Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Palmeiras e Flamengo não começaram bem. Dois resultados inesperados na largada do Brasileirão 2022. E hoje tem Galo x Inter

Faço minhas as palavras do comentarista do blog, Pedro Vitor Canela, sobre o início da primeira rodada do Brasileirão e a estreia do Atlético, hoje, no Mineirão contra o Internacional:

* “Os três primeiros jogos do Campeonato Brasileiro, pregou duas surpresas, a mais incrível, foi a vitória do Ceará em cima do Palmeiras (3 x 2 em SP), com um a menos, e Atlético de Goiás empatou com o temido Flamengo (1 x 1, em Goiânia).

O Fluminense pintado como uma boa equipe, não passou de um 0 a 0, chocho. (em casa contra o Santos).

Brasileiro é o Campeonato mais difícil do mundo, tem que ter elenco, e respeitar todos os adversários seja em qualquer momento, ruim ou bom.

Hoje é a estreia do Atlético. Na minha opinião o Internacional, apesar de não ter ido muito bem no campeonato gaúcho, foi eliminado pelo Grêmio e também na Copa do Brasil, saiu cedo, tem um excelente elenco, só que ainda não se acertou nas mãos do treinador estrangeiro que lá está.

Atlético terá que saber jogar, pois contra o Galo, até o Cruzeiro joga bem, ter atenção aos contra ataques, mas tem que vencer, até porque, Flamengo e Palmeiras, não largaram bem no Campeonato Brasileiro, se o Galo vence o Inter, já larga na frente!””


Tinha um Jacaré no caminho do Cruzeiro na estreia na Série B 2022

Foto: @geglobo

Vejam como estatísticas e “posse de bola”, insistentemente utilizados por tantos comentaristas são uma grande perfumaria. Manchete do Globoesporte.com, em reportagem de um jornalista baiano:

* “Bahia tem menor posse de bola e precisão dos passes em triunfo sobre o Cruzeiro; veja os números”

Bobagens ao vento.

Diferentemente dos adversários muito ruins do campeonato mineiro, a quem derrotou, o Cruzeiro pegou um Bahia afiado e sofreu uma derrota incontestável. Não dá nem para culpar a arbitragem.

O jogo começou com uma invenção na transmissão do Sportv que causou estranheza em gente demais. Como reclamou o jornalista Fernando Martins: @martinsymiguel “Vou falar uma coisa aqui que ninguém falou: linha do tempo do Sportv ficou bom não. Boa noite!”

Que coisa, hein!? E eu pensando que era um defeito da minha TV!

Partida muito boa de se assistir. Os dois times buscaram a vitória, com supremacia do Bahia, que desperdiçou três oportunidades no primeiro tempo, explorando contra ataques em alta velocidade, pelas pontas. Mas, a pontaria foi calibrada, no início do segundo tempo, aos 11 minutos, quando o técnico Guto Ferreira pôs em campo o Jacaré, que aproveitou magistralmente um cruzamento da esquerda, que passou pelos zagueiros do Cruzeiro.

A tentativa de reação azul foi infrutífera, já que faltou qualidade técnica aos atacantes, que até tiveram oportunidades, mas não conseguiram finalizar com competência. Vitor Roque, de quem se espera muito; uma decepção nesta primeira oportunidade no Brasileiro.

Aos 28 do segundo  tempo, de novo em alta velocidade, o Jacaré esboçou um drible em dois zagueiros do Cruzeiro, mas chutou e acertou com precisão, no canto esquerdo do Rafael Cabral, de longe, e matou o jogo.

Próximo adversário azul, o Brusque, que hoje venceu o Guarani, 1 x 0, no Sul. Será terça-feira, 21h30, no Mineirão.

Algumas twittadas interessantes depois desses 2 x 0 do Bahia:

Igor Assunção, da 98FM:

@Igortep “Esse time teve mais gente na seleção do Mineiro pelos especialistas da emissora do que o Galo.”

