Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Que mudou: A troca de capitães?

Coluna do Flávio Anselmo, que estará em vários jornais do estado amanhã:

“Henrique, Marquinhos Paraná, Leonardo Silva, Wellington Paulista e Jonathan foram os responsáveis pela vitória ( 3 a 1) sobre o Coritiba. Fábio trabalhou pouco, ou quase nada. Gilberto foi melhor que Athirson, desinteressado. O menino Diego Renan foi pro gasto. Thiago Heleno, Fabrício, Thiago Ribeiro e Souza não jogaram nada. Só na cabeça de Adilson Batista.    

Adilson manteve Thiago Ribeiro errando demais. O próprio atleta confessou isso no fim da partida. Preferiu colocar Souza e tirar Wellington Paulista que já havia feito dois gols. Passa a impressão que o técnico não gosta dessa de goleador. 

Outra coisa: a preguiçosa atuação de Athirson durou o primeiro tempo todo. No entanto, Adilson o manteve, inexplicavelmente, até aos 7 minutos do 2º tempo. Aí botou Gilberto. Por que não trocou no intervalo?

Sem nenhuma maldade, penso que a grande alteração do Cruzeiro foi a faixa de capitão: saiu do goleiro Fábio e apareceu no braço direito de Leonardo Silva.

Paulo César de Oliveira não deixa de tirar uma lasquinha nos celestes: aquele cartão de Henrique foi tremenda injustiça. A cartolada devia tentar anulá-lo no STJD. Henrique nem encostou no Marcelinho Paraíba.

Soube pelo Portal Uai a distribuição do dinheiro do Wagner: o clube fica com apenas 34% ou cerca de 2,04 milhões de euros (mais ou menos R$ 5,3 milhões); o Laboratório EMS pegará 21%; outro investidor (só Sherlock Holmes sabe quem) 15%. O Al-Ittihab da Arábia ficou com 25%. Por quê? Sei lá.

De um lado um adversário em declínio, porém equipe forte. Bom ambiente pro Tigre. Quebrou a série de três insucessos seguidos ao derrotar (1 a 0, de Marcelo Ramos) o Guarani, que não vence há seis partidas. Fugiu da região perigosa do rebaixamento, mas tá longe do G-4. 

Ao analisar as perdas de Wagner e Gérson Magrão, e a provável de Kleber, Adilson Batista deu o perfil dos substitutos que deverão chegar à Toca ainda pra reta final do: serão versáteis e de grupo; ou seja, os que saíram ou vão sair não são de grupo? Cortam-se cabeças de alguns rebelados.

Baixinhos bons de bola que eu gostaria de ver no futebol mineiro: Madson, do Santos, e Fernandinho, do Barueri. Que raça têm! Imagino se tivessem 1,74.

Fabrício continua nocauteado em pé, zonzo, após a derrota da Libertadores ou faz pretexto pra cair fora?

Florentino Fernandes Júnior- BH: “Flávio, jornalista com J maiúsculo é isso aí. Falta  culhão nesta imprensa mineira, que abaixa a cabeça e aceita tudo. Vide os carneirinhos das transmissões globais que aceitam todas as besteiras ditas pelos comentaristas da matriz durante os jogos contra Rio e  São Paulo”.

“Como explicar o Gerson Magrão ser prestigiado como titular com aquele futebolzinho rastaquera e depois render só 10% para o clube. Isto é ser bom administrador? Quais são o  grupo de investidores dos 50%?  E a história do Sorin,como  explicar? Fora  Adilson!”

“E com arrogância , senhor Perrela, vamos, provavelmente, para a  Segundona. Tá difícil gostar de futebol = juízes horríveis, jogadores mercenários, dirigentes com interesses vários, comentaristas de tv cujos comentários dão náuseas e angina, jornalistas esportivos de rabo preso”.

“Acho que hoje eu tô amargo; deve ser ainda a síndrome da perda da Libertadores que foi demais para um cruzeirense apaixonado como eu. Mas  parabéns pela coragem e lucidez da sua ultima coluna”.

Resposta: receber mensagem igual à esta do doutor Florentino Fernandes, uma das maiores autoridades em cardiologia e clínica geral de Minas Gerais, quiças do País, enche o velho coração caratinguense de vaidade.  

