Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Alexandre Kalil é o aliado desejado em Minas, destaca O Globo

Ótimo perfil traçado pelo Miguel Caballero, na edição do O Globo de hoje: * “Alexandre Kalil, o ‘outsider’ que joga o jogo da política”

Prefeito zela pela imagem de não político e, com alta aprovação, vira o aliado desejado em Minas

BELO HORIZONTE – O Alexandre Kalil a discursar, de blusa rosa, no palco da Parada Gay de Belo Horizonte em julho é o mesmo que, em outubro, veta nas escolas municipais o debate sobre ideologia de gênero. Para o prefeito, Lula não é perseguido pela Justiça e nem sua condenação gerou comoção popular, mas, contra Aécio Neves, há muito mais provas, “gravação, mala, primo e o escambau”. Na sua visão, a tese petista de que a esquerda governa para os pobres e a direita para os ricos é uma mentira e “a maior merda” do debate político. Mas isso também é culpa da “elite brasileira idiota” que só quer “coleta seletiva, praça limpinha, segurança” e ignora os pobres.

Os acenos ao progressismo e aos conservadores e o falar informal carregado dos tempos de dirigente de futebol compõem o equilibrismo de Alexandre Kalil (PHS) nos altos índices de aprovação como prefeito de Belo HorizonteOutsider bem-sucedido nas eleições de 2016, o ex-presidente do Atlético Mineiro virou aliança disputada e tem sido procurado por presidenciáveis de olho no eleitorado mineiro. Para manter a imagem de alguém “de fora” das disputas partidárias, não deve apoiar ninguém, antecipou, ao receber O GLOBO na última quinta-feira, em seu gabinete. Após um ano de gestão, o discurso de ser diferente dos demais permanece: “Faço política, não politicagem”. Olhando-se de perto a cena belo-horizontina, há controvérsias.

— Prefeito que barganha até poda de árvore com vereador quer dizer que é apolítico? — provoca o vereador Gabriel Azevedo, também do PHS, e que coordenou a campanha de Kalil, mas se distanciou do prefeito.

Se encarnar “o novo” é um ativo eleitoral, Belo Horizonte permite uma amostra do que se pode esperar quando um outsider vira governo. Kalil cumpriu a promessa de não nomear qualquer vereador ou deputado no secretariado. A moeda que lhe garante maioria na Câmara — hoje ao menos 24 dos 41 vereadores são fiéis ao governo — é outra. Os vereadores da base são convidados, por exemplo, a aparecer em lançamento de pequenas obras e inaugurar praças. Quem vota contra o prefeito é retaliado com a proibição até de entrar em eventos como a inauguração do Hospital do Barreiro, o maior da cidade, além de ver obstáculos em qualquer demanda.

— No Brasil, emenda parlamentar é tratada como lepra. Eu acho melhor, porque o dinheiro vai direto para a ponta, e não para a máquina. Não dei cargo, mas vou dar a obra para o vereador atender à a população na região dele. E a situação vai ter vantagem, sim, sobre a oposição. Isso é em todo lugar, é republicano — defende o prefeito. — Aprovei uma reforma administrativa dura, que cortou um monte de cargo. Minha base levou moeda na cabeça, foi xingada na internet. Aí, o cara da oposição quer posar bonito votando contra e depois inaugurar hospital? Só vai comer na festa quem pagou pela empadinha e pela Coca-Cola.

Se a negociação no Legislativo se dá no varejo, no governo os partidos foram contemplados no atacado, diz um ex-aliado.

— A área de finanças está nas mãos de gente do Anastasia, a área social tem três secretários ligados ao PT — conta o vereador Gílson Monteiro (PCdoB), ex-líder do governo Kalil, hoje na oposição.

O prefeito diz que os secretários com ligações partidárias são escolhas suas, como o ex-ministro de Dilma Rousseff Juca Ferreira na pasta de Cultura.

Há, porém, um político privilegiado com o direito de apadrinhar indicados. O presidente do PHS em Minas é Marcelo Aro, deputado federal e diretor de ética da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Em Brasília, notabilizou-se em seu primeiro mandato por integrar a tropa de choque do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, hoje preso.

— Ele fez três indicações, são cargos sem relevância, não secretários. Se fizerem lambança, a culpa é minha. Quanto à amizade com Eduardo Cunha, eu não deixo ninguém escolher meus amigos, e não escolho o amigo de ninguém — desvia-se Kalil. — Mas também eu não apago retrato nenhum do Facebook, não, porque isso é feio. Não é bonito, não.