Luciano Dias, da Band:

@jornlucianodias “Pode ter esboço de organização, de intensidade. Mas quando esbarra na qualidade técnica dos jogadores fica difícil. Vitor Leque e Waguininho, por exemplo, não podem ser titulares de um Cruzeiro que diz que almejar algo grande na Série B. Brock e Oliveira não passam confiança tb.”

Sérgio Xavier Filho, do Sportv:

@sxavierfilho “A Série B é tinhosa. Imprevisibilidade absurda. Ir mal no estadual não é um referencial confiável. Tropeços iniciais podem acender luz amarela e corrigir rotas. Ou o contrário. Bahia péssimo no ano. Boa estreia. Cruzeiro animador no estadual. Estreia ruim. Calma. Só o começo”

***

Concordo com todos; como sempre, excelentes!


Mais otimista, Cruzeiro começa hoje a luta para sair da Série B; Tombense é o outro mineiro na disputa. Façamos nossas apostas

Em função dos muitos concorrentes de peso, esta será uma das mais difíceis edições da história da segunda divisão. Gostei dos palpites do ótimo jornalista Pedro Rocha, mineiro, que a Globo buscou de volta para São Paulo. Confira o que ele twittou:
@novaesrocha
Ninguém me pediu, mas eu trouxe o GABARITO da Série B.
***
Vejamos!

O “Sobrenatural de Almeida”, o goleiro Everson e a pontaria ruim do Tolima, ajudaram o Atlético a buscar grande vitória na Colômbia

Foto: @Atletico

Foi a primeira vez que um time brasileiro marcou gol no Tolima, lá. E primeira derrota deles, em casa, para um clube brasileiro. Everson, Allan e Nacho foram os melhores do Atlético esta noite. Hulk, sob marcação cerrada,  foi importante taticamente. Mariano com 35 anos de idade e Godin, com 36, não podem ser escalados juntos para tomar conta do lado direito. Todo adversário vai tentar se aproveitar disso.

Agora, vamos ao que interessa de verdade. Mesmo com muitos passes errados e furos incríveis na defesa, o Galo conseguiu uma vitória impressionante na estreia pela Libertadores esta noite sobre o Tolima, em Ibagué, na Colômbia.

Quem toma conhecimento apenas do resultado, não imagina o tamanho da dificuldade, as oportunidades perdidas pelo bom time colombiano e as defesas sensacionais feitas pelo Everson.

Também não imagina que aos 25 do primeiro tempo, Godin parecia um pangaré correndo atrás do Plata, atacante do Tolima, que desperdiçou a melhor chance da partida até então.

Ou que, aos 34 minutos, Alonso, que raramente erra, deu uma bola de presente para contra ataque colombiano, cujo atacante Rangel, entrando na pequena área, errou o chutou para fora, com o gol aberto.

E que quando se encaminhava para empate na primeira etapa, Savarino, que recebera de Mariano, deu um passe “de letra”, para Nacho ficar na cara do goleiro e abrir o marcador. Coisa do “Sobrenatural de Almeida”, como diria o Nelson Rodrigues.

No segundo tempo os donos da casa partiram com tudo em busca do empate, Everson fez uma série de ótimas defesas, salvando o Galo dos erros de passes e saídas de bola que continuaram acontecendo. Como aos 29 minutos, quando, de novo Godín deu passe Orozco tentar e errar o gol de empate.

Aos 33, Ademir, que entrara no lugar de Savarino, cobrou corner na cabeça de Alonso, que ajeitou para Tchê-Tchê (que entrara no lugar de Dylan Borero) empurrar para as redes, fazendo dois a zero.

El Turco trocou também Jair por Otávio, Nacho por  Rubens e Hulk por Sasha. No banco, estranhamente Keno não foi acionando em momento algum pelo treinador.

