Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

A carruagem pode estar virando abóbora: concessionário do Independência está devolvendo estádio ao governo

Mais uma obra prometida como “legado” da Copa de 2014 que pode entrar na enorme lista de confusões país afora. Em princípio, parecia que o América seria um dos poucos clubes do Brasil a ganhar com a realização da Copa do Mundo no país. Um estádio novo e garantia mínima do governo do estado de Minas Gerais de R$ 100 mil mensais. Mas essa carruagem pode estar virando abóbora.

Veja nessa ótima reportagem do Thiago Nogueira do SuperFC:

* “Concessionária do Independência pede rescisão de contrato com Estado”

Pedido se deu no fim do governo passado e, agora, será avaliado pela equipe de Romeu Zema; empresa acumula dívidas e pede ressarcimento

Quem vê o gramado impecável do Independência, cuidadosamente aparado e penteado, não percebe que, debaixo daquele tapete, se esconde um rombo milionário, que pode levar o estádio a fechar os portões. Irremediável até então, a situação obrigou a concessionária da arena a tomar uma atitude drástica: o pedido de rescisão contratual com o Estado.

Com prejuízos que chegam a R$ 10 milhões nos seis primeiros anos de operação e pedidos de reequilíbrio econômico negados pelo governo, a Luarenas concluiu que aquele equipamento novinho em folha, entregue em 2012, foi, na verdade, um péssimo negócio.

E o que está ruim tende a piorar. Embora o Atlético tenha, por questões técnicas, optado pelo Horto para o segundo jogo da final Campeonato do Mineiro, contra o Cruzeiro, no próximo sábado, a tendência é que o time jogue mais vezes no Mineirão – o Galo é responsável por movimentar 96% das rendas no Independência.

Desde 2016, a empresa não repassa ao governo nem ao América os 5% da arrecadação bruta para cada um, conforme previsto em contrato. São cerca de R$ 6 milhões devidos a cada uma das partes.

“Quanto custa o equipamento por mês? Custa R$ 353 mil. Quem vai pagar R$ 4 milhões por ano para deixar o equipamento de pé? Ninguém quer pagar, ninguém assume o problema”, desabafou o presidente da Luarenas, Bruno Balsimelli.

A bola agora está com o governador Romeu Zema (Novo), que recebeu essa “tijolada” há pouco mais de três meses, ao tomar posse. O pedido de rescisão se deu no fim da gestão passada, mas, desde 2013, ainda no governo Antonio Anastasia (PSDB), a concessionária pede o recálculo contratual.

O caso já recebeu parecer da Advocacia Geral do Estado (AGE) e foi objeto de estudo da Controladoria Geral do Estado (CGE), mas nenhuma decisão foi tomada.

“A empresa pleiteava a rescisão em razão de o Estado não ter aceitado fazer o realinhamento de preço em cima de prejuízos alegados. Isso ficou na CGE e na Secretaria de Estado de Esportes (Seesp) para avaliar o que de fato tinha fundamento. Nisso, chegou o fim de ano, e não se chegou a uma conclusão”, explicou Marco Antônio Teixeira, secretário de Estado da Casa Civil e Relações Institucionais do governo Pimentel.

Com a reforma administrativa no início deste ano, o assunto “estádios” foi transferido da Seesp para a Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade. Mas, por enquanto, nada foi definido. “Estamos analisando a situação contratual e jurídica. Existe a versão da concessionária, mas ainda não temos nenhuma manifestação a respeito”, destacou Marco Aurélio Barcelos, titular da pasta.

Avaliações

Ao Super FC, a CGE diz ter realizado assessoramentos para a Seesp, concluídos em 2017 e 2018. “O documento não possui caráter público, portanto a CGE não tem autonomia para divulgá-lo”, alegou.

A reportagem teve acesso ao parecer da AGE, de maio do ano passado. O documento concluiu pela viabilidade jurídica da extinção da concessão, mas, para tal, “deverá firmar-se após o competente processo administrativo de apuração de dados”, obedecendo ao interesse público.

A AGE sugere regras de transição, não entendendo como oportuno que o estádio assuma, neste momento, a gestão da arena, como se daria em 2022, quando o acordo chega ao fim.

