Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

O melhor da goleada do Atlético sobre o Uberlândia foi o aproveitamento de jogadores da base

Em foto da Agência i7/Mineirão, Hulk, vestindo a camisa do Galo pela primeira vez

Vi gente demais empolgada com estes 4 a 0 sobre o Uberlândia. Lembrei da expressão usada demais pelo grande jornalista Rogério Perez, para pedir cautela a quem quer que fosse: “menos gente; menos!”. Placar ótimo, porém, o Uberlândia é  muito fraco.

Vale para jornalistas e torcedores. O Guilherme Frossard, por exemplo: “@guifrossard “Zaracho, do Atlético, tem muita bola. Questão de tempo pra virar.”

Será?

O Iran Barbosa: @iranbarbosa “Se trouxerem o Edenilson, não vai faltar nada nesse time.”

Direto de Curvelo o Dr. André Pelli, Delegado de Polícia: @delegadoandre “Fico imaginando o @Mineirao lotado, na estreia do Hulk… goleando o Uberlândia… gol do Tardelli… assistência do estreante da noite! As arquibancadas não iriam aguentar! Gaaaaaaallllooooooooooo!”

Realmente é um pecado, futebol sem torcida na arquibancada.

Mas essa informação do @thiagonoggueira, d`O Tempo, foi a que me deixou mais otimista  em relação ao futuro do Galo: “Dos 8 gols do Atlético no Campeonato Mineiro, quatro foram marcados por jogadores que vieram da base: Echaporã, Calebe, Júlio César e Gabriel. Marrony não foi formado no clube (veio do Vasco), mas têm só 22.”.


Faltou bola, mas o futebol mineiro marcou presença com dois jogadores no desfecho da Copa do Brasil

O  @goleada_info lembrou que o artilheiro do América é também da Copa do Brasil: “Artilharia final da #CopaDoBrasil 6 GOLS Léo Gamalho (CRB*) Nenê (Fluminense) Rodolfo (América-MG) Brenner (São Paulo*) 4 GOLS Raphael Veiga (Palmeiras) Diego Souza (Grêmio) Vina (Ceará)

O editor de política d´O Tempo, Ricardo Corrêa (@ricardocorrea) definiu em uma frase o atual momento do futebol brasileiro: “Fluminense, com um time alternativo, conseguiu passar a vergonha de perder por 3 a 0 pra Portuguesa-RJ e, mesmo assim, a torcida tá rindo à toa hoje pq, com a vitória do Palmeiras na Copa BR, o Flu vai direto pra fase de grupos da Libertadores. Amém! “

Como diz o bordão: “pode isso, Arnaldo?” Fazer o quê, né?

Assim como na primeira partida, Palmeiras e Grêmio fizeram uma final muito abaixo das expectativas na decisão da Copa do Brasil. O goleiro Paulo Vitor foi o destaque, negativo, ao tomar gols absolutamente defensáveis. Desisti de seguir a carreira de jogador profissional porque tomava gols semelhantes. Mas ele é bom goleiro. Amarelou contra os paulistas.

Mas o futebol verde e amarelo atualmente é isso aí. Tanto que o Palmeiras foi aquele fiasco no Mundial de clubes e é campeão da Copa do Brasil e da Libertadores.

E ainda quebrou o galho do Fluminense.

Além do Rodolfo do América, o futebol mineiro foi muito bem representado nesta edição, com o sete-lagoano Marcos Rocha, lembrado pelo @thiagonoggueira, d´O Tempo: “Em três anos de Palmeiras, Marcos Rocha conquista dois títulos que já tinha conquistado no Atlético: uma Libertadores e uma Copa do Brasil. De quebra, um Brasileirão (2018), conquista que o Galo ainda persegue.”

E o Luciano Dias lembrou mais: @jornlucianodias “Marcos Rocha ganhando título ano após ano desde 2012. São 12 conquistas. 2 Libertadores, 1 Recopa Sul-Americana, 1 Brasileiro, 2 Copas do Brasil, 4 Mineiros, 1 Paulistão e 1 Superclássico das Américas (Seleção) Ruim de currículo!”


Com 100% no Campeonato, América lidera, mas a questão é: este time aguenta a Série A?