Quando saiu a escalação, com razão, o Milton Naves, da Itatiaia, foi o primeiro a estranhar uma opção adotada pelo técnico:

@miltonnaves “Difícil entender como o Dylan ganhou a posição e se escalou pra esse jogo”

Depois de uma defesa espetacular com a mão trocada, o Everson foi merecedor de uma observação interessante do Iran Barbosa:

@iranbarbosa “Me mostre uma pessoa que já criticou o Everson e eu te mostrarei alguém amargamente arrependido.”

Quase no fim do jogo, outra observação corretíssima, agora do Igor Assunção, da 98FM: @Igortep “Godín vai ganhar alguma disputa?”

Uma vitória sensacional, porém, em uma partida que merece ser revista e analisada várias vezes pelo treinador e jogadores, já que há erros demais a serem corrigidos. Inclusive nas opções adotadas pelo comandante Antônio Mohamed.


Em pleno Independência, América “inócuo, insípido e inodoro”, toma de dois a zero na estreia

O América mostrou os mesmos problemas dos jogos anteriores pela Libertadores: defesa insegura, toma gol logo de início (aos 11 minutos), passa a dominar as ações da partida, mas não consegue marcar gols.

O técnico Marquinhos Santos fez mexidas “inócuas, insípidas e inodoras”, ou seja, não valeram nada.

No fim, 45 do segundo tempo, todo o time no ataque, na base do desespero, toma o segundo gol.


O América daqui a pouco pela Libertadores e a misteriosa saída do Rodolfo

Fiquei feliz demais ao ver nas redes sociais da Conmebol esta manhã:

“Se inicia el Grupo D en Belo Horizonte!

@AmericaMG  recibe a @IDV_EC por la primera fecha de la Fase de Grupos de la CONMEBOL #Libertadores. El Coelho enfrentará su segundo rival ecuatoriano en la Copa tras eliminar a #Barcelona en la Fase 3. #GloriaEterna

Muito bom ver o longo e transparente trabalho de recuperação do Coelho sendo coroado com a participação na fase de grupos da competição mais importante do continente. Pena que citar nomes seja complicado, pois dá vontade de elogiar um a um, nominalmente, os dirigentes que participaram dessa missão. Sendo assim, na saudosa figura do Magnus Lívius de Carvalho, que foi um grande presidente e iniciador deste processo, a minha homenagem a todos, das diversas áreas e épocas.

Vejamos como será o comportamento do time, na forma diferente de disputa das fases anteriores. Todos contra todos, classificando-se os dois melhores pontuados de cada grupo.

Assim como a muitos americanos, o trabalho do técnico Marquinhos Santos até hoje não me convenceu. Diferentemente dos antecessores Wagner Mancini e Lisca, não vejo o América com uma forma definida de jogar, nem mudanças táticas e individuais convincentes durante a partida. O Coelho vem se dando bem, mais pela motivação dos jogadores, mas chega um determinado momento em que é preciso o dedo do treinador, na escalação e ou nas escolhas táticas. Mas, de repente, chegou a hora dessas virtudes do treinador finalmente aparecerem.

Um outro tema importante do time se refere à saída do atacante Rodolfo, que lamentei e não entendi. Caiu vertiginosamente de produção de quase dois anos para cá, mas foi muito importante para time anteriormente. Será que houve um bom trabalho da comissão técnica e diretoria para saber o que se passou com ele e tentar recuperá-lo? Não é sempre que se encontra um jogador com tanto potencial como o dele. E o mais triste: saiu magoado, tanto que apagou o América das redes sociais dele.

Um mistério, para o qual pedi ajuda ao americano tradicional Marcio Amorim, para tentar explicar. Mas, pelo visto, nem ele, frequentador assíduo dos jogos e atento aos noticiários, conseguiu decifrar, pelo que as senhoras e senhoras podem conferir a seguir:

“Sobre o Rodolfo, não comentei ainda porque poderia ser uma opinião não muito clara ou muito filosófica. O Rodolfo é um ótimo jogador. Não é “nenhuma Brastemp”, mas compôs muito bem, aliás, o grupo vitorioso que deu origem a esta arrancada espetacular do América. Devemos, sim, muito a ele, que se identificou com o clube e com o time de então. Creio que a cabeça dele ficou na Série B em que o time seguia à risca as táticas e maneira do Lisca de conduzir o grupo com competência, brilho e carisma. Para mim, um marco na história recente do América. Entrou em decadência com o time na Série A e não evoluiu como se esperava, com a chegada de novos elementos para um grupo pretensamente mais qualificado. Foi regredindo e, hoje, não tem mais força de reação.

