Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Quando quis, o Palmeiras fez 2 a 0 e o jogo ficou pior ainda, só na base da administração.

afc

O companheiro jornalista Thiago Nogueira, aqui do O Tempo twittou: ‏@thiagonoggueira : “América recebeu R$ 700 mil pra vender o jogo. Em 25 jogos no ano, arrecadou R$ 1,4 milhão bruto, sendo R$ 578,6 mil em 3 jogos contra o Galo”. Fazer o quê? O Coelho teve e ainda tem, entre seus nove presidentes, dirigentes que merecem um busto em frente à sede do clube pelo que fizeram administrativamente. Evitaram a insolvência de um patrimônio centenánerio de Minas Gerais. Porém, o futebol, razão de ser do América, ficou órfão, com a saída voluntária de Marcus e Caio Salum. Sem eles, mil besteiras foram cometidas, justamente quando o time estava de volta à Série A nacional.

Com eles no comando, Givanildo Oiiveira não teria imposto a a ideia de esperar o fim do campeonato mineiro para avaliar se o clube precisaria ou não contratar. Campeão, o técnico achou que o elenco daria conta de fazer uma campanha satisfatória no Brasileiro.

Errou e a diretoria também errou ao demiti-lo nas primeiras rodadas do campeonato, inciando uma fastança absurda que a obrigou a aceitar propostas como esta, de vender mando de campo. Comprometeu a própria credibilidade e deu mais um empurrão para a volta à Série B.

O jogo foi ruim. O Palmeiras, com 99% da torcida a seu favor, fez 1 a 0 logo de cara e passou a administrar o resultado contra um adversário impotente e sem motivação. Claro, que se fosse no Independência seria diferente, com a própria torcida e mais um monte de atleticanos fazendo força a favor. Não significa que o resultado fosse outro, mas, na pior das hipóteses seria um jogo bom, aguerrido. Quando quis, o time paulista fez 2 a 0 e o jogo ficou pior ainda, só na base da administração.


Dever de casa bem feito tirou o Cruzeiro da lista dos rebaixados

CRU

Obrigado ao Alex Souza, que comentou aqui para o blog:

“Cruzeiro 2 x 0 Ponte Preta – 29ª Rodada do Campeonato Brasileiro 2016
Estádio Mineirão – Belo Horizonte/MG – 0821:00Outubro2016 – Sábado

CRUZEIRO: Rafael, Ezequiel, Léo, Bruno Rodrigo e Edimar; Henrique, Lucas Romero, Robinho, Rafinha (Alisson) e Rafael Sobis (Elber); Ábila (Willian). Técnico: Mano Menezes
PONTE PRETA: Aranha; Nino Paraíba, Antonio Carlos, Fábio Fereira e Reinaldo; Elton e Wendel (Rhayner); Felipe Azevedo (Zé Roberto), Maycon (Thiago Galhardo) e Pottker; Roger. Técnico: Eduardo Baptista

Arbitragem: Anderson Daronco (RS) auxiliado por Rafael Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno Andrade Jr (RS)
Público/Renda: 17.910 pagantes/R$ 417.383,00
Cartões amarelos: Edimar e Rafael Sobis (Cru); Elton e Thiago Galhardo (PP)
Cartões vermelhos: Não houve
Gols: Ábila, a 11 1ºT e Robinho, a 35 2ºT

INTELIGÊNCIA: O Cruzeiro fez uma partida inteligente e venceu a Ponte Preta com tranquilidade por 2 a 0. O time marcou bem, tocou a bola e construiu jogadas sem se expor em demasia, tanto é que o time campineiro deu apenas um chute a gol.

PACIÊNCIA: Mais uma vez foi necessária paciência os jogadores e ao torcedor. Precisando fazer o resultado o time fica pressionado, contudo, de nada adiantaria atacar desordenadamente, como ocorreu e não deu certo várias vezes neste campeonato; aos poucos vai ficando para trás aquele time que tentava ganhar “na marra”, finalizava equivocadamente aos montes e acabava sendo surpreendido com falhas individuais e gols em contra-ataque.

CORRIGINDO ERROS: A defesa azul fez uma partida segura, ainda que no início tenha tido alguma dificuldade de sair jogando e Edimar tenha errado alguns passes. Finalmente o lado direito, com Ezequiel, vai se firmando com exibição à altura das tradições do Cruzeiro; o jovem não perdeu uma disputa, desceu no apoio com qualidade em várias ocasiões e até fez coberturas quando meias andaram perdendo bolas.