O que dá uma animada quando se fala do atual América é que o Coelho está sempre lançando gente da base e nas próprias redes sociais o clube dá força aos jovens, como no caso do lateral Carlos Junio, ontem: @AmericaMG “#DNAFormador O jogo contra o Pouso Alegre-MG contou com a estreia de mais um #DNAFormador do #Coelhão! Mandou bem demais, Carlos Junio!! #CoelhãoSérieA #PraCimaDelesCoelho #SomosSparta

Ganhou bem do Pouso Alegre, em Varginha, muito desfalcado, mas o nível técnico da maioria absoluta dos adversários na competição estadual é muito baixo. Os do interior entram com motivação especial quando enfrentam os clubes da capital. Os da capital nunca estão totalmente inteiros física e tecnicamente, porque retornam mais tarde que os demais das férias, já que disputam o Brasileiro, que fecha a temporada.

O técnico Lisca tem falado que o Coelho precisa contratar vários, pra se manter na A e até pensar em beliscar vaga numa competição internacional. Com o atual elenco terá que brigar demais para permanecer na elite.

A conferir. Sinceramente não tenho tanta certeza quanto a isso, porque não vejo todos os jogos do Coelhão, para saber onde realmente há fragilidades. O banco sim, precisa muito de boas peças de reposição. O Brasileirão é longo. Inclusive peço a opinião dos americanos e demais aficionados que gostam de futebol e acompanham os jogos com mais assiduidade pra levantarmos este debate aqui.

Esta notícia, no SuperFC, com trecho de entrevista do Lisca, dá a entender que o elenco não é tão fraco assim para encarar 2021. Confira: “Na última rodada, quando venceu o Pouso Alegre no sufoco, o time comandado por Lisca entrou em campo com 15 desfalques, e na entrevista coletiva após a partida, o treinador fez questão de listar um por um. “Eu até anotei e vou ler: Léo Lang, Joseph, Léo Gomes, Ricardo Silva, João Paulo, Lucas Luan, Zé Ricardo, Marcelo Toscano, Juninho, Geovane, Felipe Azevedo, Lohan, Leandro Carvalho, Kawê e Diego Ferreira”, ressaltou o técnico.

Com desfalques por Covid-19, lesão e assuntos pessoais, o América recorreu aos jovens do elenco, que fizeram uma boa partida. Lisca não escondeu elogios aos jogadores que bateram o Pouso Alegre por 2 a 1. Além disso, mostrou estar esperançoso em relação a recuperação dos desfalques.”

E então? O que pensam aqueles que assistem até amistosos do Coelhão?


Cruzeiro tentando se soerguer para voltar a disputar jogos como contra o Inter, há exatos 45 anos, na arrancada da Libertadores’1976

Via twitter a Raposa lembrou um jogo épico: “@Cruzeiro – Há exatos 45 anos, acontecia o maior jogo da história do @Mineirao. Pela 1ª fase da @LibertadoresBR, vencemos o @SCInternacional por 5 a 4, num duelo épico! Veja (ou reveja) os nove gols desse confronto eterno vencido pelo Cruzeiro! @tvcultura

Vale a pena ver de novo, mesmo. Um dos melhores jogos da história do futebol mundial. Dois times espetaculares, craques de verdade dos dois lados. Shows especiais do Joãozinho e Palhinha, com direito a Nelinho ensinando a bater pênalti com perfeição! Falcão, no auge; o zagueiro chileno Figueroa, um dos melhores do mundo, em dia infeliz, vacilando.

No fim de 2020 o Superesportes relembrou os maiores jogos e conquistas do Cruzeiro que estava perto de comemorar 100 anos. Este e outros grandes feitos podem ser conferidos no: https://www.mg.superesportes.com.br/app/noticias/especiais/cruzeiro-100-anos/2020/12/25/cruzeiro-100-anos,3880112/cruzeiro-100-anos-relembre-grandes-vitorias-na-historia-celeste.shtml

Já o time comandando por Felipe Conceição venceu a primeira no campeonato estadual, 2 a 0 sobre a URT, na Arena do Jacaré. Mando de campo do time de Patos, porém, que teve de jogar em Sete Lagoas, viajando quase mil quilômetros, para ir e voltar. A pandemia está atacando feio demais, também em Patos, tanto que hoje, infelizmente morreu o Cel. Wesley, Comandante da 10ª região da Polícia Militar, no Alto Paranaíba.