Com a chegada de novos elementos, viu-se na reserva e diminuído com o Pênalti perdido contra o Atlético em cujo jogo, se não estávamos superiores, havia uma paridade de forças até aquele momento. De lá para cá, só caiu de produção e não acha em campo o lugar que ele sempre ocupou muito bem. Estranho não ter aparecido alguém para alertá-lo sobre isto.

Sem uma orientação, parece que hoje ele definiu que há culpados para isto, menos ele: o América, a torcida – por vezes cruel – a imprensa, e, pior, os colegas de clube.

Penso que a mudança de ares será muito boa para ele. Não sei se terá as chances de que precisa no Cruzeiro. Hoje, o time está bem e se organizando. O futuro continua uma interrogação. Talvez, para ele, melhor seria mudar de Estado, mesmo na Série B. A repulsa impensada e, com certeza, passageira à camisa do América é uma forma de ingratidão pelo espaço que teve e pela boa fase que lá passou, mas indica que ele não se culpa pela queda de rendimento e pela sua apatia em campo, aceitando (ou não?) a reserva. Pelo caráter que ele tem, mais para a frente vai rever este gesto. Grande abraço!”

Marcio Amorim

AFC


Na Colômbia, a estreia do Atlético na Libertadores, hoje: “O futuro do Galo será muito maior que o seu passado”

Estádio Manuel Murillo Toro, em Ibagué, palco da estreia do Atlético, esta noite, foi onde Ronaldo, hoje dono do Cruzeiro, fez a sua última partida como jogador profissional. Atuando pelo Corinthians, foi eliminado pelo Tolima, na pré-Libertadores de 2011

***

Nessa primeira postagem desta quarta-feira, aproveito para homenagear a dois grandes jornalistas e amigos de longa data: o mestre Rogério Perez, meu querido chefe nos tempos de Hoje em Dia, e Eduardo de Ávila, fera, que se tornou um ícone do mundo alvinegro, na TV, nas redes sociais e em seu blog no Uai, “Canto do Galo”.

A frase do título deste post é do Perez, publicada pelo Eduardo, hoje, depois de uma visita que ele fez ao mestre.

Ele avalia a estreia do Atlético na Libertadores e as perspectivas do time na disputa deste ano. E concordo com ele quanto a quem deveria substituir Réver e Zaracho, que nem viajaram com a delegação, devido a questões físicas: Jr. Alonso na zaga e Ademir no meio/ataque:

* “O futuro do Galo será muito maior que o seu passado”

Eduardo de Ávila

O título de hoje é um comentário do amigo Rogério Perez, que tive a felicidade de reencontrar na segunda-feira. Meu chefe de redação, dos tempos de Hoje em Dia, conseguia em suas colunas a imparcialidade que sempre recusei. Pois que, na visita ao amiGalo (nessa entreguei ele) pude ouvir essa linda e estimulante pérola.

Perão, como poucos jornalistas que cobriram futebol, inclusive Copa do Mundo, tem autoridade para essa previsão. E, confesso, como não tenho isenção, saí de lá ainda mais entusiasmado para a nossa estreia hoje – como visitante e frente ao Tolima da Colômbia – por outro ano impecável como tem sido os últimos tempos do Galo.

Dito isso, vamos à expectativa da Massa – aliada ao que El Turco poderá mostrar com seus comandados – na abertura da Libertadores de 2022. Antes, porém, um registro que sempre insisto, a oitava participação do Galo nos últimos 10 anos. E, sem deixar de reafirmar que nas seis últimas competições vencemos cinco (dois mineiros, um Brasileiro, uma Copa do Brasil, uma Supercopa), tendo faltado exatamente essa Libertadores que avançamos até as semifinais.