Na agenda, você deve ter anotado: hoje, às oito da noite, no bar do Alexandre, na esquina de Rafael Magalhães com Paulo Afonso, outra noite de autógrafos do Marias Chuteiras. Aqui no Santo Antonio. Tô lado a partir das sete e meia.

Langlebert Drumond – Gov.Valadares: “Que o Sorin seria uma boa no Galo, com certeza!”

Rogério de Oliveira – São Gonçalo/RJ: ! “Justiça se faça a Adilson: ele encontrou um estilo  próprio e original. Parece-se um pouco aqui e ali com  Parreiras , com  Joel Santana , com  Mário Sérgio, mas os postulados táticos que estamos vendo são  genuinamente seus. Será difícil vendê-los a um grande clube”.

“Admito que, clubes pequenos à beira da degola ou  outros mais pequenininhos ainda, estreantes na 3ª divisão, tenham Adilson como sonho de consumo. A sua saída do Cruzeiro causará  tantos danos quanto a sua permanência,pois aquele que o suceder herdará o nada”.

 “E até que reorganize o caos técnico, tático e ético deste time, derrotas acontecerão como resíduos do passado. E que, ante tal previsão, não se toque agora em nada.Que cessem as contratações e as demissões ; as promoções e as dispensas; bens e direitos; caras e bocas”.

“Que fechem todas as entradas e saídas; e usem somente as escadas.  Feito isso, aguardem até que tudo seja descontaminado da terrível síndrome de quatro volantes.”

PITACO: “Mas se o Adilson não quiser sair? Bem!Aí teremos o Sarney do futebol” .

Resposta: Sou contra a saída de Adilson e o considero o melhor da nova geração; virou o demônio sem tanta razão. Tem vários erros, é pedante, e precisa rever conceitos ultrapassados. Mas que é bom, é..

Aloizio Grossi – BH “É Flávio, a coisa está realmente preta. Não consigo imaginar um time jogar com 4 volantes, e às vezes até com cinco, perder tantas partidas. Por pior que sejam os jogadores, dá pra umas beliscadas aqui outras ali. Nem isso o Cruzeiro consegue!.. E os volantes não são craques, mas também não são piores que andam por aí.

Resposta: Não creio que o Cruzeiro caia; entendo que tenha de lutar pra atingir, ao menos, o G-4 e voltar à Libertadores. Com calma a gente chega até quando você vai ver a coisa preta. Credos!”


Vale a pena

Sérgio Mourão é um ótimo fotógrafo, cuja especialidade é Minas Gerais. Além do mais, trata-se de uma figura humana sensacional. Recebi um convite dele, que estendo a todos, porque vale. É para uma exposição de trabalhos dele, que vai até o próximo sábado, dia 15: 

“Aos amigos,

convido-os para uma “espiadinha” em minha exposição fotográfica, com o tema Minas Encantos e Tradições, que está acontecendo no espaço cultural do CTM – Centro de Tradições Mineiras, av. dos Andradas, 677- centro – Belo Horizonte – ao lado da Serraria Souza Pinto, em frente ao Parque Municipal, por ocasião do evento/mês do Folclore de Minas Gerais ( programação em anexo ).

Aproveite também para visitar e participar de alguma atividade ligada à cultura de Minas Gerais.

Para os visitantes de nossa exposição, que assinarem o livro, estarão concorrendo a um maravilhoso brinde-surpresa ( é foto, é claro ).

Abraços,

Sérgio Mourão”


Para refletir

As aulas recomeçaram hoje e o inferno do nosso trânsito, também. Belo Horizonte aguarda, há quase meio século, boas notícias sobre a construção de um metrô decente ou trens urbanos para desafogar o tráfego horroroso da região metropolitana. Nada!

Recebi este e-mail de quem vive em países evoluídos. A mensagem serve muito bem para as autoridades brasileiras, dos governos e do empresariado, quase todas perdidas nessas histórias de Copa do Mundo e Olimpíadas:

“Olá Chico,

 Falando em Olimpíadas, acabei de chegar de Londres aqui em Nova York , e estou aqui desfrutando da infra-estrutura de um dos terminais do aeroporto JFK, enquanto espero um vôo para Seattle. Nada mal depois das reformas, e eu ainda acho que o aeroporto de Chicago, onde já até dormi em uma noite de neve, é melhor ainda. Chicago só não leva as Olimpíadas de 2016 se houver algum “critério oculto” (para bom entendedor…). 

