Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

As primeiras impressões de Moscou têm sido as melhores possíveis

Tudo funcionando na mais perfeita ordem, nessa cidade gigante, limpa, bem organizada e gente educada. Os transportes fartos de opções para todos os gostos, por preços que atendem a todo tipo de bolso. Como quase sempre, as comunicações são mais acessíveis que no Brasil. Telefonia e internet da melhor qualidade por bons preços. Num dos próximos encontros nossos por aqui faremos umas comparações com os preços daí.

Do aeroporto principal até o centro são 30 Km em ótima estrada e a corrida sai a 60 reais pelo Uber. Há o serviço de outros aplicativos também, que experimentarei breve. Os táxistas daqui são muito falados, por meter a mão nos preços, enganar os clientes e serem mal educados. Tive péssima experiência com um deles aqui em 2012.

Do aeroporto até o apartamento onde estou hospedado deu uma hora. Na chegada ao centro algum gargalo no trânsito, mas nada incômodo.

Quem estiver vindo que venha preparado para baixas temperaturas e um vento cortante. Hoje, por exemplo, previsão de mínimo de 7 e máximo de 14 graus. Esta foto, mostrando 11 graus, foi feita ontem às 17 horas.


O lixo da internet de Guarulhos, a vitória do Galo, o traço do Duke e o Cruzeiro de Mano Menezes

Depois de passar raiva no aeroporto de Guarulhos e não conseguir acesso à internet, nem pagando, escrevo de Londres, aeroporto de Heathrow, enquanto aguardo a conexão pra Moscou.

Incrível como o principal aeroporto do Brasil não consegue prestar um serviço básico de wi-fi aos seus usuários, que pagam caro por taxa de embarque. O pior é que nem o acesso pago foi possível. A Oi diz ter este serviço, toma seu tempo com um cadastro longo e ridículo, e quando você chega no momento de pagar a página volta ao início e nada feito.

Não vi nem ouvi a vitória do Galo sobre o América já que estava no ótimo voo da Bristish Airways. Tão logo a porta do avião se abriu tomei conhecimento dos 3 a 1 pelo twitter. Junto do noticiário, recebi via whatsapp esta ótima charge com traço do Duke, editada pela Espora 13.

Ontem postei comentário do cruzeirense Alex Souza sobre o empate do Cruzeiro com o Vasco e muita gente não leu que alertei que o comentário era dele, inclusive com a assinatura no fim do texto. Andei recebendo mensagens de atleticanos incomodados, dizendo que a “imprensa mineira” dá moral demais para Itair Machado e que o Cruzeiro tem tratamento privilegiado da mídia no dia a dia. A generalização é terrível. Último elogio que fiz ao Itair deve ter sido quando ele ganhou o título estadual com o Ipatinga, e mesmo assim exaltando a articulação dele com o Zezé Perrella, que mandou um time inteiro para o Vale do Aço, inclusive comissão técnica, bancando a maioria dos custos. Na sequência o Itair achou que era tão forte quanto ao Zezé, quis alçar carreira solo, brigou com meio mundo e o Ipatinga desmoronou. Está se reerguendo agora, sem o Itair.

No Cruzeiro atual não vejo motivo nenhum para elogios ao ex-presidente do Ipatinga, ainda. O grande responsável pela boa performance do time é o Mano Menezes, que o tirou do risco de rebaixamento em 2015 e arrumou a casa na época. Foi para a China e quando a situação estava ruim novamente em 2016 ele retornou e voltou a consertar as coisas. Quem acompanha este blog com assiduidade vai se lembrar que na mudança de diretoria ano passado eu escrevi aqui que o Dr. Gilvan e nenhum diretor dele fariam falta ao futebol do clube. Mas se o Mano fosse embora, aí sim, o Cruzeiro teria sérios problemas no futebol. E assim a vida segue no mundo azul. O Mano, no estilo xerife dele segura a barra do futebol cruzeirense. Com um elenco apenas razoável, montou um sistema forte na defesa, aposta em uma ou duas bolas, além do craque do time que é o Thiago Neves e assim vai dando “goleadas” de 1 a 0, conquistando três pontos e brigando pelos títulos que disputa. Contra o Vasco, que tem um time fraco, a bola do jogo quase não entrou, pois o Thiago Neves não estava bem, o time carioca foi competente para se defender e quase ganhou o jogo.

