Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Vale a pena ler de novo: O VAR, o efeito “manada dominante” e a omissão de setores importantes da imprensa nacional

Postagem direto de Moscou, no dia 13 de julho de 2018 às 07:48

***

Polêmicas da arbitragem nunca vão acabar no futebol. Nesta foto do Globoesporte.com, o argentino Nestor Pitana, que apitará a final da Copa. Em 2013 ele expulsou Richarlyson no primeiro jogo da final da Libertadores, em Assunção, aos 44 do segundo tempo. Depois disso o Olímpia fez 2 a 0, o que fez muita gente pensar que o título estava perdido.

***

Meus prezados e prezadas do blog, convido a vocês a uma discussão importante e gostaria de saber o que pensam sobre a bola da vez do futebol mundial: o Árbitro de Vídeo, que foi destaque da Copa da Rússia, tanto quanto os jogadores que mais sobressaíram, as ótimas seleções semifinalistas e o retorno da Inglaterra à prateleira de cima do futebol mundial.

Parece que veio pra ficar. Demorei pra concluir o que penso, exatamente para avaliar prós e contras, depois de uma experiência prática da novidade, consistente, como foi na Copa. Estou há décadas no futebol, como profissional da comunicação, que tem a obrigação de prestar muita atenção em tudo que envolve o mundo da bola. Conclui que, da forma que está implementado, o VAR é apenas mais um mecanismo propício à fabricação de resultados de acordo com os interesses dos eventuais donos do poder, do tal “sistema”. VAR para julgar “interpretação” é o fim da picada. Fosse apenas para esclarecer dúvidas visuais, claras, vá lá, mas dessa forma, resultados de jogos continuarão a ser decididos de forma estranha, muitas vezes em gabinetes e subterrâneos do futebol.

Um dos mais brilhantes advogados do país, Lásaro Cândido da Cunha, mineiro de Patos de Minas, escreveu um artigo no dia três de julho, que vale a pena ser lido. Ajudou-me na minha conclusão sobre o assunto:

* A instantaneidade das comunicações e os reflexos nos debates nacionais no Brasil atual

Por Lásaro Cândido da Cunha

A expansão do sistema de comunicação dos dias atuais, incrementado pela penetração das redes sociais, têm provocado efeitos diretos na atuação nos programas de debates televisivos e radiofônicos, fenômeno que ocorre inclusive em decisões até do Supremo Tribunal Federal – STF.

Com raras exceções, programas jornalísticos de opinião e esportivos, passam a trilhar consensos em interpretações pré-constituídas e acríticas relativamente a aspectos factuais do futebol, da política e até em julgamentos realizados pela Suprema Corte do país.

Nesse cenário, se o time ganha (apenas num exemplo básico), a regra universal é dar eloquência aos esquemas táticos, estratégias e destaque aos jogadores, num efeito manada dominante e arrasador.

Nesses ingredientes, novidades que transformam o torcedor num pretenso detentor do controle do espetáculo, como o VAR, por exemplo, ganha ares de supremacia incontestável, devendo por essa razão ser replicado localmente e de imediato em todos os campeonatos, sendo “irrelevantes” os procedimentos e custos dessa implantação.

Essa voz acrítica não considera que o VAR adotado na Copa do mundo tenha utilizado de pelo menos cinco árbitros para cada partida, além dos assistentes técnicos. Além valer-se de infraestrutura dos padrões impostos para a competição global.

Pouco importa para os formadores em massa da onda de utilização imediata do VAR os custos, quem os assume, os protocolos pertinentes e os modelos de transparência que seriam adequados para o funcionamento da nova tecnologia.

Não ocorrem a essa massa de apoio da nova tecnologia o fato de ser controlado por pessoas não identificadas pelos clubes ou pelo grande público, além dos clubes não terem acesso aos registros dos diálogos para eventual impugnação dos procedimentos.

Tudo isso, sem contar que diversas praças da prática do futebol no Brasil teriam que ser adaptadas para a operação do sistema, elevando assim os custos atuais das partidas de futebol, agregando assim custo para rateio e potencial elevação dos valores dos ingressos, já muito caros para o padrão da economia brasileira.

Todavia, como houve pré-julgamento favorável da maioria pelo uso acrítico da nova tecnologia, principalmente nas redes sociais, então a imprensa em geral, especialmente rádio e TV, sequer ousa lançar luz ou questionar essa “unanimidade”.

