Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Ruim para o Cruzeiro: o Cássio não joga!

O Cruzeiro poderá tirar proveito do desespero do Fluminense, amanhã, no Maracanã. O time do Renato Gaúcho vai sair com tudo para buscar a vitória e vai cair no sistema de jogo que o Adilson Batista mais gosta: contra-ataques.

Ruim para a Raposa é que o zagueiro tricolor Cássio não vai jogar, porque está machucado. O pior defensor que vi este ano. Tipo becão de fazenda. Foi o mapa da mina do Atlético quinta feira no Mineirão.


Imprensa esportiva se reúne no Mineirinho

O mês de julho tem sido marcado por uma série de atividades comemorativas dos 70 anos de existência da nossa Associação Mineira de Cronistas Esportivos – AMCE. Amanhã, dia 25, é a data exata da fundação da entidade, hoje muito bem presidida pelo jornalista Carlos Cruz, um dos companheiros mais conceituados do nosso meio. Os associados e amigos vão participar de uma “tropeirada”, na área externa do Mineirinho, numa ótima oportunidade de reencontro da turma, a partir do meio dia.


Homenagem ao Maurílio Costa

Nos 70 anos da AMCE, o comentarista Maurílio Costa foi um dos homenageados e recebeu o diploma comemorativo das mãos do prefeito de BH, Márcio Lacerda e do presidente da entidade, Carlos Cruz

Nos 70 anos da AMCE, o comentarista Maurílio Costa foi um dos homenageados e recebeu o diploma comemorativo das mãos do prefeito de BH, Márcio Lacerda e do presidente da entidade, Carlos Cruz


O “Caixa” homenageado em Capim Branco

O empresário e desportista Paulinho PX (esquerda), recebeu o locutor Mário Henrique – o “Caixa” (direita), no campo do Pingo de Ouro, em Capim Branco, e depois em sua fazenda em Sete Lagoas. Entre os dois, o Richard, com o filho Paulo Tadeu. A foto foi enviada pelo Sílvio Dias, irmão do Richard.

O empresário e desportista Paulinho PX (esquerda), recebeu o locutor Mário Henrique – o “Caixa” (direita), no campo do Pingo de Ouro, em Capim Branco, e depois em sua fazenda em Sete Lagoas. Entre os dois, o Richard, com o filho Paulo Tadeu. A foto foi enviada pelo Sílvio Dias, irmão do Richard.


Feijão sem bicho

O futebol mineiro normalmente se dá bem quando aposta nas suas categorias de base. Diego Renan, que marcou o segundo e belo gol do Cruzeiro contra o Santo André, está no clube há cinco anos, apesar de ter apenas 19 de idade.

E é fruto da garimpagem que a Raposa faz pelo país, pois ele é pernambucano, nascido na cidade de Surubim, no dia 26 de janeiro de 1990. Mede 1,71 de altura, começou como volante, foi transformado em lateral, com atuação tanto na direita quanto na esquerda.

O Atlético tem, hoje, nada menos que 18 jogadores das categorias de base servindo ao profissional.


Celso Roth reabilitado

Atleticanos que antes não gostavam da idéia de ver o Celso Roth no comando do time têm dado a mão à palmatória. O Renato César escreveu o seguinte sobre o atual momento do Galo: 

“E o jeito Kalil está dando certo. O grupo de jogadores, além de ter sido bem montado, está feliz. É bom ver jogadores se empenhando tanto dentro e fora de campo. Há quanto tempo não víamos jogadores de alto nível se identificando tanto assim com a Massa?! Há quanto tempo não víamos jogadores escolhendo o Galo para fazerem carreira?
   Acho que antes de jogadores como Júnior e Tardelli, os últimos que vimos por aqui foram Marques e Taffarel.
   E no jeito Kalil, também temos que destacar a coragem dele em escolher e bancar o Celso Roth. A rejeição a este nome era enorme por aqui (eu mesmo achei que não era a melhor escolha) e a Massa sempre gostou muito do Leão, que só veio porque o Celso Roth preferiu não sair do Grêmio. Mas logo que isto aconteceu, no primeiro vexame o Kalil já dispensou Leão e correu para buscar o Celso. Os resultados têm demonstrado que ele estava certo e nós (eu e todos que criticaram) errados…”


Uma cambada

Figuras como José Sarney emporcalham a imagem da política brasileira, e ainda tem a defesa intransigente do presidente Lula. Isso dá munição para charges da melhor qualidade, como essa do Duke, hoje no jornal O Tempo

Figuras como José Sarney emporcalham a imagem da política brasileira, e ainda tem a defesa intransigente do presidente Lula. Isso dá munição para charges da melhor qualidade, como essa do Duke, hoje no jornal O Tempo


Polícia do Rio diz que Romário apanhou

Deu no jornal Folha de SP, de hoje:

“Devido a dívidas vinculadas a uma pirâmide, esquema financeiro clandestino, Romário foi espancado semanas atrás por um credor, segundo investigação da Delegacia de Defraudações do Estado do Rio. O ex-jogador seria o fiador do negócio. Como muitos dos participantes tiveram prejuízos, Romário teria sido ameaçado de morte. A polícia apura a extensão do esquema. Romário depôs ontem e negou envolvimento em qualquer pirâmide.”


