Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Resultado da pesquisa por "Lisca Doido"

O que esperar do América de Lisca Doido? Eleito o segundo melhor treinador do Brasil no Brasileiro de 2018

Foto:https://twitter.com/AmericaMG

O América tem duas vitórias (Tupynambás em Juiz de Fora e Uberlândia no Independência) e um empate (Caldense também no Indepa) e entra na “Era Lisca Doido” a partir de agora, em substituição ao Felipe Conceição, que venceu o Palmeiras hoje pelo Campeonato Paulista, em Bragança.

O Coelho quase fechou com o Enderson Moreira, que acredito, teria sido ótimo pelo fato de conhecer bem o clube, gosta de trabalhar com a base. Mas Lisca foi uma boa aquisição e pode fazer um grande trabalho em Minas. Em 2018 ele foi eleito o segundo melhor treinador do Brasileirão, na verdade em terceiro, já que Felipão e Renato Gaúcho empataram em primeiro) com 12,2% dos votos de 106 jogadores da Série A entrevistados pelo portal Uol. Scolari e Renato tiveram 19,8%. Mano Menezes e Odair Hellmann ficaram atrás do Lisca, com 7,5%. Em seguida, Cuca, Dorival Júnior e Tiago Nunes 4,7%, Abel Braga 3,7%, Alberto Valentim e Fábio Carille 2,8%, Tite e Thiago Larghi 1,8%, lembram dele?

Na época foram eleitos também os piores e o ranking foi:

1º Jair Ventura: 14,1%

2º Milton Mendes: 10,3%

3º Celso Roth e Rogério Micale: 5,6%}

4º Marcelo Oliveira e Renato Gaúcho: 4,7%

5º Diego Aguirre e Enderson Moreira: 3,7%

6º Felipe Conceição, Jorginho, Osmar Loss e Marcos Paquetá: 2,8%

7º Levir Culpi, Lisca e Vanderlei Luxemburgo: 1,8%

8º Argel, Carlos Alberto Parreira, Cuca, Fernando Diniz, Guto Ferreira, Joel Santana e Roger Machado: 0,9%

Abstenções: 23,5…

A primeira vez que o trabalho do Lisca me chamou a atenção foi num jogo espetacular em Porto Alegre e escrevi aqui no blog, no dia seis de setembro de 2018:

“A intensidade de um jogo das 11 horas de um domingo no fim de setembro me fez parar diante da TV para ver de quem se tratava. Era jogo do Brasileiro, mas parecia do inglês ou espanhol. O time de camisa branca dava um sufoco danado no listrado de preto e azul. Uai, Grêmio? Sim, e em casa, tomando sufoco do Ceará. Jogaço, vitória gremista, de virada, 3 a 2. A partir daí passei a prestar mais atenção ao trabalho do Lisca “Doido”, que tirou o Ceará da penúltima colocação do campeonato, venceu o Flamengo no Maracanã, Corínthians  e está quase conseguindo tirar o time do rebaixamento.

Era treinador do juvenil do Internacional, quando o Mano Menezes comandava o júnior. O técnico do Cruzeiro e Abel Braga, são os dois colegas de profissão mais admirados por ele, que concedeu ótima entrevista ao “Estadão”:

http://blog.chicomaia.com.br/?s=Lisca+Doido


Felipão e Renato Gaúcho os melhores treinadores do ano; Jair Ventura, o pior. Mas Lisca Doido à frente do Mano Menezes é de lascar!

Mano no programa “Aqui com o Benja” no canal Fox Sports

O Uol entrevistou 106 jogadores da Série A para apontar os melhores e piores, treinadores e árbitros de 2018. Opinião é opinião, igual a preferências. Concorda-se ou lamenta-se, mas, acima de tudo, respeita-se. Já escrevi aqui, logo no início da reação do Ceará, que considero Lisca Doido um bom treinador, possivelmente o melhor entre os “emergentes”, mas daí a colocá-lo como o segundo melhor geral do nosso futebol, é muito. Na votação dos jogadores ele ficou só atrás do Felipão.

