Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

O Duke não perdoa nem a ele mesmo

A charge do Duke no Super Notícia de hoje mostra que ele não perdoa nem a ele mesmo. Boa demais da conta!


Recuperação

Muito cobrado por causa da escassez de gols, Thiago Ribeiro dá mostras que está recuperando a velha forma. Contra o Internacional sofreu o pênalti que originou o primeiro gol do Cruzeiro, e fez o segundo, em lance de oportunismo e ótima presença na área. É outro que fica mais à vontade sem o Kléber em campo.

Essa e outras notas estarão em minha coluna de amanhã, no jornal O Tempo, nas bancas!


Um domingo da melhor qualidade

Foi uma tarde de domingo com grandes emoções para os três grandes mineiros, com destaque especial para o Cruzeiro que venceu o Inter em Porto Alegre, de forma convincente. Lá, é sempre difícil, ainda mais o colorado, brigando pelo título.

No Mineirão o Galo teve dificuldades para passar pelo xará do Paraná, mas este é o campeonato brasileiro, onde todo jogo é complicado, especialmente na reta de chegada. Que o diga o líder Palmeiras, que dançou feio contra o Vitória em Salvador.

O América voltou a dar alegria, agora fora de casa e está com uma mão na Taça da Série C.

O Ipatinga é que surpreendeu negativamente na sexta feira: levou de 5 x 1, de virada, do Campinense em Campina Grande-PB, quando todos esperávamos uma reação na luta pela volta à Série A . Agora ficou quase impossível e tem que se cuidar para não beirar o rebaixamento para C. Está há cinco pontos do primeiro da zona da degola.

Essa e outras notas estarão em minha coluna de amanhã, no jornal Super Notícia, nas bancas!


Assassinos do volante contam com a impunidade

Mais um grave acidente ontem à tarde no anel rodoviário, perto do Bairro Betânia, onde seis pessoas morreram e várias estão feridas. Foram 14 veículos envolvidos, arrebentados por um caminhão dirigido por um irresponsável. Aí o sujeito diz que o freio não funcionou ou inventa outra desculpa. Comparece a uma delegacia, é liberado, e daí a pouco ninguém mais vai se lembrar dele, nem de mais essa tragédia. As famílias das vítimas vão amargar sua dor e seus prejuizos pelo resto da vida.

Hoje ou amanhã teremos outra tragédia, maior, menor ou nas mesmas proporções. Lá mesmo ou em outro local, mas certamente provocada por excesso de velocidade. E as autoridades, de forma demagógica, amaciando as leis, as punições e as pessoas de pagarem pelos seus delitos.


E o Ipatinga, hein!?

 

Levou de 5 x 1, de virada, do Campinense ontem, em Campina Grande-PB, quando todos esperávamos uma reação na luta pela volta à Série A . Agora ficou quase impossível e tem que se cuidar para não beirar o rebaixamento para C. Está há cinco pontos do primeiro da zona da degola.

 


A opinião de um Global do Rio sobre o Carini

Além de muitíssimo bem informado, Lédio Carmona é um dos melhores jornalistas que conheço. Nome importante das transmissões e veículos digitais do Sistema Globo, ele deu a opinião dele sobre o goleiro Carini, recém contratado pelo Atlético, que li na coluna do Fernando Rocha no www.jvaonline.com.br

“Com 1,90, ele jogou quatro anos no Defensor. No clube uruguaio se destacou. Até que, em 2000, aceitou proposta da Juventus, de Turim. Lá ficou até 2004, com um empréstimo ao Standard, da Bélgica, no meio do período. Sempre esquentando o banco (e às vezes nem isso) para Gianluigi Buffon. Jogou algumas partidas da Copa da Itália e mais nada. Pediu para sair. E foi para a Internazionale. Em Milão, virou reserva de Toldo e, depois, reserva do reserva de Julio César. A Inter o emprestou ao Cagliari. Foi muito bem. Mas preferiu aceitar uma proposta do Real Múrcia, da Espanha. Lá, começou como titular, virou reserva e depois se enrolou com uma série de lesões. Até na Seleção uruguaia perdeu a posição de titular para Muslera.(agora o titular é Castillo, do Botafogo, péssimo dos péssimos). Que ele se reencontre em BH, pois bom ele sempre foi. O problema da sua carreira foram as escolhas e o tempo que elas lhe fizeram perder. Aos 29 anos, Carini chega ao Galo para iniciar a carreira de verdade”.


Feras do humor na Pampulha

Esta charge do Duke está no Super Notícia de hoje, mas quem quiser ver alguns dos melhores trabalhos dele e de outras feras do humor de vários países do mundo, é só dar uma chegada na Casa do Baile, na Pampulha. Foi aberto lá, ontem, o I BH Humor – Salão Internacional de Humor de Belo Horizonte. Bom demais da conta, até o dia 16 de outubro, com entrada franca. Mais detalhes pelo www.bhhumor.com.br


A importância das parcerias

Em contraponto à opinião do Leonardo Moura, o também cruzeirense, Alisson Sol, escreveu::

“Respeito a opinião do torcedor Leonardo Moura, mas creio que ele se equivocou em relação às parcerias. Concordo inteiramente com a frase: “Raça, vontade de vencer, respeito à camisa, respeito à torcida, respeito ao salário, isto meus amigos, não se compra com dinheiro nenhum no mundo”. Mas nenhum dos argumentos apresentados tem qualquer relação lógica com esta frase.