O contrato é de dez anos. A Luarenas alega ter feito melhorias após a entrega da obra, como duas subestações de energia. “Esse bem tem que ter o seu valor depreciado ano a ano. Fiz a entrega do equipamento várias vezes e a resposta foi: ‘ah, vamos fazer o melhor jeito’. Quero meu valor de volta. São dez anos e mais quatro de concessão. Me devolve os quatro anos que foram feitos investimentos”, alega Balsimelli.

O Ministério Público de Minas Gerais também acompanhou o pedido de reequilíbrio da empresa. O processo, no entanto, foi arquivado em 2017 após avaliação do promotor Leonardo Barbabela.

https://www.otempo.com.br/superfc/futebol/concession%C3%A1ria-do-independ%C3%AAncia-pede-rescis%C3%A3o-de-contrato-com-estado-1.2168694

* Embora previsto em contrato, Galo não divide prejuízos com Independência

Pela boa relação, empresa não cobra valores do clube por enquanto; Atlético tem acordo comercial, mas reitera que não participa da gestão

Atlético e Luarenas, a concessionária que administra o Independência, firmaram, em 2012, um contrato comercial em que dividiriam meio a meio os lucros e prejuízos na operação do estádio. Mas, todos os balanços financeiros do clube, inclusive o último, de 2018, informam que não foram apurados resultados positivos.

Segundo apurou o Super FC, o Galo paga R$ 40 mil pelos custos mínimos operacionais, a título de aluguel para atuar no Horto. No próximo domingo, o Atlético recebe o Cruzeiro em duelo que vale o título do Campeonato Mineiro.

A intenção da diretoria é justamente criar aquele “efeito caldeirão”, que fez diferença, especialmente, nos anos de 2012 e 2013. Embora tenha sido divulgado à época que o Atlético teria que pagar uma multa à concessionária se optasse por atuar em outros estádios, isso, de fato, nunca ocorreu.

A Luarenas, por sua vez, alega que o Galo teria que dividir os prejuízos do negócio, o que nunca aconteceu. Segundo o presidente da Luarenas, Bruno Balsimelli, isso não vai ser discutido neste momento.

“A parceria está assinada. Da nossa parte, funciona 100%. Estamos tranquilos. Mas, por enquanto, o Atlético não dividiu (os prejuízos), não vamos discutir isso. Estamos tranquilo. Não chegou o momento de conversar sobre o assunto”, disse Balsimelli.

O clube, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que “o Atlético não tem qualquer participação na gestão da sociedade que administra a concessão do estádio Independência”. O chamado “contrato social da sociedade em conta de participação” foi assinado em 18 de janeiro de 2018 pelo então presidente Alexandre Kalil.

Entenda

A Luarenas pediu, no ano passado, a rescisão contratual com o governo. A concessão é válida até 2022. A empresa não tem repassado os valores ao América e ao governo, conforme previsto em contrato, desde 2016. Os valores chegam a R$ 6 milhões para cada parte.

Com a decisão do Atlético de jogar mais vezes no Mineirão e menos no Independência, a situação do estádio do Horto pode se agravar. Em entrevista à rádio Super 91,7 FM no último dia 7, o presidente Sérgio Sette Câmara explicou que a escolha do estádio se dará jogo a jogo.

“A demanda por jogos no Mineirão é grande. Isso não quer dizer que a gente não vá jogar no Independência. Depende do jogo, da expectativa de público e do momento”, destacou o dirigente.


Deixe uma resposta para Alisson Sol Cancelar resposta

Comentários:
30
  • Claytinho do Nova Vista - BH ( Hexa-Campeão !!! ) disse:

    Não sei de nada…
    Não entendo nada desse negócio de administração de estádios.
    Mas imagino que se tivesse uma “Lava Jato” dos estádio, muita podridão poderia aparecer.
    Como leigo, imagino que o Mineirão por exemplo tenha “caído do colo” dessa Minas Arena, tudo maqueado como PPP, como tivesse haviado alguma licitação séria e dentro dos parâmetros legais.
    Me engana que eu gosto…

    • Alisson Sol disse:

      No exterior, isto já deu cadeia…

      O problema do Brasil é que, com toda a evidência da Copa, e tudo o que já ocorreu desde então, ainda há quem ache que “estádio vai dar lucro”. Pior é ficarem citando como exemplo o caso “Crefisa/Palmeiras”, que está me lembrando muito a era “Parmalat/Palmeiras”. Isto não vai acabar bem…

      No futebol, com poucas exceções, jamais se invalidou título obtido quando o clube desobedeceu regras. Acho que só na Itália já chegaram até a rebaixar a Juventus em casos semelhantes. No mais, os clubes corrompem, manipulam resultados, lavam dinheiro, e depois ficam com o título. E esta Filosofia nacional de que “se não se pode investigar tudo, não se deve investigar nada”, limita muito qualquer mudança.