O Cruzeiro vinha de empate com o Uberlândia fora e derrota para a Caldense no Mineirão. Venceu com gols de Manoel e Marcinho. Impossível dizer se está evoluindo ou não, em apenas três jogos e ainda por cima no Campeonato Mineiro, cujo nível técnico é sofrível. Sem falar que os times do interior correm mais quando enfrentam os da capital.


Expressinho do Galo fez o dever fora de casa, com destaque positivo para jogadores jovens; Borrero precisando se explicar

Não vi o jogo, curtindo fim de férias neste paraíso chamado Conceição do Mato Dentro. Gosto muito do mar, mas nossas montanhas são mágicas, irradiam energia.

Nestes dias, usando a internet em doses homeopáticas, dei uma olhada rápida no mundo, cada dia mais maluco, conferi como foi o Galo em Tombos e o comentário que mais gostei foi aqui no blog, do Pedro Vitor, a quem agradeço, que resumiu a vitória que garantiu a liderança alvinegra:

* “Vitoria do Atlético em Tombos, muito bom para ver os jogadores mais novos.

Gostei muito do Felipe atacante, se movimenta bem, faz bem o pivô, finaliza bem, vai evoluir bastante com o Cuca.

Rafael no gol novamente, é outro nível.

Dodô é parecido com o Fábio Santos, joga o feijão com arroz, isso é bom também.

Agora o Dylan Borrero, errou uns 4 ou 5 passes com 10 minutos de jogo, e no gol do Tombense, ele dá o bote errado, o jogador lançou o atacante que sai na cara do gol.

Ou está na posição errada ou Dylan precisa ser emprestado para ver se joga melhor com uma camisa mais leve. Esse aí ainda não mostrou nada, e já teve muitas oportunidades, além disso ele é estrangeiro.

Mariano, é outro que não consegue jogar bem.

Foto: @Atletico

***

O Jeremias, também nos comentários do blog, chamou este time de “Expressinho” e ainda cutucou a situação do Cruzeiro:

* “O Expressinho do Galo fazendo bonito, enquanto o time titular do BI da B se afunda mais e coleciona vexames no Mineirão. Culpas do Galo que não ganha nada a 100 anos, de Sampaoli que estragou os crucrus e do passado do Cuca.”

***

Mais um pouco de Conceição para as senhoras e senhores. Aqui o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, visto do alto do Salão de Pedras. 

Fotos que estou tendo o prazer e honra de fazer.


Destaque pelo nome, Loco Abreu, 44, perde na estreia para o América, de Thalys, 21, um dos melhores em campo, do líder do Campeonato

Lateral direito Thalys, 21 anos, fez o primeiro jogo como titular do América, na segunda consecutiva do Coelho

Aos 44 anos, o atacante uruguaio apenas figurou em campo e colocou o seu nome na história do futebol mineiro. O time do Atlhetic até que foi bem, mas o América está muito acima e foi superior no jogo. Rodolfo fez o gol da vitória, aos 30 do segundo tempo, num péssimo gramado do Estádio Mário Helênio. Lamentável que o time da bela e emblemática São João Del Rey mande seus jogos em Juiz de Fora. Mesmo sem a presença do público, é importante a identificação do time com a cidade de origem e a sua população. Mas as entidades que mandam no futebol não pensam nisso e permitem que clubes apenas usem o endereço formal, CEP e CNPJ para se estabelecer e atuar em qualquer município.

O recém promovido lateral direito Thalys, foi um dos destaques do Coelho e ficou em terceiro lugar na votação da torcida como melhor em campo, com 14,5%, atrás de Gustavinho  27,1%, e do Rodolfo que teve 50,2%, na enquete das redes sociais oficiais do América. Anderson foi o quarto colocado com 8,3%.


Cruzeiro volta a jogar nada e perde no Mineirão para a Caldense

O Cruzeiro não jogou nada que fizesse lembrar o Cruzeiro e a Caldense voltou a mostrar que é o clube mais estruturado do interior mineiro. A vitória por 1 a 0 do time de Poços foi merecida.

Alguns comentaristas de respeito preferem dizer que o Cruzeiro está se ajustando à nova filosofia de jogo do técnico Felipe Conceição. Para mim, é fragilidade do elenco mesmo.

Em seis pontos disputados, apenas um conquistado no Mineiro.