É isso.

Quando eu chegar na Rússia foi ver os melhores momentos dos 3 a 1 do Galo no Coelhão.


Um Vasco surpreendente, que teve competência para segurar o Cruzeiro

Nessa foto do Fred Magno, do jornal O Tempo, o lance mais polêmico, em que o Cruzeiro reclamou pênalti do Paulão no Raniel. Mano Menezes responsabilizou o árbitro Luiz Flávio de Oliveira pelo empate. 

Jogo muito bom. O Vasco não se intimidou, jogou de igual para igual, saiu na frente e suportou bem a pressão do Cruzeiro, que pressionou intensamente nos últimos 10 minutos mas não conseguiu o gol da virada. Egídio deu bobeira ao errar a saída de bola perto da grande área, originando o gol vascaíno pelo Andrey.

Obrigado ao Alex Souza que fez uma resenha caprichada para o blog sobre este 1 a 1:

* Chance pelo alto: a 7’ o Cruzeiro pressionou e obteve escanteio. Dedé superou a defesa vascaína e cabeceou para baixo. A bola passou à direita do gol do Vasco e o Cruzeiro quase abriu o placar.

Chance clara: O Cruzeiro continuou pressionando e Raniel fez bola jogada pela esquerda e cruzou para o meio da área. Bola perfeita para a conclusão de Thiago Neves, que chegou na frente da marcação. Ele chutou errado e perdeu uma chance clara de marcar para o Cruzeiro.

Na trave: A 15’ Fábio evitou o gol do Vasco. Lucas Silva fez falta em Pikachu, na região frontal ao gol do Cruzeiro. O próprio Pikachu cobrou bem a falta e a bola ia ao ângulo superior esquerdo do gol azul. Fábio deu um leve toque, a bola foi ao travessão

Penal claro: A 19’ minutos Edilson foi apoiando o ataque pela direita. Ele venceu a marcação com um belo drible para trás e o defensor vascaíno, Dasábato, derrubou o lateral azul. Falta clara, na cara do árbitro principal e do assistente de linha de fundo. Inexplicável a não marcação de um lance desses; na cara dura não aplicam a regra e o omisso auxiliar da linha repreendeu Edilson sabe-se lá porque. (mais…)


A “simples” fórmula para se montar times competitivos, na base do “bom e barato”

Thaciano, um dos artilheiros do Boa Esporte na Série B 2017 com 10 gols, fazendo sucesso no Grêmio

Diz um velho ditado: “quem sabe, sabe; quem não sabe, bate palmas”, um outro ditado ensina: “quem pode, pode; quem não pode, se sacode”. Pois é! Nestes velhos e surrados ditos populares está a explicação para quem consegue montar times “bons e baratos”. O clube tem que ter um diretor de futebol e um treinador afinados. Além de “olho clínico” para enxergar jogadores que têm potencial para chegar e resolver, habilidade e competência para buscar o jogador.

Não vejo isso no Atlético desde a saída do Levir Culpi e o início da doença que levou o Eduardo Maluf embora. O Cruzeiro teve isso em fins de 2012 quando Alexandre Matos e Marcelo Oliveira começaram montar o time que surpreendeu a todo o país em 2013.

Um dos gols do Grêmio na vitória sobre o Bahia, em Salvador, foi do Thaciano, jogador que pertence ao Boa Esporte. Sim, senhores, os gaúchos vieram a Minas e buscaram um paraibano de 23 anos de idade, que marca gols de todo jeito, de cabeça principalmente. Renato Gaúcho, que ficou de molho mais de dois anos, tido como ex-treinador, ouviu falar desse moço e “mandou olhar”.

E ele foi recebido com a desconfiança costumeira da imprensa em situações como essa. Vejam o que escreveu o Globoesporte.com no 31 de dezembro de 2017: “… ao que tudo indica, o Grêmio encerrará 2017 com apenas uma contratação anunciada oficialmente para a próxima temporada. O nome está longe dos holofotes, mas entra na conta das apostas tricolores que são consideradas baratas e podem render frutos em breve, como aconteceu com o volante Michel neste ano. O meia-atacante Thaciano foi buscado no Boa Esporte e promete empenho naquelas “chances da vida”.

