Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Jogo fraquinho e méritos do Uruguai na classificação à semifinal

Foto: x.com/CONMEBOL

Que bom ver o Uruguai chegando à fase decisiva da Copa América, jogando futebol sem pancadaria. E nos últimos 30 minutos com um jogador a menos, já que Nandez foi expulso corretamente por uma entrada violenta no Rodrygo.


Jogo muito abaixo da expectativa, sem lances de emoção de ambos os lados. Definitivamente a seleção brasileira não mete mais medo como em outros tempos. Tem bons jogadores, porém no mesmo nível das demais que sempre estão brigando no topo. Time comum, sem nenhuma estrela de primeira grandeza.


Pênalti é competência. Nada a ver com sorte, ao contrário do que disse depois da partida o capitão Danilo. Controle emocional fala mais alto neste momento. Quem consegue ter frieza se dá melhor, e aí é que está o perigo. Do maior craque ao maior perna de pau, todos estão sujeitos ao nervosismo. Nelinho, o maior cobrador que já vi, diz que ao partir para a cobrança, parece que cada perna pesa 100 quilos.


E não adianta tentar disfarçar. Nesta noite o zagueiro Militão se encaminhou com aparência absolutamente tranquila, até brincando com a bola. Errou. Na sequência, Douglas foi para a cobrança visivelmente nervoso, dando a impressão que erraria. E errou também.


Marcelo Bielsa é um técnico respeitadíssimo no mundo inteiro, apesar de não ter conquistado títulos de expressão. Amante do jogo limpo e do futebol bonito. Um Telê Santana. Aos 68 anos de idade, que o destino seja justo com ele, como foi com o Telê, que ganhou tudo que era possível com o São Paulo.


Que Bielsa seja campeão desta Copa América e faça uma grande campanha com o Uruguai na Copa do Mundo de 2026.
Pega a Colômbia numa das semifinais. Quem passar, enfrenta a Argentina ou o Canadá.


» Comentar

Comentários:
9
  • Marlon Brant disse:

    Chico, bom dia. Seleção Brasileira não assusta mais ninguém dentro do campo e também não atrai os olhares dos seus antigos apaixonados torcedores. As seleções de 82, 86, 94 e 22 que tive o prazer de torcer, sendo campeãs ou não, mas tinham jogadores que atuavam por amor a Camisa Amarela, Zico, Sócrates, Falcão, Cerezo, Eder, Lusinho, Junior, Júlio César, Reinaldo, Romário, Rivaldo, Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho e tantos outros grandes craques que ficaria aqui até amanhã e talvez na caberia no texto. Mas e hoje? Quem é nossa referencia?? Vinicius Júnior?? Será??? Romário, Ronaldo, Rivaldo, Edmundo, Ronaldinho Gaúcho, Alex, Adriano Imperador, Kaká quebravam linhas e por isto eram mágicos, mas Vinicius Júnior??? Vamos depender dele??? O maior dos últimos anos foi Neymar, mas abriu mão da carreira cedo por causa da grana que também veio cedo. Acredito que não ganharemos a copa de mundo nem daqui 10 anos. E Dorival Júnior foi uma escolha infeliz. Não tem culhão para comandar a seleção. Na disputa por pênalti, Marcelo Bielsa estava no meio da roda dos jogadores Uruguaios e o Dorival estava fora com o dedinho levantado dizendo assim: Olha eu aqui, deixa eu entrar ai…mas foi ignorado pelas estrelinhas do Brasil. Esta foto mostra que ele é o espelho da CBF. Então, quem viu seleção ganhar alguma coisa viu, quem não viu assisti DVD. Abraços !!!!

  • Amaury Alkimim - Montes Claros disse:

    Deu a lógica; o melhor levou. Somos intermediários no futebol mundial e a saída é jogar fechado, por uma bola para tentar avançar até onde der nas competições. Cada jogador brasileiro deve treinar dez pênaltis por dia desde os dez anos de idade. Nossa estrela é o Vinicius Júnior, daí dar para ver como a coisa tá feia. Vou torcer sempre, mas cada vez mais preparado para a eliminação na segunda ou terceira fase.