Na maioria das vezes a visão de um jogador de futebol é diferente de um jornalista e diferente também do torcedor. Cada um tem um tipo e grau de informações para formar o seu conceito.

Para mim, os melhores técnicos do Brasil, são: Mano Menezes, Tite, Renato Gaúcho, Felipão, Levir Culpi e Cuca. Óbvio que cada um com suas virtudes e falhas, como qualquer profissional de qualquer atividade.

Na lista dos piores, Jair Ventura, que em 2017 era o “queridinho” do Brasil, se despontou como o primeirão este ano. O mesmo Jair que condenou a vinda de treinadores estrangeiros para o Brasil, quando o Flamengo contratou o colombiano Reinaldo Rueda.

O ranking: 1º Felipão e Renato Gaúcho: 19,8%

2º Lisca: 12,2%

3º Mano Menezes e Odair Hellmann: 7,5%

4º Cuca, Dorival Júnior e Tiago Nunes: 4,7%

5º Abel Braga: 3,7%

6º Alberto Valentim e Fábio Carille: 2,8%

7º Tite e Thiago Larghi: 1,8%

8º Diego Aguirre, Pep Guardiola, Rogério Ceni e Zé Ricardo: 0,9% Abstenções: 1,8…

O ranking dos piores:

1º Jair Ventura: 14,1%

2º Milton Mendes: 10,3%

3º Celso Roth e Rogério Micale: 5,6%}

4º Marcelo Oliveira e Renato Gaúcho: 4,7%

5º Diego Aguirre e Enderson Moreira: 3,7%

6º Felipe Conceição, Jorginho, Osmar Loss e Marcos Paquetá: 2,8%

7º Levir Culpi, Lisca e Vanderlei Luxemburgo: 1,8%

8º Argel, Carlos Alberto Parreira, Cuca, Fernando Diniz, Guto Ferreira, Joel Santana e Roger Machado: 0,9%

Abstenções: 23,5…

https://esporte.uol.com.br/reportagens-especiais/pesquisao—futebol-brasileiro—2018/index.htm#campanha-no-corinthians-da-o-titulo-de-pior-treinador-a-jair?cmpid=copiaecola


Lisca Doido é a novidade do returno e hoje o América precisa cumprir com o dever de casa

Lisca Doido, treinador do Ceará, em foto do Diário do Nordeste

Depois de vencer o Flamengo no Rio, o Ceará venceu o Corinthians em Fortaleza e provocou a queda do técnico. Já já muita gente  estará pedindo o técnico Lisca Doido no lugar do Tite na seleção.

E o América precisa vencer o Vasco, no Independência, para não ser ultrapassado por ele e começar a fazer contas contra a zona do rebaixamento.

CLASSIFICAÇÃO PG J V E D GP GC SG %
Internacional 46 23 13 7 3 30 13 17 67
São Paulo 46 23 13 7 3 35 19 16 67
Palmeiras 43 23 12 7 4 35 16 19 62
Flamengo 41 23 12 5 6 33 20 13 59
Grêmio 40 22 11 7 4 29 11 18 61
Atlético-MG 38 23 11 5 7 38 28 10 55
Cruzeiro 32 23 8 8 7 19 19 0 46
Corinthians 30 23 8 6 9 25 20 5 43
Bahia 28 23 7 7 9 24 28 -4 41
10° Santos 27 21 7 6 8 26 23 3 43
11° Atlético-PR 27 22 7 6 9 25 22 3 41
12° Fluminense 27 22 7 6 9 22 27 -5 41
13° América-MG 26 22 7 5 10 22 27 -5 39
14° Botafogo 26 23 6 8 9 21 32 -11 38
15° Vitória 25 22 7 4 11 22 40 -18 38
16° Vasco 24 21 6 6 9 25 32 -7 38
17° Sport 23 23 6 5 12 20 36 -16 33
18° Ceará 23 23 5 8 10 15 25 -10 33
19° Chapecoense 22 22 4 10 8 22 32 -10 33
20° Paraná Clube 16 23 3 7 13 11 29 -18 23

