Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Reprises de jogos da seleção e dos clubes mostram que o futebol brasileiro continua parado no tempo

Essa foto do Douglas Magno, no jornal O Tempo, depois de Brasil x Chile, no Mineirão na Copa de 2014, mostra a fragilidade emocional do então capitão da seleção brasileira, sendo acalmado pelo técnico Felipão.

A avaliação é do Fernando Rocha, na coluna dele, no Diário do Aço de Ipatinga, e concordo. Confira:

* “Volta no tempo”

Com as competições paralisadas, o recurso encontrado pelas emissoras de TV aberta ou fechadas tem sido recorrer aos arquivos e reprisar jogos, decisões de campeonatos ou jogos de Copas do Mundo, de boas ou más recordações.

Na ultima sexta-feira, o Sportv reprisou um jogo das oitavas de final da Copa de 2014, disputado no  Mineirão, onde a Seleção da CBF com Neymar empatou 1 x 1 com o Chile, que era dirigido pelo Jorge Sampaoli, atual técnico do Atlético, classificando-se nos pênaltis graças ao “Sobrenatural de Almeida”, personagem fictício criado pelo grande Nelson Rodrigues, para explicar as peças inusitadas que o futebol nos proporciona.

Além de tomar sufoco, a Seleção comandada por Felipão e Parreira teve uma bola chutada no travessão pelo chileno Pinilla, no último minuto da prorrogação, que poderia ter nos deixado pelo caminho, e evitado o vexame dos 7 x 1 na semi-final para a Alemanha, o maior vexame da história do nosso futebol.

Tirar lições  

O que tem sido muito debatido ultimamente pelos colegas da imprensa nacional é se a Globo deveria ou não reprisar o 7 x 1.

Sou totalmente a favor da reprise, por tudo o que aconteceu antes, durante, depois, mas sobretudo porque não se trata de apenas um jogo.

Hoje, as análises seriam menos apaixonadas, mais equilibradas, para aí sim tirar conclusões a respeito da escalação escolhida por Felipão, atuações individuais, esquema tático, adentrar também nas  mazelas que perduram até hoje na estrutura do futebol brasileiro.

Alguém escreveu que “o tempo é o grande senhor da razão”. Embora este episódio do 7 x 1 ainda seja recente, já deu para  esfriar as emoções, permitir um olhar mais específico sobre o que poderia explicar algo tão ou grandemente atípico.

***

·        Na sexta-feira à noite, após assistir no Sportv a reprise do jogo das quartas-de-final contra o Chile, também disputado no Mineirão, recorrí aos arquivos desta coluna e pude constatar que em nenhum momento botei fé naquela Seleção, dirigida pela dupla Felipão-Parreira, que a rigor e não só naquele jogo, dependia exclusivamente do talento de Neymar, sem esquema tático, um verdadeiro amontoado de jogadores em campo.

·        Se houvesse justiça no futebol, a nossa Seleção  deveria ter sido eliminada neste confronto com os chilenos, diga-se de passagem, muito bem dirigidos pelo argentino Sampaoli. O massacre alemão por 7 a 1 na semi-final foi apenas o complemento daquele fracasso retumbante, que já estava previsto por quem enxerga o futebol com os olhos da razão e não apenas da emoção.

·        Triste mesmo é constatar que de 2014 até agora , o futebol brasileiro parou no tempo e no espaço. Neste período pós-7 x 1 tivemos alguns bilharecos  com a chegada do falante e midiático Tite, que agora já parece ser uma “bananeira que deu cacho”, passou da hora de ser substituído. Por isso,  na minha opinião,  rever a partida com os alemães  se torna algo válido e relevante

·        A bem da verdade, só a partir do ano passado, com as chegadas de dois técnicos estrangeiros, Jorge Jesus no Flamengo e Jorge Sampaoli no Santos, vimos algo de novo do ponto de visto tático aqui nos nossos grotões. O momento é propício para refletir, pensar o futuro, pois há tempo de sobra para isso em meio ao isolamento. Não só nas nossas vidas, mas também no futebol que é uma das suas imitações, nada mais atual do que o genial Milton Nascimento no clássico da MPB: “Nada será como antes”.

Por Fernando Rocha


Comentários:
4
  • Marcos disse:

    Depois da Copa de 2014 nada de fato mudou, tudo continua como está. Fosse o Brasil um país sério já teria acontecido uma varredura geral na CBF já no primeiro tempo do sete a um, do faxineiro ao presidente. E os jogadores que enfrentaram a Alemanha não seriam mais convocados pra seleção. Aquele jogo ocorrido no Mineirão em 08/07/14 foi trágico e inusitado ao mesmo tempo, pq até naquele dia nenhum anfitrião de Copa do Mundo havia perdido por sete a um.
    Mas ainda assim tudo continuou como está de lá pra cá. Todos continuaram impunes. Estão é esperando um desastre ainda maior, como a ausência do Brasil de uma Copa do Mundo por exemplo, pra quem sabe mudarem alguma coisa.

  • Roni disse:

    Como disse o Kalil,depois que os europeus foram encorpordos por jogadores africanos ou filhos de africanos mas cidadãos europeus acabou as seleções cintura dura. Ai com a super organização européia o Brasil vai demorar muitos anos pra ganhar copa de novo e com uma ressalva nao tem mais havelange pra tramar resultados pro Brasil.

  • Silvio T disse:

    Com um olhar distanciado e crítico, aquela terrível seleção do Parreira de 1994 poderia ter sido eliminada pela seleção americana e pelos holandeses na Copa dos Estados Unidos, antes da monótona final contra a Itália, ganha sofrivelmente nos pênaltis. A seleção campeã no Japão em 2002 dependeu da roubalheira dos juízes para passar pela Bélgica e pela Turquia nas oitavas e semi. Ou seja, o futebol brasileiro está parado no tempo desde 1982! O time montado por Telê Santana foi o último que inovou e encantou. Os grandes técnicos estrangeiros, com destaque para Guardiola, não se cansam de lembrar, elogiar e assumir que copiaram várias coisas do mestre de Itabirito. Por aqui, por causa da derrota para Paolo Rossi, muitos “entendidos” até hoje massacram Telê e preferem a mediocridade violenta de Felipão e Dunga. Com mentalidades assim, que defendem os times da série A disputando ridículos campeonatos estaduais, continuaremos longe do posto de melhor futebol do mundo sustentado até a tragédia de Sarriá.