Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

A caminho da África

A África do Sul é um dos paises mais inseguros aos quais já fui. Porém, em minhas caminhadas matinais diárias, durante quase todo o mês de junho, não vi ninguém sendo assaltado lá, em nenhuma cidade, nem Joanesburgo, considerada a cidade mais perigosa.

Pois hoje, terminando a minha caminhada, por volta das 6h45, duas viaturas policiais prestavam socorro a motorista e trocador de um ônibus, assaltado momentos antes na Avenida Barão H0mem de Melo.

Ouvindo o noticiário da Itatiaia, antes de chegar em casa, ouvi que um cabo da PM foi abordado e morto por dois assaltantes quando chegava em casa ontem à noite.

Liguei a TV e vi, no Bom Dias Minas, o mesmo noticiário e outras notícias de crimes.

Não tenho a menor dúvida que a situação agravante que vivemos nessa área é em função da falta de educação com as consequências que ela traz. Os nossos governantes gastam menos de  R$ 200,00 com cada estudante do ensino fundamental, e gastam quase R$ 1.000,00 com um preso no sistema carcerário.

Nós pagando os mais caros impostos do mundo para sustentar a farra de uma cambada de políticos e seus afilhados. E ainda somos obrigados a ver um José Sarney posando de santo na presidência do Senado, e o Lula em sua defesa!


Será que alguém acreditou?

Antes do Brasil ganhar a condição de sede da Copa de 2014 o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e os políticos estaduais e federais juravam que não haveria gastança de dinheiro público em reformas e construção de estádios.

Ontem o presidente disse que “é impossível não entrar dinheiro público” na parada, porque a maioria dos estádios das 12 cidades sede pertence às prefeituras ou ao estado.

Besta foi quem acreditou que não haveria dinheiro público nessa história.


Valendo uma aposta: Villa e Flu pela Série C

O Arivelton Carlos escreveu:

“Moro em Nova Lima e todos os dias no horário do almoço, no serviço, assistimos a todos os programas de esporte  e fazemos aquela mesa redonda para discutirmos os assuntos do mundo da bola. Num desses dias surgiu a questão que gerou uma aposta e que precisamos da resposta correta de uma pessoa inquestionável e que tem todas as informações. Você seria essa pessoa! Pois vamos à questão: naquele ano em que o time do Fluminense veio a Nova Lima para jogar com o Villa e teve aquele tremendo quebra pau!!!

Esse jogo foi válido pela Copa do Brasil ou pelo Campeonato Brasileiro da série C?”

Fui ao site www.flumania.com.br e achei, dentre muitas coisas, o seguinte:

“O Fluminense Football Club sagrava-se Campeão Brasileiro de 1999 – Série C e garantia sua ascensão a Série B no ano 2000.

OS JORNAIS CARIOCAS ESTAMPAVAM EM SUAS MANCHETES DO DIA 24/12/1999:

Jornal do Brasil

“Tricolor solta o grito de campeão”

“Torcida festeja time e dá ao herói Roger título de Papai Noel”

“É campeão! É campeão! Sou tricolor de coração, sou do clube tantas vezes campeão!” Assim foram recepcionados os jogadores do Fluminense, campeões da Série C, ontem, no Aeroporto do Galeão, por centenas de torcedores.

E nada como um dia após o outro. Se na partida de estréia do Fluminense – derrota para o Vila Nova/MG -, os jogadores chegaram a ser agredidos por desesperados tricolores – que vislumbravam mais um fracasso -, ontem, véspera de Natal, foi diferente. Sorrisos e faixas de campeão no peito formavam o cenário da recepção.
O herói da vitória contra o Náutico, o meio-campo Roger, autor dos dois gols, foi carregado nos ombros pelos torcedores, que o elegeram o papai-noel tricolor. Mas dividiu o mérito. “A conquista foi de todos, jogadores, comissão técnica e, principalmente, da torcida”…

O Globo

“Roger é carregado pela torcida na volta do Fluminense ao Rio”

“Depois de anos de sofrimento, uma festa que valeu como um desabafo. Cerca de 250 torcedores estiveram ontem no Aeroporto Tom Jobim para receber o Fluminense campeão da Terceira Divisão do Brasileiro. E se a cantoria da torcida saudava o clube, os pedidos de autógrafo se concentravam no herói do título. O atacante Roger recebeu uma marcação muito mais cerrada dos fãs ontem do que nas partidas decisivas da Série C. E ficou boa parte do tempo literalmente nos braços da torcida, que o carregou nos ombros”…

“Parreira lembra os desafios de 94”

“A dramática campanha rumo ao título da Terceira Divisão começou com a derrota de 2 a 0 para o Villa Nova, em Nova Lima, mesmo placar da vitória da Bolívia sobre a seleção brasileira nas Eliminatórias de 93, no início da também dura caminhada para o tetracampeonato nos Estados Unidos, em 94. Nas duas conquistas, o mesmo comandante, o técnico Carlos Alberto Parreira.