      • Claytinho do Nova Vista - BH ( Hexa-Campeão ) disse:

        Caro Alisson Sol,

        Pois é…
        Quanto a estádio próprio eu realmente não posso falar nada, por desconhecer totalmente os prós e contras.
        O que eu gosto mesmo é de comemorar Títulos !! rs

        Abraços

  • Nivaldo Santos disse:

    No programa do Hewerton Guimarães: Cru Cru reclama de arbitragem e pede mais imparcialidade… É muita cara de pau dos azulinos. Nós atleticanos reclamamos na hora e apos o jogo, ele começam a reclamar 3 dias após o jogo sendo que venceram nas base do ajeito do Benecy. Já reparei uma coisa, os clubes que mais vencem na mão grande palmeiras, Corinthians e Cru Cru reclamam só para mudar o foco, por das cortinas está tudo armado. Presidente do Curingão ameaça não colocar time em campo caso seu ônibus seja apedrejado… Adivinhe quem aprontou, a torcida corintiana junto com a do São Paulo. Para esvaziar as reclamações dos atleticanos inventaram a questão dos balanços. Muita cara de pau!

  • Carlos Henrique disse:

    se o custo for353 milhoes por mes, o America ta lascado
    o ego americano é grande de mais.
    96% da bilheteria vem do jogos do Galo.
    os americanos estao enrascados.
    e mais,o Atletico queria fazer uma parceria com o America.
    mas eles se acham.
    torcida pequena, nao consegue colocar nem a metade
    dos 23 mil que cabem no Horto.
    Tenho carinho pelo clube.
    é bem administrado.
    mas se assumir , o estadio sera o fim.
    a nao ser que se reinvente.
    faça, shows la , sei la.
    torço para o Coelho voltar a serie A

  • Marcão de Varginha disse:

    Se (sic) “…ter estádio não é garantia de ganhar títulos, por mais que o dinheiro ajude a montar bons times.”, o que então poderá ser certeza de ganhar títulos: comprar arbitragem, manipular campeonatos, viradas de mesa, “negociar” com atletas adversários e outras situações extra-campo seriam opções viáveis?
    – #benecyeternomito

  • Horacio Duarte disse:

    Prezado Chico,
    Era mais do que previsível, estava até esperando a minas arena entregar a rapadura primeiro. Sim era fundamental reformar o Mineirão, não dava pra ficar naquela coisa balançando, e outros estádios eram necessários sim. Erros que, na minha opinião, levaram a esta situação:

    1- a bilheteria dos jogos deixou de ser fonte confiável ou significativa no orçamento dos grandes clubes, não deve chegar a 30%;

    2- era preferível transferir o prejuízo para o estado do que fazer muito estudo, estudo de viabilidade econômica, número de jogos, custo do ingresso em relação a renda do torcedor médio.. etc;

    3- acho o projeto físico, ruim, caro, ultrapassado e pouco flexível para os diferentes eventos que poderia sediar;

    4- ninguém discutiu outras opções ou formatos de gerenciamento, o que a primeira vista parece razoável diante da comprovada capacidade intelectual de ameba das direções dos clubes;

    5- é só olhar a postura da direção do américa em relação ao maior cliente do ‘seu’ estádio;

    6- é impossível qualquer coisa com maturação de mais de 5 anos, que precise de financiamento, ser economicamente viável com as taxas de juros no país. Um por um, todos os projetos, bons ou ruins, vão dar o mesmo resultado. No Brasil só banco ou monopólio tem lucro, basta ver quem, nesta crise toda, tem lucros exorbitantes. Até parece crise sob medida.