A provocação é a Luciano Huck, que deletou das redes imagens ao lado de Aécio Neves e cotado para disputar a Presidência, encarnando o papel do novo. O outsider mineiro não vê Huck candidato.

— Combinaram com o povo? Candidatura criada em gabinete é outra coisa. Ele teve um bom começo na pesquisa, mas ainda acho que não sai candidato. Não o conheço, só o vi consertar furreca na televisão, mas vai que ele é muito bom!

Se não conhece Huck, Kalil recebeu, nos últimos meses, outros presidenciáveis, como Lula, Bolsonaro, Ciro Gomes e Álvaro Dias, interessados em costurar eventual apoio.

— Fica um (Lula) falando que é perseguido, outro (Bolsonaro) que gay tem que morrer. Lula não será candidato, e Bolsonaro é muito radical. De resto, é cedo para descartar qualquer um. Para mim, 2018 vai ser bom para deixá-los brigando e eu à distância disso — diz Kalil, descartando ser candidato a governador, embora bem colocado em pesquisas. — Chance zero.

FUTEBOL E POLÍTICA

Afastar-se de brigas não era seu estilo como cartola. Filho de um ex-presidente do Atlético, Kalil comandou o clube por dois mandatos, período do título mais valioso, a Copa Libertadores de 2013. Ele diz que deve “100% ao Galo” a popularidade que lhe deu condições de ser eleito prefeito, mas nega misturar política e futebol.

Ao deixar o clube, em fins de 2014, Kalil fez seu sucessor, Daniel Nepomuceno. Em 2017, o pupilo foi nomeado secretário municipal de Desenvolvimento, acumulando os dois cargos. Ao concluir o mandato no Atlético, há um mês, Nepomuceno cometeu uma gafe que alimentou as críticas ao peso do Galo na prefeitura. Ao responder ao jornal “Hoje Em Dia” se havia sido cansativo presidir o clube, ele disse que iria “pegar 60 dias, sem fazer nada”, e foi acusado de ter se esquecido do emprego público.

Antes do Atlético, Kalil trabalhou na empreiteira da família, a Erkal, e jamais concluiu a faculdade de engenharia. Ele constrói uma imagem híbrida de si mesmo, a do membro da elite com sensibilidade social:

— Nós entregamos à esquerda o direito de achar que só eles ajudam o pobre. Por que não se pode achar que a empresa tem que dar lucro, o lucro dar imposto e o imposto ajudar o pobre? A elite não enxergou que a pobreza precisa do poder público. O rico só quer segurança. Enquanto houver gente vivendo nos subúrbios de Rio, São Paulo e BH como na África, não adianta.

https://oglobo.globo.com/brasil/alexandre-kalil-outsider-que-joga-jogo-da-politica-22363330#ixzz56ASgoipe


Deixe uma resposta para Marcos Cancelar resposta

Comentários:
17
  • José Eduardo Barata disse:

    Para que possam saber : aos 69 anos, preciso estar
    atento e forte , “vendendo almoço pra pagar a janta”.
    Isto posto , conto uma história (ou duas) :
    – início dos anos 70, Minas Gerais parada no tempo ,
    a precisar com urgência de novos horizontes para a
    sua população que carecia de trabalho,de emprego,
    o nosso governador , caladinho , fez as malas e se
    mandou para a Itália , trazendo em sua bagagem ,
    na volta , uma pequena empresa , chamada Fiat e,
    com ela por aqui , centenas de outras a prestar-lhe
    suporte na montagem de veículos ;
    Carteiras assinadas, trabalhadores satisfeitos, uma
    nova era para nosso estado .
    Alguém se lembra de Rondon Pacheco ?
    Alguém exalta Rondon Pacheco ?
    Alguém agradece Rondon Pacheco ?
    – anos 2 mil e tal , um rapaz que trabalha desde os
    14 anos , faz um curso técnico custeado por seus
    próprios recursos , é recomendado para estar em
    uma empresa do ramo , desenvolve seu ofício no
    interior do país a demarcar terras , entende que é
    preciso , aos 22 anos , entrar para a faculdade de
    engenharia civil , desejoso por atingir suas metas,
    e em lá estando , durante todo o curso , trabalha
    como estagiário em empresas de porte, consegue
    se sobressair e , ao término de seu curso , com o
    tão sonhado diploma na mão , já com anos e anos
    de aprendizado, encontra uma cidade, um estado ,
    em colapso , sem nenhuma perspectiva para que
    profissionais qualificados como ele e outros tantos
    venham a exercer sua profissão .
    Nosso estado , nossa cidade , foram “dissolvidos”
    por anos de incompetência e de descaso , sendo
    pilhados por um bando de incapazes nos últimos
    vinte e poucos anos .
    Não , meus caros , pobres ou remediados , o que
    nossa sociedade precisa não é de DISCURSO , o
    que pobres ou remediados precisam é de AÇÃO ,
    precisam que seus governantes tenham a visão de
    um Rondon Pacheco ,que lhes ofereçam o mínimo
    de condições para que possam TRABALHAR com
    DIGNIDADE, com ALTIVEZ, com o RESPEITO que
    todo cidadão merece ter .
    p.s.
    “O socialismo dura até acabar o dinheiro
    dos outros”.
    Margaret Thatcher