– As duas campanhas foram igualmente exaustivas e, embora não exista parâmetro para comparação, ser campeão da Série C pode ser considerado até mais difícil, pois na seleção tínhamos todos os recursos e os melhores jogadores do país – diz Parreira.

É por isso que o técnico aguardou com grande expectativa os últimos minutos do jogo com o Náutico, quinta-feira à noite, no Estádio dos Aflitos, em Recife, para comemorar a vitória (2 a 1) e o título da Série C do Brasileiro.

– Tenho muito orgulho desse título. Em todo currículo que fizer daqui para frente, vou fazer questão de citá-lo entre as minhas conquistas como treinador – afirmou.

Emocionado, mas sereno, o técnico dedicou o título ao ex-vice-presidente de futebol Francisco Horta, afastado no meio do campeonato depois da derrota para o Anapolina, no Maracanã (mais tarde o Fluminense recuperaria os pontos na Justiça porque o adversário escalou um jogador que estava em situação irregular):
– O Horta foi o responsável pela minha vinda para o Fluminense e deu todo o apoio à comissão técnica no início do trabalhou que culminou com o título. É claro que este apoio teve continuidade com o presidente David Fischel, mas se não fosse o Horta talvez não estivesse aqui hoje”…

O Dia

“Explosão tricolor”

“Festa pelo título da Terceirona começa no vôo e termina na apoteótica recepção da torcida no Aeroporto”…

Os Jogos

A Campanha jogo a jogo – Primeira Fase

29.08.99

Villa Nova 2 x 0 Fluminense

Villa Nova
Cláudio, Pablo, Giovani, Fabrício e Vânder; Paulinho, Taú, Cristiano e Edmílson (Marco Aurélio); André e Dé (Nilo). Técnico: Júlio Espinosa

Fluminense
Gabriel, Paulo César, Mano, Alexandre Lopes e Paulo Roberto; Marcão, Roberto Brum, Bruno Reis (Magno Alves) e Rogério (Carlão); Roni e Róbson (Vinícius). Técnico: Carlos Alberto Parreira

Local: Estádio Castor Cifuentes (Penidão)
Gols: André 10′ e Dé 33′
Cartões amarelos: André, Dé, Gabriel, Alexandre Lopes, Carlão
Cartão vermelho: Paulo Roberto
Árbitro: Alfredo Leobeling (SP)
Renda: R$ 17.830
Público: 1.874 pagantes

A partida foi interrompida pelo árbitro, após incidentes ocorridos entre a torcida do Fluminense e seus jogadores, além da total falta de segurança no Estádio.
Com o ocorrido o Fluminense foi punido com a perda de um mando de campo.”


O sonho possível do futebol sem violência

Vale a pena ler o relato de um americano que esteve no Independência ontem. É do Marcio Amorim, que mostra que o sonho de futebol sem violência, dentro e fora de campo é possível:

”A cidade dormiu feliz e verde ao som das modestas buzinas que invadiram principalmente a região dos Funcionários. Feliz, não somente alegre. Não era aquela falsa alegria com a desgraça alheia como quando os azuis viram o sonho dos Emirados Árabes ruir; não era aquela falsa alegria, por exemplo, de ver o Ipatinga do falastrão, que chegou a humilhar o América, voltando com o seu Ipatinga para a Série B, disputada hoje com mais respeito por ele; não era aquela alegria falsa de ver a torcida do Galo enchendo os estádios, disputando a mesma série B, que havíamos vencido um dia e que, por isso, sempre fomos ridicularizados. Durante muito tempo, essas foram as alegrias dos torcedores do América. Ontem, não. Não estávamos só alegres. Estávamos felizes. Felizes porque mostramos para todos que os jornais da segunda-feira, coloridos de verde, anunciam um novo tempo; orgulhosos porque fizemos inveja em muitos times que não têm público de 10.000 pessoas nem para disputar a Série A ou B; orgulhosos por conseguir reunir, vestidos com o manto do coelhão, atleticanos, cruzeirenses e vilanovenses. Eu os vi assim vestidos e emocionei-me com o respeito e a admiração desmonstrados ao América; orgulhosos pela manifestação de civilidade da nossa torcida na recepção da torcida adversária – valorosos torcedores que se deslocaram mais de 2,000 km e que se curvaram à superioridade dos “garotos” vestidos de verde e preto. Nenhum tiro em inocentes nos pontos de ônibus, nenhuma agressão barata ao patrimônio alheio, nenhum quebra-quebra em transporte público; orgulhosos e felizes com esses “garotos” que deram uma manifestação de amor incondicional ao clube que os projetou. Outra não era a intenção de Evanílson, Wellington Paulo, Irênio e Euller: demonstrar amor. Queriam ver o América de novo num cenário um pouco mais decente do futebol brasileiro. Não só viram, como participaram, embora alguns já estejam começando a escrever a própria história, momento típico dos finais de carreira de quem vai ter o que contar para os netos; orgulhosos e felizes, vendo no elenco jogadores que puseram a alma sobre a limitação; jogadores promessas que não devem ficar no clube mas que devem ter aprendido que, se um dia alçarem vôos mais ousados, não podem nunca mais se esquecer do dia 16 de agosto de 2009. Um dia, quem sabe, eles também pensem grande – aquela grandeza sem preço – e voltam num momento em que o clube precisar deles. Estamos, sim, felizes e orgulhosos, meu caro amigo Chico Maia. Se você lá não esteve, perdeu um momento único, uma oportunidade incrível de ver o futebol como ele deveria ser.”