  • Eduardo Silva disse:

    Chico, boa tarde,

    O que ocorre no futebol brasileiro em todos os clubes é que um grupo político ganha as eleições, além disso fazem a maioria no Conselho Fiscal e Deliberativo do clube e esses aprovam suas contas e decisões certas ou erradas, para o bem e para o mal. A oposição só aparece em épocas das eleiçõe e depois somem.

    O Presidente do Clube, junto com seus diretores faz o que bem entende em sua cachola, gasta o que fatura e o que não fatura, atolando o clube em dívidas que vão se avolumando e se tornam muitas vezes impagáveis e a torcida não apita nada na vida administrativa dos clubes e nem sabe como as decisões são tomadas e como os contratos são feitos, também a imprensa a maioria de emissoras de rádios ficam lá nos CTs só pra puxar saco dos jogadores e comissão técnica.

    Falo isso pra chegar nesse caso dos estádios em Belo Hte. Na minha opinião e de muita gente os presidentes de Cruzeiro e Atlético deveriam ter assumido a gestão compartilhada do Mineirão onde revezariam em partidas de maior público e usariam o Independência para jogos menores, seria o mais coerente.

    Só que pensar em um acordo entre os rivais é coisa impossível de ocorrer tamanha a visão apequenada dos dirigentes, que tratam os clubes, que movimentam milhões anualmente, de forma muito amadora. Esse pedido de saída da Luarenas já era esperada e uma hora também a Minas Arena vai criar alguma situação pra sair fora do contrato com o governo pra gerir o Mineirão.

    Agora não adianta mais querer investigar como foram as concessões, o quanto as obras foram superfaturadas e nem apontar culpados porque a carroça já virou abobora como vc mesmo disse.

    Os clubes não conseguem manter em dia suas folhas salariais e ainda estão querendo construir mais estádios com mais despesas pra administrar? “tá serto!”

    Só olho…

  • francisco badaro disse:

    Tem de recriar a Ademg.Mas sem ser cabide de empregos de jornalistas e ex jogadores como era antigamente.Todos sabem que o Indepa e o Mineirão são deficitários .Indepa sem o Galo vai a falência.Mineirão sem o Galo tbm não se sustenta.A midia aplaudiu a Copa no Brasil e agora está vendo a conta chegando.Estádios padrão Fifa , deficitários.Quem lucrou com a copa foram as empresas jornalisticas, FIfa, CBf e empreiteitros com politicos.E o povo e os clubes vão pagar a conta

  • Francisco Corrêa Valadares disse:

    Ótima reportagem! Esclarecedora, confirma minha posição construir um estádio não é nada lucrativo, o correto seria um acordo entre o Estado e os times de Belo Horizonte para explorar o Mineirão

  • Silvio T disse:

    Chico, não tá na hora de algum repórter com R, de algum veículo de comunicação com VC, ir a fundo nessas histórias do nosso futebol? Há pouco tempo disse aqui, quando vc postou uma entrevista do vice do galo, que eu tava escaldado com o papo furado dele e de outros dirigentes do clube, sempre pintando um quadro favorável nas finanças. Não deu outra, dias depois pipocaram notícias de calotes do Atlético. Agora é uma atrás da outra. São os dois da capital com balanços cheios de maracutaias e dívidas astronômicas que só crescem. E esses estádios que nunca dão lucro!! Prá onde tá indo a grana grossa que rola no futebol? Eita país…

  • Ferreira disse:

    O Atlético propôs ao América comprar metade do Independência e ainda ampliar a capacidade do mesmo para Trinta mil.Seria um ótimo negócio para os dois clubes, mas o América pensa que é Grande e orgulho fala mais alto que a razão.
    Sem a torcida do Atlético o Independência é inviável.
    Alguém disse que o América tem planos de construir um Shopping no local, coisas de time pequeno, coisa que o América é.
    Se clubes como Fluminense, Botafogo, América do RJ, Portuguesa, Guarani de Campinas se apequenaram, imagine o América.