Inspirado em Mano Menezes e Abel Braga, Lisca (que de doido não tem nada), caminha para a prateleira de cima dos treinadores

Lisca Doido é o atual técnico do Ceará. Foto: Bruno Aragão/Ceará

A intensidade de um jogo das 11 horas de um domingo no fim de setembro me fez parar diante da TV para ver de quem se tratava. Era jogo do Brasileiro, mas parecia do inglês ou espanhol. O time de camisa branca dava um sufoco danado no listrado de preto e azul. Uai, Grêmio? Sim, e em casa, tomando sufoco do Ceará. Jogaço, vitória gremista, de virada, 3 a 2. A partir daí passei a prestar mais atenção ao trabalho do Lisca “Doido”, que tirou o Ceará da penúltima colocação do campeonato, venceu o Flamengo no Maracanã, Corínthians  e está quase conseguindo tirar o time do rebaixamento.

Era treinador do juvenil do Internacional, quando o Mano Menezes comandava o júnior. O técnico do Cruzeiro e Abel Braga, são os dois colegas de profissão mais admirados por ele, que concedeu ótima entrevista ao “Estadão”:

* “’Meu sonho é me firmar no mercado dos 12 grandes’, afirma Lisca Doido”

Por Renan Cacioli, O Estado de S.Paulo

Nos próximos dias, é capaz de Muricy Ramalho receber um telefonema inesperado. Do outro lado da linha, estará Luiz Carlos Cirne Lima de Lorenzi, o Lisca Doido. Recentemente, o agora comentarista esportivo e colunista do Estado durante a Copa disse em um programa de TV que o técnico do Ceará era bom, mas seu jeito não o levaria muito longe. “É muito bom treinador, só tem de acabar com esse negócio de louco”, opinou Muricy.

Não que Lisca não goste da segunda parte do apelido que o tornou personagem querido no futebol, principalmente dos torcedores das equipes que dirige. O problema é ser visto apenas da forma folclórica, pejorativa. “Chamou a atenção, porque o Muricy é um cara renomado e comentou isso. Vou ligar pra ele”, promete.

Alucinado por futebol, mas também por qualquer esporte que esteja passando na televisão e do qual possa tirar conceitos táticos para aplicar no seu trabalho, Lisca, de 46 anos, é do tipo metódico. Diz que acorda às 6h da manhã desde os 10 anos. Em Fortaleza, isso significa correr na praia e dar um mergulho antes de pensar no Ceará, que luta para se manter na Série A do Nacional.

Lisca vive solitário, já que a mulher, Danielle, e as filhas Giovanna, 12 anos, e Antônia, 9, moram em Porto Alegre, cidade onde iniciou a trajetória, treinando as categorias de base do Internacional. Lisca não foi jogador. Nas horas vagas, estuda. Lê, assiste, escuta. E fala, muito, sem freios, como nesta entrevista ao Estado.

Até que ponto ajuda o lado engraçado de ser o Lisca Doido, e até que ponto atrapalha na sua ascensão como treinador?

Depende muito de quem está recebendo a mensagem. Tem o Lisca Doido superpositivo, que as crianças gostam, a torcida tem empatia, que é doido por aquilo que faz, apaixonado pelo trabalho. Mas tem o lado pejorativo. Acompanho os programas, alguns colegas teus que nem conhecem o que acontece, mas o negócio do Doido vira um adjetivo pejorativo.

Tem superstição ou mania?

Sou treinador desde 1990, já ganhei de um jeito, perdi de outro, usando o mesmo tênis, dando ré com o ônibus, três pulinhos… Já foram tantas vitórias e derrotas de tantas maneiras. Em alguns jogos, fico mais agitado. Em outros, dou uma meditada antes, tento relaxar.

Costuma apelar mais ao aspecto emocional ou tático nas preleções?

