Warning: "continue" targeting switch is equivalent to "break". Did you mean to use "continue 2"? in /home/blog/www/wordpress/wp-includes/pomo/plural-forms.php on line 210
As colunas do Fred Melo Paiva, que podem operar feitos inimagináveis | Blog do Chico Maia

Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

As colunas do Fred Melo Paiva, que podem operar feitos inimagináveis

Comentei: @chicomaiablog Mais algumas colunas que você ler, e estará gritando Galo, como se o fosse desde criancinha, hehehe…
 E o Dr, Stefano Venuto Barbosa emendou: @StefanoVB “E assinando o Galo na Veia Black…”
***
Resumindo: o Fred é bom demais da conta. Um dos melhores textos da história do jornalismo brasileiro. Como diz o Dr. Rodolfo Gropen, que foi um grande presidente do Conselho Deliberativo do Galo: “Não só por ser atleticano, mas porque é bom mesmo, sobre qualquer coisa que escreve”.
O Fred e a patroa Fabi, com o Fidel (esq.), na casa deles em Caraíva/BA, em visita que fiz a eles em 2018.
Confira a coluna de hoje no Estado de Minas:
“Tá acontecendo”, disse um querido amigo, como se me beliscasse. E assim, no gerúndio, me pareceu tudo muito melhor. O Atlético ainda não é o campeão porque aqui só tem Galo escaldado. E o atleticano, carcomido pelas dores do passado, é o mais patológico dos torcedores em todo o mundo: doente, porque fanático ao ponto do débil mental. Mas também porque os anos de chumbo o fizeram completamente dodói.
Assim, inventamos dificuldades inexistentes. “Contra o Corinthians será duríssimo”; “Zero a zero é vitória, temos gordura pra queimar”; “Tenso”. Mas a realidade é um Zaracho a meter duas canetas na gente. Foi dia de acender luzinha na arquibancada, de chamar a ola pra rodar o Mineirão. Enquanto lá embaixo o passeio se apresentava um baile de proporções humilhantes. Time de casados da firma contra uma equipe de profissionais.
O Galo não é campeão – o Galo está sendo campeão. E o gerúndio é uma lição de vida, porque faz do momento presente um tempo elástico e infinito. O passado já era e o futuro é ficção, o que importa de fato é viver o aqui e o agora – eis o exercício que cura desde o arrependimento dilacerante até as doenças mais graves, cura a separação e a falta de um casamento.
O gerúndio é a maior viagem. Acredite, atleticano: melhor se entorpecer dele do que propriamente chegar ao destino. Engalfinhe-se na carnificina por um ingresso, mas vá ao Mineirão enquanto é tempo. “TIRA A CAMISÁ! TIRA A CAMISÁ”, cantávamos nos anos 90. Pois vá lá rodar a camisa em direção aos céus, cantar até o infarto iminente, beber tudo que puder e abraçar os desconhecidos na hora do gol, como se não houvesse a COVID e nem o amanhã. Porque, enquanto tiver o gerúndio, o amanhã terá de esperar. E, por ora, aproveite, porque vigora a lei: ao atleticano está proibido morrer.
Houve com um diretor de Redação, jornalista famoso, que detestava o gerúndio (não o dizia sequer em carta). Para ele, o governo nunca estava tirando dos pobres para dar aos ricos – estava a tirar. A Faria Lima não estava apoiando um miliciano – estava a apoiar. Trabalhava com a gente o Nirlando Beirão, corintiano e atleticano, infelizmente nessa ordem (que conflito de interesses deve ter-se estabelecido em seu coração no bailão de quarta). O gerúndio é tão perfeito que Nirlando morreu, mas Nirlando não morre, segue com a gente, bem, a nirlar.
Lá nas mesas redondas de São Paulo perguntam quando o atleticano vai se dizer campeão. O atleticano silencia, pois o mineiro que produz queijos e possui bancos sabe que aquele que fala por demais acaba dando bom dia a cavalo. “Sigamos confiantes e contidos”, rezou um amigo com sua barba de Maomé, uma vida inteira a esperar (quer dizer, esperando) o nosso título impossível. “Só uma tragédia tira esse campeonato do Atlético”, diz o paulista na televisão. Amigo, de tragédia temos mestrado, doutorado em Harvard, pós-doc e uma edição inteira da Lancet.
No gerúndio produzimos o silêncio que precede a explosão. Que ela chegue repleta do mais louco amor que se possa imaginar. Que a gente chore tudo que tiver pra chorar, porque o atleticano é uma pessoa tão maravilhosa que, diante de todo o sofrimento que viveu, em vez de ficar amargo ele desaprendeu a chorar nas derrotas e passou a chorar apenas nas vitórias. Que essa explosão acorde todos os atleticanos mortos, aquele seu tio, o meu primo, o Felipe, filho do Wagner, aquele outro que morreu no Independência. A gente era menino e achou que veria isso com nossos pais, escreveu o jornalista Victor Martins. Vamos ver com os nossos filhos. Que sorte eles têm!
Encontro no Twitter a imagem do meu menino no Mineirão lotado (foto). A camisa na mão, rodando. Os braços abertos pra Massa, a mão espalmada pro alto, a expressão da garra e da mais louca alegria. Ele tem o peito nu, tão menino, tão criança. Seu pai, eu, de costas do seu lado. Eu não sou velho, segundo a fotografia. Prova de que ele ainda é o meu menino. O gerúndio paralisado na fotografia. O retrato cuja legenda seria: “Está acontecendo”.
Tomara que dure para sempre, e que nunca chegue a hora em que ele, atleticano velho, vai olhar esse retrato na parede como a gente olha aquele outro – dos atleticanos girando as bandeiras sobre o teto de um ônibus parado na orla de Copacabana em dezembro de 1971. Nunca importou se era ou não era 71. O passado e o futuro não existem, a verdade mora é no gerúndio.
“Lutar, lutar, lutar”, o filme do Galo, chega aos cinemas neste fim de semana nos principais shoppings de BH e também no Belas Artes. Além de RJ, SP, Brasília, Porto Alegre, interior de Minas. Vá fornido de muito lenço, porque este Galo é uma máquina de fazer a gente chorar.