Ano passado, fui ao Rio de Janeiro, e tive de esperar meia-hora enquanto consertavam “ao vivo” uma das esteiras do aeroporto do Galeão. O aeroporto de Confins só não parece ainda pequeno porque não tem vôos suficientes para mostrar suas deficiências. Até o aeroporto de Londres, que eu chamo de “extensão da rodoviária de Londres”, é mais confortável.  e está atualmente cheio de obras, preparando-se para as Olimpíadas de 2012. A Inglaterra já tem muito tráfego aéreo, e agora sofre com a concorrência da Holanda, que tem aeroportos mais modernos, que cobram menos taxas das empresas aéreas. Estão receosos de que os turistas de fora da Europa em 2012 façam sua base na Holanda, com uma pequena visita à Inglaterra apenas para alguns eventos da Olimpíada. 

Eu acho que toda vez que falam em Olimpíada no Brasil, focam em construção de estádios, e se esquecem de infra-estrutura de transporte e acomodação para os turistas. Aliás, se o Brasil tivesse isto, seria uma dos maiores destinos turísticos do mundo. Como não tem, deve se contentar com seus 5 milhões de turistas estrangeiros por ano. Quase perde de Cambridge, que tem 4.5 milhões de turistas de fora da cidade por ano, e mais da metade são estrangeiros! 

Um abraço,

 Alisson Sol”


Desmanche, não!

O cruzeirense João Duarte discorda da expressão “desmanche” para as atuais vendas do Cruzeiro e apresenta argumentos interessantes: 

“Prezado Chico Maia, 

Não concordo com o uso da palavra desmanche.

Saíram peças importantes como Ramires, Wágner e Gérson Magrão. Também vejo que a permanência do Kléber é muito complicada uma vez que os tais 10 milhões de euros podem ser assumidos com facilidade por equipes da Europa.

Ao contrário do que muitos disseram, nesta janela não está sendo fácil vender jogadores para os europeus. Dentro da Europa a gente até observa alguns disparates, mas, quando se fala em importar jogadores, a conversa é bem outra.

Nilmar, Seleção Brasileira, saiu por pouco mais de 10 milhões de euros.

Ramires, Seleção Brasileira, por 7.5 milhões de euros.

Wágner, um talentoso meio-campista, por 6.5 milhões de euros.

Cristian, saiu por 5 milhões de euros.

André Santos, Seleção Brasileira, por 5.5 milhões de euros.

Douglas, meio-campista, saiu por US$ 4 milhões.

Elano, Seleção Brasileira, do Man-City ao Galatasaray por 6.5 milhões de euros.

Que o Atlético não se iluda ao vender o Diego tardelli agora… o mercado está com o escorpião no bolso…

E vender para os portugas é fria…

Um abraço – João Chiabi Duarte”


Decisão de domingo

Domingo tem decisão importante para todo o futebol mineiro. O América poderá retornar à Série B nacional, caso vença o Brasil de Pelotas, no Independência. Empate com gols dá a vaga ao clube gaúcho.

O americano Márcio Amorim, enviou e-mail com um alerta importante. Confira:

“Caro amigo Chico Maia!
Precisamos iniciar o mais rápido possível uma campanha que mostre aos dirigentes, principalmente do América, a necessidade de o horário do jogo de domingo, contra o Brasil de Pelotas, não coincidir com o horário de transmissão envolvendo Atlético ou Cruzeiro. Precisamos banir essa burrice do nosso meio. Muitos amigos meus, atleticanos e cruzeirenses, com certeza, estarão presentes ao Independência, caso não seja, claro, no horário em que os seus times jogam. Dá para fazer!”


No O Tempo de amanhã

Só um

Nessa janela de transferências de jogadores para a Europa, o Atlético corre o risco de perder apenas um jogador: Eder Luiz, que tem proposta de um clube Espanhol disposto a pagar quatro milhões de euros. O presidente Alexandre Kalil resiste, mas já tem dois argentinos na mira, para suprir uma possível perda e melhorar o grupo visando a sequência do ano.

