Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Polícia do Rio diz que Romário apanhou

Deu no jornal Folha de SP, de hoje:

“Devido a dívidas vinculadas a uma pirâmide, esquema financeiro clandestino, Romário foi espancado semanas atrás por um credor, segundo investigação da Delegacia de Defraudações do Estado do Rio. O ex-jogador seria o fiador do negócio. Como muitos dos participantes tiveram prejuízos, Romário teria sido ameaçado de morte. A polícia apura a extensão do esquema. Romário depôs ontem e negou envolvimento em qualquer pirâmide.”


O jeito Kalil de montar time

O jornalista Marcelo Bechler Machado tenta explicar, em seu blog, a fórmula de Alexandre Kalil para montar o time que é líder do campeonato brasileiro:

 “Alexandre Kalil costuma dizer que, quando assumiu, não tinha time nem técnico. Falta dizer que não tinha dinheiro também. Até onde se sabe, Ziza Valadares havia solicitado o adiantamento da cota da TV referente a 2009 para pagar os compromissos de 2008. O que Kalil fez? Deu um jeito.

Um jeito para contratar o caro Emerson Leão e depois o vice-campeão brasileiro de 2008, Celso Roth.

Kalil fez uma super manobra e trouxe Diego Tardelli sem custos. Assim como Júnior, Carlos Alberto, Renan, Alessandro, Jonilson, Alex Bruno, além de Thiago Feltri e Éder Luís. Enfim, o time inteiro.

Na semana em que a contratação de Rentearia parecia certa pelo Cruzeiro, Alexandre Kalil deu um jeito e fechou com o atacante, considerado inviável financeiramente para o rival.

Como pode o Atlético, único time da Série A sem patrocínio, com a cota da TV gasta há quase um ano, acertar a contratação de um jogador cobiçado pelo rival – que acaba de vender Ramires por 7,5 milhões de Euros, faturar mais de dois milhões de reais com a renda da final da Libertadores, fora o acerto com a TV e o patrocinador master recém-chegado?

A única possibilidade é dando um jeito. Kalil ainda não se pronunciou sobre como fez para contratar Renteria, mas o certo é que audácia não faltou. Talvez vendo o Corinthians se despedaçando, o Inter que não se encontra, o Palmeiras sem técnico e São Paulo e Cruzeiro longes da disputa, o presidente sinta que o título pode ser uma realidade, especialmente se reforçar mais o elenco.

Quando o Cruzeiro desistiu do atacante e se cogitou em “outro grande”, pensou-se no substituto de Keirrison no Palmeiras. Com Kalil, quando se falar em clube grande, é preciso lembrar do Atlético.” 

Leia mais em www.blogdemarcelomachado.blogspot.com


Cruzeiro e Fluminense na história

CRUZEIRO X FLUMINENSE

RESUMO ESTATÍSTICO
TOTAL DE JOGOS: 58
Vitórias do Cruzeiro: 18
Empates: 15
Vitórias do Fluminense: 25
TOTAL DE GOLS: 174
Gols do Cruzeiro: 80
Gols do Fluminense: 94

 

CAMPEONATO BRASILEIRO
Cruzeiro e Fluminense se enfrentaram 35 vezes pelo Campeonato Brasileiro. Foram 11 vitórias do Cruzeiro, 12 empates e 12 derrotas. O Cruzeiro marcou 47 gols e o Fluminense 51.

Primeiro confronto pelo Campeonato Brasileiro

11/9/1971 – Cruzeiro 1 a 0 (no Maracanã, no Rio de Janeiro)

Recordes do Campeonato Brasileiro:

– Maior número de pontos ganhos (100) – Brasileirão 2003.

– Maior número de vitórias (31) – Brasileirão 2003.

 

PRIMEIRO JOGO
11/6/1941 – Fluminense 4 a 2 (amistoso no Rio de Janeiro).

 

ÚLTIMO JOGO
9/11/2008 – Cruzeiro 1 a 0 (no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro).

 

MAIORES RESULTADOS
7/12/2003 – Cruzeiro 5 a 2 (no Mineirão, em Belo Horizonte, pelo Camp. Brasileiro)

7/9/2005 – Fluminense 6 a 2 (no Mineirão, em Belo Horizonte, pelo Camp. Brasileiro)

 

O CONFRONTO NO MARACANÃ
Foram 20 confrontos disputados no Maracanã com seis vitórias do Cruzeiro, sete empates e sete vitórias do Fluminense. O ataque cruzeirense marcou 23 gols e a defesa sofreu 26.