Deixe uma resposta para Jean Cancelar resposta

Comentários:
24
  • J.B.CRUZ disse:

    ATLETICANO DE VERDADE !!!..
    Torcedor Fervoroso que sou do CRUZEIRO ESPORTE CLUBE, desde 1.900,,, e KAFUNGA, não posso deixar de Parabenizar a este Irmão de arquibancada (mesmo sendo adversário no esporte), por ( uma DECLARAÇÃO DE AMOR EXPLÍCITA A SEU TIME DE CORAÇÃO)…
    Me fez ¨¨viajar¨¨ nos velhos tempos de ouro do futebol nas décadas 50,60,70 e 80; quando se praticava
    o futebol de VERDADE, de AMOR A CAMISA do TORCEDOR E DO JOGADOR..
    Tempos de Colunistas-torcedores Fanáticos por seus Clubes: ROBERTO DRUMONND, Atleticano, MIGUEL SANTIAGO, Americano e J.A.FERRARI de LIMA: Cruzeirense…
    Assinante do ESTADO DE MINAS E DIÁRIO da TARDE, meu Avô SEBASTIAN todos os dias acompanhava o¨ duelo¨ dos comentaristas em suas colunas…
    Particularmente eu gostava de ler pela Ordem: ROBERTO DRUMONND, J.A.FERRARI e MIGUEL SANTIAGO…O Detalhe de Ler primeiro o ROBERTO, era que as suas Gozações sobre CRUZEIRO E AMÉRICA eram Respeitosas; e quando falava sobre galo, desmanchava-se em elogios e sempre minimizava as derrotas, sem criticar o técnico e os jogadores( Seus Comentários pareciam POESIAS) ; é dele o **slogan** *CHINA AZUL* à Torcida do CRUZEIRO, Reconhecendo o Crescimento da Torcida AZUL-CELESTE com o Advento do MINEIRÃO, mesmos nossos colegas Atleticanos não vendo com ¨bons Olhos¨¨ o Elogio à torcida Adversária…
    Como dizia meu AVÔ: Eu Gosto do ROBERTO DRUMONND, porquê ELE é Torcedor de VERDADE; (Igual a mim)..
    RESPEITO é BOM A QUEM MERECE RESPEITO !!.. Até no futebol,,,,,,,,,,,
    Boa SORTE Á TODOS !!!…
    CRUZEIRO SEMPRE !!!..