Aliás, esse mesmo fenômeno de assumir posição midiática para “atender” aos anseios “populares”, já fez “escola”, chegando inclusive em julgamentos do STF, transmitidos pela TV.

Nesses julgamentos, não tem sido incomum ministros “fundamentarem” seus votos em conceitos abstratos, com utilização de “decisões-espetáculo”, fazendo alusões a justiçamentos e palavras de ordem, em linguagem deliberadamente direcionada ao grande público, que via de regra não tem conhecimento dos pressupostos e das consequências que daí emergem em efeito cadeia em todos os tribunais e juízes pelo país.

Com efeito, em julgamentos televisionados do STF, são comuns ministros promoverem arroubos de eloquência retórica em defesa de “valores coletivos”, chegando inclusive a afrontar direitos e garantias fundamentais, surfando especialmente na onda de um direito penal cada vez mais agressivo, mesmo sabendo que essa fúria punitivista, via de regra, tem potencial para inevitavelmente alcançar as populações mais pobres e vulneráveis da sociedade.

Não é sem razão que o Brasil já ocupa a 3ª população carcerária no mundo, já composta especialmente por excluídos do sistema econômico e social. Sem contar que mais de 40% dos presos estão recolhidos provisoriamente (sem condenação final), além da maioria dessas prisões serem equiparadas a masmorras da Idade Média.

De todo esse momento histórico brasileiro, a mídia impressa ainda ocupa importante papel social de reflexão, escapando um pouco desses “consensos” midiáticos produzidos por essas novas ondas, obtidos especialmente em redes sociais que retroalimentam os atores de debates jornalísticos e desportivos, refletindo incrivelmente até em julgamentos do STF.

Por Lásaro Cândido da Cunha

***

Vale lembrar que atualmente o Lásaro é vice-presidente do Atlético. Foi ele que, na “Era Alexandre Kalil” (junto com outros grandes advogados), tirou o Atlético do atoleiro jurídico no qual o clube vivia historicamente.

http://blog.chicomaia.com.br/2018/07/13/o-var-o-efeito-manada-dominante-e-a-omissao-de-setores-importantes-da-imprensa-nacional/


Deixe uma resposta para Marcão de Varginha Cancelar resposta

Comentários:
43
  • Guilherme Gonçalves Costa disse:

    Estou preparando a minha risada mais diabólica para quarta feira, e depois para a outra quarta…. Hahahahahaha

  • Raul Otávio da Silva Pereira disse:

    Apenas quatro rápidas observações:

    1 – Perder para o Boca por 2×0 não é um resultado absurdo. O Cruzeiro jogou mal – os cruzamentos, os cruzamentos; Yustrich deve ter se revirado no túmulo – e não merecia nem um empate. Mas a “atuação” do juiz foi fundamental no resultado; provavelmente o time ia perder “só” de 1×0, resultado que em um mata-mata é muito menos pior que o 2×0. Dificílimo mas não impossível de reverter no Mineirão; os velhinhos vão ter que dar um sanguinho a mais; é prá isso que o Mano os está economizando no Brasileirão.

    2 – Já chamei a atenção aqui, durante a Copa, para a falta de critérios para se usar o VAR. Quem aciona o procedimento ? O juiz, a turma que fica na sala ou os capitães dos times ? Quais são as premissas para que o VAR seja acionado ? Por qual motivo nesse jogo com o Boca o sistema não foi usado para ver se a bola chutada pelo Rafinha entrou ou não ? (Acho que não entrou, mas foi um lance difícil em um jogo importante; merecia ter sido analisado).

    3 – Não sabia que o VAR vinha junto com um equipamento de tomografia. O que o juiz fez foi analisar o cérebro do Dedé para ver se ele tinha a intenção ou não de machucar o goleiro. Francamente…como diz um amigo, “vivo e não vejo tudo”.

    4 – Os mineiretas (mineiristas cornetas) não têm jeito mesmo. Em vez de ir dormir, estudar, ficar com a família ou sair com a namorada, ficam assistindo ao jogo do Cruzeirão Cabuloso até meia noite para depois cornetar. O pior é que ainda gastam energia elétrica, pois os secadores ficam a todo vapor…kkkkk

    Segue o jogo. Ainda estamos vivos na Libertadores. Na UTI, mas vivos.

