Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

KLEBER, DE NOVO, AGITA A TOCA

Flávio Anselmo escreveu blog dele:

“Segundo Senhor X, o espião adulto, bem infiltrado nos recôncavos da Toca da Raposa, e nas hostes perrelistas, o atacante Kleber desta vez exagerou. Fez tanta raiva no comando celeste como fizeram antes Edmundo Animal e Wanderley Luxemburgo. E os dois foram imediatamente dispensados. Neste caso, existe dinheiro grosso envolvido e Perrela, evidentemente, não dará mole. Aos íntimos, profundamente irritado, repetiu o que tem dito: “se pagarem a multa contratual, Kleber pode ir embora pra onde quiser”.”

Leia mais no blog do Flávio, cujo link está do lado direito dessa página.


Aos internautas de plantão

O leitor Luiz Henrique Morais escreveu e recorro àqueles que sabem todos os caminhos da internet, para saber se é possível ajudá-lo. Vamos lá:

“Gostaria de saber se tem algum site que tenha gols antigos no Mineirão: por exemplo o primeiro jogo que fui ao Mineirao, Atlético 0 x 1 Grêmio, dia 20 de março de 1984. Gostaria de ver o video deste gol. (o autor do gol foi Osvaldo).
     Tenho também vários canhotos de ingressos do Mineirão, gostaria de saber se tem algum site para eu ver as fotos desses ingressos e se há informações de qual jogo pertence este canhoto.”

Que eu saiba, não há nenhum site com informações específicas sobre esses itens, porém, tudo é possível na internet e se alguém souber, vamos ajudar ao Luiz.


Gente que vale a pena ler

Semana passada indiquei o site www.guerreirodosgramados.com.br voltado ao mundo cruzeirense. Hoje indico o http://colunas.globoesporte.com/christianmunaier , que retrata, em alto nível tudo o que ocorre nas hostes atleticanas. Interessante é que o autor, Christian Munaier é mineiro, reside há alguns anos em São Paulo, e é um dos responsáveis por muitos movimentos de apoio ao Galo lá. Tem, na internet, importância semelhante à do Milton Neves em seus programas de rádio e TV.

Vale a pena acessar.


Sugestão do outro lado do Atlântico

Da Inglaterra, o cruzeirense Alisson Sol enviou um e-mail bem interessante:

“Olá Chico,

Venho sugerir, agora de modo menos sutil e em regime de urgência, a contratação de um psicólogo para o técnico do Cruzeiro. Se a diretoria do clube não atuar agora, pode pagar caro por isto depois. Fico pensando se esta moda de técnicos ranzinzas não é mais uma vez um “efeito Dunga”. Será que Dunga mais uma vez está fazendo mal para o futebol brasileiro: vence torneios secundários e posa como o dono da verdade.

Estou começando a achar que este pode ser o modelo inspirando Adílson. Técnicos como Luxemburgo, Muricy e Autuori podem posar de vencedores e se distanciarem de derrotas: já venceram o suficiente para provar que não foi um acidente. Mas Dunga e Adílson?

Ainda creio que, com um certo aconselhamento, o Adílson será um técnico de sucesso. Mas talvez esteja passando da hora de isto ocorrer no Cruzeiro. Há torcedores sonhadores no Cruzeiro também, falando em Libertadores. Os realistas, estão vendo uma distância bem menor para a zona do rebaixamento. A conta de um bom psicólogo pode ser menor do que o custo de uma troca de técnico. Mas é preciso também se preparar para a segunda hipótese. Qual seria o “Plano B” do Cruzeiro hoje? Em 2002, quando o Cruzeiro trocou de técnico na hora quase certa (demorou um pouco), deu uma arrancada excelente, e se preparou para o ano seguinte. A torcida aceitaria um erro da diretoria na troca de técnico agora, mas não o erro de não atuar no momento certo.

 Um abraço,

 Alisson Sol”


Morre o jornalista Rui Viotti

Rui Viotti foi um dos pioneiros da televisão. Passou por várias emissoras de rádio e televisão desde 1944, quando iniciou a carreira aos 15 anos. Nos últimos anos, seu nome esteve ligado mais ao tênis. Foi ele o responsável por grandes transmissões de torneios do circuito internacional em emissoras como a Record (já na fase IURD), Canal 21 e Manchete. Sobre esta última, o Anderson Diniz Bernardo lembrou no Twitter de um dado interessante: “Rui Viotti foi a primeira pessoa a anunciar o “novo nome” da Rede Manchete, em 1999. Foi numa partida em 1999 que, depois de meses sem nome, foi anunciado o nome “RedeTV!”. Sem exagero, Viotti tinha uma das mais belas vozes da narrações esportivas.

