Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

E lá se foi o Dario Alegria, artilheiro de sucesso no América, Palmeiras, Fluminense, Caldense e vários outros clubes

Foto de arquivo pessoal, no portal Terceiro Tempo

Não tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente, porém, todos que conviveram com ele só falam bem, que era uma ótima pessoa, além de grande artilheiro. Dario Alegria pertence à história do nosso futebol. Que descanse em paz.

Ele foi campeão mineiro com o América em 1971. Nesta foto, com Jair Bala, de quem era grande amigo.

O primeiro a informar, anteontem, foi o Milton Neves, no blog dele:

* “Morre Dario Alegria, ex-atacante do Palmeiras e primo de Joaquim Barbosa”

DA REDAÇÃO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO Morreu na noite do último sábado (9), na cidade de Paracatu-MG, Dario Alegria, marcante atacante do Palmeiras nos anos 60. Dario, que vivia na cidade da região noroeste de Minas, foi vítima de um AVC.

Dario era primo distante do ministro Joaquim Barbosa, que se tornou ainda mais conhecido pelos brasileiros por ser relator da CPI do Mensalão, em 2012. Ele, que se destacou jogando pelo Palmeiras, nos anos 60, guardava com carinho na lembrança a grande atuação que teve contra o Santos de Pelé e companhia no dia 17 de dezembro de 1965. “Fiz três gols e o Palmeiras venceu por 5 a 1”, contava Dario Alegria. Além do Palmeiras, o atacante defendeu o Fluminense, o Flamengo, o América Mineiro (onde começou a carreira), o Monterrey (México), o Botafogo de Ribeirão Preto (SP), o CEUB (DF), a Caldense (MG), o Vila Nova (MG) e o Olaria. Também chegou a ser convocado para defender a seleção mineira.

Além da goleada sobre o time de Pelé, Dario Alegria destacava outro fato marcante em sua carreira, envolvendo o lendário Djalma Santos. “Quando ganhei o primeiro bicho pela vitória contra o São Paulo (fiz também três gols). Mandei uma geladeira para Paracatu. Para enviar a geladeira o Djalma Santos disse que teria de ser de avião e de pára-quedas, pois Paracatu não tinha estrada”, dizia (risos).

Jurandir Dario Gouveia Damasceno, o Dario Alegria, nasceu no dia 5 de março de 1944 em Paracatu (MG), onde morava no bairro de Santana. Os principais títulos conquistados na carreira de jogador foram: Campeão do Rio-São Paulo de 1965; Paulista de 1966; Robertão de 67; Torneio Internacional IV Centenário da Guanabara; Carioca de 1969 e Mineiro de 71. Teve também um momento marcante no dia 7 de setembro de 1965, no segundo jogo da história do Mineirão, quando o Palmeiras, representando sozinho a seleção brasileira, goleou a seleção do Uruguai por 3 a 0, gols de Servílio, Tupanzinho e Germano. Dario ficou na reserva, ao lado de Picasso, Santo, Germano, Zequinha e Gildo. O técnico foi Filpo Nuñez e o Palmeiras-CBD ganhou jogando com: Valdir; Djalma Santos, Djalma Dias, Waldemar Carabina e Ferrari; Dudu e Ademir da Guia; Julinho, Servílio, Tupanzinho e Rinaldo.

https://www.uol.com.br/esporte/colunas/milton-neves/2021/10/10/morre-dario-alegria-ex-atacante-do-palmeiras-e-primo-de-joaquim-barbosa.htm

Dario Alegria nos tempos do América

Mais informações no Globoesporte.com:

* “Aos 77 anos, morre Dario Alegria, ex-jogador de América-MG e Palmeiras”

No Coelho, onde ele começou carreira profissional, Dario foi destaque no ataque ao lado de Jair Bala. Conquistou títulos no Palmeiras e jogou no México, pelo Monterrey

. . . Chamado de Leopardo das Alterosas, o atacante era mineiro, de Paracatu, e iniciou sua carreira no América-MG, sendo campeão do Campeonato Mineiro de 1971, ano em que o time alviverde levou o troféu de forma invicta. Dario atuou no clube ao lado de nomes como Jair Bala e Dirceu Alves. Sendo destaque no ataque do América, o jogador chamou a atenção de outros times do Brasil. Na época, ele foi procurado por Corinthians, Santos e Botafogo, mas o Palmeiras foi quem ficou com Leopardo. No Verdão, Alegria foi campeão do torneio Rio-São Paulo de 1965, do Campeonato Paulista de 1966 e do Robertão de 1967.

O atacante também passou por outros grandes clubes e chegou a defender uma equipe no exterior. Dentre as equipes por onde Dario passou estão Fluminense, Flamengo, Botafogo de Ribeirão Preto, Caldense, Villa Nova e o Monterrey, do México.

Fora dos gramados, Dario Alegria também dedicou sua história em prol das comunidades negra e quilombola e foi presidente do Instituto de Defesa da Cultura Negra Afrodescendente – Fala Negra – em Paracatu, sua cidade natal, onde passou seus últimos dias.

https://ge.globo.com/mg/futebol/noticia/aos-77-anos-morre-dario-alegria-ex-jogador-de-america-mg-e-palmeiras.ghtml


Deixe uma resposta para João Brás Cancelar resposta

Comentários:
3
  • Renato César disse:

    Meus sentimentos aos amigos e família!

    Falando em Jair Bala, ele ainda está na ativa?

  • Ed Diogo disse:

    Lembro muito bem dele no meu Coelhão ótimo centroavante. Descance em paz

  • João Brás disse:

    Que Deus o tenha…
    Mas Chico, o Botafogo está chiando pra caramba por colocarem um trio alagoano para apitar Crucru x Bota, já que disputa o acesso com CRB e CSA de Alagoas. Pior que eles não sabem, o principal interessado é o próprio Crucru, que ainda sonha com a vaga. Outro dia colocaram Gilberto Marques Ribeiro para apitar jogo do Goiás, outro interessado e o árbitro mineiro aprontou a maior lambança. Virada de mesa a vista!