E vejam a avaliação individual do Grêmio, feita pelo jornal Zero Hora, de Porto Alegre, logo após os 2 a 0 sobre o Bahia: “Thaciano:
“Acelerou o ritmo do time. E foi premiado ao marcar o segundo gol. Nota 7”

Peguemos também o exemplo do América, que faz uma boa campanha no Brasileiro, com algumas descobertas acima da média, como o Serginho. No dia 1º de fevereiro o Globoesporte.com informava: “O dia foi de apresentação no América. O meia Serginho, que veio por empréstimo do Santos e treinava há alguns dias com o elenco do Coelho, conversou oficialmente com a imprensa nesta quinta-feira. O jogador de 23 anos é desejo antigo do técnico Enderson Moreira e fica no clube até o fim da temporada.

– É com prazer que estou aqui para apresentar o Serginho, que é um jogador que o Enderson queria desde o início de 2017, para a campanha da Série B. Conseguimos trazê-lo agora e é um importante reforço. Esperamos dele uma força grande para auxiliar o América em 2018 – disse o diretor de futebol Ricardo Drubscky.

Além de ressaltar a confiança do treinador em seu futebol, Serginho prometeu um ano de sucesso no América, que volta à elite do futebol brasileiro em 2018.

– O Enderson veio atrás de mim, assim como a diretoria. O pessoal quis muito contar com meu futebol e fiquei muito feliz com isso. Vim para ajudar meus companheiros. E tenho certeza que teremos um ano brilhante.”.

É isso aí!


Com Rafael Sóbis fazendo diferença novamente, Cruzeiro chega à vice liderança

Rafael Sóbis (foto Cruzeiro/divulgação) está jogando novamente um futebol que faz lembrar seus melhores momentos na carreira. Em ótima condição física, tem sido muito útil nos resultados positivos dos últimos jogos. Agradeço ao Alex Souza, que fez uma ótima resenha sobre a vitória sobre o Ceará que levou o Cruzeiro à vice liderança:

* “Pela 9ª Rodada do Campeonato Brasileiro de 2018, Ceará e Cruzeiro se enfrentaram no Castelão em jogo importante para ambas as equipes. O Ceará em situação delicada no torneio, com apenas 3 pontos e nenhuma vitória; o Cruzeiro com a responsabilidade de vencer para continuar colado nos líderes.

No tempo inicial o Cruzeiro posicionou sua marcação bem adiantada, pressionando a saída de bola do Ceará, forçando as ligações diretas e os chutões do adversário. Acabou dominando as ações da partida e fez 1 a 0, com Sassá, em grande jogada de Sóbis, que fez lançamento perfeito para Bruno Silva cruzar e Sassá finalizar para as redes.

O time seguiu pressionando o Ceará e, em nova jogada, outra vez com os protagonistas do 1º gol azul, Sóbis finalizou, Sassá dividiu com a defesa e a bola foi na trave direita do gol de Everson, sobrando para o chute de Bruno Silva, contudo, a arbitragem assinalou impedimento de Sassá. (mais…)


Ótimo jogo e excelente partida do América nessa virada

Em foto do Mourão Panda/América, a comemoração de Serginho e companheiros na virada sobre o Atlético/PR. 

Um 3 a 1 de encher os olhos. O time sem Leandro Donizete, Luan e Rafael Moura, mas grande parte da torcida prefere estes dois últimos fora até do banco. Todo o time jogou bem, com destaque para Serginho, que além dos dois gols que fez, ditou o ritmo da partida. Que jogador!

O autor do terceiro gol, Ademir, vindo do Patrocinense, também é candidato a xodó dos americanos.

Taticamente foi um jogo à parte. Fernando Diniz com a fúria ofensiva dele viu o Atlético-PR achar o 1 a 0 num vacilo da barreira do Coelho, mas a reação foi imediata e três minutos depois Serginho empatava e punha ordem na casa.

Os paranaenses achavam que dava para vencer. Foram com sede demais ao pote, continuaram em cima e tomaram dois gols que liquidaram a fatura.

Quinta-feira o América terá o clássico com o Atlético, em que é o mandante.


Expectativa se a dependência do Neymar continua. Os 2 a 0 de hoje apontaram que sim

Foi o quarto confronto entre Brasil e Croácia. Terceira vitória brasileira. Fiz esta foto, na entrada das duas seleções no gramado do Estádio Olímpico de Berlim, na estreia de ambas na Copa da Alemanha, em 13 de junho de 2006. Antes, tinham empatado num amistoso em Split, 1 a 1, no dia 17 de agosto de 2005. O terceiro jogo foi novamente numa estreia em Copa do Mundo: 3 a 1 para o Brasil, em São Paulo, dia 12 de junho de 2014.