Um dia alguém disse que tinha medo que o Cruzeiro virasse “um Vasco”. Coincidentemente o time carioca também perdeu esta noite; em casa, para a Portuguesa, também por 1 a 0.


Quando Cuca foi preso na Suíça, o Atlético também estava na Europa e a imprensa de lá deu grande destaque

Também em março de 2012, em visita às obras do Independência: Eduardo Maluf, Thiago Reis (Seu Nome Seu Bairro), da Itatiaia, Cuca, Lásaro Cândido da Cunha, Rodolfo Gropen e o “locutor que vos fala”

Sobre a história da detenção na Suíça, me lembro bem. Foi numa época em que todos os grandes clubes brasileiros excursionavam pela Europa, no período de pré-temporada dos de lá. Disputavam torneios famosos, ganhavam cotas boas para aqueles anos. Coincidentemente o Atlético estava rodando por lá no mesmo período desta confusão com os quatro jogadores do Grêmio. Inclusive jogou em cidades da Suiça. A minha dúvida era se tinha sido realmente em 1987. Pensei que fosse 1982 ou 1984. Eu cobri esta viagem, pela Rádio Inconfidência, se foi realmente em 1987. Em 1984 eu era da Rádio Capital.

Liguei para um titular do Galo da época e ele  também ficou na dúvida quanto ao ano, mas se recorda do fato, “como se fosse hoje”. Não existia internet, as informações demoravam a chegar, mas repercutiu demais na Europa. Em todo aeroporto em que chegávamos, estava na capa dos principais jornais, com maior ou menor destaque, mas foi grande a cobertura, pois no Velho Mundo o assunto já era tratado como crime grave. Era comum jovens visitarem os hotéis das delegações dos times brasileiros em busca de autógrafos, chaveiros, pins, flâmulas, enfim, material de divulgação que os próprios clubes levavam para distribuir, em ações do embrionário marketing que existia.

Ao ver a notícia sobre os quatro do Grêmio, estampada na capa de jornal fixado numa banca perto do hotel em Zurich, vários jogadores do Atlético se entreolharam e ficaram com cara de preocupados.

Por aqui,  só de uns tempos para cá o tema passou a ser tratado com a seriedade que precisa. Naquela época éramos quase primitivos em termos de costumes e legislação cível e penal. Tanto que, na volta ao Brasil, quase um mês depois, pouco ou nada vi, li ou ouvi na imprensa. Tantos anos depois, continua situação constrangedora, delicada, mas a própria jovem não confirmou que o Cuca tivesse tocado nela.

O Atlético vai se pronunciar e o advogado Custódio Pereira Neto, mineiro radicado no Rio, da Cariogalo e Consulados do Galo pelo mundo, escreveu: @CustodioTodinho “O debate em torno do Cuca é sobre a mensagem e os valores que o Clube quer comunicar à sociedade ao contratá-lo. Sendo assunto público, não é a melhor solução ignorar ou deixar p/ o técnico. Se envolve a imagem do @Atletico, é preciso agir e resolver antes e não chegar sempre depois.”


Que o Cuca seja feliz no retorno ao Galo, como foi em 2012/2013

Nove anos atrás, visita da diretoria e comissão técnica do Atlético às obras do Independência, em fase de finalização, início de março de 2012. Da esquerda para a direita, jornalista Victor Martins, Eduardo Maluf, Cuca e Lásaro Cândido da Cunha.

Conhece bem a casa, a quem sempre foi grato; conhece bem e gosta de Belo Horizonte, de Minas e dos mineiros, de quem sempre falou bem em todas as entrevistas longe daqui. Ótimo treinador.

Defeitos e erros? Quem  não os tem?

No Atlético teve muito mais acertos do que erros e fez a massa feliz demais da conta. Que assim seja novamente!


No dia Nacional do Turismo, lá se foi o Juninho Paixão, grande entusiasta do setor; mais uma vítima da irresponsabilidade de um condutor de veículo

No restaurante do Maquiné Park Hotel, o consultor em turismo, Luiz Neves (esq.) com Juninho Paixão, dono do empreendimento, referência no trato com a Covid-19, desde o início da pandemia.