  • Carlos Henrique disse:

    Pode o Cruzeiro classificar, pode!
    é futebol. mas é dificil. o Boca é cascudo,
    queridinho da Comebol.
    e argentino contra barsileiro ainda com vantagem
    é aquilo.
    A catimba que vai irritar o adversario.
    jogador caindo, goleiro retendo a bola.
    dando porrada sem a bola
    e se for um juiz de esquema ja era.
    Quanto ao Atletico, Ricardo Oliveira
    tem mais 2 anos de contrato.
    tem jogo que nem pega na bola.
    Thiago Larghi mexe tanto
    que poderia colocar Denilson
    faltando uns 20 min
    para ganhar ritimo
    quem sabe
    eu que critiquei a contrataçao
    mas em futebol as coisas mudam.
    o jogador tem somente 21 anos.
    quem sabe a bola começa a entrar com ele.
    vai saber
    suas passagens por outros clubes
    nao foram boas
    mas futebol, você exemplos
    ao longo de varios campeonatos.
    jogador mal em um time
    e protagonista em outro.
    Nao contrataria Denilson.
    Mas queria ver jogando, para avaliar
    seu futebol.
    vai que da certo.
    coloca ele Thiago Larghi
    quero ver o reserva do Pastor Atuando.

  • Guilherme Gonçalves Costa disse:

    Apenas para esclarecer: Olímpia é tricampeão da Libertadores. Contra o Galo ele lutou pelo quarto título.

  • Alisson Sol disse:

    Interessante ver gente tentando justificar o cartão vermelho para o Dedé. Tem até quem esteja fazendo aquilo que eu diria ser humorístico: estão confundindo o Dedé com o Dadá!
    Sim, porque Dadá e helicópteros podem “parar no ar”, não Dedé! Tem gente que parece não ter visto o lance, achando que Dedé tinha de “parar no ar” e evitar atingir o goleiro. Aliás, numa excelente defesa, pois o goleiro soca a bola que, do contrário, Dedé teria cabeçeado muito bem.

    Um painel de árbitros argentino tem a opinião de que o vermelho foi mal aplicado (link). E até a Conmebol admite preocupação com a arbitragem do jogo (link). Como todo unanimidade é burra, é ótimo ver gente da “realidade alternativa” pensando diferente…

  • Robinho Ferreira disse:

    Torcedores de certos times dizendo que a expulsão do Dedé foi justa.
    Esses caras, das duas, uma: ou tem transtorno mental, ou tem desvio de caráter. tem alguns fatos que não existe opinião diferente ou interpretação gente,as imagens não deixam duvida alguma,o torcedor rival que chega e fala que nao foi nada mas que esta pouco se importando porque é o rival eu entendo na boa,nós torcedores não queremos que nosso rival ganhe campeonato mesmo não,mas do jeito que tem alguns levando isso ………….

  • Robinho Ferreira disse:

    Os antis falam que a libertadores esta “fácil” sendo que todos os veículos de comunicação fala que é uma das mais difícil de todas,liberta difícil é contra Tihuana,News,Olimpia etc! quando a galera rosa começa a passar recibo nada supera!

    • Carlos Henrique disse:

      Amigo cada campeonato é uma historia.
      cada jogo é diferente.
      O corinthians ja foi garfado pelo boca.
      Aquele campeonato da libertadores
      o Atletico sobrou
      um time com o Bruxo e Tardelli
      nao tinha como perder

    • Lobato disse:

      Once Caldas q o diga!!!

    • Marcão de Varginha disse:

      Há campeonatos e campeonatos.. Libertadores realmente é difícil, mas vencê-la em cima de Cristal da vida, que nem é tradicional em sua origem, aí é abismal, única, um sacrilégio!
      – E classificar-se na bacia das almas tbém é algo parecido, surreal…
      – E diga-se de passagem o tradicionalíssimo Olimpía é o “Rei das Copas”, camarada! E preto e branco…
      -#benecyeternomito

    • Silvio T disse:

      Difícil, difícil mesmo é uma final contra o Sporting Cristal, tricampeão da Libertadores como o Olimpia…

  • Pedro Vítor disse:

    Vamos falar do Atlético, porque é quem mais interessa ao povo de bem de Minas Gerais!

    No clássico, o time jogou pro gasto, não foi bem, achei que aquele contra-ataque do Cazares e Chará, era pra ter matado o jogo, infelizmente o Cazares errou a finalização, e o Chará meio que atrapalhou a jogada, com um passe que a bola deu uma espirrada, e facilitou ao goleiro e a defesa do goleiro, se ele domina a bola e faz o passe, o goleiro teria uma reação de esperar, ou se o passe vem redondinha, mas bola pra frente.

