Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Imagens da Arena I

 

À esquerda, Warley Barbosa, um batalhador incansável da diretoria do Democrata, ao lado do Afonso Celso Raso e Alexandre Kalil.


Euller diz que joga 45 minutos

Está no site do Super Notícia de hoje, e tomara que ele volte mesmo:

Atacante se colocou à disposição do técnico

Recuperado de uma cirurgia no joelho direito que o deixou de fora dos últimos jogos do América na Série C, o atacante Euller poderá retornar à equipe, amanhã, às 16h, no estádio Independência, na decisão do título da Série C do Brasileiro contra o Asa de Arapiraca. O jogador participou do coletivo de quarta-feira e garantiu que se o técnico Givanildo Oliveira precisar ele tem condições de atuar, ao menos, 45 minutos. “Foi meu primeiro treino depois de quase um mês parado por causa da artroscopia. Mas eu me senti bem e acredito que não terei problema de ficar como opção no banco de reservas e entrar no decorrer da partida”, afirmou.

O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar recusaram, ontem, o pedido do América para aumentar de 10 mil para 12 mil a capacidade do estádio Independência para o segundo jogo da final da Série C.


Depois de 60 anos, juntos pela paz

Herbert Heiner, Diretor Executivo da adidas AG, e Jochen Zeitz, Presidente e Diretor Executivo da PUMA AG, apóiam conjuntamente a iniciativa de paz do PEACE ONE DAY.


Adidas e Puma dão as mãos depois de 60 anos

Será um aperto de mão histórico: Em apoio à iniciativa Peace one Day as duas empresas de vestuário esportivo, adidas e PUMA, apertarão as mãos pela primeira vez após seis décadas. Como um sinal da parceria amigável, funcionários de ambas as empresas jogarão futebol juntos no Dia da Paz, 21 de setembro, e subseqüentemente assistirão ao filme “The Day after Peace”, de Jeremy Gilley, diretor e fundador do Peace one Day. Estes eventos serão as primeiras atividades conjuntas das empresas desde que seus fundadores Rudolf e Adi Dassler deixaram sua empresa conjunta e fundaram a adidas e a PUMA.

A iniciativa tem como objetivo aumentar a conscientização do DIA DA PAZ e a necessidade da coabitação pacífica. A adidas e a PUMA também levarão a mensagem e a idéia do DIA DA PAZ para os estádios de futebol em Munique e em Stuttgart nos intervalos dos jogos da Principal Liga Alemã, do FC Bayern Munich contra o FC Nuremberg e do VfB Stuttgart contra o FC Köln, no dia 19 de setembro.

As empresas adidas e PUMA foram fundadas pelos irmãos Rudolf e Adi Dassler na década de 40. Até eles se separarem e seguirem seus próprios caminhos, ambos eram proprietários de uma fábrica chamada “Gebrüder Dassler Sportschuhfabrik” onde juntos fabricavam calçados esportivos – muito bem sucedidos conforme os recordes mundiais de Jesse Owens comprovaram. Nas últimas décadas, a adidas e a PUMA se tornaram marcas líderes em todo o mundo. As empresas ainda estão sediadas em Herzogenaurach, Alemanha.

Grupo adidas

O Grupo adidas é um dos líderes globais da indústria de produtos esportivos, oferecendo uma ampla variedade de produtos em três segmentos centrais: adidas, Reebok e TaylorMade-adidas Golf. Com sede em Herzogenaurach, Alemanha, o grupo possui mais de 38.000 funcionários e gerou vendas de 10,8 bilhões de Euros em 2008. Para mais informações, visite www.adidas-group.com.