O jeito Kalil de montar time

O jornalista Marcelo Bechler Machado tenta explicar, em seu blog, a fórmula de Alexandre Kalil para montar o time que é líder do campeonato brasileiro:

 “Alexandre Kalil costuma dizer que, quando assumiu, não tinha time nem técnico. Falta dizer que não tinha dinheiro também. Até onde se sabe, Ziza Valadares havia solicitado o adiantamento da cota da TV referente a 2009 para pagar os compromissos de 2008. O que Kalil fez? Deu um jeito.

Um jeito para contratar o caro Emerson Leão e depois o vice-campeão brasileiro de 2008, Celso Roth.

Kalil fez uma super manobra e trouxe Diego Tardelli sem custos. Assim como Júnior, Carlos Alberto, Renan, Alessandro, Jonilson, Alex Bruno, além de Thiago Feltri e Éder Luís. Enfim, o time inteiro.

Na semana em que a contratação de Rentearia parecia certa pelo Cruzeiro, Alexandre Kalil deu um jeito e fechou com o atacante, considerado inviável financeiramente para o rival.

Como pode o Atlético, único time da Série A sem patrocínio, com a cota da TV gasta há quase um ano, acertar a contratação de um jogador cobiçado pelo rival – que acaba de vender Ramires por 7,5 milhões de Euros, faturar mais de dois milhões de reais com a renda da final da Libertadores, fora o acerto com a TV e o patrocinador master recém-chegado?

A única possibilidade é dando um jeito. Kalil ainda não se pronunciou sobre como fez para contratar Renteria, mas o certo é que audácia não faltou. Talvez vendo o Corinthians se despedaçando, o Inter que não se encontra, o Palmeiras sem técnico e São Paulo e Cruzeiro longes da disputa, o presidente sinta que o título pode ser uma realidade, especialmente se reforçar mais o elenco.

Quando o Cruzeiro desistiu do atacante e se cogitou em “outro grande”, pensou-se no substituto de Keirrison no Palmeiras. Com Kalil, quando se falar em clube grande, é preciso lembrar do Atlético.” 

Leia mais em www.blogdemarcelomachado.blogspot.com


Cruzeiro e Fluminense na história

CRUZEIRO X FLUMINENSE

RESUMO ESTATÍSTICO
TOTAL DE JOGOS: 58
Vitórias do Cruzeiro: 18
Empates: 15
Vitórias do Fluminense: 25
TOTAL DE GOLS: 174
Gols do Cruzeiro: 80
Gols do Fluminense: 94

 

CAMPEONATO BRASILEIRO
Cruzeiro e Fluminense se enfrentaram 35 vezes pelo Campeonato Brasileiro. Foram 11 vitórias do Cruzeiro, 12 empates e 12 derrotas. O Cruzeiro marcou 47 gols e o Fluminense 51.

Primeiro confronto pelo Campeonato Brasileiro

11/9/1971 – Cruzeiro 1 a 0 (no Maracanã, no Rio de Janeiro)

Recordes do Campeonato Brasileiro:

– Maior número de pontos ganhos (100) – Brasileirão 2003.

– Maior número de vitórias (31) – Brasileirão 2003.

 

PRIMEIRO JOGO
11/6/1941 – Fluminense 4 a 2 (amistoso no Rio de Janeiro).

 

ÚLTIMO JOGO
9/11/2008 – Cruzeiro 1 a 0 (no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro).

 

MAIORES RESULTADOS
7/12/2003 – Cruzeiro 5 a 2 (no Mineirão, em Belo Horizonte, pelo Camp. Brasileiro)

7/9/2005 – Fluminense 6 a 2 (no Mineirão, em Belo Horizonte, pelo Camp. Brasileiro)

 

O CONFRONTO NO MARACANÃ
Foram 20 confrontos disputados no Maracanã com seis vitórias do Cruzeiro, sete empates e sete vitórias do Fluminense. O ataque cruzeirense marcou 23 gols e a defesa sofreu 26.

 

FINALISTAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO
Cruzeiro e Fluminense já foram finalistas do Campeonato Brasileiro. Na Taça de Prata de 1970 (a competição passou a homologar, naquele ano, o título de “Campeão Brasileiro” ao seu vencedor, substituindo a Taça Brasil) ambos disputaram a final em turno único com Palmeiras e Atlético-MG. Na 2a rodada, o Fluminense venceu por 1 a 0, em 16 de dezembro de 1970, no Mineirão, com gol de Mickey e sagrou-se campeão brasileiro.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Cruzeiro


Página 1.096 de 1.119« Primeira...102030...1.0941.0951.0961.0971.098...1.110...Última »