Na mesma

O presidente Lula iniciou a operação prometida em sua vinda a BH semana passada. Acha que a simples adaptação do calendário do nosso futebol ao europeu vai segurar os jogadores em nossos clubes. Já conversou com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que concorda. Está totalmente equivocado. A resolução do problema passa, também, por mudanças na Lei Pelé.

Essas e outras notas estarão em minha coluna de amanhã no Jornal O Tempo www.otempo.com.br


Na coluna de amanhã no Super Notícia

Avante Coelhão!

O 0 x 0 em Pelotas foi ótimo, mas o América não pode ficar comemorando, achando que a classificação já está garantida. O Brasil tem um bom time e vai dar trabalho aqui. O mais interessante é que antigamente se dizia que “tem coisa que só acontece com o América”, pelo lado negativo. A coisa parece ter mudado, para o positivo. Nesse empate, os gaúchos perderam pênalti num momento crucial da partida.

Cruzeiro muda até de capitão

Além das vendas e aquisições que têm sido feitas na base do “atacado”, o Cruzeiro está mudando até detalhes para ver se melhora o desempenho e recoloca as coisas nos devidos lugares. Único jogador que o Zezé Perrella não pretende vender, o goleiro Fábio perdeu a condição de capitão do time, e contra o Coritiba, o zagueiro Leonardo Silva estreou nessa função.

Essas e outras notas estarão em minha coluna de amanhã no Jornal Super Notícia www.supernoticia.com.br


Desmanche de risco

Zezé Perrella está confiando novamente na sua habilidade para montar grandes times, ao desmanchar o Cruzeiro que chegou à final da Libertadores.

Operação altamente arriscada!

Disse que o goleiro Fábio é o único que não corre o risco de ser vendido. Zezé tem crédito para agir da forma que bem entende no comando do Cruzeiro, porém, montar equipes competitivas contratando por atacado é uma dificuldade imensa. Nem tanto pela qualidade técnica dos jogadores que chegam, mas pelo tempo que se leva para se criar o espírito de grupo, a união dentro e fora de campo.


Prensa na boate

Agora há pouco, durante a transmissão do amistoso entre Internazionale e Lazio, ouvi o Silvio Lancelotti, comentarista da ESPN, informar que torcedores do Milan deram uma “prensa” no Ronaldinho Gaúcho e no goleiro Dida, que estavam numa boate, neste período de preparação para o campeonato italiano. A coisa ficou feia, até que os dois caíram fora.

Novidade mesmo nessa informação foi a presença do Dida, sempre tão sisudo, sério, entrando nessa também.


Coluna do Anselmo: Motim na Toca existe messssmo!

Coluna do Flávio Anselmo, que estará amanhã em vários jornais do estado

MOTIM NA TOCA EXISTE MESSSSMO

O racha na Toca da Raposa não é invenção de ninguém.Muito menos da Trincheira que primeiro ressaltou o fato. A reação de Adilson Batista insinuando divisão, também, na Imprensa (50% de gente boa e 50% presos a algum tipo de dossiê, segundo ele) é prova que o grupo forte provocou o motim. Os jovens são liderados; os recém chegados ficam de tocaia; os amigos de Batista cerram os dentes com a faca gaúcha entre eles.

Daí Perrela ter aparecido pra desmentir tudo, prestigiar Adilson e anunciar mais negócios.

A milionária transação de Wagner, nos atuais padrões tupiniquins, renderá bom dinheiro ao clube. O meia custará 6 milhões de euros ao Lokomotiv da Rússia e a parte do Cruzeiro não será revelada. Ficará na moita.

A de Gerson Magrão, uma merreca de 220 mil euros, foi anunciada em altos brados. A possível venda do goleiro Fábio por 4 milhões de euros, que Perrela vetou por entender que se trata do único atleta inegociável do elenco, tem o peso das verdades de Alexandre Kalil.

