Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Dario e o América

Os americanos espalhados pelo mundo têm aparecido aos montes. Essa veio de Miami-EUA, do Cacá Tomazzi, que mora lá há anos, mas é mineiro, da nossa querida Conceição do Mato Dentro. Confira:

“Dario José dos Santos, o Dario Peito de Aço, Rei Dadá, ou Dadá Maravilha. Desengonçado, grosso, folclórico e, acima de tudo, goleador. Nascido e criado na pobreza, em Marechal Hermes, no Rio de Janeiro, aos16 anos de idade investiu os dividentos de um furto na compra de uma bola. Daí nasceu a amizade que o livrou da Febem e da marginalidade. Compensou a sua pouca intimidade com a bola com esforço e sorte. O destino colocou em seu caminho pessoas que souberam reconhecer sua obstinação. Primeiro Gradim, então treinador do Campo Grande, que aceitou sua proposta de deixá-lo treinar ainda que sem salário, so queria a comida. Gradim abriu os olhos do jovem aspirante a jogador de futebol para uma realidade difícil, quando lhe disse: você, como jogador de futebol, tem 800 defeitos, e só duas qualidades, uma impulsão incrível e muita velocidade. Depois foi para o Atlético Mineiro como contrapeso na venda do meio-de-cancha Carlinhos. Era o popular bonde. No primeiro treinamento no novo time saiu do campo exausto, suando em bicas, de tanto correr, mas não viu a cor da bola. Ainda teve que ouvir de um companheiro de time: é neguinho, você além de feio é muito ruim. Mas no Atlético Dario encontrou o mestre Telê Santana, e desse encontro nasceu um dos maiores jogadores do futebol. Telê viu no desengonçado Dario o parceiro ideal para o ponta esquerda Tião. Tião era presiso nos cruzamentos, especialista em pingar a bola na área adversária, e por essa habilidade recebeu o apelido de Tião Cavadinha. Tião punha a bola onde lhe pediam, e Dario, com a impulsão e velocidade que Deus lhe deu, chegava primeiro que o os beques, por cima ou por baixo. Chegar, chegava, o que fazer com a bola ja era outro problema. E Dario resolvia êsse problema da maneira mais simples, de qualquer maneira. De canela, de peito, na trombada, fôsse como fôsse o resultado era sempre o mesmo, bola na rêde. O faro de gol e tenacidade de matador fizeram de Dario artilheiro nos grandes times por que passou. Fez o gol que deu ao Atlético o campeonato brasileiro de 71, de cabeça num cruzamento do Tião Cavadinha, e em 76 jogando contra o Vasco, subiu mais que Moisés para fazer, tambem de cabeça, o gol que deu ao Internacional o bicampeonato brasileiro.

Tido como simplório, Dario é na verdade dotado de fina inteligencia. Além de goleador, foi marketeiro de primeiríssima linha. Promovia as partidas provocando as torcidas adversárias com classe. Prometia gols e a êles dava nomes.Quem viu nunca se esquecerá de Dario terminando seu aquecimento antes dos jogos com piques em frente à torcida adversária, exagerando ainda mais sua forma desengonçada. E mesmo em dia de clássico, quando a palavra de ordem é seriedade, ainda tentava uma jogada de efeito. O resultado era sempre catastrófico, e o estádio quase vinha abaixo. Teria sido o precursor da pedalada se conseguisse dar uma só sem tropeçar na bola. Fazia a alegria dos repórteres esportivos com respostas de efeito. Perguntado sobre seus gols de canela, respondeu que não existe gol feio, feio é não fazer gols. Explicou sua qualidade de cabeceador comparando-se ao beija-flor e helicoptero: podia parar no ar. Fez parte da seleção brasileira de 70, e cobrado por não ter jogado um só minuto, explicou que prometera a Pelé não jogar para não tomar dêle a condição de Rei do Futebol.

Dario é hoje comentarista esportivo da rede Alterosa de Minas Gerais. Em programa recente, foi provocado por Jair Bala, maior artilheiro da historia do América Mineiro, que lhe disse que, apesar de ter jogado em 16 clubes de futebol, seu currículo não era completo, porque êle não jogou no América. Dario respondeu com a sinceridade e inteligência que lhe são peculiares. Disse que chegou até a treinar no Vale Verde, mas na hora de assinar o contrato tremeu, porque no América as coisas são diferentes. Dario tem razão, as coisas no América são diferentes. Pela simples razão de que o Coelho tem por compromisso levar o futebol ao estado de arte, e desse compromisso não abre mão nunca. Para quem duvidar, é só dar uma olhada no vídeo que acompanha essa mensagem. Se o link não abrir, tente o endereço

http://www.superesportes.com.br/ed_esportes/001/template_esportes_001_132016.shtml

Os que gostam do futebol-arte certamente vão deliciar-se com o drible refinado de Luciano no goleiro adversário para entrar com bola e tudo e fazer o primeiro gol do Coelho. A magia de Irênio na cobrança de falta, dando vida à bola para que ela se livrasse dos jogadores adversários até chegar aos pés de Leandro Ferreira, que concluiu de chapinha, com simplicidade e precisão. E no terceiro gol, o refinamento de Bruno Mineiro ao aplicar graciosa gaúcha no marcador, levar para a direita e definir com a categoria que se espera dos que vestem a camisa do Maior de Minas. Trés golaços do meu América, três obras de arte que quero compartir com os amigos.”