ÁBILA E ROBINHO: O argentino inaugurou o marcador para o Cruzeiro no 1º tempo, depois que Sóbis roubou uma bola pela direita e deu grande cruzamento para a área. Ábila finalizou com aquela força que caracteriza seus gols, sem chances para Aranha. Na etapa final o 2º gol foi amadurecendo; Aranha salvou uma cabeçada de Sóbis e Ábila, duas vezes, acabou pilhado em impedimento. Robinho finalizou certeiro, de fora da área, no canto esquerdo de Aranha, depois que Romero roubou a bola no meio e passou a Rafinha, que preparou o lance do arremate. (mais…)


Em twittadas e caneladas, os debates eleitorais, América x Palmeiras, Cruzeiro do vôlei e da luta contra o rebaixamento

TV

Sábado cedo, muito divertido no twitter:

Duke ‏@dukechargista

Se chamarem o José Roberto Wright pra mediar o debate entre Kalil e João Leite, quem vai ganhar a prefeitura é o Flamengo!

Duke ‏@dukechargista

Debate entre João Leite e Kalil não deveria ter mediador, mas narrador!

Igor Assunção ‏@Igortep 

Debate com o Kalil é bom que nao dá sono e nem vontade de trocar o canal.

HENRIQUE ANDRÉ ‏@ohenriqueandre

Kalil usa a tática do “chega de política velha”. João sente o golpe por estar acostumado a debater com quem tem o mesmo discurso…

Jorge Luiz Rodrigues ‏@jorgeluizrod  9 hHá 9 horas

Esse debate do Rio parece aquele clássico cheio de expectativa que acaba 0 a 0 e sem chute a gol. Tipo Cimento Social x Horta de Varanda.

Alencar da Silveira ‏@depalencar

Se o Daniel continuar enchendo o saco pela transfência do nosso jogo vou proibir o Atlético de jogar no nosso estádio, inquilino é duro!

Alberto Rodrigues ‏@maisvibrante  42 minHá 42 minutosBelo Horizonte, Brasil

Bom dia amigas e amigos! Sada Cruzeiro é campeão mineiro de vôlei pela sétima vez consecutiva.Monstro. A emoção de volta, logo mais, Golgol!

O Tempo SuperFC ‏@SuperFC  3 hHá 3 horas

Duelo dentro e fora de campo http://tinyurl.com/j777ve6  #esportes


Venda de mando de campo: “torcedor enganado continua reclamando o direito adquirido de ver os grandes times brasileiros em nossa casa”

CAFE

Apesar de ser um dos poucos clubes do Brasil a ter um belo e confortável estádio, o América mandará seu jogo contra o líder do Brasileiro no Estádio do Café, que também é bom, mas fica no Paraná.

* * *

O Júlio César Ramos, comentou aqui no blog: “Chico, voce ta fazendo media com a diretoria do America ! Não é não ?!? Isso é mais ou menos como “esfregar a pimenta no olho do outro e depois assoprar”.

Ô meu caro Júlio, você (a quem sou muito grato, mesmo sem conhece-lo pessoalmente) é participante antigo do blog e sabe que não faço média nem com a diretoria do Galo, o meu time. Frisei que não entraria no mérito das justificativas do América à Carta do Márcio Amorim, porque não era o caso naquele momento, mas fui dos primeiros (e quase único) da imprensa a criticar essa e as possíveis outras vendas de mando. O que elogiei foi o rápido retorno e o próprio ato de retornar, coisa raríssima de um clube de futebol a seus torcedores, principalmente em Minas. Experimente escrever ao seu clube do coração e me diga se terá retorno e quanto tempo depois!

E,como previu o Edson Dias em seu comentário “…e eu duvido que ela (a resposta da diretoria) vá convencer ao Márcio Amorim…”.  Não convenceu, e ele foi à “réplica”, como sempre, educadamente, como deveriam ser as relações entre as pessoas e instituições, mesmo nas divergências. O que é esperar demais no Brasil, principalmente no futebol, né não?

Vejam aí a reação do Márcio:

* “Caro Chico!
Você tem razão em se surpreender com a delicadeza do Conselho, ao responder a um simples torcedor. Eu também fiquei surpreso, gratificado e agradecido. Definitivamente, como você disse, não é o que se espera, principalmente nos meios esportivos.

Entendo todas as colocações que foram feitas e, antes de redigir a minha carta, eu já tinha em mãos um levantamento detalhado de cada jogo no Independência. Poucos, pouquíssimos, não operaram no vermelho.