O jogo de hoje, mais ouvi do que vi. Liguei o rádio na Itatiaia e ouvi a transmissão do Milton Naves. Depois fiquei ligado no “Bastidores”, para ouvir os comentários do João Vitor Xavier, sempre excelentes. Ele acredita que o Firmino, autor do segundo gol, vai terminar a Copa como titular, tomando vaga do Gabriel de Jesus.

Neymar entrou bem no segundo tempo, melhorou o time, fez o primeiro gol, aos 24 minutos e comemorou no banco, num abraço de agradecimento ao médico Rodrigo Lasmar, que o operou em Belo Horizonte em março deste ano.


A Copa do Mundo antes da era digital: internet? celular? whatsapp? Nem em sonho!

Para cobrir a Copa do México em 1986 nem sonhávamos que algum dia existiriam as facilidades de comunicação dos tempos atuais. Os textos eram enviados por fax, a tecnologia mais moderna deste segmento à época. Ou via “Telex”, esta máquina em que se “datilografava” em uma fita, que ficava cheia de furinhos, códigos, do que era escrito, chegando às redações.

As fotos eram por meio de “Telefotos”, enviadas por linha telefônica a partir destes pesadíssimos equipamentos que eram parte da bagagem dos fotógrafos e instalados nos quartos dos hotéis. Lá, os banheiros dos quartos eram transformados em laboratórios de revelação. Cada fotógrafo fazia fotos dos primeiros 15 minutos do jogo, corria para o hotel, revelava o filme e pedia uma ligação telefônica para a sua redação. Levava-se quase uma hora para se enviar uma única foto e mesmo assim se a ligação estivesse com boa qualidade e não caísse. Durante a Copa havia o “privilégio” de laboratórios montados nos próprios centros de imprensa dos estádios pela organização local.

Na Copa da Itália, em 1990, tivemos avanços tecnológicos consideráveis, com a chegada dos “computadores portáteis” (Pcs), e o surgimento do que seria o celular: aparelho telefônico acoplado a uma caixa enorme, pendurada no ombro, utilizado por pouquíssimas emissoras, precariamente.


ECOS DA COPA/Coreia do Sul/Japão’2002

E que saudade do Fernando Sasso (direita), um dos grandes nomes da imprensa mineira e brasileira pelas TVs Itacolomi, Alterosa, Globo e Rádio Itatiaia. Nesta foto, dia 13 de junho de 2002, no Suwon World Cup Stadium, em Suwon na Coreia do Sul, na primeira fase do Mundial.Ele era comentarista da Itatiaia na época.

Ao centro o Mário Henrique “Caixa”, também da Itatiaia e eu, que cobri pelas rádios 98 e Alvorada FM, jornais Hoje em Dia e o nosso SETE DIAS. O “Caixa” foi revelado para o Brasil pela Rádio Globo AM e se tornou um artista da narração esportiva. Ingressou na política pela porta da frente, está em seu segundo mandato de deputado estadual e é natural de Três Pontas, conterrâneo de outros monstros da arte nacional, como Wagner Tiso e Milton Nascimento.

Fernando Sasso morreu no dia 6 de maio de 2005, dois dias antes de completar 66 anos de idade.


Empate em casa com sabor de derrota

No Independência, 10.298 pagaram ingresso, empurraram o time, mas o Galo voltou a perder pontos preciosos. Renda: R$ 173.475,00.

O repertório de explicações dos jogadores e comissão técnica do Atlético já se esgotou. Nem o experiente Victor sabe mais o que responder. Perguntado após este 3 a 3 com gosto de derrota no Independência ele disse que não sabia o que dizer, que o negócio é continuar trabalhando e que o time se desorganizou.

E de novo com o adversário com um jogador a menos na maior parte do jogo. Conseguiu tomar dois gols da Chapecoense com 10 jogadores.

Se o elenco é limitado e o clube está sem dinheiro pra grandes investimentos, a diretoria de futebol precisa mostrar competência e se virar. A verdade nua e crua é que o Alexandre Gallo não está dando conta do recado.


Página 10 de 1.052« Primeira...89101112...203040...Última »