Ao ver os relacionados para a viagem, com as ausências de Rever, Zaracho e Vargas, imagino o time escalado com Éverson; Mariano, Nathan Silva, Junior Alonso e Arana; Allan, Jair e Nacho; Ademir, Hulk e Keno. E, entre os que já estão na Colômbia, ainda teríamos as opções de Godín, para a zaga; Otávio e Borrero, no meio campo; Savarino, ataque, ainda Rafael, Matheus Mendes. Rubens, Guga, Igor Rabello, Calebe, Tchê Tchê, Fábio Gomes e Sasha. Que elenco!

Um bom resultado hoje nessa estreia será fundamental para a sequência, pois os melhores colocados em cada chave – especialmente o primeiro geral – sempre decidem em casa. Foi assim em 2013, quando conquistamos o troféu de melhor time das Américas. Ano passado, com o regulamento alterado e onde apenas a finalíssima é disputada em jogo único, decidimos em casa até o empate com gols frente ao Palmeiras que nos tirou da decisão.

Para esse ano, o critério de gol fora foi abolido. Então é vencer e tentar, mais uma vez, a primeira colocação geral. A tabela prevê o Galo duas vezes fora de Belo Horizonte no primeiro turno da fase de grupos, atuando como mandante com o América. Isso significa que no segundo turno, vamos receber Tolima e Del Vale, e atuando como visitante frente ao mesmo coelho. Serão quatro jogos em BH, sendo que os três últimos estão nessa relação.

Não estou, com isso, sugerindo que a tabela nos brinda com facilidades. Libertadores só tem jogos pegados, seja em casa ou fora, os times da América do Sul são cascudos e temos de impor o nosso melhor futebol. Foi assim no ano da conquista e – embora eliminados nas semifinais do ano passado – nosso time brilhou nessa competição e em todas as que esteve participou e ganhou.

E, não tenham dúvidas, será assim hoje à noite em território do adversário. Comprometimento, dedicação, doação não iram faltar aos nossos profissionais, sejam eles do elenco ou da comissão técnica. Se não atrapalharem, como já ocorreu, somos candidatíssimos ao título de Rei das Américas.

Pois é, que sejam proféticas as palavras do Rogério Perez. Eu acredito nele, Perão, e também na direção Atleticana. Sérgio, que costumo registrar que assina Coelho, mas é Galo Doido, sabe o exato tamanho da nossa capacidade e possibilidades de títulos. Tem sido assim, desde que assumiu. Poucas e com custo baixo as pontuais contratações. Temos, indubitavelmente, o melhor elenco do Brasil.” O futuro do Galo será muito maior que o seu passado”

Que assim seja, porque aqui é Gaaalooo, po##@!

https://blogs.uai.com.br/cantodogalo/o-futuro-do-galo-sera-muito-maior-que-o-seu-passado/


Ronaldo animado: “Agora é comigo”. Depois de justa polêmica, Cruzeiro inicia nova era, com novos parceiros engatilhados

Foto: @Cruzeiro

Procópio Cardoso, que pertence à história do Cruzeiro, dentro e fora das quatro linhas, resumiu bem:

@procopiocardozo: “Ronaldo deu início a uma nova era no futebol brasileiro na qual as panelinhas hereditárias de conselheiros não terão mais espaço. Todos terão que seguir o exemplo do Cruzeiro.”

***

E deu o que era esperado. Depois de muito bate-boca, o Conselho Deliberativo do Cruzeiro aprovou todas as exigências do ex-atacante para que ele conclua o processo de aquisição de 91% do clube.

A polêmica se justificava, pois afinal, é uma guinada na vida de uma instituição de mais de 100 anos de existência, cuja grandeza dentro e fora dos gramados foi construída por milhares de pessoas. Interessante é que a aprovação foi por unanimidade. Os conselheiros não tinham outra opção: com centenas de torcedores na porta do ginásio onde ocorria a votação e sem ninguém para apresentar solução alternativa, fazer o quê?