PUMA

A PUMA é uma das empresas líderes de estilo de vida esportivo do mundo que projeta e desenvolve calçados, vestuário e acessórios. Está comprometida a trabalhar de forma a contribuir com o mundo apoiando a Criatividade, a Sustentabilidade SEGURA e a Paz, e em ser fiel aos valores de ser Justa, Honesta, Positiva e Criativa nas tomadas de decisões e ações. A PUMA inicia no Esporte e termina na Moda. Suas etiquetas de Desempenho Esportivo e de Estilo de Vida incluem categorias como Futebol, Corrida, Automobilismo, Golfe e Iatismo. A Black label apresenta parcerias de designers renomados como Alexander McQueen, Yasuhiro Mihara e Sergio Rossi. O Grupo PUMA detém as marcas PUMA, Tretorn e Hussein Chalayan. A empresa, fundada em 1948, distribui seus produtos em mais de 120 países, emprega mais de 9.000 pessoas em todo o mundo, com sedes em Herzogenaurach/Alemanha, Boston, Londres e Hong Kong. Para mais informações, visite www.puma.com

Peace One Day

Jeremy Gilley iniciou o DIA DA PAZ como um projeto de um filme para estabelecer um dia anual de cessar fogo e de não-violência. Em 2001, o DIA DA PAZ alcançou seu objetivo principal: a assembléia geral das Nações Unidas adotou uma resolução por todos os estados membros das Nações Unidas para estabelecer formalmente um dia anual de cessar fogo e de não violência global. Este Dia Internacional da Paz é o 21° dia de setembro. Você encontrará mais informações sobre o DIA DA PAZ no www.peaceoneday.org. A PUMA tem sido uma parceira do DIA DA PAZ desde 2007.

 Para mais informações visite

www.peaceoneday.org


Técnico dá pau na imprensa que não valoriza o futebol amador

O técnico em informática da UFMG, Marco Antônio Caetano de Andrade, é um batalhador pelo futebol amador e quase toda semana usa com eficiência a internet denunciando a falta de atenção dos veículos de imprensa com essa modalidade esportiva.

Veja o teor das cartas que ele envia:

“Contagem – Minas Gerais – Brasil – Quinta-feira – 17 de Setembro de 2009

A quem possa interessar,

Com a experiência de mais de 45 anos no Futebol Amador, temos consciência das grandes dificuldades enfrentadas por Presidentes de Ligas Amadoras, Dirigentes de Clubes, Atletas, enfim, por todos aqueles que dedicam grande parte do seu tempo em busca de motivação para se manterem em atividade com a maior dignidade possível. Reconhecemos ainda que o trabalho destes valorosos esportistas transforma o Futebol Amador em um esporte de grande apelo social, pois nos campos da várzea se misturam pessoas de todas as camadas sociais, que convivem quase que diariamente em grande harmonia e em um clima de grande amizade e confraternização.  

Há 9 (nove) anos sou o Editor responsável por um site na Internet dedicado exclusivamente à divulgação e valorização do Futebol Amador de Minas Gerais. O meu site não tem nenhum fim comercial ou lucrativo, apenas de prestação de serviços.

Apesar de toda a minha longa experiência no Futebol Amador, até hoje não consigo entender a incapacidade e a falta de sensibilidade da Imprensa Esportiva de Belo Horizonte (com exceção da Rádio Itatiaia, na pessoa do Coordenador de Esportes Júnior Brasil e do jornalista Chico Maia, que mantém uma coluna no jornal Super Notícia e um blog na Internet: www.chicomaia.com.br ), que insiste em ignorar o Futebol Amador, um segmento do esporte que movimenta durante os fins de semana em Belo Horizonte e região da Grande BH, um público de aproximadamente 60 mil pessoas, entre praticantes e simpatizantes. E é este mesmo público que dá audiência para os programas de rádio e televisão e aumenta a tiragem dos jornais.

Para tomar conhecimento das notícias sobre Futebol Profissional, os esportistas têm várias opções como jornal, rádio, televisão e Internet, enquanto que sobre o Futebol Amador não se encontra nenhum tipo de divulgação na Imprensa.

Alguns jornalistas esportivos de Belo Horizonte já me disseram o Futebol Amador não tem espaço na imprensa por que não dá retorno financeiro. Tenho certeza disto. Mas se qualquer programa esportivo de rádio ou de televisão dedicasse alguns segundos ou ainda algum jornal dedicasse algumas linhas para o Futebol Amador, com certeza a audiência dos programas e a vendagem dos jornais teriam um crescimento acentuado.