  • PABLO DE OLIVEIRA disse:

    Tá mais que provado que para uma arena dar lucro tem que ter um trabalho de market violento e a arena ser bem estruturada para shows.
    Aqui em Minas tanto Independência quanto Mineirão dão prejuízo por não terem a quantidade de shows necessária para dar lucro.
    Em São Paulo o Alianz Park é o modelo a ser seguido para o Galo, se fizer uma Arena bem projetada para shows com certeza vai dar lucro fora o dinheiro da bilheteria que é 100%

    • Jorge Luiz disse:

      fazer uma arena bem projetada pra shows???
      como vai chamar? Mineiro dancing cabaré show?
      achei que um clube constrói estádio pra ter campo gramado pra jogar futebol, me enganei.
      agora que entendi!

  • Alisson Sol disse:

    As empreiteras no Brasil qualquer dia vão imprimir exame do Enem em concreto. É o que falta no país onde “não se faz copa com hospitais”. No mundo inteiro, estão desistindo de estádios e arenas. O Staples Center em Los Angeles tem 4 times com sede, e 140 jogos por ano. Só dá lucro devido a eventos. Mas, no Brasil, insistem em acreditar que algo em que nenhum fundo de investimento do mundo colocaria um centavo vai dar lucro. E os fundos de investimento, com bilhões para aplicar, insistem em perder tais oportunidades. Será por que?

  • Audisio disse:

    A MRV Arena está chegando! Projetando o Atlético entre os 5 maiores clubes do Brasil. Juntando-se à Internacional, Grêmio, Palmeiras, Corinthians e São Paulo e ao Flamengo pelo tamanho natural dos rubro negros. A Arena, com sua capacidade para 47.000 espectadores, será o sexto estádio no país em capacidade. Só para se ter uma idéia, o Alliance park, do Palmeiras, tem capacidade para 43.000.
    O Mineirão está se provando um buraco negro administrativamente. Praticamente com a velha estrutura dos anos sessenta, com um monte de gente ganhando em cima dos clubes. O Cruzeiro continuará jogando lá, tendo o monopólio do uso, porém será continuamente explorado e sangrado por seus sócios da Minas Arena e amarrado pelo estatuto da reforma da copa do mundo que coloca os outros dois clubes de Minas como entraves para qualquer aquisição do estádio pelo clube do Barro Prêto. O Mineirão se transformará numa espécie de Pacaembú de Belo Horizonte, O Atlético viu a janela de oportunidade e pulou. Mantém metade do Diamond e o100% do estádio, sem amortizações futuras, sem sócios etc. Isso resultará num diferencial competitivo a seu favor logo nos primeiros anos após a inauguração, enquanto o rival terá que dar uma volta no seu leme.
    A juventus de Turim mudou radicalmente o eixo do futebol italiano depois da construção do seu estádio, que por sinal serviu de planta para a Arena MRV.

  • Flávio Azevedo disse:

    Varias vezes eu disse que estavam dando cano no América e a imprensa não falava nada, não questionavam. Provavelmente para não expor o queridinho da midia mineira. Para aqueles que dizem que vamos fechar sem atletico, se acompanhassem, sabia que o nosso contrato é com o governo do estado..nunca precisamos e nem precisaremos de time A ou B para sobrevivermos, como administradores, o COELHO dá aula pra qualquer um, somos sustentáveis. Em breve, após o Planeta América construído, dias melhores virão. O time azul ta dando cano, a conta chegou…

    • Raws disse:

      Flávio, permita-me discordar. Infelizmente e comprovadamente, o América “sofre” pela quantidade de torcedores e por isso é real a inviabilidade da manutenção do estádio sem os outros clubes. Meus cunhados americanos assim como outros tantos torcedores do seu time concordam e temem por esse futuro. Penso que o grande erro dos seus dirigentes, foi birrar no caso do aumento da capacidade do estádio, talvez ali tenha germinado a idéia do Atlético ter seu estádio. Apenas uma opinião. Abraço.

  • Thales Rosa disse:

    E tem bobo que acredita que construir.estadio vai dar lucro para o.time… Uhum..
    Nem.estadios ganhador estão dando lucro.. O independência foi ganhado o Mineirão foi ganhado e ainda assim não da lucro.. Imagine um estádio que é.q remunerar um capital de 500 milhões e ainda pagar as contas… Não existe almoço grátis…

    • Ferreira disse:

      Thales, vc é Cruzeirense? O Atlético vai construir seu Estádio com recursos próprios. O terreno foi doado, não tem que pagar nada.
      Os MARIAS estão com dir cotovelo, pq vão continuar eternos inquilinos. Aliás, péssimos inquilinos,porque estão devendo mais de 12 milhões a Minas Arena.
      Inveja é coisa séria mesmo.