Entendo que fica muito difícil fazer futebol profissional, acumulando prejuízos.

Continuo ao lado do América, o que não me impede de discordar de tudo que foi feito na Série A.

Desde o início, no jogo contra o Fluminense. Por se tratar de uma estreia em casa, contra um grande time, comemorando o acesso e o título mineiro, a diretoria falhou ao não praticar preços promocionais para encher o campo.

Foram dois mil e poucos pagantes por causa de um preço exorbitante. Entendo que, com preços populares, dez mil pessoas dariam um lucro razoável para a estreia. Some-se a isto uma derrota!

Infelizmente, quem escreveu a carta não foi somente o torcedor fanático que existe em mim. Foi o torcedor que se sentiu enganado e não vale a pena repetir tudo de novo.

Eu entendo todas as explicações, agradeço a atenção inesperada, mas o torcedor enganado continua reclamando o direito adquirido de ver os grandes times brasileiros em nossa casa.

Não jogo a toalha, mas fui tomado pela mesma apatia do time em campo contra o Coritiba. Talvez eles próprios estivessem sonhando com uma reação contra o líder na nossa casa cheia.

Agradeço todas as tentativas absurdas de se levar o torcedor a Londrina. Londrina não é bairro de Belo Horizonte para você concordar tão somente com um “está bem! Vamos lá!”. Para um trabalhador, muitas vezes, é difícil se deslocar de Contagem, por exemplo, para o bairro do Horto, chegar tarde em casa tarde e trabalhar no dia seguinte.

Enfim: Tudo está consumado! Tudo! Tudo!”


Raridade no Brasil, América dá exemplo de respeito e consideração à queixas de torcedor

afc

Lembram da carta do americano Márcio Amorim, que fez do blog e minhas colunas porta voz para manifestar o seu repúdio à venda do mando de campo para o Palmeiras? 

( http://blog.chicomaia.com.br/2016/10/04/america-volta-a-perder-e-tem-de-conviver-com-verdades-verdadeiras-como-as-do-dum/ )

Pois a diretoria americana respondeu imediatamente, da seguinte forma:

* “Caro sócio, Márcio Amorim:

Segue em anexo carta do América Futebol Clube (Conselho de Administração) com ponderações em relação a sua carta divulgada na coluna do jornalista Chico Maia, que nos lê em cópia e a quem pedimos que também divulgue nossa ‘reposta’ no seu conceituado jornal O Tempo e demais mídias.

Contando com a compreensão de todos.

Abs,

América Futebol Clube

Belo Horizonte, 06 de outubro de 2016

* * *

Ilmo. Sr.

Márcio Amorim

Sócio Torcedor Onda Verde

Inscrição 1000582 – Plano Americano

Rua Paraíba, 1622/1801

Funcionários – CEP: 30 130-141

Belo Horizonte – Capital

Prezado Senhor

Tomamos conhecimento da sua carta divulgada na coluna do jornalista Chico Maia no jornal O Tempo. Gostaríamos de fazer-lhe alguns esclarecimentos, quanto à posição do Conselho de Administração do América Futebol Clube sobre o assunto (mudança de local de jogo).

Divulgamos em Nota Oficial recentemente que a diretoria americana está em busca do equilíbrio das contas nesta reta final da difícil temporada 2016. Cientes do valor e importância de disputarmos os jogos em nossa casa, o Independência, o Conselho relutou bastante em não alterar o local da partida, mas, infelizmente, os resultados financeiros advindos das bilheterias, até aqui, nos forçaram a tal mudança, na busca de fecharmos o ano equilibrados, oportunizando planejamento para o ano que vem.

A luta e a crença de que o time tem chances de se manter na Série ‘A’ é grande, mas não podemos nos descuidar com as finanças do Clube, o que esperamos ser compreensivo a todos e principalmente aos membros do Programa Sócio Torcedor/Onda Verde.