É inadmissível para o Futebol Amador de Minas Gerais, que promove as duas maiores competições do gênero no Brasil (A Copa Itatiaia e a Copa Centenário) que a maioria da imprensa Esportiva de Belo Horizonte continue ignorando o trabalho incansável de alguns abnegados que dedicam grande parte do seu tempo para proporcionar uma das poucas formas de lazer acessível às populações mais carentes da sociedade e que afasta as crianças e os jovens do mundo das drogas e da criminalidade.

Esperamos que no ano de 2009 possamos continuar contando com o apoio dos amigos e quem sabe, a grande maioria da Imprensa de Belo Horizonte acorde para a realidade de que o Futebol Amador é um grande “FILÃO” na busca de audiência entre os concorrentes.

Sendo o que nos apresenta para o momento, renovamos nossos protestos de elevada estima e sincera consideração.

 Atenciosamente,

Marco Antônio Caetano de Andrade

Editor do Site: www.futebolamadordeminas.com


Santa Casa Saúde homenageia o América

Já está tudo pronto para colocar nas ruas o plano de mídia do Santa Casa Saúde em homenagem ao América. O Santa Casa Saúde é o plano de saúde oficial do time há mais de um ano e irá comemorar a subida do Coelho Mineiro para a Série B e o possível título de campeão da Série C com anúncios e pôster em jornais, rádio e internet.  O tema da campanha é o “ Coelhão voltou , Santa Casa e América uma parceria vitoriosa”.  Antes do jogo começar, o mascote do América participará de uma série de ações no gramado.

Fonte: FSB Comunicações


Políticos e fraldas, tudo a ver!

Colaboração enviada ao blog pelo Jardel  Cardoso Pedrosa, que acrescentou: “A mais pura verdade!!!”


Uma porcaria de transmissão, pior que o PFC

Vejam o e-mail que recebi do meu conterrâneo Paulo Henrique Leão, que mora em Montes Claros:

“Chico,

aqui em MOC a SKY não transmite Rede Globo (quase nunca faz falta) e como o Sportv transmitiu Botafogo x Atlético-PR, tive que assistir Goiás x Atlético no canal FX, do grupo Fox Sports.

Eles colocaram o PFC no chinelo em termos de amadorismo.

Escalaram o Felipe na lateral-direita (era Marcos Rocha), colocaram o Aranha como goleiro reserva (era o Paulo Vitor) e escalaram o “RENATO” Oliveira com a camisa 10.

Durante o jogo, surgiam umas publicidades cuja faixas ocupavam quase metade da parte de baixo da tela.

Nas cobranças de penâltis, os narradores faziam chacota com atletas de ambas equipes. Quando os zagueiros Alex Bruno e Leandro Euzébio preparavam-se para as cobranças, os narradores diziam “meu Deus! Temeridade prá torcida”. Quando o Léo Lima deu a paradinha, começaram a rir e dizer: “humilha o goleiro”

E por aí vai!

De bom mesmo, só o Governador assinando a Ordem de Serviço da Arena.

Saudações!”


Memória eletrônica e testemunhas da história

Esta foto, do Helenilton Pinheiro, foi tirada ano passado, na estréia do Democrata no campeonato mineiro, quando venceu o Atlético por 1 x 0, na Arena do Jacaré. Da esquerda para a direita, o então presidente do Galo, Ziza Valadares, Daniel Lanza (AAD), Chico Maia, Humberto Timo, Gustavo Corrêa e o então prefeito Leone Maciel. Neste dia, em janeiro de 2008, o Secretário de Estado de Esportes e Juventude, Gustavo Corrêa, foi homenageado com a Medalha de Méríto da Prefeitura Municipal; recebeu placas da Associação Amigos do Dmocrata e do Jornal Sete Dias, porque tinha conseguido a iluminação para o estádio. Depois do jogo recebeu nova homenagem, com um churrasco no Haras Morro Redondo, dos Irmãos Silva, do Grupo Santa Helena, Arilton, Airton e Ariadna.
Meses depois, Gustavo Corrêa foi informado que o estádio Independência não ficaria pronto a tempo de receber os jogos dos grandes clubes mineiros em 2010. Lembrou na hora que a Arena do Jacaré poderia ser a melhor opção, e iniciou as tratativas neste sentido.