  • Jean disse:

    Esse aí, como poucos, exprime em palavras a essência do atleticano, viva de geração a geração. Como perdi o costume de comprar o jornal impresso e tampouco assino o digital, não tive mais contato com seus textos.

  • Julio Cesar disse:

    Força a seu irmão Luiz e a toda família pra superar.

  • Julio Cesar disse:

    De chorar!
    Fred Melo Paiva é sensacional. É um artista da palavra, da construção das frases
    Ainda recorro aos vídeos no YouTube para rever O infiltrado.
    Off topic: Quem não recebeu edição do vídeo do Rica Perrone, está disponível no canal no YouTube.

  • Márcio Luiz disse:

    Chico, vc pode não acreditar, mas eu assino o EM só pra poder ler a coluna do Fred. Às outras, confesso, eu nem “tchum”, kkk.
    O cara é foda mesmo. Desde que não ponha o raio da ideologia política no meio (ele tem essa mania); aí eu fico puto, pois só me interessa ler sobre o GALO, já que a coluna dele se chama “Da Arquibancada”.

    Vida longa ao nosso “infiltrado”.

  • Jerônimo disse:

    Fred Melo Paiva é o comentarista político que melhor escreve sobre futebol.
    Certeiro, sagaz e romântico…um excelente jornalista nos dois ramos.
    Para a nossa sorte ele está do lado bom e certo nos dois assuntos.
    Essa semana irei assistir ao filme que ele é um dos roteiristas e produtor, sobre a história do Atlético e da sua torcida: “Lutar, lutar, lutar – O filme do Galo”
    https://youtu.be/VIXde4pmLRk

    Vida longa ao Fred e ao Galo.

  • Eduardo Silva disse:

    Chico, boa noite,

    E o grande decacampeão de minas meteu 3a1 no imortal que mais morre, o Grêmio de Foot-Ball Porto Alegrense, ou seja, enfiou a faca e torceu até o cabo lá dentro, sem sangrar.

    Destaque para a grande torcida que compareceu ao Horto. Como diria o Tião das rendas: _Emanuel, óia o púbico e renda do jogo, púbico de 3.157 pagantes para uma espetacular renda de R$43.347,50, essa torcida é diferenciada e presente mesmo, Emanuel. Com essa fortuna o Alencarzim vai pagar a… o…a… deixa pra lá…

    Estou torcendo agora pra essa segunda força de minas o Cuei rumo a Libertadores em sua primeira participação. E o Mancini, hein? Tô só esperando a notícia de sua demissão e ele vai abraçar o Lisca Doido, aquele “profissional” que faz chacotas dos times que ganha como fez com Curintias, Cruzeiro e outros…. É assim mesmo, o técnico sai de um time pequeno para ganhar mais dinheiro no grande, mas o resultado em campo não é o mesmo e acaba demitido.

    Vem cá Grêmio, vem fazer companhia ao Cabuloso na segundona de 2022.

    E viva o Coelhoooo….viva o mequinhaaaaaaa….

  • Marcão de Varginha disse:

    A história está aí e só não vê quem realmente não quer: estamos calejados de sermos prejudicados pela arbitragem. Entra e sai campeonato, o Galo e outros clubes estão lá sendo descaradamente prejudicados pelos sopradores. Quem nunca foi prejudicado pela arbitragem que atire sua pedra e devolva títulos via fax, abandonando de vez a conivência retirando a mordaça no caso das falas daquele dirigente.
    #benecyeternomito

  • Marcão de Varginha disse:

    Desde que começou à “acrescentar” política em sua coluna, parei de “seguir” o Fred e hoje por indicação do grande CM abri exceção e li mais essa… continua com a inteligência de sempre sabendo traduzir o sentimento alvinegro nas veias, porém, ainda mantém sua linha de politiqueiro. Se não fosse esse detalhe, continuaria sendo seu leitor.