    As substituições não surtiram o efeito, mas deveria o Larghi ter dado sequencia no Tomás, principalmente por que vinha de boa sequencia, o Terrans por outro lado, não fez um bom jogo ate agora, com todo respeito ao profissinal e seu esforço pra querer jogar bem.

    Acredito que contra o Flamengo, o mesmo time do clássico, com mais pegada no meio de campo e com mais velocidade pra tocar a bola, e da forma como o Flamengo joga, da mais liberdade ao adversário, pois o time do Mano é difícil jogar contra, pois ele não deixa o adversário jogar, e sempre tenta vencer por uma bola, então fica um jogo muito perigoso pra quem tem a responsabilidade de vencer a partida.

    É como eu havia dito, que o elenco do Cruzeiro foi melhor montado que o Atlético, acho que isso ficou visível no clássico, além do tempo de trabalho a longo prazo.

  • Alexandre Magno disse:

    Acho curioso irem a sede da conmebol protestar contra arbitragem levando uma pessoa que confessou ter comprado um arbitro.
    Espero que a fratura sofrida pelo goleiro sirva de exemplo para jogadores pararem de se atirarem na bola sem pensar nas consequências, em alguns lances os jogadores pulam apenas para atingirem o adversário, pois sabem que não chegarão na bola.

  • Pedro Vítor disse:

    Perfeita foi a indagação do Maurício de Souza, aí fica claro, o que pode e não pode!

    Agora pode reclamar? É assim que os cruzeirenses vêem as coisas, o certo é de acordo com que eles julgam serem ser o “certo”, e o errado, é quando o certo da errado.

    No lance do Fábio, não houve nada, mas juiz deu a falta, “parabens seu juiz”

    Do goleiro do Boca, não houve nada, juiz deu a falta, “roubo do juiz”

    Em São Paulo, o Mano achou o gol no início do jogo, controlou bem as ações do Palmeiras, ate bola do Egídio o Fábio pegou, falhou no último lance do jogo.

    Goleiro tem dessas coisas, as vezes franga um lance e salva todas, as vezes salva todas e falha um lance!

    Na argentina o Mano não jogou tão bem perdeu, e a culpa é do juiz!

  • Nivaldo Santos disse:

    Mano detona arbitragem… Eles podem falar o que quiserem, são imunes devido a extensão da imunidade dos senadores. Gente Dedé não alcançaria a bola mais, ele protege seu rosto colocando sua cabeça e o lance é interpretativo sim. Outra coisa, quando o lance aconteceu, o CruCru já perdia de 1 x 0, depois levaram um gol numa trapalhada de atletas azulinos da defesa. A derrota já era esperada a qualquer momento, peguem os resultados das últimas 20 partidas azulinas e verão que o time vem capengando a muito tempo, inclusive nos mata matas. Raríssimas oportunidades contra o Boca e só joga defendendo, matando jogadas e esperando por uma bola no ataque. Não justifica dizer que o placar foi por causa da expulsão do Dedé. Estão fazendo estardalhaço para ocultar um fracasso previsível. As tragédias lá são maiores, porque torcida, diretoria e imprensa, numa propaganda enganosa, colocam um time ruim lá nas alturas.

  • Márcio Luiz disse:

    Quer saber de uma coisa, Chico.
    Vou repetir o que você dizia ao Flávio Carvalho em tempos idos:

    “vou guardar minha BOCA pra comer minha farinha”.

    Quá quá quá!!!

  • Renan Rodrigues disse:

    O Itair disse que tem esquema pro Boca ser campeão… Por muito menos já vi Kalil ser suspenso por 60 dias e dois atletas do Galo foram suspensos por criticar a cbf, o Itair tem que ser suspenso também. Pior de tudo foi ver Itair pedindo lisura à Conmebol, minha Tv espatifou no chão.

  • Fausto disse:

    melhor do dia: TUDO QUE VAR, VORTA….. semana passada anularam um gol legitimo do PARMERAS, alegando falta no Fábio(de costas), e nem precisaram do VAR… agora…..mimimimimimimimimimi……..