A melhor do Urso Bravo: ‘o Galo teve propostas milionárias por vários de seus craques e não venderá nenhum. Só ano que vem”. Ou seja, tanto lá, como do outro lado da lagoa, tudo não passa de conversa fiada. Se a grana aparecer sai Tardelli, sai Fábio, sai Kleber e, se bobear, sai até o Maluf.

Caso esteja no meu juízo perfeito sou capaz de usar a veemência dos caratinguenses pra repetir que Perrela, dias atrás, disse a mesma coisa sobre Kleber. Agora já estuda a melhor maneira de passá-lo nos cobres por 10 milhões de euros, multa prevista no contrato do craque.

PITACO: Zezé Perrela deu as caras, subiu no tamborete e anunciou: Adilson Batista tá prestigiado; e Kleber só sai por 15 milhões de euros. Nem uma, nem outra afirmação merece crédito…

Em outro espaço de Imprensa da Toca, ou seja, na redação do EM e na mesa de Jaeci Carvalho, o empresário de Kleber, Giuseppe Dioguardi, dizia que por contrato o clube é obrigado a negociar o atleta caso surja uma proposta européia superior a 10 milhões de euros. Convenhamos: 10 milhões e um é proposta superior. Ou não.

A ditadura de Zezé Perrela eliminou o contraditório na Toca da Raposa. Verdade, só aquela que mandam o ex-global ler em nota oficial. Estultice pura essa de afirmar que tem gente vendo fantasma. Pode ser; afinal as as viúvas a gente vê nos gramados dos jogos no Mineirão. Um chororó sem fim por causa da perda da Libertadora. Troço mais enjoado!

Segundo Adilson “há 20 dias nós éramos os melhores do mundo e a gente sabe que é assim que funciona o futebol”. Não corresponde a nenhum comentário que tenha ouvido, lido ou visto. Qual o trouxa diria que o Cruzeiro era, há dias, o melhor time do mundo? E o Barcelona?

Tais declarações sim, como as dos dossiês, representam a falta de equilíbrio e amadurecimento de Adilson Batista. Os mesmos defeitos que o levaram a perder a Libertadores, apesar do elenco, nos dois últimos anos. O bom Eduardo Maluf abordou o assunto mais bravo, ainda, e disse que o Cruzeiro não entraria nessa de grupo dividido, que tem uma ala que não gosta do Adílson. Isso é mentira! É mentira!” Rosnou bravo. “Nós não vamos – disse mais o diretor – aceitar coisas plantadas de fora. Se existisse, eu era o primeiro a ir ao presidente e falar que existe. Ninguém vai plantar coisa que não existe dentro do Cruzeiro”. Maluf jogou pra torcida: ele sabe melhor que ninguém as histórias das multas por expulsão e que pra muitos dos indisciplinados elas não seriam aplicadas em Kleber.

E Maluf conhece este filho de dona Geralda há bastante tempo; desde os tempos em que Eduardo era goleiro frangueiro do Valério, apadrinhado pelo gente boa Liu, presidente do clube. Sabe que não minto.

Tá que chega a hora de mais uma noite de autógrafos do Marias Chuteiras. Arnaldo Vale, líder da Rádio Ceasa, Kleber Valadão, meu ídolo, e Talardo José dos Santos, pai de todos já confirmaram presença no Bar do Alexandre – ex-publicitário – na rua Rafael Magalhães esquina com Paulo Afonso, no Santo Antônio pra testarem as geladas e os tira-gostos da casa. Livros não; já comprou uns 30 cada. Mãos abertas esses meninos.

Atenção Santelmo e Flávio Júnior: vamos acionar as tchurmas porque o papai comprou carro novo e não tem o dinheiro da entrada.

Também confirmaram João Veras, Eduardo Viegas, Maria Ercília Viegas, Junior Viegas, Aloísio Drubsky; novo desembargador Eduardo Machado, me desculpa a falha e apareça. A turma do Hoje em Dia, liderada pelo Carlos Lindemberg, Editor Chefe, e mais Leopoldo José, Rogério Perez, com caneta nova pra distribuir seus próprios autógrafos, o editor Pérsio Fantin, Julia Prazeres e Haroldo Lemos que deixaram de viajar de férias pra prestigiar minha noitada e uma pá de leitores que me pedem uma nova chance duma noite de autógrafos. Aproveitem que tá acabando.