    • Tonho ( Mineiro ) disse:

      so estou discordando do que diz respeito a Margareth Thatcher porque seu texto e perfeiro Jose Eduardo Barata.

    • Tonho ( Mineiro ) disse:

      Let the be rich be Richer …… tambem e uma fala de Margareth Thatcher, e hoje a Inglaterra paga um preco caro por isto, 75% dos ingleses nao tem condicoes de comprar casa propia.

      • Alisson Sol disse:

        Morei na Inglaterra, e falo com a autoridade de quem pagou imposto no Reino Unido por 8 anos devido a ter morado 3.5 anos pó lá. Os 75% de Ingleses que não “podem” comprar casa por lá – se é que este número está correto – certamente são do PT de lá!

        Não “podem” comprar casa porque se o fizerem perdem a “Council Housing” que o governo lhes dá. Assim, sobre dinheiro para férias no Mediterrâneo ou no Caribe!
        Nada me deixa mais fora do sério do que a Inglaterra, que é o sonho dos petistas: taxar quem trabalha ao máximo e encher preguiçosos de benefícios. Não é à toa que na renovação do visto de trabalho queriam me dar residência permanente, e daí correndo, mas não sem 5 anos adicionais de impostos sobre ações de premiação por desempenho que recebi enquanto no país e que jamais deixaram os EUA. Ou seja: eu tinha todo o incentivo do mundo para me esforçar pouco enquanto trabalhando no país!

      • José Eduardo Barata disse:

        TONHO ,
        o que o sonho da tal União Européia , ovo de serpente da
        Nova Ordem Mundial , não fez com seus países membros ,
        não é mesmo ?
        O Brexit veio para restaurar as coisas para eles e virá, sem
        dúvida , uma onda saneadora por toda a Europa .

        • Marcos disse:

          Brexit deu prejuízo.
          Só ignorante aprova isso.
          Veja a cotação da libra esterlina antes e depois do Brexit.
          Ficaram 20% mais pobre em apenas 1 dia.

          • José Eduardo Barata disse:

            MARCOS ,
            depois de anos naquela “congregação” os ajustes
            serão demorados , mas pode ter certeza : a tal da
            União Europeia já era .
            A poderosa Alemanha já está à beira do abismo .
            O colapso do sistema é questão de tempo .

  • Tonho ( Mineiro ) disse:

    Este ultimo paragrafo fala tudo e a resposta e simples, porque quando a esquerda usa o dinheiro dos impostos para ajudar os pobres a direita diz que e compra de votos !!
    “Nós entregamos à esquerda o direito de achar que só eles ajudam o pobre. Por que não se pode achar que a empresa tem que dar lucro, o lucro dar imposto e o imposto ajudar o pobre? A elite não enxergou que a pobreza precisa do poder público. O rico só quer segurança. Enquanto houver gente vivendo nos subúrbios de Rio, São Paulo e BH como na África, não adianta.”
    A midia cumpriu bem o papel deles e o Brasileiro acha que ser de esquerda e ser comunista. A direita brasileira vibra com Obana.

  • Rafael disse:

    Tomara que dispense apoio de Aro, assim como já dispensou obde Gabriel Azevedo.

    E que não apoie mesmo nenhum desses candidatos de hoje à presidência. Só espero que não apoie Pimentel a continuar governando MG.