 

FINALISTAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO
Cruzeiro e Fluminense já foram finalistas do Campeonato Brasileiro. Na Taça de Prata de 1970 (a competição passou a homologar, naquele ano, o título de “Campeão Brasileiro” ao seu vencedor, substituindo a Taça Brasil) ambos disputaram a final em turno único com Palmeiras e Atlético-MG. Na 2a rodada, o Fluminense venceu por 1 a 0, em 16 de dezembro de 1970, no Mineirão, com gol de Mickey e sagrou-se campeão brasileiro.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Cruzeiro


Classificação depois da 13a rodada

 

PG

J

V

E

D

GP

GC

SG

%

Atlético 28 13 8 4 1 27 13 14 72%
Palmeiras 25 13 7 4 2 23 14 9 64%
Internacional 24 13 7 3 3 21 15 6 62%
Corinthians 23 13 7 2 4 20 17 3 59%
Barueri 22 13 5 7 1 29 18 11 56%
Vitória 21 13 6 3 4 22 15 7 54%
Goiás 20 13 5 5 3 24 18 6 51%
Grêmio 18 13 5 3 5 20 14 6 46%
Santos 17 13 4 5 4 25 26 -1 44%
10º Santo André 17 13 4 5 4 16 18 -2 44%
11º Flamengo 17 13 4 5 4 18 21 -3 44%
12º Avaí 16 13 4 4 5 16 18 -2 41%
13º Coritiba 15 13 4 3 6 18 21 -3 38%
14º São Paulo 15 13 3 6 4 15 16 -1 38%
15º Cruzeiro 13 12 4 1 7 12 19 -7 36%
16º Sport 12 13 3 3 7 19 22 -3 31%
17º Atlético-PR 12 13 3 3 7 13 23 -10 31%
18º Botafogo 12 12 2 6 4 16 20 -4 33%
19º Fluminense 10 13 2 4 7 12 23 -11 26%
20º Náutico 10 13 2 4 7 13 28 -15 26%

Liderança mantida na raça

Depois de um 0 x 0 morno no primeiro tempo, o segundo foi um sufoco danado no fim do jogo. Perdendo por 2 x 0, o Fluminense resolveu buscar o empate. Mas o Atlético teve postura diferente do jogo contra o Botafogo. Uma raça impressionante!

Precisando vencer, e se não dava para passar pela fechada defesa tricolor na troca de passes, o time dobrou a correria e conseguiu um gol chorado através do Serginho. Com isso o Renato Gaúcho teve que abrir a sua equipe, e nos contra-ataques o Galo chegou ao segundo gol, através do Tardelli..

Empurrado pela torcida quis fazer mais gols e continuou jogando aberto, proporcionando ao Fluminense fazer o seu gol. Aí foi um sufoco! Com a pressão tricolor, o goleiro Aranha se desdobrou, e foi eleito o melhor jogador em campo pela Rádio Itatiaia e pela CBN/Globo.


Papo com leitor do jornal O Tempo

O Mauricio Costa Reis Ribeiro, de  Coronel Fabricianom escreveu-me:

“Prezado Jornalista Chico Maia,
 
Em sua coluna menciona uma brincadeira do comentarista Lélio Gustavo, em novembro de 2006, no programa “Rede TV”, que magoou o jogador Wagner, do Cruzeiro, que o processou por danos morais, ganhando em primeira instância o comentarista, mas perdendo após recurso do jogador, e que agora chegaram a um acordo, antes de o Lélio recorrer a Brasília.
 
Como foi essa brincadeira, e como foi o acordo?
 
Aguardo e agradeço por sua informação.”

Respondi a ele:

Caro Maurício,

o Lélio lembrou da frase do Levir Culpi, que chamou o Ramon Menezes de “QI de alface”, referindo-se ao Wagner. O acordo foi o Lélio reconhecer publicamente que exagerou ao se referir a ele dessa maneira, e assim foi feito.

Abraço,

Chico Maia


Avaliação do potencial do Atlético

Gosto da posição do técnico Celso Roth, que só promete muito trabalho e seriedade dele, e dos jogadores, nessa trajetória do Atlético. Não demonstra nenhuma empolgação ou deslumbramento porque sabe que o futebol exige atenção e dedicação 24 horas.

A torcida atleticana é famosa por se entusiasmar demais antes da hora e sofrer decepções históricas, por isso, todo cuidado é pouco e muita paciência. Para mim o time está na média dos principais clubes brasileiros, com um elenco que é a conta do chá, problema que a diretoria tenta resolver com aquisições, como essa do Renteria ontem.