A parceria com a MSI foi muito lucrativa para o Cruzeiro. Em verdade, a MSI é que teve um prejuízo enorme, tanto no Corinthians quanto no Cruzeiro. A empresa foi para o Brasil pensando em fazer uma liga séria, e teve de sair minimizando os prejuízos ao ver ser impossível levar uma administração profissional ao futebol brasileiro. O problema no Corinthians já existia antes, continuou durante, e agora se mostra depois da MSI (vide o absurdo contrato com o Ronaldo). O problema é que nem todo “parceiro” também ajuda, e alguns até atrapalham (vide o caso do Fluminense).

De qualquer forma, para fazer uma parceria com uma empresa privada séria, o clube precisa provar que tem uma administração ao menos que “passa por profissional”. É fácil dirigente de clube se promover dizendo que “está tudo em dia”, quando em verdade o clube não está pagando impostos em dia, esquece dívidas das administrações passadas, e força credores privados e renegociar suas dívidas, ou ameaça não pagar. Assim, até eu publico um balanço com lucro. Vá ver o resultado de fazer isto no Vasco da Gama!

Acho também que se está misturando o lado administrativo com os resultados do futebol. Isto são coisa completamente diferentes. Não fosse assim, campeonatos e copas eram decididos pelos balanços dos clubes, e não pelos jogadores dentro de campo. Uma coisa certamente influi a outra, mas a correlação não é direta. Há clubes muito lucrativos, como o Arsenal de Londres, que já não ganham títulos há algum tempo.

Por fim, creio que o exemplo também foi infeliz. Não me lembro de ninguém reclamando da contratação de Felipão. Em verdade, o treinador era praticamente unanimidade à época, e só saiu do Cruzeiro para a seleção. Contratado um técnico da estatura de Felipão (hoje, conforme já publicado no próprio blog do Chico, o mais bem pago técnico do mundo!) o clube iria fazer o que: não contratar jogadores indicados por ele?

Certamente é patético tanto a diretoria do Cruzeiro quanto a de outros clubes começarem agora, em Setembro, a fazerem anúncios que desviam a atenção do fato de que os resultados em campo não estão aparecendo. Não dou um mês para voltar a novela do “estádio” para o clube. Mas o discurso contra parcerias não fez sentido.”


Torcedor pede vergonha na cara ao invés de parceria

Está no excelente site www.guerreirodosgramados.com.br

Escrito pelo Leonardo Moura 

Não precisamos de parceria, mas sim de vergonha na cara

“Dois meses após a Libertadores, nada mudou no Cruzeiro. O time não engrena por culpa de jogadores e técnico, torcida furiosa, especulaçõe…e diretoria que, além de contratar refugo, vem com papo de parceria com a Traffic…
 
A última parceria que eu me lembro, se não me engano, foi em 2000 com a tal Hicks Muse. Vieram Oséas, Sorín, Jackson, Zé Maria, Viveros, entre outros. Veio também o Felipão para técnico.
 
Muitos vão falar “ah, naquele ano vencemos a Copa do Brasil”, o que está certo. Mas de todos estes, só o Oséas teve destaque, artilheiro do torneio. O Sorín estava mal, só se recuperando após o Felipão chegar – e ele chegou depois da final, vencida pelo Marco Aurélio. Zé Maria, Viveros, Jackson…nenhum deles deixou saudades, e o que é pior, não renderam um centavo aos cofres do Cruzeiro.
 
Vale lembrar também que esta “parceria” não foi suficiente para o Cruzeiro vencer a Libertadores de 2001, que perdemos graças a dois fatores. O primeiro: o Felipão pediu a contratação do Arce, lateral direito, que estava sem contrato, mas o Cruzeiro recusou porque achou que ele estava velho – 32 anos – mas este “velhinho” no jogo decisivo, com dois cruzamentos, saíram dois gols do Palmeiras. O outro fator? Nos pênaltis, o Jackson (ele mesmo) chuta a bola na lua.
 
Em resumo, é o seguinte: não sou contra parcerias, desde que o Cruzeiro tenha algum lucro para se manter depois que a parceria resolver sair – não quero que aconteça como o Corinthians, que após a saída da MSI deu no que deu.
 
Ah, é claro, assinar uma parceria não significa que, da noite para o dia, a diretoria, a comissão técnica e os jogadores, de repente, vão voltar a atuar como homens de verdade. Dinheiro de parceria não compra vergonha na cara.
 
Raça, vontade de vencer, respeito à camisa, respeito à torcida, respeito ao salário, isto meus amigos, não se compra com dinheiro nenhum no mundo. É DISSO QUE O CRUZEIRO PRECISA HOJE.”


Máfia Azul e Galoucura: vizinhança problemática

* Torcedores do Atlético invadiram a sede da torcida organizada do Cruzeiro nesta quinta-feira (10). Segundo informações da Polícia Militar, os atleticanos danificaram parte da loja que fica em baixo da sede cruzeirense, localizada na rua Tupis com rua Rio Grande do Sul, no Centro de Belo Horizonte.

Quatorze atleticanos foram detidos e levados para a delegacia. Um cruzeirense teve escoriações leves durante o confronto.

De acordo com o presidente da Máfia Azul, Alexandre Mendes, frequentemente são feitas reuniões entre os responsáveis pelas duas torcidas para evitar conflitos, no entanto, a proximidade entre as sedes das torcidas facilita esse tipo de acontecimento. 

* Extraída do portal www.otempoonline.com.br