Amigos e amigas do blog, somente agora ganhei ânimo para escrever sobre uma situação que me deixou angustiado durante uma  semana e que, ontem, teve um desfecho trágico: a morte do Vicente Paixão Júnior, o “Juninho” do Maquiné Park Hotel (na BR-040, trevo para Cordisburgo, 35 Km depois de Sete Lagoas), uma das melhores pessoas que este mundo já teve. Empresário brilhante do segmento do Turismo, possivelmente, o setor mais afetado pela pandemia, passava por ótimo momento na vida pessoal e empresarial, com a esposa Valéria, as três filhas: Rafaela, Renata e Roberta, além, da mãe, irmã, cunhado, e os tantos amigos de Caetanópolis, Paraopeba, Sete Lagoas e de todos os cantos de Minas e do Brasil, em que tinha convivência.

Juninho sempre foi muito responsável e organizado. Assumiu novo os negócios da família, em função da morte do pai, Vicente Paixão. Competente e muito batalhador, conseguiu superar todos os desafios para chegar à grandiosidade e excelência, do hotel, que está a caminho de se tornar o primeiro resort da região. Metódico nos negócios e também na vida pessoal, mantinha a sua rotina diária de academia de ginástica, combinada com uma corrida ou muitos quilômetros de pedaladas em sua bike.

No fim da tarde de terça-feira, 23, ele foi pedalar numa região tranquila do trecho desativado da BR-040, pouco depois do centro da tranquila Paraopeba no sentido Brasília. De repente, um motociclista, em velocidade absolutamente incompatível, o colheu no acostamento e o arremessou a muitos metros de distância. Mesmo usando capacete e demais equipamentos de segurança para todo ciclista, Juninho teve sérios ferimentos na cabeça e recebeu todos os devidos tratamentos e cirurgia (que durou quatro horas), no Hospital Municipal de Sete Lagoas. Depois de uma semana na UTI, entre melhoras e pioras, ele não resistiu e morreu, por volta das 11 horas, deste dia 02 de março.

Comoção absoluta, especialmente para quem o conhecia diretamente ou convivia com ele. Uma dor indescritível. Na semana passada, perdemos a Ana Maria de Freitas Ribeiro, mãe de três grandes amigos (Leonardo, Luiz e Luciano), uma senhora queridíssima em Sete Lagoas. Escrevi em minha coluna no SETE DIAS, que o mais triste de envelhecer é ver as pessoas mais velhas, que você tanto gosta, indo embora. Mas a D. Ana, tinha problemas de saúde e estava com 81 anos. Viveu intensamente, até o último dia, lúcida, e mesmo acamada, batia papo e encontrava forças para contar piadas e sorrir.

Juninho não teve a chance de seguir vivendo, colhido que foi por um condutor de moto irresponsável que lhe cortou este direito. Também escrevi, aí no editorial do SETE DIAS, sobre a morte de uma criança de cinco meses e da sua cuidadora, de 41 anos, vítimas de um motorista inabilitado. “… A bebida da festa na qual ele se encontrava acabou, na madrugada, e ele saiu para buscar mais, quando ocorreu o fato. Os repórteres chamam os causadores de tragédias como essas de “imprudentes” ou “infratores”, quando na realidade são criminosos, marginais que não obedecem à legislação e nem ao bom senso humano. Para piorar, os aplicadores das leis, se utilizam das atenuantes, do lado brando delas, para livrar a pele desses agentes do mal.

E assim funciona a vida no Brasil. Aqui ou em qualquer parte destes 8.516.000 km² de área territorial, que poderia ser o melhor país do mundo para se viver. Enquanto isso, em Brasília, o Presidente da República procura abrandar as leis, em sintonia com a pior estirpe de deputados e senadores com quem se aliou, frustrando a quem acreditou nas suas promessas de campanha, contra a corrupção e desmandos que acometem o país desde a descoberta por Pedro Álvares Cabral. Entre as frases falsamente atribuídas ao físico Albert Einstein, uma delas se aplica perfeitamente ao Brasil: “A definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes”, ou “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”.

É isso. O Brasil é essa loucura que atravessa séculos. E pelo andar da carruagem, vai continuar atravessando.”

Descanse em paz, caro Vicente Paixão Júnior! Qualquer dia a gente volta a ser encontrar.

A trágica notícia, ontem, no site do SETE DIAS:

http://www.setedias.com.br/noticia/manchete/53/juninho-paixao-do-maquine-park-hotel-nao-resiste-e-morre-uma-semana-apos-atropelamento/25084


Página 41 de 1.225« Primeira...102030...3940414243...506070...Última »