Depende do momento. Em alguns casos, posso trabalhar mais o emocional. Mas a preleção é o resumo final da preparação para o jogo, da parte tática. É preciso cuidado para o jogador não receber muita informação. A parte mental entra também, dependendo da situação, como quando é necessário acender o botão da competitividade do time. (mais…)


Depois de vencer Mano em Minas, Lisca aguarda Levir e seus problemas

Na 12a rodada foi jogo duríssimo no Independência e o Atlético venceu de virada por 2 a 1

Dia desses destaquei o trabalho do técnico Lisca (que de doido não tem nada) e agora ele mostrou um pouco do bom trabalho dele no Mineirão, nos 2 a 0 do Ceará sobre o Cruzeiro completo, dentro do Mineirão. Assumiu o time tido pela maioria absoluta como um dos rebaixados garantidos e o conduz a uma das melhores campanhas do returno.

Certamente Levir Culpi observou atentamente essa vitória cearense e já deve estar pensando formas para conter a fúria que terá pela frente na segunda-feira em Fortaleza. Precisando se distanciar mais da zona da degola o Ceará será osso duríssimo de roer no Castelão.

Outra missão que o Levir tem pela frente neste reinício no comando do Galo é acabar com este discurso acomodado e covarde de vários jogadores de que ficar entre os seis primeiros é um ótimo negócio. Se o título se tornou impossível, a meta tem que ser, no mínimo, entre os quatro primeiros, com vaga assegurada diretamente na Libertadores.


Cruzeiro, do treinador mais “antigo” deste Brasileiro contra o Ceará, de um dos mais recentes

Robinho, de volta ao time, em foto do Vinnicius Silva/Cruzeiro

O Cruzeiro pega o Ceará, 19h15, no Mineirão. O “Vovô” começou bem o campeonato goleando o CSA por 4 a 0 em Fortaleza. Poderá ser uma “vaca atolada” esta noite, ou não. O time é comandado pelo mineiro Enderson Moreira, que chegou para o Brasileiro, logo depois da demissão do Lisca Doido, que caiu por perder o estadual e por desgaste com jogadores e diretoria. A conferir.

Na 98 FM o Adroaldo Leal‏ Informou a possível escalação do Cruzeiro @AdroaldoLeal: “Mano deverá realizar algumas mudanças no time – Robinho e Léo voltam, Dodô deve ser mantido. Henrique e Rodriguinho devem ser poupados. Provável Cruzeiro: Fábio, Edílson, Dedé, Léo e Dodô. Lucas Silva ou Ariel Cabral, Romero, Robinho, Thiago Neves, Marquinhos Gabriel e Fred.

O “Estadão” deu destaque hoje para os técnicos com mais tempo de casa neste Brasileiro e Mano está no topo da lista: 33 meses (desde 26 de julho de 2016), seguido por Renato Gaúcho (Grêmio, 18 de setembro 2016), Rogério Ceni no Fortaleza (10 de novembro 2017), Oldair Hellmann (Internacional, 25 de novembro 2017) e Marcelo Cabo que comanda o CSA desde 19 de fevereiro de 2018.

Essa “longevidade” de vários deverá começar acabar logo nas primeiras rodadas do Brasileiro, com mais umas duas ou três derrotas ou mais uma ou duas goleadas. Nem o 3º colocado escapa: Rogério Ceni tomou de 4 a 0 do Palmeiras na estreia e corre risco. Recebe hoje o Athlético-PR e domingo vai ao Rio enfrentar o Botafogo.

Pior que a situação dele é a do Marcelo Cabo, menos famoso e com menos prestígio no CSA. Recebe o Palmeiras hoje e o Santos no domingo.

Geninho desde 18 de abril do ano passado no Avaí, que é o sexto da lista do “Estadão”,  perdeu na estreia para o Galo, recebe o Grêmio  hoje e domingo vai a Salvador enfrentar o Bahia.


O Cruzeiro está jogando para cumprir tabela neste Brasileiro

Especialmente porque o seu objetivo do momento já foi alcançado, que é a Copa do Brasil e a vaga direta na Libertadores da América 2019. Entrou em campo contra o Ceará completamente displicente enquanto o adversário dava a vida em mais um passo para fora da zona do rebaixamento, além de ter bom time, montado pelo Lisca Doido.