E essa unanimidade deve ter motivado Ronaldo a soltar uma frase emblemática: “Agora é comigo e vamos recolocar o Cruzeiro no lugar que é dele”. Depois emendou que já tem possíveis parceiros e patrocinadores engatilhados. Reportagem do Superesportes de hoje mostra um deles:

* “Novo parceiro? Conheça o bilionário cruzeirense que se reuniu com Ronaldo”

Nicolau Esteves, médico e empresário, fundou a Afya Educacional e tem fortuna estimada em R$ 4,2 bilhões

Até o início do mês passado, Esteves, que é cruzeirense e tem fortuna estimada pela especializada Forbes em R$ 4,2 bilhões, detinha o controle da Afya Educacional, maior grupo de educação médica e serviços digitais em saúde do Brasil.

No último dia 7, a empresa, que está listada na Nasdaq (mercado de ações norte-americano), encaminhou venda de boa parte de suas ações ao grupo alemão Bertelsmann. O valor da transação, que ainda depende de diligências, está na casa dos 161 milhões de dólares (cerca de R$ 740 milhões).

Inicialmente, Esteves mostrou intenção em comprar um percentual da Sociedade Anônima do Futebol (SAF) do Cruzeiro. Ronaldo está em vias de assinar a aquisição de 90% das ações, uma vez que teve demandas aprovadas pelo Conselho Deliberativo na noite dessa segunda-feira (4), em reunião tensa no Barro Preto.

Após a aprovação, em entrevista coletiva, o Fenômeno destacou que “todo mundo quer investir no Cruzeiro”. “Estou aliviado agora, vamos definitivamente poder trabalhar. Temos muitas coisas pendentes. Eu estive no mercado para vender patrocínio e todo mundo quer investir no clube, nesse novo Cruzeiro”, disse.

https://www.mg.superesportes.com.br/app/noticias/futebol/cruzeiro/2022/04/05/noticia_cruzeiro,3965887/novo-parceiro-conheca-o-bilionario-cruzeirense-que-se-reuniu-com-ronaldo.shtml


Que satisfação ver o Democrata Pantera campeão do Troféu Inconfidência e forte novamente

Foto: Pamella Tomich

Espero que o nosso Democrata, o “Jacaré”, de Sete Lagoas, retorne breve também a brilhar e dar alegrias à torcida como o de Governador Valadares, que retornou muito bem à primeira divisão estadual depois de um longo período em situação difícil.

E voltou bem demais. Em momento algum correu risco de ser rebaixado e ainda conseguiu se classificar para o Troféu Inconfidência, disputado entre os que ficaram de quinto a oitavo lugar. Na semifinal, eliminou o Villa Nova, no jogo da volta, em Nova Lima, façanha dificílima para qualquer adversário no Alçapão do Bonfim.

Gosto muito de Governador Valadares, cidade onde tenho grandes amigos. Ano passado estive lá e fiz questão de caminhar até o Estádio José Mamoud Abas, o Mamudão, onde transmiti grandes jogos pelas Rádios Capital e Inconfidência.

Uma volta ao passado, ao meu começo de carreira, de ótimas recordações, que fiz questão de fotografar.

Aliás, o estádio está muito bem cuidado.

A diretoria homenageia nos muros do Mamudão, jogadores que ajudaram a construir a história da Pantera e do futebol do Vale do Rio do Doce.

Fotografei alguns, icônicos, como o Darcy Menezes, um dos melhores zagueiros do nosso futebol, que fez sucesso no Cruzeiro, formando dupla com o Morais, nos anos 1970.

Chico Duro, grande atacante, pai do jornalista Marcelo Machado;

o goleiro Jota, que não tive o prazer de ver jogar, mas que os mais velhos de lá dizem que pegava demais.