      • Thales Rosa disse:

        Sou Cruzeirense mas provo meu ponto com a matematica simples, so para constar tenho um Mestrado em Economia na universidade FEderal de Brasilia, alem de ser formado em Administração de empresas e trabalhar como coordenador de Planejamento Estratetigico Financeiro a mais de 10 anos.. vamos ao ponto..

        Quando falo em remunerar capital quero dizer o seguinte, colocar 500 milhoes aplicado a 1% ao mes (valor ainda baixo para um capital tao alto mas vamos la), quer dizer que vc tera no final de 12 meses 63 milhoes de remuneração por ano, ou seja seu montante no bolso sera de 563 milhoes, sem fazer NADA, so com a grana aplicada…

        Ai meu caro vendo todas as reclamações do caras que estao administrado estadios, Mineirao, maracana, independencia, arena palmeiras, algum deles relatou LUCRO de ao menos 10 milhoes ao ano????

        Faça as contas cara pare de agir por impulso, veja se a conta fecha, e te falo mais se a conta nao fecha para nos, o cara que esta investindo tem algum interesse por tras e te falo qual é, oque é mais lucrativo para um investidor, ter um estadio deficitario ou ter um SHOPING no bairro mais caro de BH? A resposta é facil, assim que estadio estiver pronto e o atletico precisar de ajuda para fechar a conta o tal investidor da a cartada final: me passa seu unico patrimonio que vale bilhoes… ai meu caro sera tarde…. Acordem, façam contas…

    • Paulo F disse:

      O cara precisa inventar dados e fatos pra vir zicar o Galo! Procure um psiquiatra pois está obsessivo! Como estádio não da lucro? Arena do Palmeiras já deu 260 milhões de lucro, sem contar que o estádio próprio alavancou os verdes pra prateleira de cima dos clubes brasileiros.
      https://www.google.com/amp/s/globoesporte.globo.com/google/amp/futebol/times/palmeiras/noticia/arena-palmeiras-allianz-parque.ghtml

      Lembrando que BH carece de bons espaços para eventos e shows

      • Thales Rosa disse:

        Cara primeiro estude para saber a diferença de Lucro e Receita… Depois conversamos…
        Outro ponto nao importa se o atletico mineiro gastou 260 milhoes, o capital total investido sera de 500 milhoes. Quando falo em remunerar capital quero dizer o seguinte, colocar 500 milhoes aplicado a 1% ao mes (valor ainda baixo para um capital tao alto mas vamos la), quer dizer que vc tera no final de 12 meses 63 milhoes de remuneração por ano, ou seja seu montante no bolso sera de 563 milhoes, sem fazer NADA, so com a grana aplicada…

        Ai meu caro vendo todas as reclamações do caras que estao administrado estadios, Mineirao, maracana, independencia, arena palmeiras, algum deles relatou LUCRO de ao menos 10 milhoes ao ano????

        Faça as contas cara pare de agir por impulso, veja se a conta fecha, e te falo mais se a conta nao fecha para nos, o cara que esta investindo tem algum interesse por tras e te falo qual é, oque é mais lucrativo para um investidor, ter um estadio deficitário ou ter um SHOPPING no bairro mais caro de BH? A resposta é facil, assim que estadio estiver pronto e o atletico precisar de ajuda para fechar a conta o tal investidor da a cartada final: me passa seu unico patrimonio que vale bilhoes… ai meu caro sera tarde…. Acordem, façam contas…

        • Alisson Sol disse:

          A arrecadação bruta do Allianz Parque desde a inauguração: ~R$276 milhões (link). Precisa debater com alguém que acha que daí se conseguiu R$260 milhões de lucro??!

          Há outras contas, em que se incluem o “direitos de nome” como receita. Mas alguém tem alguma dúvida que há uma “lavadinha de notas do tesouro” nestes esquemas? Alguém realmente acredita que estas empresas que cobram “juros abusivos” e cujos dirigentes se envolvem com futebol o fazem para benefício dos clubes? Em Minas, tem ex-dirigente de banco/clube já condenado em primeira instância por gestão fraudulenta…