Contudo, o que poucos sabem é de sua forte atuação nos bastidores. Em julho deste ano, ele contou na Rádio Jovem Pan sobre o esquema utlizado pela Record para não deixar Silvio Luiz de fora da cobertura da Copa da Espanha, em 1982. Silvio era o principal astro da emissora ainda na fase Machado de Carvalho. Como a Globo decidiu transmitir o evento com exclusividade, o jeito foi migrar as transmissões para as duas rádios da Record (AM e FM). Houve uma campanha publicitária com um forte apelo: “Olhos na televisão e coração na Rádio Record”. O Sucesso foi incrível.

Notícia extraída do http://www.radiobaseurgente.blogspot.com/


O mineiro Sandro, do Inter para a seleção do Dunga

O gente boa Christiano Jilvan, grande jornalista de Montes Claros, enviou ótimos textos sobre o Sandro, novidade na seleção da Dunga, que muita gente não sabe, mas é mineiro, e tem uma bela histróia de vida. Um dos textos está aqui, mas quem quiser saber mais é só acessar o excelente blog do Christiano: www.devenetaonline.blogspot.com

Sandro: de Riachinho para a Seleção

Revelação do Internacional de Porto Alegre, onde saltou do juvenil direto para o time profissional pelas mãos do técnico Tite (ficou pouco tempo no júnior), o volante Sandro Ranieri Guimarães Cordeiro, 20 anos, é a maior novidade entre os jogadores convocados pelo técnico Dunga para os jogos contra a Argentina, e o Chile, quarta-feira que vem, em Salvador/BA. A vitória na noite de ontem por três a um garantiu de uma vez por todas a vaga brasileira para a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.

Para muitos, um desconhecido que aparece na seleção com a desconfiança de ser “uma média” de Dunga ao seu time do coração, já que ele foi convocado a partir da contusão de Josué. Mas para quem está mais próximo do futebol, Sandro parece ter demorado a chegar ao elenco principal. Faz até alguns lembrarem de Carpegiani e Falcão, guardadas as devidas proporções.

Afinal, ele já faz parte da seleção Sub-20 do Brasil vai disputar o Mundial do Egito), além dos 48 jogos oficiais – e três gols – com a camisa colorada em pouco mais de um ano, assim como os títulos da Copa Sul-Americana, Copa Suruga e do bicampeonato Gaúcho.

E se os torcedores do Inter estão eufóricos com seu novo camisa 5, os mineiros mais ainda. Sandro nasceu, cresceu e saiu de Riachinho, a cerca de 550 quilômetros de Montes Claros e 370 de Pirapora. Para muitos, ainda faz parte “do Grande Norte de Minas”.

A projeção que o jovem alcançou dentro do futebol já era motivo de orgulho dos moradores da pequena cidade, de pouco mais de 8 mil habitantes, daqueles lugares que ainda mantêm uma das mais marcantes características do interior mineiro: “todo mundo conhece todo mundo”. Até então, o local era conhecido apenas pelos moradores das redondezas, como a vizinha “um pouco mais conhecida” Urucuia, a 39 quilômetros. Hoje, mudou seu nome temporariamente para a “terra do Sandro”.

Menino da roça

A origem de Sandro se confunde com a da maioria dos moradores de Riachinho. Os pais, seu Joaci Soares e dona Rosângela Conceição, são agricultores. E mesmo com o filho encaminhado na vida de jogador profissional, continuam morando na cidade, ou melhor, na zona rural do município. A fazenda da família, herança de um avô, fica a 25 quilômetros da sede urbana. A comunicação a distância é somente por rádio amador, segundo explica dona Nelsa Pereira, que foi professora do menino Sandro nas séries iniciais.

Como todos se conhecem naquela cidade, a vida de Sandro não é nenhum mistério, pelo contrário. Entre os entrevistados, não há quem não saiba como era a infância do jogador. Basta conversar em qualquer escola ou comércio, que a informação é imediata. “O Sandro sempre foi batalhador e com a família dele não tinha vida fácil: trabalhava na enxada; capinava, roçava; foi vaqueiro, tirava leite; enfim, todas as lidas da roça”, conta seu Elizardo Francisco dos Santos, vizinho de fazenda da família do meia. O irmão Simon, outro filho do casal, também ajudava no trabalho braçal.

Seu Elizardo lembra que os primeiros chutes do menino foram os campos da zona rural de Riachinho, sem um time específico. “Depois que o pai dele foi para Brasília, é que o Sandro levou esse negócio de futebol a sério”, acrescenta o vizinho, lembrando que, da capital federal, o meia foi para o Paraná Clube antes de chegar às categorias de base do Internacional.