Um time mascarado

Essa notícia saiu no www.terra.com.br e fala da nossa Caldense, o primeiro time assumidamente “mascarado” que já vi:

“A diretoria e os jogadores da Associação Atlética Caldense, atual vice-campeão da segunda divisão do Campeonato Mineiro, resolveram se precaver contra a gripe A (H1N1), mais conhecida como gripe suína. Por isso, os atletas têm treinado usando máscaras protetoras. Os demais funcionários também usam as máscaras diariamente. E essa não é a única medida adotada pelo clube. A intenção da diretoria é que os jogadores possam entrar usando máscara também em partidas oficiais do time. Para que essa decisão seja aprovada, a Caldense espera apenas uma resposta afirmativa por parte da Federação Mineira de Futebol, autorizando ou não a atitude.”


Encerramento do Sabor de Bar


De volta

O goleiro Rogério Ceni volta hoje ao gol do São Paulo, contra o Fluminense. Feliz retorno a ele!

É meio mala, intolerante, se dá uma importância maior que realmente tem, mas é um grande goleiro, sem dúvida!


Marques filia-se no dia 10

O atacante Marques vai tentar tornar-se deputado estadual em Minas Gerais nas eleições de 2010. Óbvio que tentará pegar carona na força na torcida do Atlético. Até aí, nenhum problema!

O que lamento é a opção partidária dele: o PTB, mesmo partido de Collor de Mello, Roberto Jeferson…

Li no blog do Mário Marra que a solenidade de filiação será dia 10 na Assembléia Legislativa.


O Mário é da prateleira de cima!

Um dos melhores da nova safra de comentaristas do país é o Mário Marra. Desses que falam o que você gostaria de falar ou que conseguem fazer você repensar alguma opinião.Vale a pena ouvi-lo nas transmissões do PFC, rádios CBN e Globo Minas, e ler suas colunas no Super Notícia e O Tempo.

Agora, ficou mais fácil acompanhar seu trabalho, pois ele acaba de criar um blog, onde começa dizendo, com a simplicidade que o caracteriza, que “Sei que quem gosta de futebol gosta de ler pontos de vista diferentes…então!”

http://geraisdoesporte.blogspot.com/  

É fera!

 


Dá conta!

Caso resolva colocar alguém no comando executivo do clube, no lugar do Bebeto de Freitas, Alexandre Kalil tem a Adriana Branco como uma das opções. Ela faz um trabalho espetacular na diretoria de comunicação do Galo. Com uma estrutura enxuta, como exige o estilo de comando do atual presidente, vem conseguindo valorizar a marca, recusando migalhas de potenciais patrocinadores que tentam colocar a marca na camisa do clube. Foi-se o tempo que impunham mixarias e o Atlético engolia.

Esta e outras notas estarão em minha coluna de amanhã, no Super Notícia, nas bancas!


Ambev escala a Brahma para Galo e Raposa

Alexandre Kalil entre Leonardo Tocci e Cristiane Ueda, do marketing da Ambev

Alexandre Kalil entre Leonardo Tocci e Cristiane Ueda, do marketing da Ambev. Foto: Marden Couto

Ontem foi o Cruzeiro, hoje foi a vez do Atlético celebrar a sua parceria com a Ambev. Os dois estarão com a bandeira da Brahma que vai desenvolver incontáveis ações nas cidades, em seus clubes de lazer e nos estádios.


Galo perde Bebeto de Freitas

Uma notícia muito ruim para o Atlético será divulgada em nota oficial daqui a pouco pelo presidente Alexandre Kalil. Vai comunicar que Bebeto de Freitas não é mais o superintendente de futebol.

Problemas familiares, que só podem ser contornados com a própria presença dele no Rio de Janeiro, o impedem de continuar morando em Belo Horizonte.

O assunto foi discutido por Bebeto com o presidente na sexta feira, mas só ontem ele chegou à conclusão que seria impossível ficar à frente das funções que exercia.

Lamentável sob todos os pontos de vista, pois além de um profissional da prateleira de cima, trata-se de uma pessoa espetacular.

Tomara que resolva logo seus problemas e volte, na “hora que quiser”, como disse o Alexandre Kalil.


Há coisas, que só mesmo com o América!

Cristiano Quintino é um artista da fotografia. Americano dos mais apaixonados que conheço, não perdeu a oportunidade de registrar momentos sensacionais domingo no Independência, e ainda escreveu: 

“Falam que a torcida do América é velha, mas vejam o astral de ontem.

Teve até garçom servindo “Uísque” para torcida, só mesmo o América que voltou.

Uma torcida cheia de coelhinhas e coelhinhos e ainda personalidades, como o Secretário de Cultura, Paulo Brant e o poeta Fernando Brant”

Todas as fotos dessa sequência são de autoria do Cristiano


Página 975 de 1.019« Primeira...102030...973974975976977...9809901.000...Última »