Ao mesmo tempo em que a Diretoria anunciou a importante mudança do jogo, também foi divulgada ações contemplando os associados. Foi organizada uma grande caravana com deslocamento, alimentação e ingressos tudo custeado pelo Clube. Além disso, houve sorteio em que dois sócios ganharam direito de ir a Londrina em vôo de ida e volta e também com todas as despesas por conta do América. E para aquele torcedor que por um motivo o outro não pode se deslocar até o Paraná, o Clube manteve em BH, mais especificamente na Cantina da Ana, no bairro Sagrada Família, a tradicional Blitz Onda Verde, com direito a ‘chopp’ de graça e sorteio de brindes. (mais…)


Na seleção, Tite lembra o aprendizado com o treinador mineiro Carlos Alberto Silva

CAS2

Em sua primeira visita a Beagá, como  técnico da seleção, Tite convidou Carlos Alberto Silva (cabeça branca à esquerda, mais ao alto) para assistir com ele Cruzeiro x Atlético-PR, no Mineirão

* * *

É muito bom ver demonstrações de gratidão. Pela segunda vez, desde que assumiu a seleção brasileira, o técnico Tite reverencia o Carlos Alberto Silva, que foi treinador dele no Guarani de Campinas. Tive a satisfação de conviver e aprender com o Carlos Alberto nos meus tempos de repórter das Rádios Capital e Inconfidência e ele comandou o Atlético e depois o Cruzeiro. Excelente treinador, grande figura humana, que continua morando em Belo Horizonte, onde tem uma agência de turismo.

O portal da ESPN destacou a gratidão de Tite a ele: 

* “Tapa em Bebeto e solidário: quem é o técnico que ensinou Tite a se relacionar com jogadores”

O técnico com quem Tite aprendeu a se relacionar com jogadores deu um tapa no tetracampeão Bebeto quando o atacante, então ainda no início da carreira, reclamou ao ser substituído em um jogo da seleção pré-olímpica, em 1987.

Em Natal, onde a seleção enfrenta nesta quinta-feira a Bolívia, pelas eliminatórias sul-americanas, Tite, ao ser questionado como havia informado Willian que perderia a posição de titular para Philippe Coutinho, lembrou dos ensinamentos de Carlos Alberto Silva e Pedro Pires de Toledo, que foram, respectivamente, seu técnico e preparador físico nos tempos em que era jogador no Guarani de Campinas

“Aprendi com eles que dá pra falar pela frente, enaltecer o trabalho”, disse o treinador da seleção, lembrando que avisou com antecedência a Willian que ele perderia a posição. Não foi a primeira vez que Tite elogiou Silva, que ganhou o Campeonato Brasileiro de 1978.

“Carlos Alberto e Pedro Pires sempre me mostraram esse outro lado, o humano, do respeito e da escolha que deve ser profissional, de dar atenção a todos de forma igual, do veterano ao juvenil. Esse legado, esse aprendizado eu trouxe desses dois profissionais. Trago bastante do Guarani, de vida e profissão”, disse Tite em entrevista ao diário “Lance” em 2013.

CAS

Carlos Alberto nos tempos do Guarani de Campinas, com quem foi campeão brasileiro em 1978

Tite é muito grato a Silva por que este sempre o apoiou quando sofreu uma grave lesão no joelho e deixou de jogar. (mais…)


Bandeiras penduradas. Que venha o vento!

CARIOGALO

Esta twittada da Cariogalo foi antes do jogo contra o Corinthians, mas teria a mesma serventia se tivesse sido depois do empate: ‏@Cariogalo: “Bandeiras penduradas. Que venha o vento!”

A crença alvinegra se justifica, porque o futebol apresenta surpresas que beneficiam quem não desiste nunca. Quando alguém diz que todo jogo de um campeonato por pontos corridos é uma decisão, pouca gente dá bola, mas é a maior verdade do futebol brasileiro desde 2003. Os pontos “bobos” perdidos nas primeiras rodadas fazem diferença agora. Não tivesse empatado e perdido jogos absurdos no início, este 0 a 0 seria comemorado efusivamente: quase 10 desfalques de peso, Fred “baleado” e jogo na casa do Corinthians, mesmo sem o time mostrar futebol convincente na maioria dos jogos e depender demais dos valores individuais.

A escolha do técnico errado no fim de 2015 e a troca obrigatória no meio da disputa anularam o alto investimento em jogadores que qualquer grande clube da América do Sul gostaria.

Isso me faz concordar com estas opiniões que selecionei de alguns twitteiros que sigo:

HENRIQUE ANDRÉ ‏@ohenriqueandre 

4 pontos em 6 disputados em São Paulo. Se segurar tá ótimo. Resultado excelente para o Galo.

Não podia era ter empatado com o Sport. Resultado excelente hoje.

Zeca Devotos ‏@zeca1908 

Bom resultado, em nenhuma simulação de título contei os 3ptos em Itaquera. Com 10 desfalques e 1 expulso foi de bom tamanho.