Ele é o principal responsável por convencer os técnicos do governo, o vice governador Antônio Anastasia e o governador Aécio Neves, a optar por Sete Lagoas como a nova casa do futebol mineiro.

Renato Alexandre, na época assessor de imprensa da prefeitura de Sete Lagoas, Airton Machado, Ísio Duflles, diretor de marketing do Jacaré em 2008, Paredão (Jornal Boca do Povo), Paulinho PA e Luizinho Pontes.Arilton Machado, então vice de futebol do Democrata, Humberto Timo, Paulinho PA (um dos patrocinadores do clube em 2008), Gustavo Corrêa, Leone Maciel, Airton Machado (patrocinador do clube e anfitrião da festa) e Luizinho Pontes (Calsete). Foto: Marden Couto

Antônio Pontes Fonseca (Grupo Calsete), Juiz de Direito, Dr. Edilson Rubenspelguer Rodrigues, Gustavo Corrêa, Paredinha (Boca do Povo), Chico Maia e Ísio Dufles. Foto: Marden Couto 

 

 


Isso não se faz

Ainda não sei de quem foi a falha, mas isso não pode mais acontecer em Sete Lagoas. Os tempos de perseguição e retaliação política ficaram para trás, e temos que pensar para frente. Tenho certeza que o prefeito Maroca não sabia, pois se soubesse, teria agido a fim de impedir uma injustiça grave.

O fato é que quem conhece a história do Democrata sentiu muito ausências importantíssimas na solenidade de hoje, quando o governador Aécio Neves oficializou as obras de conclusão da Arena do Jacaré: Humberto Timo e Joaquim Henrique Nogueira.

O primeiro, foi quem construiu o estádio, em tempo recorde e com pouquíssimos recursos, além de ter retornado com o time ao futebol profissional.

Numa sequência difícil de se conseguir, saiu da terceira, para a segunda e primeira divisões, consecutivamente. E, reconhecido até por seus adversários políticos, como um dos mais apaixonados democratenses que a cidade já conheceu. Seus eventuais equívocos não justificariam jamais a falta de um convite para a solenidade, porque tudo o que está acontecendo de bom agora, não seria possível se não fosse a coragem e competência dele, para levantar aquela obra e tirar o Democrata do limbo.

Entretanto, estava lá, no palanque, o Senador Eduardo Azeredo, que não colocou um tijolo sequer nesta obra, enquanto ficou quatro anos no Palácio da Liberdade, como governador do Estado. Com todo o respeito, eu disse isso pessoalmente ao Senador, no dia da inauguração da Arena, quase quatro anos atrás. O estádio definhava, a erosão comia o barranco onde seriam as arquibancadas, e o governo Azeredo desconheceu que ali poderia estar a redenção do Democrata e da própria cidade.

Tudo bem, Azeredo é uma autoridade importante, merecia estar ali no palanque hoje, até fazendo discurso, como fez, não só por isso, mas pela Iveco, esta sim, uma realização pessoal dele em favor de Sete Lagoas e região. Mas o Humberto Timo tinha que ter sido chamado, se não para o palanque, pelo menos para a solenidade.

O outro ausente, Joaquim Nogueira, simplesmente foi quem doou o terreno. Sinceramente não consegui saber se ele foi convidado ou não. Perguntei a várias pessoas, que entretanto não souberam me responder. Não deu tempo de telefonar para ele antes de escrever esta coluna porque o jornal tinha de ir para a gráfica. Mas sempre que ele é chamado para alguma solenidade, comparece ou manda um neto representá-lo. E não vi nenhum neto dele ontem lá.

Lamentável. Que este triste episódio sirva de exemplo para que no futuro novas injustiças como essas não ocorram em nenhum segmento da vida da cidade onde haja a participação de muitas pessoas na realização de grandes conquistas.