  • Renato César disse:

    Não estou entendendo a choradeira celeste. A foto do outro post mostra claramente que o Dedé cabeceou o queixo do goleiro quando este já havia socado a bola para longe. Zagueiro celeste colocou em risco a integridade física do goleiro adversário. Juiz, entendendo assim, aplicou o cartão vermelho conforme a regra.

    Se entenderem de forma diferente, devolvam a vaga da Copa do Brasil para o Santos, que já anularia o empate com o Palmeiras, além do Campeonato Mineiro para o Galo. Isto, falando só de alguns jogos deste ano.

    Aí será possível levar a conversa do nível da interpretação para a intenção.

    De toda forma, buscar 2×0 contra time argentino é normal (Galo fez isto em 2013). Ainda mais um fraco Boca Juniors que usa só um “nome” para se sustentar. Basta fazer o feijão-com-arroz em casa que 3×0 virão com naturalidade. Libertadores deste ano está relativamente fácil.

    • Júlio Ávila disse:

      Eu to meio parado de comentar no blog.mas quando vejo esses tipos de comentários vejo o porque de tanto sofrimento atleticano,a dor de cotovelo é tão grande que os caras perdem a racionalidade.sobre o Dedé não compensa discutir, diminuir o time do boca chega a ser engraçado. E mais engraçado é ver que alguns participantes tentam seguir uma linha de postura que nao condiz com seus comentários.o famoso lobo em pele de cordeiro. Pronto falei.

  • Guilherme Gonçalves Costa disse:

    O goleiro Andrada vai ficar 2 meses sem poder exercer a profissão por causa de uma entrada totalmente irresponsável do Dedé e tem gente que acha que a expulsão não foi justa. O cara fraturou o maxilar do colega de serviço e agora é um santinho. Ah, fala sério! Quando um jogador toca a mão na bola, mesmo que involuntariamente, o pênalti é marcado na maioria das vezes. Porque o sujeito não pode ser expulso depois da cretinice que fez com o adversário?? Jogador de futebol profissional não pode ser imprudente assim. Expulsão merecida. Parabéns ao árbitro. Justiça feita. Chapecoense, Santos e Palmeiras, todos prejudicados em jogos contra o Cruzeiro devem estar se sentindo vingados. CONMEBOL não é frouxa como a CBF.

  • Julio Cesar disse:

    O vice la agora fala em “roubo”. Vi os lances do jogo e Pirangi teve uma bola em que o argentino salvou. Em nenhum momento mereceu vencer. Pressão o tempo todo do Boca que não infiltrava, so chutava de fora da area e uma delas foi na trave. Ate o gol que foi uma infiltração esperta do lateral. Tivesse essa jogada com principal opção faria mais gols. Como assim roubo ? Penalidade mal marcada? Gol com jogador em situação de impedimento ? Gols foram com a mão ? Ta querendo criar clima de “extrema injustiça” e levar pro jogo da volta. Ora, vai pentear macaco !

  • Clóvis Mineiro disse:

    Torcedor é igual milho pipoca, vive pulando daqui e dali, mas sempre na defesa de seu símbolo. Semana passada o torcedor azulino estava satisfeito pelo árbitro não usar o VAR e comprovar que não houve falta no Fábio; agora está insatisfeito pelo uso do VAR na expulsão do Dedé, que foi no mínimo imprudente. Benecy, Benecy, onde estava tu que abandonaste seu “filho pródigo? Acho que o Marcão sequestrou o Benecy e o enviou a Marte. Rsrsrsrsrs!

  • ELY disse:

    total imprudencia do Dedê, onde ele foi disputar bola ali? passou por cima de um zagueiro e atingiu o goleiro que tinha tirado a bola e fraturou a mandibula do goleiro. Esses lances geralmente são adotados como expulsão, mas com o uso do var o juiz interpretou que foi uma cabeçada no goleiro. Achei justa a expulsão.

  • Antonio da Silva disse:

    O Dr. Lásaro Cândido concedeu essa entrevista, porque faz parte do staff de um dos clubes mais prejudicados da história. Triste é ver quem mais foi beneficiado e quem faz parte do grupinho amigo da cúpula chorar por um erro, que todos sabíamos que ia acontecer. Na Copa o VAR foi muito bem empregado com poucas distorções, mas no Brasil e na Conmebol isso já era esperado. Só que o crucru foi a bola da vez após classificações duvidosas na CB. Pena que só nós somos chorões!