Fred, Dimara, Flávio Carvalho e Estudiantes

Duas notas muito interessantes na coluna do Fernando Rocha, no www.jvaonline.com.br 

* “Enquanto seus companheiros se esfolam sob forte pressão tentando tirar o Fluminense da zona de rebaixamento, o artilheiro Fred – salários de aproximadamente R$ 400 mil mensais pagos pelo patrocinador -, está light só no “chinelinho”, com a sua tchurma em BH, fazendo fisioterapia e se recuperando de uma distensão na virilha. Quando voltar ao clube, se voltar, terá algumas surpresas desagradáveis, pois a pedido do técnico Renato Gaúcho, as mordomias que desfrutava e era motivo de irritação dos “colegas”, serão todas cortadas. 

Por exemplo: Fred tinha direito a um quarto exclusivo na concentração e agora terá de dividir o aposento com um companheiro; não poderá mais treinar de brincos (essa é boa!), cujo adereço reluzente não aceitava tirar da orelha de jeito nenhum, apesar da proibição da comissão técnica; e terá de pagar a caixinha sempre que cometer uma falha, o que também se recusava a fazer sistematicamente. Quem viver, verá? 

* O prêmio da semana para quem participar do programa “Minas Esporte” da Band, comandado pelos amigos Flávio Carvalho e Dimara Oliveira, é uma camisa original do Estudiantes. Não precisa nem dizer que a promoção está bombando de atleticanos, já que nenhuma loja no Brasil ou site de compras tem a camisa disponível para venda e viajar até a Argentina, neste momento, está muito perigoso por causa da gripe suína.”


Contratações e reforços!

O técnico Moacir Júnior é bom de serviço e tem mostrado isso nos times que tem dirigido. A diretoria do Villa Nova confia nisso, e já contratou 14 jogadores indicados por ele. Um plantel inteiro sendo refeito para tentar devolver o Leão do Bonfim ao lugar que ele merece nas tabelas de classificação.

Tomara que dê certo, mas a tradição do Villa é revelar em casa. Essa chuva de contratações costuma não funcionar e o próprio Villa foi vítima disso nos últimos anos.

Sou da teoria que qualquer contratado só pode ser chamado de “reforço” depois que mostra serviço.

Aguardemos o novo Leão!


Villa continua contratando

                          O Villa Nova inicia a semana que antecede a estreia na Taça Minas Gerais treinando forte no Sesi de Betim, local escolhido para sua intertemporada. No domingo, o Leão do Bonfim faz o clássico contra o América no Estádio Independência, em partida que deve ser confirmada pela FMF para às 13h, na preliminar do jogo do Coelho contra o Guaratinguetá, válido pelas Semifinais da Série C.                           

Atacante Allan - ex-Tupi e Democrata-GV. Foto: Wagner Augusto

Atacante Allan - ex-Tupi e Democrata-GV. Foto: Wagner Augusto

Até o momento, o presidente Adão Gomes acertou a contratação de 14 reforços, todos eles indicados pelo técnico Moacir Júnior: Alan Faria e Gessé (goleiros); Carciano, Weldes e Fernando (zagueiros); Leandro Paraná e Renan (volantes); Carlos Magno, Silas e Marlon (meias); Allan, Jessé, Eraldo e Ely Thadeu (atacantes).  Quatro jogos-treinos foram realizados até agora: 3×0 na Seleção do Uni-BH; 4×0 no Vila Nova (Santa Luzia); 3×1 no Athletic (júnior) (São João Del Rei) e 1×1 contra o Contagem. O gerente de futebol Geraldão espera acertar um jogo-treino contra o Cruzeiro na Toca da Raposa II para os próximos dias.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Villa


Blog novo na área: do Flávio Anselmo

O jornalista Flávio Anselmo agora tem um blog, onde além das colunas, abre espaço para discussões.

