Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

“Para um mau amante até lençol de seda atrapalha”

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

A frase é do saudosíssimo Nelson Rodrigues  e foi lembrada pelo Fernando Rocha, na coluna dele no jornal Diário do Aço, de Ipatinga, que circulará amanhã. Ele também presta homenagem ao comentarista Flávio Anselmo, que nos deixou esta semana:

Coluna Bola na Area – 19/09/2021- Domingo -Fernando Rocha

“Lençol de seda’

Em primeiro lugar quero elogiar os esforços da atual  diretoria do Cruzeiro, ao fazer de tudo para economizar, diante da terrível crise financeira que o clube atravessa, incluindo a decisão de jogar em Sete Lagoas, onde ao menos não teve prejuízo financeiro.

Mas, a reavaliação dessa medida voltando a jogar no Independência foi a mais acertada, devido ao prejuízo técnico pelas péssimas condições do gramado da “Arena do Jacaré”.

O saudoso cronista Nelson Rodrigues dizia que “para um mau amante até lençol de seda atrapalha”,  e todos nós sabemos das limitações técnicas do atual time celeste.

Mesmo se tivesse à disposição um tapete na “Arena do Jacaré”,  isto não seria garantia de vitórias para o time celeste, mas, convenhamos,  com a bola quicando ou “viva” o todo o tempo como se viu nos últimos dois jogos lá realizados, seja craque ou perna de pau, fica impossível jogar um bom futebol, .

Sobre a arbitragem e o VAR, que teriam prejudicado o time celeste no empate com o Operário/PR, na última quinta-feira,  trata-se de uma discussão sem pé nem cabeça, que não leva a nada.

O Cruzeiro precisa focar no jogo de hoje contra  nada menos que o Vasco da Gama, em São Januário, prenúncio de mais sofrimento para uma torcida, que não merece o que vem passando desde o rebaixamento, em 2019.

Volta ao passado

Está tudo conspirando para que Atlético e Flamengo voltem a se enfrentar, em grandes jogos de finais por certames nacionais e internacionais, como aconteceu há 40 anos atrás.

Nos anos 80, o Flamengo de Zico, Andrade, Júnior, Leandro e cia, conseguiu se sobressair nas disputas contra o Galo, que tinha craques da mesma linhagem, tais como  Reinaldo, Éder, Cerezo, Palhinha e por aí afora.

Eram dois timaços, que assim como hoje, dava gosto ver jogar. Não há dúvida que pelo lado do Atlético, há uma grande sede de “vingança”, sobretudo pelo comprovado favorecimento das arbitragens da época ao rubro-negro, o que teria sido determinante para seu sucesso.

Ao longo de quatro décadas, os atleticanos contam de pais para filhos,  as histórias dos jogos épicos envolvendo as duas equipes, em decisões de Campeonatos Brasileiros, além da fatídica partida disputada no Estádio Serra Dourada, em Goiânia, quando o Galo  teve quase todo o time expulso de campo pelo árbitro José Roberto Wright, sendo eliminado na Copa Libertadores.

O atual Campeonato Brasileiro está em aberto, pois tem ainda muita água para rolar  debaixo da ponte, mas  na Copa do Brasil e Libertadores, a possibilidade de confrontos diretos entre os dois grandes rivais nacionais, torna-se cada vez maior, sem que nenhum deles possa ser apontado como favorito.

FIM DE PAPO

  • A chegada de Diego Costa no Galo pode dar ao time, em pouco tempo,  uma força ofensiva demolidora, formando  dupla de ataque com Hulk. Por outro lado, a diretoria do Flamengo se mexeu e contratou o zagueiro David Luiz, que ao lado de Rodrigo Caio, prestes a retornar após se recuperar de contusão, tem tudo para consertar a zaga rubro-negra, setor onde a equipe ainda apresenta falhas.
  • O técnico Cuca chegou ao Atlético debaixo de críticas e muita desconfiança, por parte de setores da torcida e imprensa. Em pouco tempo corrigiu as falhas da equipe, que fazia mas também levava muitos gols sob o comando de  Sampaoli. Com um excelente trabalho conseguiu virar a página e conquistar admiração e respeito de todos.
  • No Flamengo, Renato Gaúcho vem batendo todos os recordes com um início espetacular, onde acumula inacreditáveis 89,6% de aproveitamento, em seus primeiros 16 jogos no comando do time (14 vitórias, um empate e uma derrota), aplicando goleadas incríveis e improváveis  nos adversários. Se realmente for confirmado, os confrontos que cada vez mais se aproximam entre alvinegros e rubro-negros, à exemplo da década de 80, vão novamente parar o país.
  • A crônica esportiva mineira está de luto pela perda na última semana de um dos seus maiores expoentes, o jornalista, poeta, escritor, Flávio Anselmo, natural de Caratinga,  que faleceu em BH aos 77 anos. Trabalhou nos principais veículos de comunicação da capital e aqui na região foi comentarista da Rádio Educadora de Cel. Fabriciano durante vários anos na década de 90. 
  • Uma placa no hall do Ipatingão registra a primeira transmissão de um jogo ao vivo do estádio. E lá está o nome de Flávio Anselmo, que juntamente com o narrador também já falecido, Carlos Valadares, foi um dos principais responsáveis pelo feito inédito, ocorrido em 1998, em jogo válido pela “Copa BH de juniores” entre Cruzeiro x Flamengo, transmitido ao vivo pela TV Record/Minas. O jornalista Flavio Anselmo, de quem fui amigo, era uma pessoa admirável, pavio curto, sabia muito de futebol e deixou um grande legado para todos nós, que ainda estamos neste plano espiritual. Vai com Deus amigo Flávio Anselmo! (Fecha o pano!)
  • Por Fernando Rocha – Diário do Aço – Ipatinga

Deixe uma resposta para Pedro Vitor Cancelar resposta

Comentários:
2
  • Francisco disse:

    Eu gostaria de fazer um comentário com mais argumento sobre a situação do Cruzeiro. mas vou resumir dizendo o seguinte: TODA ARROGÂNCIA ESTÁ SENDO CASTIGADA. Eu ouvi alguém dizer isso no programa Minas Esporte a um bom tempo Eu sempre esperei por esse momento. Na expressão, as palavras ESTÁ SENDO, foi trocada pelo, SERÁ

  • Pedro Vitor disse:

    Essa frase, serve para um comentarista aqui.

    Se o cara for no prostibulo, vai dizer que as meninas andam sem roupa