Para ficar mais tranquilo ainda na competição, espera chegar logo aos 45 pontos para não mais correr riscos em zona de degola. Neste aspecto, faltam apenas cinco e a partir do próximo sábado podem ficar faltando apenas dois, já que o time volta a campo em casa contra o lanterna do campeonato, e já rebaixado Paraná, às 21 horas.


América empacou contra o Ceará, mas vale prestar atenção no desabafo do Adilson Batista

Foto: Mourão Panda/América

Sob comando do técnico Lisca Doido o Ceará cresceu de produção e as vitórias sobre Flamengo e Corinthians mostraram isso. Na situação em que se encontra na classificação, tornou-se um “franco atirador”, um “kamikase” que vai pra cima do adversário, na base do tudo ou nada. O América enfrentou esse desespero cearense e quase perdeu o jogo, em casa.

Depois do jogo o técnico Adilson Batista falou das várias causas do mau futebol do Coelho, dentre eles o desgaste do elenco,provocado pelo calendário maluco do futebol brasileiro. Um desabafo, que merece reflexão, mas que cúpula da CBF e federações continuará ignorando. E por serem desunidos, os clubes não forçam uma mudança. Veja o que disse o Adilson no Globoesporte.com:

__ Não adianta nós ficarmos reclamando, nós treinadores e atletas, para apresentar um jogo de bom nível. Dava para ter colocado às 17h, você ameniza, dá para tirar as 20 datas de Estadual, que não vale nada, não leva a lugar nenhum, não joga contra ninguém. Só por causa da Federação, recebe R$ 100 mil e fica esses campeonatos estaduais. Aí fica esse futebol que vocês estão vendo: lento, preguiçoso, e eu mostrei para eles. Eu vi Brasil e Estados Unidos, você vê futebol de alto nível, jogadores tops, todos fazem andar rápido. É muita velocidade, muita intensidade. Ninguém fica penteando a bola. Aí você tem que viajar para Uberaba, Uberlândia, tem que ir lá para Ituiutaba, aí vai chegar aqui, meio de agosto e setembro, está cansado. Mas quem comanda o futebol não enxerga isso. Não adianta eu ficar falando, outros treinadores já falaram. Tem 44 finais de semana, tem 88 datas, quarta e domingo para fazer decentemente um Campeonato Brasileiro. Mas não querem. É político, é um reflexo do que estamos vendo aí, só tem ladrão neste país.

Antes da partida, Adilson Batista perdeu o goleiro titular, João Ricardo, que sentiu desconforto muscular na coxa direita. Mesma situação do seu lateral/meia Gerson Magrão, com desconforto na coxa esquerda. O treinador disse que, por causa da falta de qualidade de algumas partidas, não fica vendo determinados jogos no Brasil.

– Com o Gerson iria acabar sendo a mesma coisa. É desgaste. Eu já defendo isso há anos. Campeonato estadual é um atraso no futebol brasileiro. Lugar nenhum do futebol mundial tem campeonato estadual. Só na várzea aqui do Brasil. Aí vão ver isso aí. Tenho que defender os atletas: fica lento, preguiçoso. Por que não coloca 17h o jogo? Aí, daqui a pouco, é 12h, 11h o jogo. Não estou justificando, só estou alertando, porque a gente quer um bem futebol, com intensidade. Eu assisto Campeonato Inglês, você acha que eu assisto Série B? Eu não perco meu tempo. Assisto Campeonato Inglês, Campeonato Alemão, Espanhol. Porque a gente vê falta, truncado. Você pega as empresas de aviação, e a logística não é tudo igual. Tem clubes que sofrem. Tem que enaltecer trabalho que o Ceará está fazendo, está junto da gente no segundo turno. Teve um dia a mais na semana de recuperação. Isto é reflexo. Essas coisas precisam olhar. As vezes quem joga na segunda, joga quinta. Ou joga quinta de noite e joga no sábado. É prejudicado. Precisava ter um pouquinho de bom senso. Em defesa dos atletas do futebol brasileiro. Ceará mesmo com Copa do Nordeste, copa de não sei o que. Aí a gente vai assim mesmo, jogos ruins, jogos lentos. Eu fico triste como profissional.”