Fred Melo Paiva ‏@fredmelopaiva 

Ainda dá pra nós. Foco nisso e apoio total. Gaaaaaaaaaaaloo

Thiago Nogueira ‏@thiagonoggueira 

Atlético tem 42,2% de aproveitamento fora de casa. É o quarto melhor. Não é muito ruim, mas Palmeiras (57%) e Fla (52%) são bem melhores.

CrisGalo ‏@CrisGalo 

#Galo pecou demais nas finalizações. Eeeeh Hyuri!!!!! Empate n foi ruim pelas circunstâncias. #VamuGalo

Vinicius Grissi ‏@ViniciusGrissi 

Segundo tempo do Atlético foi ruim embora tenha se defendido bem. Empate ótimo pelas circunstâncias, bem ruim para a tabela.

Andre Rizek ‏@andrizek 

Um registro. O ataque do Corinthians neste momento é Riberildo e Gustagol.

Felipe Araújo @gambetas 

Hyuri está em uma noite infeliz desde o nascimento de Jesus Cristo.


O zero a zero entre Atlético e Corinthians: ruim para os dois, mas nem tanto

cam

A análise do jogo e circunstâncias na visão de um dos grandes jornalistas de São Paulo, o mineiro de Guaxupé, Luiz Antônio Prósperi, do “Estadão”:

* “Corinthians esbarra no seu fraco futebol e deve fechar para balanço da temporada”

Corinthians já deve antecipar o fim do expediente e fechar para balanço nesta temporada. Sem recursos técnicos e comandado por um treinador interino, decepcionou mais uma vez no Itaquerão e chegou a seis jogos sem vencer no Brasileirão ao empatar por 0 x 0 com o Atlético-MG, desfalcado de dez jogadores importantes. Bom para o time de Minas, que só se defendeu e saiu feliz com um ponto fora de casa.

A vitória seria importantíssima para tirar o Corinthians da letargia e ajudar na briga por uma das seis vagas da Copa Libertadores. Mas, nem com essa generosidade de última hora da Conmebol a aumentar o número de representantes do Brasil na competição, levou o time paulista e se virar para vencer o Atlético. Faltou talento.

Corinthians passou boa parte do primeiro tempo com o controle do jogo. Tirou proveito da postura defensiva do Atlético. Avançou com boa troca de passes, sem ligação direta, e construiu dois lances claros de gol. O primeiro, com um gol anulado de Gustavo, e outro com Rodriguinho, que chutou de chapa por cima do travessão.

Tudo o que o Corinthians fez foi jogar  muito simples, sem criatividade, apenas com excessiva força de vontade, entrega, bem característica de um time sem recursos técnicos.

Atlético também não inventou nada, acusando o sacrifício de jogar sem pelo menos seis titulares – desfalques por serviços às seleções nacionais e lesões. Recuado e sempre à procura de Robinho para resolver seu problemas, apostou nos contra-ataques com a velocidade dos extremos Clayton na direita e Hyuri na esquerda. Em um desses contragolpes, teve o gol nos pés de Clayton, mas Walter evitou o pior.

Nada de muito relevante a um time que briga pelo título e não poderia desgrudar dos calcanhares do Flamengo e se distanciar do Palmeiras. Quis ser frio, calculista e cirúrgico na tacada final. Não conseguiu. (mais…)


Sucessor de Emir Cadar na presidência do Conselho do Atlético é uma das pessoas mais importantes da história recente do clube

GROPEN

Muito bom saber que o Dr. Rodolfo Gropen será o próximo presidente do Conselho Deliberativo do Atlético. Uma das maiores autoridades das áreas comercial e tributária do Brasil, este advogado de 51 anos de idade, formado pela UFMG; Mestre em Direito Tributário, foi um achado na vida do Galo, especialmente onde o clube mais precisava. Para negociar dívidas, sanear as finanças, estancar nos tribunais as perdas milionárias daquela avalanche de ações jurídicas que o Galo enfrentava. Gropen e os companheiros que com ele assumiram o jurídico do Galo em fins de 2008 (Lásaro Cândido da Cunha, João Avellar e Sérgio Sette Câmara) merecem todas as homenagens dos atleticanos. Felizes descobertas do Alexandre Kalil, que não tinha amizade com nenhum deles na época, mas os convenceu a se juntar a ele para tirar o Atlético do atoleiro. E o mais importante: de graça! Foi o fim da enxurrada de diretores altamente bem remunerados que habitavam a Sede de Lourdes. Aliás, a maior virtude do Kalil no Galo foi saber escolher as pessoas certas para os lugares certos.