  • J.B.CRUZ disse:

    CARO CHICO MAIA|:
    Excelente Artigo e Sábias Explanações do Sr: Lásaro Cândido da Cunha…
    Em Minha Humilde Opinião com a ‘chegada’ da GLOBALIZAÇÃO no Final do Século XX (1.997-98): a avançada das Esquerdas no Mundo Politico, o Século XXI e o Terceiro Milênio Regrediu muito as Relações Humanas…Com a Criação de Muitos Órgãos de Proteção disso ou daquilo, essa Ideologia esquerdista: Canhestra, Covarde e Pusilâme , cuidou de se blindar e a seus capachos, parentes e amigos oferecendo-lhes cargos altamente remunerados, criando Leis inúteis, fúteis que geram multas,proibições e punições pecuniárias para cobrir seus salários e uma vida de NABABOS…
    FALTA-NOS LIDERANÇAS POLÍTICAS, EMPRESARIAIS E ATÉ SINDICAIS COM CAPACIDADEPARA DESPERTAR O PAÍS PARA SEUS PROBLEMAS REAIS………..

  • José Eduardo Barata disse:

    VAR ?
    Apenas mais um instrumento inútil
    para encarecer ainda mais o futebol .
    Ou vai se pensar que não exista quem
    lucre com essa “merreca” ?
    Impressionante como querem fazer o
    futebol ter uma nova LEITURA , termo
    tão ao gosto dos globalistas !!!

    • Alisson Sol disse:

      José Eduardo Barata,

      Vale a pena ler o que escrevemos à época (link). Veja que, mais importante que o erro do juiz, algo que os cruzeirenses já “colocaram no passado”, é o problema dos “6 minutos extras”. Eu me preocupei mais com o Cruzeiro jogando com 10 por mais tempo do que com o erro da expulsão em si.

      O Olé resumiu bem, em uma das mais de 6 reportagens que fez sobre a expulsão, o que realmente aconteceu: “La expulsión fue una burrada“. Agora, que ninguém pense que isto é questão de solidariedade ao futebol: estão simplesmente legislando em causa própria, pois sabem que os argentinos tem muito mais tradição de “tirar sangue do adversário”. A continuar este negócio de “rever no VAR lance em que alguém sangra”, cada jogo na argentina vai ter mais de 10 minutos extras!

  • Thales Rosa disse:

    VAR nao resolver problema de carater e nem de cara de Pau..
    Tirando o Roubo o Cruzeiro perdeu 2 gols feitos com TNeves e Rafinha.. poderia ter sido 2×2… e fora estas duas chances o ataque ontem nao existiu. Arrascaeta fez falta demais.
    Ledo engano imaginar que o Cruzeiro chegaria na Bombonera e ganharia facilmente, é jogo de gigantes do Continente o placar foi normal. Duas bobeiras dois gols do Boca, ja no Cruzeiro nao aproveitou as 2 bobeiras do boca.
    Eu focaria agora nestes 2 jogos do Brasileiro e na semifinal da Copa do Brasil ate o jogo com o boca, da pra ir atras do Brasileiro ainda… temos elenco o time titular no Brasil nao perde para ninguem…
    Nao tem nada perdido na libertadores mas sera dificil demais ainda mais com a conmembol contra qualquer brasileiro…
    é duro.

    • Carlos Henrique disse:

      Amigo a verdade é que seu time
      quer é a Copa do Brasil
      se você ver a declaraçao do Itair
      sobre dividas da Fifa
      vai ver que o que o Cruzeiro quer
      é a copa do Brasil
      sao 50 milhoes meu caro.

    • Marcão de Varginha disse:

      Pinkinho, como ousa afirmar que o radicado celeste mutante é um clube (sic) “brasileiro”? em matéria anterior uma “testemunha” ofendeu ao grande Verdão chamando-o de “irmão”, e agora vc vem com essa!? pesquise e verá que seu time é multi-nome, multi-cor, multi-arbitragens…
      – #benecyeternomito

    • Lobato disse:

      Em qual mundo vc vive??

      A Historia dos 3 patetas não tem fim!!!

  • Mauricio Souza disse:

    Luiz ibirite

    13 de setembro de 2018 às 00:34

    Duas coisas, o lateral direito parece menino q começou a jogar agora, com toda sua experiência no futebol me vai xingar o juiz (notem a expressão do dede assim q o árbitro aplica o vermelho) mesmo q o juiz tenha deixado o Dudu cair umas 3 ou 4 x simulando uma falta é reclamando o jog inteiro.
    Outro detalhe é q o Dracena vai com a asa aberta e no alto desloca o Fábio, a bola está praticamente com as mãos na bola, neste exato momento à espn (linha de passe afirma q foi falta) já uns 10 min atrás o sportv foi unânime em dizer q não foi, vai pano pra manga aí!