Celso Roth apostou e encontrou uma dupla de zaga prata da casa que está afinada, como há tempos não se via uma dessas no Atlético: Welton e Werley, desprezados por Emerson Leão. Hoje joga Alex Bruno no lugar do Werley, suspenso. 

* Há quem diga que falta um zagueiro experiente para compor o setor, como o leitor Bráulio Giovanni, de João Monlevade. Sinceramente não sei. Ele inclusive sugere nomes como Cláudio Caçapa, Lima ou o paraguaio Cáceres.

É, um Caçapa seria bom para compor.

Sugere também meias-atacantes como Rodrigo Tábata e ou Marcinho “que está aí de férias’. 

* O Ramon, de Santa Bárbara, pergunta: “O Atlético tem condições de ser campeão brasileiro?”

E arremata: “ele precisa fazer seis pontos dentro de casa, contra o Fluminense, e domingo contra o Goiás.”

É muito cedo para falar em título, porém, caso vença hoje e domingo, vai mostrar que está habilitado verdadeiramente a brigar na cabeça. É uma questão psicológica, pois ganharia moral e confiança no próprio taco. Se não repetir a decepção do jogo contra o Botafogo nessas duas próximas partidas, passarei a confiar mais. 

* Sobre os concorrentes que estão brigando pela liderança atualmente, gosto da opinião do Renato César, de Bh, que tem inclusive um blog: http://rcgalo.blogspot.com/

Diz ele: “Ao que tudo indica, os gaúchos (do Inter) estão demonstrando que perderam força para seguir na luta, e uma provável mudança de técnico deverá acontecer lá nas próximas rodadas. O Palmeiras vinha embalado com o Jorginho, mas o Muricy vai começar lá semana que vem, o que pode significar um período de adaptação do elenco e perda de pontos. Já o Barueri é franco atirador, o que vier é lucro.

Hoje deveremos ter novamente um público acima de 50.000 pagantes…

A hora é de aproveitar o embalo da Massa, disparar na ponta e acumular mais gordura.”


Renteria chega e ninguém vai embora

Telefonei para o Lélio Gustavo para saber dele mais detalhes a respeito do colombiano Rentería, contratado pelo Galo ontem. O Lélio é o companheiro mais antenado em jogadores em atividade no Brasil e exterior que conheço. Assiste TV durante quase o dia todo e não sai da internet. Bem informado toda vida.

Ele acha que foi uma ótima aquisição alvinegra e diz que ficou com uma dúvida: será que o Éder Luiz ou Tardelli pode ser negociado? Eu penso que não, pois não é essa a filosofia do Alexandre Kalil. 

Renteria 

Pertence ao Porto e estavam servindo ao Braga, onde marcou apenas seis gols em 28 jogos pelo campeonato português. Jogou a Copa da Uefa, onde fez três gols em 10 partidas. O começo da carreira foi no Boyacá Chicó da Colômbia, de onde foi para o Inter de Porto Alegre, e ajudou na conquista da Libertadores em  2006. Comprado pelo Porto, foi emprestado ao Racing Strasbourg da França e depois ao Braga.

Mede 1,86 m de altura e nasceu em  quatro de julho de 1985.


Fugindo do inferno

O meia Bernardo ajudou o Cruzeiro a sair do verdadeiro inferno que é a zona do rebaixamento, na primeira vitória do time fora de casa: 2 x 0 no Santo André. Foto: VIPCOMM

O meia Bernardo ajudou o Cruzeiro a sair do verdadeiro inferno que é a zona do rebaixamento, na primeira vitória do time fora de casa: 2 x 0 no Santo André. Foto: VIPCOMM


O início da rodada

* Os jogadores do Cruzeiro cumpriram a promessa de reagir e tiraram o time da zona do rebaixamento com a vitória fora de casa sobre o Santo André.

* Este Juninho, zagueiro do Botafogo, realmente bate faltas e chuta de longe muito bem. Aquele mesmo que empatou o jogo contra o Atlético no Mineirão. Põe um efeito na bola que faz lembrar o que o Nelinho, maior chutador que já vi, fazia. Deixa os goleiros malucos. Ontem fez dois no empate com o Náutico em Recife.

* Tem jogador que faz papel ridículo: Gilmar, do Náutico, fez os gols contra o Botafogo e saiu batendo no peito, xingando e fazendo gestos para a torcida, no estádio dos Aflitos. Até parecia que tinha tirado o time dele da zona do rebaixamento.

* O que aconteceu com o Avaí? terceira vitória consecutiva ontem, e sobre o Grêmio, 1 x 0, em Floripa!


Página 1.043 de 1.066« Primeira...102030...1.0411.0421.0431.0441.045...1.0501.060...Última »