Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

O escândalo maior entre todos os estádios reformados para os “mega eventos” no Brasil

MARACA

De todos os escândalos envolvendo as construções e reformas de estádios para a Copa de 2014, o Maracanã está no topo da lista. Verba pública enriquecendo muita gente ilicitamente desde os preparativos para os Jogos Pan-Americanos de 2007, culminando na Olimpíada do ano passado.

Agora, está abandonado, mesmo com a determinação judicial, semana passada, para que a concessionária Maracanã S.A., liderada pela construtora Odebrecht, reassuma a operação e manutenção do estádio. Menos mal que um dos maiores beneficiados, o ex-governador Sérgio Cabral, está preso, mas o prejuízo público é monstruoso, irrecuperável.

Ruy Castro escreveu esta interessante coluna sobre no assunto na Folha de S. Paulo dia desses:

* “Memória demolida”

Fechado, sem dono e saqueado, o Maracanã se desmancha às nossas vistas. Gramado, túneis, vestiários, salas, vidros, esquadrias, tudo destruído. Sumiram fiações, computadores, extintores, mangueiras, milhares de cadeiras e, para completar, o busto de Mario Filho — o jornalista cuja campanha foi decisiva para a existência do Maracanã e que, desde sua morte em 1966, honrava-o com seu nome.

Talvez haja aí um componente simbólico: que bom que nem em busto Mario Filho esteja lá para ver o que fizeram com seu estádio. E, assim como ele, tantos outros que escreveram tão bem sobre futebol: seu irmão Nelson Rodrigues, João Saldanha, Sandro Moreyra, Armando Nogueira, Ney Bianchi, Achilles Chirol, Sergio Porto. Todos, em algum momento, cronistas do Maracanã. Nenhum deles, hoje, entre nós.

Mas há um jornalista ainda vivo e que teria ainda mais motivos para sofrer com o estupro a que submeteram o estádio: Sérgio Cabral, historiador do Carnaval e da música brasileira e vascaíno histórico. A partir de 1950, nos degraus do Maracanã, ele viu Ademir, Ipojucan, Pinga, Vavá, Roberto, Romário e Edmundo levarem o Vasco a muitas conquistas.

Às vésperas dos 80 anos, dos quais abençoado há três por uma forma irreversível de demência senil, ele parece não saber muito bem das acusações que pesam sobre seu filho e homônimo, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral.

Em sete anos de Sérgio filho à frente do Estado (2007-14), o Maracanã foi derrubado e reconstruído tantas vezes em nome da Copa, do Pan e da Olimpíada que perdemos a conta. Conta esta que a Odebrecht sempre teve de manter em dia, para pagar as supercomissões que, segundo as delações, ele levava. O fato é que, em cada metro de cimento do Maraca que Sérgio filho mandou quebrar, uma parte da memória de Sérgio pai também se esfacelou.


» Comentar

Comentários:
7
  • thiago disse:

    Como diz o ditado: ‘ dinheiro de trouxa e matula de malandro’

  • Igor Mendes disse:

    Bem típico do Rio! Daqui a pouco vem mais verba, mais corrupção… Cidades do interior deste rincão brasileiro “jogadas as traças”, tudo para o Rio de janeiro. Maixxx verbaxxxx!!!!!

  • Eder Coelho disse:

    Considerando o histórico de sangria de dinheiro público do Maracanã, alto custo de manutenção, falta de seriedade dos dirigentes de clubes de futebol e gatunagem dos dirigentes de federaçoes e políticos, a melhor saída para o RJ (tanto a cidade quanto o Estado) seria a IMPLOSÃO do estádio.

  • Pablo de Oliveira disse:

    Chico, não só o Maracanã mas todos os estádios feitos para copa, Corrupção TOTAL.
    Uma vergonha que quebrou o país, estamos pagando a conta até hoje com essa recessão brava.
    O que dizer do Mané Garrincha em Brasília, mais de 2 Bilhões jogado fora, uma Vergonha.
    Todo esse dinheiro investido para a copa poderiam ter virado Escolas, Hospitais, Estradas, etc…
    Países corruptos como o nosso deveriam ser proibidos de receber uma Copa do Mundo ou Olimpíadas.
    O tamanho da Corrupção no Brasil é GIGANTESCA afinal esses bandidos receberam bilhões das empreiteiras e ainda bilhões da Petrobrás, e o que é PIOR não é um ou dois políticos envolvidos é o sistema todo corrompido.
    Se essas delações continuarem não sobra um, todos mamaram um pouquinho e tem de parar da cadeia.

    • José Eduardo Barata disse:

      Comentei outro dia não sei onde , mas quando o governo lançou essa picaretagem de obras para os eventos a imprensa brasileira era só oba-oba , enaltecendo a “visão” dessa corja que assalta o país desde 1500 .
      Ninguém se deu ao trabalho de questionar nada .
      Agora que a orgia de gastos nos deixou esse “legado” de elefantes de todas as cores,
      aqueles que usaram o poder da comunicação para ajudar nessa farsa gigantesca vêm posar de bons moços e começam a denunciar .
      Por que não agiram para ajudar a evitar essa empulhação ?

    • Jorge moreira disse:

      Pablo até quando os dois senadores azuis vão conseguir esconder,as investigações do Mineirão? investigações que foram engavetadas graças aos deputados tucanos e seus aliados, o Mineirão tambem é uma vergonha acobertada pelos deputados (vergonhosos) aqui da nossa cozinha assemb´leia legislativa que esta suja, eu ainda espero viver pra saber a verdade da reforma do Mineirão, com certeza a reforma do Mineirão tambem esconde muita sujeira, afinal a reforma foi aprovada pelos deputados capitaneados e orquestrados pelos dois senadores azuis

  • lauro disse:

    Chico eu acho que isto que esta acontecendo com o Maracana é algo bem planejado pois quem conhece a ” forma do carioca trabalhar ” sabe que ele cria situações para arrecadar dinheiro ( olimpiada , copa do mundo , drama nas tragedias, etc ), isto é feito desde quando a Capital deixou de ser o Rio, não sabemos ate quando o BRASIL vai ficar bancando os cariocas pois eles gastam o dinheiro deles e do restante do BRASIL, voltando ao Maracana vamos nos lembrar do pan que era uma obra para deixar o Maracana moderno ( R$ 400 milhoes ), passado poucos anos mais ( R$ 1,2 bilhoes ) para deixar novamente o Maracana moderno e agora eu acho que planejaram depredar o Maracana para arrecadar nova verba publica para novamente reformar o Maracana pois o TEMPLO DO FUTEBOL, sempre tem de ficar bonito, parece inacreditavel mas se ficamos atento tem algo neste sentido em curso .