Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Alex Silva, ex-zagueiro do Cruzeiro, tenta dar a volta por cima no Jorge Wilstermann, da Bolívia

ALEX

O time dele está em segundo lugar no Grupo 5 da Libertadores e deu um trabalhão danado ao Palmeiras, quarta-feira, em São Paulo, que só venceu no último lance da partida. Alex aprontou muito fora de campo e tenta o recomeço no futebol boliviano. Reportagem do O Estado-CE:

* “Rival do Palmeiras, Alex Silva vira ‘Pirulón’ na Bolívia”

Alex Silva, o “Pirulito”, apareceu no São Paulo em 2006 como um zagueiro promissor. Alto e rápido, era cotado para ser o sucessor de seu irmão, Luisão, na zaga da seleção brasileira.

Ainda jovem, com seus 22 anos, correspondeu às expectativas e foi fundamental nas conquistas do Campeonato Brasileiro de 2006 e 2007 sob o comando de Muricy Ramalho. A boa fase ainda o levou para a Copa América de 2007, onde também foi campeão.

Junto com o sucesso, vieram as noitadas, as bebidas e mulheres. Logo depois, as lesões, que para Alex Silva foram as responsáveis por sua carreira não ter se mantido por mais tempo em alta.

“As pessoas falam muito das coisas fora do campo, e eu não concordo. Qual jogador não gosta do seu pagode, não gosta da sua hora de lazer? O que me prejudicou foram as lesões”, afirmou o zagueiro à reportagem.

Após passar por Flamengo, Cruzeiro, Boa Esporte, São Bernardo, Brasiliense, Rio Claro e Hercílio Luz, ele chegou ao Jorge Wilstermann, da Bolívia, no começo deste ano. Aos 32 anos e agora com o apelido de “Pirulón”, reencontrou o seu antigo rival Palmeiras, nesta quarta-feira (15), pela segunda rodada do Grupo 5 da Libertadores.

Mas para voltar a disputar uma competição de tamanha importância como a Libertadores depois de atuar na segunda divisão do Catarinense, Alex Silva recebeu lições da vida e revelou que o medo da morte o fez mudar.

“Em 2014, passei em uma blitz quando estava voltando de uma festa e tinha bebido. A polícia pediu para eu parar, eu sabia que ia ter bafômetro e acabei fugindo. As viaturas me seguiram e acabei detido”, afirma o jogador.

“Quando entrei no IML para exames, me veio uma coisa no coração. Eu poderia estar ali sem vida. Comecei a lembrar da minha família, dos filhos e vi que eu precisava mudar. Dois meses na igreja e me converti”, lembra.

Amparado pela religião, se diz arrependido por ter “reconhecido” Deus tão tardiamente. Mais focado e determinado, pretende retornar ao futebol brasileiro em breve.

“Acredito que se Deus me colocou aqui [no Jorge Wilstermann], ele tem planos muito maiores para minha vida. Sonhar é de graça, né? Então eu sonho em voltar pra Série A do Brasileiro, jogar em uma grande equipe”, diz.

Antes de realizar o desejo, estuda para se tornar pastor. A sala de sua casa em Cochabamba se transformou em um templo improvisado, frequentado por companheiros de time e amigos próximos.

BEBEDEIRA

Pior que enfrentar a altitude da cidade boliviana, de mais de 2.500 metros, foi encarar o “ranzinza” Muricy Ramalho em um de seus deslizes com a bebida.

Após uma noitada, Pirulito se apresentou para o treino no São Paulo embriagado. Durante a roda de bobinho, os demais jogadores perceberam a alteração do zagueiro e o levaram até o treinador no banco de reservas.

“Ele [Muricy] falou: ‘senta duas cadeiras para lá pra imprensa não ver que eu estou dando dura. Vai lá pro departamento médico, descansa e se amanhã você não correr, não der umas três arrancadas daquelas que você dá, não joga mais comigo’. Cara, eu terminei aquele jogo com um monte de gelo na perna, mas corri e ganhamos (risos)”.

http://www.oestadoce.com.br/esportes/rival-do-palmeiras-alex-silva-vira-pirulon-na-bolivia


» Comentar

Comentários:
1
  • Sérgio Lopes disse:

    Prezados ,
    Acessem : blogdosletradosdesalienados.blogspot,com
    A proposta da Reforma da Previdência pode ser considerada um conjunto de medidas que visam ao desmonte do Estado, em favor do mercado. O desgoverno do presidente Michel Temer pretende destruir o sistema de seguridade social, o que representa a barbárie e a negação do direito previdenciário edificado pela democracia brasileira.
    Sérgio Lopes