob outro ângulo:

    1) esta diversidade de opiniões, maior pluralidade, etc, é um fator relativamete novo no canal. Um Léo Bertozzi, um gaúcho, um paranaense… Isto tudo acontece na ESPN de uns dez anos pra cá (ironicamente, coincidindo quase com o periodo que Trajano deixou a direção para ser apenas comentarista). Quem é mais velho vai se lembrar: antes era a patota do RJ (Paulo Stein, o falecido Alberto Leo, Marcio Guedes, Fernando Calazans…) e a patota de SP (Kfouri, Palomino que hoje é diretor, PVC). Diversidade e pluralidade não eram o forte do canal.

    2) apesar de ser um canal gigantesco lá fora, ESPN também não tinha praticamente qualquer conteúdo nacional e/ou sulamericano em termos de futebol na sua grade de canais: nem Brasileiro, Libertadores, Sulamericana, ou regionais. Somente a Copa do Brasil, e os consagrados europeus nacionais e a Champions. Se não tomasse esta postura mais, digamos, editorial sobre o futebol no país (sem conteúdos ao vivo, somente comentando eventos de outros canais), sua audiencia média diminuiria ainda mais.

    Não entro no mérito político da sua demissão, pois não duvido deste tipo de influência no Brasil. Discuto apenas sua relevância para meu entendimento de jornalismo esportivo realmente imparcial. De qualquer forma, que ele seja feliz na sua trajetória, mas para mim, não fará a menor falta.

  • Jean disse:

    Será que tem dedo do Temer aí, como fez com o filme Aquarius?

  • Luis Cláudio disse:

    Um dia eu admirei o Trajano, depois, por seu bairrismo, virou um “mala”.

  • Marcão de Varginha disse:

    Trocaram seis por meia dúzia. A famigerada comissão de arbitragem da não menos famigerada CBF não acatou o pedido que o Galo lá protocolou solicitando mudança de data do embate com o Corinthians, pois, entraria desfalcado no mínimo de 05 atletas que servirão suas seleções nas eliminatórias (Rafael Carioca, Pratto, Casares, Eraso e Otero), mas acatou o mesmo pedido do Palmeiras que protocolou o mesmo pedido alegando que somente Gabriel Jesus não poderia atuar na próxima rodada pois o mesmo estará presente nas eliminatórias… pode isso, Arnaldo? PALHAÇADA!
    – #benecyeternomito

  • J.B.CRUZ disse:

    Desde a época do CARTÃO VERDE na REDE CULTURA (30 anos atrás) eu acompanhava o JOSÉ TRAJANO e seus comentários irreverentes, mas com pitadas de humor e seriedade sobre o futebol da época..Depois que se juntou a JUCA KFOURI, outro que também era fã nas décadas de 70 e 80,mas enveredou também para repórter investigativo; e como José Trajano se meteu na política petista, tornaram-se para mim meros comentaristas esportivos, como muitos que tem por aí..
    —————————————————————————————————————–

    Na minha opinião: Pessoal do Esporte (Rádio,T.V.Internet e Mídias em geral), Jogadores de futebol, .Artistas de T.V. e ”Celebridades” , não deveriam declarar publicamente seus times de futebol e nem seus candidatos a cargos públicos na política…São pessoas formadoras de opinião, que povoam a imaginação do cidadão comum, que os admiram e às vezes se decepcionam vendo seus ídolos, tomarem partido ou lado diferente de suas crenças,opiniões e seus gostos..É O ÔNUS E BÔNUS do SUCESSO..
    É claro que tem exceções( NASCERAM COM A ESTRELA NA TESTA) entre a turma do SUCESSO: àqueles CHICO MAIA, CHICO BUARQUE, JOSÉ DE ABREU, ANASTASIA,MÁRCIO LACERDA), que mesmo a gente sabendo que é adversário em nossas escolhas, ainda assim o admiramos pela seriedade que nos inspira..

    EXEMPLO: Sou CRUZEIRENSE DE NASCENÇA: mas, consigo DISCERNIR,SEPARAR a PAIXÃO e POSIÇÕES PARTICULARES, pela CONFIANÇA, ADMIRAÇÃO pela outra PESSOA, mesmo sendo ADVERSÁRIA na LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA, e NÃO COMUNGANDO com MINHAS POSIÇÕES…
    E meu voto vai: para JOÃO LEITE 45; para Prefeito e ÁLVARO DAMIÃO 40.100; para Vereador: Atleticanos confessos, mas FICHAS LIMPAS na POLÍTICA..

  • Leandro Fábricio disse:

    Ultrapassado, bairrista, ha nem vou perder muito tempo… vai fazer falta nenhuma… pelo menos pra mim

  • Tonho ( Mineiro ) disse:

    Tem gente que ainda vai votar ? pra uma turminha depois decidir que voce esta doido, que voce votou no candidato errado, que o candidato deles e que e o bom !!!!!kkkkkkkkkk vota Brazil voltando a escrever com ” Z “kkkkkkk