    E agora como interpretar este lance, o goleiro já tinha dado o soco na bola e o Dedé deu uma cabeçada nele, será que não foi falta?

    • ELY GONCALVES BORGES disse:

      achei falta e grave, pois a bolha não estava mais em disputa e foi uma cabeçada violenta que fraturou a mandibula do goleiro, nesse tipo de lance os juizes não costumam expulsar, mas revendo o lance ele percebeu a violência e que a bola não era objeto de disputta e pra mim teve uma atitude justa. Expulsão correta, os cruzeirenses vao reclamar, mas fosse o contrario estariam aqui aplaudindo o juiz.

    • Luiz ibirite disse:

      Fala Maurício, os lances foram interpretativos, concordamos? Porém são diferentes, acho eu q o lance do dede não era pra expulsar, foi acidente de jogo, está inclusive com o braço bem junto ao corpo ( diferente ao Dracena q já sobe com o braço aberto) eu só estou sem entender a expulsão! Com o auxílio da tv então fica mais difícil entender a decisão da arbitragem, imagina se não tem o VAR e o árbitro decide na hora e expulsa, talvez ele pela gravidade da lesão provocada no choque iria ser induzido ao erro e nós estaríamos aqui pensando se ele pudesse rever a imagem talvez iria ver q estava cometendo um equívoco, mas foi justamente ao contrário, na hora não tomou atitude nenhuma, e depois “foi orientado” a rever a jogada e expulsou! E reitero q o time jogou muito mal e o mano é muito bom treinador mas demorou d mais a mexer no time ontem!
      Abraços!

      • Mauricio Souza disse:

        Luiz Ibirité, mas o lance é interpretativo, mas o Dedé deu foi cabeçada e não abriu as asas.
        Um abração

        • Luiz ibirite disse:

          Maurício, q situação mais pragmática ne não? É um lance difícil, pq se compararmos com um carrinho onde vc visa a bola e geralmente que está de posse dela acaba sendo mais rápido e leva uma pancada o resultado é a expulsão para aquele q corre o risco de cometer tal infração pq criou uma jogada temerária certo? Mas acho o lance diferente, o zagueiro do Cruzeiro é muito bom em bolas aéreas, salvo engano o dede cabeceia a bola bem próxima da linha da pequena área, na disputa da bola haviam 4 ou 5 jogadores, lance difícil mesmo, mas na minha opinião o dede a todo momento visou a bola o choque foi acidente de jogo, pra mim uma interpretação equivocada!
          Abraços!

  • Mauricio Souza disse:

    Pau que bate em palestra paulista, bate em palestra mineiro. Fico aqui pensando, qual lance merece mais expulsão, este do Dedé ou o do Reinaldo em 1981

  • Carlos Henrique disse:

    Desculpem os amigos atleticanos, Dedé para min
    é o melhor zagueiro do BrASIL, JOGA MUITO
    FOI CABECEAR A BOLA e o juiz interpretou errado,
    mas o melhor de tudo foi ver a posiçao
    do Alexandre Kalil no superesportes.
    Kalil é homem serio, fala a verdade.
    nosso eterno presidente
    conhecedor profundo de futebol.
    se votasse em B.h. faria campanha
    de graça pra ele.
    vou votar no Ciro Gomes e talvez at
    e no seu candidato ao senado.
    Esse cara deveria ser era governador de minas.
    mas seria eu e tantos outros atleticanos
    feliz se ele voltasse ao Atletico.
    tomara que enjoe da politica.
    Ja pensou o Atletico com seu proprio estadio.
    e com um gestor desses de novo
    no comando do Atletico.
    mas isso nao deve acontecer
    ele tem palavra
    mas poderia voltar sim depois do mandato
    como vice de futebol
    com carta branca, ja que nao quer ser presidente.
    vida longa ao Kalil
    ele e seu pai, foram os que montaram
    os melhores times do Atletico.
    so que acho o de 1980 mrlhor.
    e o dele foi campeao da libertadores
    para min so o Ronaldinho e Tardelhi
    entrariam naquele time de 1980
    e logico o Victor tambem.