Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Muricy Ramalho exalta a competência de Enderson Moreira e do América no acesso à Série A

muricy

Via twitter, elogios de quem conhece bem o futebol brasileiro, um dos maiores vencedores do país: “Enderson Moreira, técnico campeão da Série B com o @americamg, mostrou que com planejamento, respaldo e muito trabalho é possível grandes conquistas (sic). Venceu uma Série B das mais complicadas, que contou com um dos gigantes do fut br. Parabéns Enderson e ao América-MG.”


» Comentar

Comentários:
4
  • Márcio Amorim disse:

    Caro Chico!
    Passada a festa, o que mais tenho ouvido é que o América deve manter esta base para o ano que vem. Para mim, a base é a comissão técnica e uns 6/8 jogadores do grupo. Não se pode enganar na Série A com uns atletas que jogaram (sofrivelmente) a maioria das partidas. Série A não está ao alcance da maioria deles. Fizeram o que podiam no nível deles, que é o nível fraco da B. A Série B, com certeza, ainda será o destino da maioria.

    Não vou me furtar, agora de cabeça fria, depois do acesso, e nem tanto pelo bi-campeonato, de citar nomes, embora muito agradecido a eles. Cumpriram o papel para o qual foram contratados. Só que Série B é coisa do passado para o América, não para eles.

    O maior erro da diretoria em 2016 foi valorizar um grupo campeão mineiro e apostar na maioria. Foi uma fracasso, um vexame. Jogadores como Juninho, Ernandes, Renan Oliveira e Felipe Amorim são limitadíssimos. O Renan conta com um apoio estranho da maioria esmagadora da imprensa mineira: o Juninho, que eu vi dar chutão para o alto com apenas 16 segundos de jogo, tem a igualmente estranha preferência do técnico; o Felipe (Amorim?) entrou também estranhamente, faltando 5/6 minutos para o final, mais os descontos, no jogo contra o Inter, após o América levar o segundo gol em um jogo parelho, disputadíssimo. O estranho é que ele não jogava desde março, amargando reserva. Seria para empatar o jogo? Duvido. De lá para cá, entrou em todos os jogos com a mesma inoperância que lhe é característica.

    Esses que citei, juntando-se a Mike, Lima, Hugo Almeida, Hugo Cabral, Neto Moura e vários outros devem dar espaço para novas contratações. Times da B/C/D não lhes faltarão. A base (a da casa) deve ficar: Messias, Roger, Matheusinho, Zé Ricardo, Christian e os outros que surgirem na próxima Copa São Paulo.

    É assunto que ainda vai render e reconheço que posso estar enganado em relação a alguns que citei. Entretanto, é muito difícil que toda a torcida que perdeu a paciência com quase todos eles, em todos os jogos de que participaram, esteja errada. Isto em um torneio em que alcançamos o objetivo.

    Vamos aguardar…

  • Renato César disse:

    Em 2016, teve 29% de aproveitamento no Brasileirão. Este ano o aproveitamento foi de 64% na série B. Conseguiu montar um time competitivo ao longo da temporada.

    Se o clube não cometer os mesmos erros de sempre, ele pode conseguir uma temporada razoável, levando o Coelho, quem sabe, à uma sulamericana.

    Precisará resistir ao assédio em 2018. Aí poderá ir para clubes grandes em 2019.

  • Rodrigo Carvalho disse:

    Foi competente, sim. Equipe bem armada, coesa, por vezes recuava demais, principalmente no 2o. tempo, mas grandes méritos ao Enderson, aos jogadores., comissão técnica.