Gropen foi Diretor de Gestão de 2008 a 2011, e Planejamento de 2012 até ontem, quando se exonerou para assumir a candidatura (única) à presidência do Conselho Deliberativo. Gosta sempre de dizer que, pelo Galo, ele é “remunerado pela paixão, exclusivamente”.

Os mais velhos certamente vão se lembrar do pai dele, que foi um grande jornalista: o saudoso Carlos Gropen, comentarista econômico da TV Vila Rica (que virou Band) e que por 25 anos trabalhou no Estado de Minas, na editoria de Cultura, onde também tinha a coluna “De Bar em Bar”, que era uma referência de boas dicas de Belo Horizonte.

Vai suceder a outro atleticano que merece todas as honras, Emir Cadar, articulador e conciliador fantástico, que merece uma coluna à parte, que escreverei nos próximos dias. O vice do Rodolfo Gropen será o Sérgio Sette Câmara, também excelente advogado, de incontáveis serviços prestados ao Galo, gente boa demais da conta.


Os mistérios do departamento médico do Atlético e os banhos dos cachorros da D. Marisa

DMCAM

Realmente a incidência e reincidência de contusões no Atlético passam dos milites e precisam ser mais questionadas por quem de dever e direito, que somos da mídia. Quem me cobra isso, mais uma vez, com toda razão, é o Túlio G. Viana, a quem prometi meses atrás, cobrar mais e perguntar diretamente ao Dr. Rodrigo Lasmar, o chefe do Departamento Médico do Galo. Ele invoca até a ex-primeira dama do país, cuja vida privada costuma ser vasculhada pela mídia, mas este assunto no Galo parece tabu.

Infelizmente, fui cobrir a Olimpíada, e depois ainda não me encontrei com o Rodrigo para uma entrevista gravada, mais esclarecedora. Não vou à Cidade do Galo como antigamente.

Mesmo que haja explicações para todas as contusões e “recontusões”, elas precisam ser esclarecidas ao torcedor, que vê as suas esperanças minguando a cada fila na enfermaria alvinegra. O Galo tem um ótimo elenco, dos mais caros do Brasil, mas o técnico nunca pode contar com todos ou com a maioria. Até que eu consiga me encontrar com o Dr. Rodrigo Lasmar, passarei essa bola para o Igor Assunção da 98FM, que vai a quase todos os treinos e é desses repórteres “chatos”, que insiste nas perguntas que dirigentes, médicos e jogadores não gostam de responder.

Já encaminhei este e-mail/cobrança do Túlio a ele.

Confira:

* “Olá, Chico, desculpe se estou sendo chato, mas o mistério continua. Vá lá que um jogador tenha histórico de lesões, como o Guilherme, especialmente no tempo do Galo. Mas e esse bate e volta? O DM do Galo libera o sujeito, ele se apresenta e na partida seguinte, ou antes disso, já está de volta. Se não me falha a memória, esse ano já aconteceu com o Marcos Rocha, Lucas Pratto, Victor, Erazo, Dátolo, Cazares e agora com o Maicosuel, se é que não estou me esquecendo de alguém. É claro que deve haver algo errado com os médicos, ou com os fisioterapeutas, ou com os fisicultores, ou com todos juntos.

Na verdade, são dois os mistérios. O segundo mistério é o silêncio da mídia. Ela é capaz de investigar até quantas vezes a dona Marisa levava o cachorro para o veterinário, mas trata essas lesões em série como uma fatalidade, ou até como uma coisa normal. O Maicosuel é liberado e em seguida sofre um edema. A notícia para por aí. É como se o jornal dissesse: “amanhã vai haver treino em dois horários”. Você não acha esquisito? Por que não fazem uma comparação com os outros times? Ainda que fosse só culpa do calendário, e acontecesse com essa frequência com todos eles, não seria o caso então de questionar esse inchaço que o calendário vai ter no próximo ano, com Mineiro, Rio-Sul-Minas, Libertadores, Sul Americana e Copa do Brasil, tudo sendo disputado por todos? Aliás, todos criticam o calendário e ninguém criticou a Rio-Sul-Minas ou as novas regras da Libertadores (só criticaram o fato de não terem sido avisadas antes). Tenho saudades dos primeiros tempos da Revista Placar”.  Um abraço

Tulio G. Viana


Página 29 de 976« Primeira...1020...2728293031...405060...Última »