  • joão de deus filho disse:

    Ler as colunas do Fred sempre foi um grande prazer. Algumas pessoas tem o dom prá música, outras prá determinada coisa e o Fred tem o dom das palavras, de saber traduzir o sentimento de atleticanidade de cada um de nós. Porque, já se disse, não sei quem ser torcedor é uma coisa, ser atleticano é algo muito diferente. E só o Fred consegue expressar esse sentimento, que jã nasce, que está no DNA de quem torce prá esse clube. E que momento estamos vivendo. Eu, que com 63, ví muitos momento ruins do Galo, inclusive numa série B, hoje estou com o peito cheio de alegria e quase explodindo, esprando apenas a cofirmação de um título que ei ví, quando tinha 13 anos. E que bom que, demorou, mas vai chegar o dia de soltar esse grito preso, entalado na garganta. E ainda pode acontecer de comemorar outro grande título logo depois. Haja coração. Mas, eu sempre disse, que o atleticano morre de tudo. Menos de coração. O nosso é muito forte. Valeu Fred. Valeu Galo. Ahhh… E o Galo??? O Galo ganhou. O Galo ganhou. O Galo ganhou.

  • Horacio disse:

    É isso aí, está acontecendo, estamos participando da jornada, que é o mais importante. É uma história que é nossa. Não consigo entender torcedor de sala de troféus.

  • Luiz disse:

    Texto maravilhoso!
    Estou aqui dividido em dois extremos de emoções. De um lado o Galo quase nos dando um bicampeonato depois de meio século de suores e lágrimas por roubos ou derrotas, e que eu espero seja dessa vez. De outro meu irmão, vivendo através das máquinas preso aos tubos, oxigênios, sedado e inconsciente há muitos dias no CTI do Biocor, esperando a vontade de Deus, que eu espero não seja dessa vez. Queria muito dividir esse abraço campeão com ele, em vida! Amém.

    • Marcão de Varginha disse:

      Luiz, aguarde com paciência o tempo de Deus: infalível como é, Ele lhes concederá mais essa graça! “Peça â Mãe que o Filho atende”.. Força, acredite!

    • Horacio disse:

      Caro Luiz, a família sempre sofre muito também, espero que ele se recupere, é possível sim, se ele está lutando sempre há chance. Lutar, lutar, lutar … a vida da gente é isto … com um pouco de sorte, se recupera a tempo para a festa do título !! Estou na torcida, abraços.

    • Eduardo Silva disse:

      Prezado Luiz,

      Que Deus em sua infinita misericórdia conceda a seu irmão uma pronta recuperação. Tive um amigo que foi hospitaizado, entubado e conseguiu sair do hospital, vencendo a Covid.

      Grande abraço!

  • Alisson Sol disse:

    Em verdade, eu noto um certo pânico em certos amigos atleticanos. É o famoso “E agora? Se quando o time realmente é melhor que os outros vence o campeonato, como fica a velha desculpa de que não vence devido ao juiz?? Vamos reclamar como?

    O problema do fim da desculpa é que não tem volta… É como título: para sempre!

  • Vinicius disse:

    Acho que não existe maneira de comparar dois atleticanos brilhantes, mas o Fred me lembra o Roberto Drumond, sem comparações, só uma lembrança!
    Parabens Fred!!

  • JESUM LUCIANO DA SILVA disse:

    Fred é dos bons, mas só uma coisita sai gaciba então Alicio pena júnior, persona no grata, abra o olho diretoria nada é por acaso, vão mover céus e terra para nós atrapalhar.

  • cristiano marques disse:

    Meu sonho é o Galo carimbar o título no Mineirão, contra um time qualquer e, faltando 5 minutos para o fim, a torcida cantar: Ai Ai Ai, Ai está chegando a hora, o dia já vem raiando, meu bem, e eu tenho que ir embora.

  • cristiano marques disse:

    Meu sonho é o Galo carimbar o título no Mineirão, contra um time qualquer e, faltando 5 minutos para o fim, a torcida cantar: Ai Ai Ai, Ai está chegando a hora, o dia já vem raiando, meu bem, e eu tenho que ir embora. PutaMerda.