Dentre outras coisas interessantes, está lá:

“Conta a história que à época do chamado Estado Novo, ditadura de Getúlio Vargas, um de seus ministros, cujo nome me falha agora produziu esta pérola: ou o Brasil acaba com a saúva, ou a saúva acaba com o Brasil”.  

Ninguém acabou com ninguém: as saúvas cabeçudas continuam por aí atormentando a gente, mas foram substituídas pelos ministros e senadores que estão dois pra acabar com o País. Da banda de cá, faço a adaptação: “ou Adilson tira Fabrício, ou Fabrício acaba tirando Adilson”.

O bom volante esqueceu como se joga futebol de qualidade, enquanto as más línguas garantem que o problema de Fabrício se chama klebernite…

Acesse meu blog e dê pitacos à vontade: www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com


Cenas impressionantes! Para refletir!

Depois de tantos anos de profissão, não é qualquer fato que impressiona a um jornalista, principalmente no futebol. Estas foram cenas das mais marcantes que vi em toda a minha vida.

E o que mais me impressionou foi a força dos gestos do técnico do Crystal Palace: sem nenhum ataque de fúria, nenhuma ameaça de agressão a ninguém, conseguiu demonstrar toda a sua indignação, pacificamente. Ao fim, concluiu o seu protesto, ao se recusar a apertar a mão de um zagueiro adversário que participou da farsa. Não xingou o sujeito, mas o irritou tanto com sua recusa, que o camarada deu-lhe um empurrão, e nem assim conseguiu um ato de selvageria dele, tão comum no mundo do futebol.

Uma aula, que faz com que todos aqueles que são contra o uso da tecnologia no futebol repensem a sua posição. Já estou repensando.

Foi o Alisson Sol quem enviou. Confira: 

“Olá Chico,

Este lance seria um óbvio gol do Crystal Palace, em jogo da segunda divisão Inglesa contra o Bristol City, neste último final de semana. O árbitro inicialmente achou que a bola havia ido na trave mas, diante dos protestos dos jogadores do Crystal Palace, consultou o assistente. Incrivelmente, o assistente também teve a mesma impressão do árbitro, e com isto a decisão inicial foi mantida.

Como disse o técnico do Crystal Palace, Neil Warnock: “Nós podemos colocar um homen na Lua, medir saques a 100 milhas por hora em Wimbledon, mas não podemos colocar um par de sensores na rede para mostrar quando um gol foi marcado”. Interessante é que o Neil Warnock é um dos poucos treinadores de futebol no mundo qualificados para serem árbitros.

Há uma certa revolta na Inglaterra com os jogadores do Bristol City, que claramente pararam no lance e sabiam que haviam levado um gol (ninguém fica parado depois de uma bola na trave). O técnico adversário ao menos assumiu que a bola teria entrado, mas disse que alguém soprou no ouvido dele que teria havido um empurrão. A Federação de Futebol Inglesa pediu desculpas ao Crystal Palace e sua torcida, porém manteve o resultado da partida, que foi de 1-0 para o Bristol City, que marcou um gol no finalzinho.

A esperança é que, depois de erros absurdos como este, a FIFA repense o uso de tecnologia nos estádios. Será que desta vez serão humildes o suficiente?

Para quem acha que só árbitros brasileiros erram, veja este vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=_zUOYDfV3R0

Alisson Sol”


Flávio Anselmo foi o primeiro a falar

O Flávio Anselmo enviou um e-mail que é importante para mexer com a memória cada vez mais curta do mundo do futebol. Confira: 

“POIS é Chico quando escrevi na minha coluna da divisão no grupo, motim na toca, o perrela deu entrevista, o adilson falou e kleber e fábio desmentiram. Olha aí a confirmação. Cadê o Maluf pra desmentir a verdade? Minha fonte é foda na Toca da Raposa. As vendas vão continuar até os focos de motim sejam desfeitos. O cruzeiro não tem ambiente de time. É uma caixa de vaidade que pretende atolar o time e um grupo se vingar no Kleber por ser o maior salário, por ser ídolo junto à torcida e por ser, junto com fábio, os que merecerem todo crédito. Não creio que Fabricio fique, apesar de ser da panelinha do adilson. É o mais desinteressado e provocador atualmente.

Flávio Anselmo”