  • Mauro Lopes disse:

    A bagunça generalizada do calendário, das arbitragens, dos favorecimentos e, porque não dizer, da influência maléfica da imprensa carioca e paulista, levaram o futebol brasileiro ao pior momento da história! São mais de vinte anos sem título da Copa do Mundo, estamos fora das Olimpíada de Paris e correndo sério risco nas Eliminatórias Sul Americanas com o atual sexto lugar na tabela. Desde a traumática goleada para a Alemanha no Mineirão, mudanças profundas deveriam ter sido feitas, começando com o gritante erro das grandes equipes nos campeonatos estaduais. A CBF tinha que ter sido saneada para se tornar um órgão sério, honesto e com credibilidade. Isso traria um reflexo imediato nas desastrosas e parciais arbitragens. É ótimo para a grande mídia se regozijar com a supremacia de Flamengo e Palmeiras e continuar jogando a culpa dos 7×1 no Bernard. Mas para a nossa seleção o resultado de tudo isso são os seguidos fracassos dos últimos anos dentro de campo.

  • Fernando disse:

    Nós comentários aqui sobrou até para tatuagem a culpa da derrota. É simples, essa geração não quer nada com nada, acha que vai ganhar só porque é a seleção Brasileira. As declarações anteriores à partida mostram o nível do desdém, da falta de respeito. Não

  • Alisson Sol disse:

    Achei que o jogo foi bom. Não concordo com “…jogando futebol sem pancadaria“. O Uruguai bateu o tempo inteiro. E o Brasil entrou no jogo, também fazendo faltas o tempo inteiro, quebrando o ritmo de jogo, que era o que o Uruguai queria.

    A arbitragem mais uma vez foi o destaque negativo. Os comentaristas da TV americana se perguntavam se o árbitro havia esquecido o cartão amarelo. Como aliás, tem sido comum na Copa América. No lance da expulsão, brincaram que o árbitro achou o amarelo, e tinha perdido o cartão vermelho. Alguém brincou que só com uma perna quebrada haveria uma expulsão no jogo. O árbitro perder dois minutos tendo de ir ao VAR ver aquele lance foi ridículo. No geral, o Copa América mostra que há algo fundamentalmente errado com a arbitragem nas Américas, que não ocorre na Europa da maneira frequente que ocorre por aqui. Não parece desonestidade: é ruindade e alta de critério mesmo. Tem hora em que parece que estão deixando o jogo entrar naquela brincadeira que fazemos no futebol amador, os “dois minutos de açougue, onde vale entrar na carne do adversário!

    Também não acho que este negócio da caminhada para a penalidade influencia. O que preocupa é que há notícias de que o Militão tinha errado as duas penalidades no treino anterior à partida. Tem gente implicando com os erros. O meu problema é com a quantidade: um dos que vão bater uma penalidade nas quartas-de-final treina apenas duas vezes? Cobrar penalidade não leva 2 horas. São 30 segundos! Com 5 minutos, dá para repetir 10 vezes! E tiveram tempo de repetir o treinamento apenas duas vezes? E errou as duas e ficou por isto mesmo? Aí, culpar o jogador é muito difícil.

  • Juca da Floresta disse:

    Bom dia Chico,

    No alto dos meus 63 anos já vi muitas seleções brasileiras: Já tivemos a era Pelé, a era Romário e a era Ronaldo Fenômeno, agora temos a já era.
    Jogador de futebol virou um bicho esquisito, passa mais tempo arrumando o penteado e fazendo tatuagem que treinando. Ficam milionários muito cedo, a vontade é de ganhar mais $$$ e esquecem de ganhar títulos.
    Time horrível, não escapa ninguem.

  • Tim Silva. disse:

    Jogadores modernos:
    – Cabelo colorido;
    – Chuteira colorida;
    – Tatuagem;
    – Salário alto.

    Futebol que é bom mesmo, nada.

  • Silvio Torres disse:

    Eu quero é que essa camisa amarela se exploda.

  • Jesum Luciano da Silva disse:

    Jogador brasileiro é muito mimado, são tratados como estrelas e não tão produzindo nada, e o nosso galo, hein, o mesmo time que tacou um sapeca ia ia em nós, ontem sofreu para empatar com o poderoso CUIABÁ, se está diretoria não tomar as rédeas e mostrar pulso firme com este elenco tamo lascado, ou então o técnico tá sendo boicotado, por tá colocando jogador fora da posição ou ter proibido celular no vestiário, que abram o olho o olho, pois o curso de medicina do galo não para depto médico só fica cheio, depois é só curtir a colônia de férias e SPA que o galo oferece, vamo ver hoje contra o Botafogo, se vai alegrar meu domingo ou vai continuar a mesma preguiça de sempre.