Com a morte do avô, pai de seu Joaci, a família de Sandro voltou para Riachinho, assumindo a parte da fazenda que a herança lhe reservava. “Olha moço: o Sandro sempre foi um menino bom. Sempre ajudou o pai e, agora, mesmo longe, continua ajudando. E quando ele vem aqui, geralmente no final do ano, nem parece que é gente famosa”, lembra Elizardo, antes de contar que, recentemente, seu Joaci adoeceu e o filho o levou para um tratamento em Porto Alegre, durante três meses.


Fifa ameaça reduzir de 12 para 10 sedes na Copa de 2014

A FIFA e Ricardo Teixeira ameaçam reduzir de 12 para 10 as cidades sedes da Copa de 2014, sob a alegação que os governos dos estados estão atrasados nos processos licitatórios das reformas e construção dos estádios. O prazo para as obras se iniciarem é fevereiro de 2010.

Duvido que passem esse facão. Ameaças desse tipo são, normalmente, apenas para os políticos tirarem as respectivas bundas das cadeiras.

As cidades mais enroladas nesses procedimentos de projetos e revisão de projetos de estádios são: Salvador, Cuiabá, Manaus, Natal e Recife.


Direto de Buenos Aires

  

Alessandro Assis é um rondoniense, de raízes mineiras, que mora em Buenos Aires e adora futebol. Filho do cruzeirense Geraldo Bento, grande advogado, nascido na hospitaleira cidade de Porto Firme, vizinha de Viçosa, e que reside em Porto Velho, em Rondônia.

Alessandro teve o prazer de ver a Argentina se rendendo ao futebol brasileiro sábado, lá, no coração deles, a capital, e nos escreveu, relatando a experiência:

“Meu amigo Chico!

Que prazer foi ver o 3 a 1 em Buenos Aires. Que prazer ver o silencio argentino, o silencio maradônico dos edifícios e das ruas, dos andares e dos corredores durante e depois esse jogo fantástico.

Há tempos o futebol não me deixava tão feliz. Há tempos não sentia esse grito natural surgindo da garganta como que vindo sabe deus de onde! Vimos o jogo com 2 amigos brasileiros, uma colombiana (minha namorada, que também gritou muito com o 2 x 0 contra Equador) e 2 uruguaios.

Maradonna teve que engolir sua arrogância, esse cara tem que sair dali antes que faça mais besteiras. Copa sem Argentina não é a mesma coisa. “Armandito es una bestia como técnico”, escutei de um argentino.

No trabalho, silêncio total. Nenhuma palavra, nenhum comentário. Um email recebi de “felicitaciones, lo merecieron”. Mais nada. Encontrei no blog do Ariel Palacios um texto fantástico da história do futebol, vale a pena dar uma olhada, se é que vc já não conhece essa história: na época que o esporte tinha outros objetivos, outra alegria, outra comunhão. Muito bonito, o link é:

http://blog.estadao.com.br/blog/arielpalacios/?title=percam_rapazes_percam_o_jogo&more=1&c=1&tb=1&pb=1

 

Grande abraço!
Alessandro”


A melhor do fim de semana

Ganhar de 3 x 1 da Argentina foi ótimo, mas ninguém tinha dúvidas que o Brasil estaria na Copa de 2010. Para mim o melhor resultado do esporte brasileiro no fim de semana foi a conquista, pelo basquete masculino, da Copa América, com um ponto a mais que Porto Rico na partida final.

É bom demais ver o nosso basquete ressurgindo das cinzas, e fica a esperança que volte a disputar os Jogos Olímpicos, de 2012, em Londres, depois de quatro edições de ausência.


Acerto de contas

Tudo indica que o Fluminense vai ser rebaixado. Já vai tarde! Chegou a cair para a terceira divisão, voltou à segunda, dentro de campo, mas regressou à primeira por debaixo dos panos, queimando etapas.

Que volte para lá a fim de pagar o que deve ao futebol brasileiro.

Aliás, não tinha como dar certo essa fórmula do tricolor carioca: os jogadores que são patrocinados pela Unimed recebem salários em dia, os que são do clube, só Deus sabe!

Fred foi contratado a peso de ouro, e não jogou nada, além de machucar-se no início do campeonato. Os demais ganham mixaria.

Renato Gaúcho e Valdir Espinoza dividindo o poder, caíram logo, e agora Cuca, dispensado de forma humilhante ano passado, pelos mesmos dirigentes que o contrataram de novo.