  • jorgemoreira disse:

    Metrokkkkkkkkkkkkkkkkkk esta vergonha de um trem de superficie,,este sim é a maior vergonha pra então terceira capital deste lugar chamado de brasil, esta cbtu é uma vergonha basta dizer que o tal ziza valadares foi diretor da cbtu e pasmem srs viajava pro rj na segunda e voltava na quinta feira sabem o que este cidadão fez pelo trem metropolitano nadaaaaaaaaaaaaa

    • Marcos disse:

      E o f…. disso tudo é que o seu Ziza é mineiro de nascimento e ainda assim o metrô belorizontino não foi pra frente. E na presiddência do Atlético, deixou o clube em situação de falência. O Atlético só não caiu pra segundona de novo pq o seu Kalil não deixou.
      Se antes sonhávamos com a expansão desse meio de transporte, agora sonhamos pra mantê-lo funcionando. O povo mineiro e seus governantes são acomodados, essa é uma verdade que dói. E um dos preços a serem pagos por esse comodismo é o risco é de ver BH sem esse meio de transporte de massa. Se esse metrô parar, não volta a funcionar nunca mais. Daqui a pouco BRs como 381 e 040 voltam a ser de chão. E o anel rodoviário será de pista simples.
      Que o sr Alexandre Kalil possa evitar que o metrô de BH não tenha o mesmo fim pelo qual o próprio Atlético quase teve em 2008.

  • Marcos disse:

    Agora todos esperam um posicionamento do ex-presidente do Atlético-MG e atual prefeito de Belo Horizonte sobre a notícia publicada no jornal O Tempo de 04/02/2018, que alerta sobre um eventual fechamento do metrô da cidade, em junho, em virtude da crise financeira recente.A CBTU dá sinais de que não consegue manter esse metrô, que há anos não recebe melhorias para o sistema atual e muito menos expansão.
    Bom lembrar que quanto Minas quanto BH seguem defasados desde os tempos do governo Lula. Qualquer grande obra aqui é travada por interesses, uma dificuldade que não se vê em estados como SP, RJ, estados do sul e até do Nordeste. Se antes Minas não ia pra frente, agora deverá caminhar, só que dessa vez pra trás, bem pra trás….

    • jorgemoreira disse:

      Cobrar do Kalil sim, mas pra que servem os srs deputados federais e estaduais? a que presta o governador que é amiguinho da ex presidente? de que adianta ser amigo e do mesmo partido do dono do partido vermelho se nestes anos não se fez p…nenhuma pro estado hem, agora cobrar só do Kalil, o que foi que o Marcio fez como prefeito desculpe não fez absolutamente nada, existe aqui mesmo em BH um ex senador que com os seus amigos monopolizaram o transporte coletivo, eles dividiram o bolo entre eles e com apoio de alguns deputados impediram a criação de alternativas de transporte publico para que o BOLO eles cartelizasem o transporte publico, inclusive com apoio do ex presidente da cbtu que morando em BH de dava ao luxo de viajar ao RJ na segunda a tarde e voltava na quinta é complicado mas os menos favorecidos tem que lutar peslo transporte digno a que pagam passagens caras e em troca não recebem nada

      • Marcos disse:

        Kalil talvez faça a parte dele mas o problema é que políticos de Minas além de serem tão corruptos como os seus colegas de profissão são preguiçosos também. Grandes obras, que seriam prioridades em qualquer outro lugar do mundo, aqui sequer são colocadas no papel. Devido à má vontade dos políticos daqui nosso estado está na série B do Brasil(e se brincar poderá rolar até série C!).
        Já imaginou se essa mediocridade que impera na política do nosso estado também pegasse no futebol? Nem times na série A teríamos. E no máximo, dois títulos nacionais ganhos nos longíquos 1966 e 1971.

      • José Eduardo Barata disse:

        JORGE MOREIRA ,
        Aécio , Pimentel e seus parceiros acabaram com a
        nossa capital e com nosso estado .
        Situação de calamidade pública , é o que temos .
        Quanto ao Márcio Lacerda, um fantoche , um poste
        colocado na prefeitura pelos dois procurados pela
        Justiça , para que pudessem continuar com todo o
        aparelhamento montado nos diversos setores de
        nossa cidade,coisa que vem de vinte anos ou mais.
        mais .
        Kalil vai precisar aí de uns oito anos para “limpar”
        a sujeira da administração municipal .
        Isso , se deixarem , pois a turma joga pesado .

  • tom vital disse:

    Acho e espero não está errado.O Alexandre Kalil,é o nosso Zeca Pagodinho da política.