Parabéns à diretoria, comissão técnica, jogadores e principalmente à torcida e à cidade. Ver o Democrata forte novamente é um orgulho para o futebol mineiro.

Mais detalhes do título e da campanha, no tradicional Diário do Rio Doce, jornal em que tive o prazer de escrever minha coluna durante vários anos:

* “Democrata derrota Tombense e conquista o Troféu Inconfidência 2022”

por Márcio Soares

O gol saiu aos oito minutos; Gabriel Ferreira marca de cabeça e conquista o título inédito

O Esporte Clube Democrata conquistou o Troféu Inconfidência na noite desse domingo (3) contra o Tombense. Aliás um presente para a Pantera que completou 90 anos no mês de fevereiro e para as torcidas que lotaram o Mamudão.

… faltando duas horas para começar o jogo, as torcidas já faziam a festa em frente à sede da Pantera, comemorando o título, com aquela certeza que o Democrata já era campeão. Jamaica é torcedor da Pantera há muitos anos. De acordo com ele, este jogo é muito importante. Ainda de acordo com ele, há cinco anos o seu irmão morreu na arquibancada por causa de um infarto. “Hoje é um dia marcante para mim. Hoje está completando 5 anos exatamente que meu irmão morreu, e vai ficar mais marcante para mim quando nós gritarmos é campeão’’, ressaltou.

Torcidas do Democrata fazendo aquecimento antes do jogo – DRD

https://drd.com.br/democrata-derrota-tombense-e-conquista-o-trofeu-inconfidencia-2022-01/


O Galo ganhou porque é muito melhor, mas se o Cruzeiro jogar o que jogou hoje, tem chances de voltar à primeira divisão

Foto: twitter.com/Mineirao

Valeu demais. A começar pelo Mineirão dividido meio a meio. O futebol precisa disso, como bem disse o Procópio Cardoso, figura icônica neste clássico.: @procopiocardozo

“Clássico com duas torcidas meio a meio no estádio é importante pra todo mundo principalmente para os atletas. É o dia que o jogador mostra o que é e o que pode.”

No primeiro tempo os dois goleiros se destacaram. Grandes defesas. Se assemelharam até nos erros: um para cada lado em reposições de bola mal feitas, que quase resultaram em gol do adversário.

O Cruzeiro com muita vontade, correndo demais para equiparar e tentar superar a melhor qualidade técnica do Atlético. Pezzolano exagerou na tentativa de explorar a idade avançada de Mariano e Réver pelo lado direito atleticano. A exploração da catimba também foi exagerada na provocação pessoal ao Réver, que não agrediu fisicamente aos provocadores e não foi expulso. Valeram os muitos anos rodados dentro dos gramados.

Como quase sempre, Hulk fez diferença, no jogo inteiro. Aos 31 minutos abriu o placar usando a categoria técnica e a força do seu corpo. O goleiro não esperava que ele chutasse naquele exato momento. Afinal, ele estava disputando a bola com o zagueiro. E com qual perna ele chutaria? Mas ele chutou, e o placar foi aberto.

No segundo tempo os dois times mexeram. Pezzolano na necessidade de empatar e virar; Mohamed, sustentar ou ampliar o placar, e pôs em campo o Ademir, no lugar do Keno. Melhorou o time. Daí a pouco, Nacho que já tinha dado o passe para Hulk fazer 1 a 0, recebeu e fez 2 a 0. Não sem antes, dar um drible desconcertante, matar o zagueiro e estufar as redes.

Bati palmas para o Cândido Henrique, grande jornalista do jornal O Tempo, que twittou: @candidoh

“Nacho é craque! Respeitem o craque argentino!!!”

O trio de arbitragem foi muito bem. Para provar que os apitadores mineiros são tão bons e ruins como qualquer árbitro do Brasil Erram e acertam. Hoje, mais acertaram do que erraram.

É isso aí!

Galo ganhou! Porque é muito melhor.


Página 10 de 1.260« Primeira...89101112...203040...Última »