Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Parabéns ao Heleno, um dos jogadores mais produtivos da história do Atlético

João Leite, Nelinho, Osmar Guarneli, Luizinho, Cerezo e Jorge Valença; Catatau, Heleno, Reinaldo, Renato Dramático e Éder.

Em um de seus excelentes textos, no Hoje em Dia, sobre a história do clássico Atlético x Cruzeiro, o Alexandre Simões fez um resumo sobre ele no Galo: “Em Belo Horizonte, em 1955, nasce Heleno Abreu de Oliveira, volante que defendeu o Atlético, onde foi revelado, praticamente em toda a carreira e que teve papel decisivo na conquista do último título do hexacampeonato mineiro do Galo, entre 1978 e 1983, com ele participando das últimas cinco campanhas. Antes, ele já tinha vencido o Estadual em 1976. Em 13 de novembro de 1983, no clássico pela última rodada do turno do hexagonal decisivo, disputado em turno e returno, o Cruzeiro somava 9 pontos, contra 8 do Atlético. A Raposa esteve na frente do placar por duas vezes, mas Heleno decretou a igualdade em ambas. E Renato Queirós fez o 3 a 2 que permitiu ao Galo tomar a ponta da classificação da fase final.”

***

Podemos acrescentar vários outros adjetivos enaltecedores a ele, como jogador de futebol, cidadão, político, enfim. Heleno Abreu de Oliveira chega hoje aos 65 anos! Um dos jogadores mais profissionais e dedicados que o Galo teve em seu elenco. Belorizontino, formado nas categorias de base, jogava muito, desses que “morriam” em campo, raramente se machucava e mesmo sem a fama de outros grandes jogadores de sua época, era uma liderança natural, elo entre todos os treinadores, jogadores e diretoria. Dos poucos atletas que se preocupava em fazer um curso superior, pensando no futuro quando a bola acabasse.

João Leite, Oliveira, Nelinho, Luizinho, Heleno e Miranda; Catatau, Toninho Carinha, Reinaldo, Paulinho Kiss e Éder.

Só não fez mais fama como meio campista do Atlético porque jogava na mesma posição e tinha a mesma idade de Toninho Cerezo, conhecido como o “Monstro da bola” por alguns locutores e “Patrão da bola” por outros. Mas atuava em outras posições quando os treinadores precisavam e era quase tão titular quanto o Cerezo, como lateral ou meia, pela direita ou esquerda. Mas, acima de tudo um grande ser humano, solidário e grande caráter.

João Leite, Nelinho, Batista, Elzo, Heleno, João Luiz e o saudoso Ivo Melo, vice-presidente de futebol; Sérgio Araújo, Paulo Isidoro, Tita, Éverton e Edvaldo “Pepe Legal”.

Heleno, graduou-se em Educação Física, se tornou chefe de gabinete do ex-colega de time, deputado João Leite, foi vereador e Secretário de Esportes em Belo Horizonte e do Estado.

Tive a honra e o privilégio de cobrir o Atlético nos tempos dele e entrevistá-lo, como neste dia em 1983, no Mineirão, pela Rádio Capital.

Parabéns, caro Heleno!

O blog Terceiro Tempo, do Milton Neves, tem mais detalhes sobre ele:

https://terceirotempo.uol.com.br/que-fim-levou/heleno-abreu-de-oliveira-5412


Deixe uma resposta para Roger Campos Cancelar resposta

Comentários:
13
  • Roger Campos disse:

    Só quem viu jogar vai saber a exata medida, gandiosa, das palavras do texto do post. O cara era de uma regularidade incrível. Anos inesquecíveis.

    P.S: Chico, não sei se por causa da foto de perfil, parece que você curtia um bigode à lá Cantinflas!!! :))

  • Jean disse:

    Mineirão como este das fotos, só pra quem esteve lá, nunca mais…
    Não tinha esse “padrão fifa” do atual, mas era bom demais, mesmo sem conforto e com a chuva de “cerveja”. Ê povão!

  • William Dorneles disse:

    O Saudoso Villy em suas brilhantes narrações o chamava de camarão, bons tempos.SAN

  • mauricio disse:

    bons tempos ai chico ,era all star falsificado ou o original verdadeiro converse.rs

  • Edson Dias disse:

    Jogava muita bola viu??
    A gente viu cada desgraça de volante jogando no Galo, como a famigerada dupla Ataliba e Walker, os instáveis Gerson e Chaves, o highlander, polivalente e PÉSSIMO Márcio Araújo, dentre tantas outras porqueiras em anos recentes, que fica se perguntando: Que porra de trabalho de base é esse onde não se revela UM Heleno??

    O mesmo vale para o Cruzeiro, com Henrique e o fraquíssimo Ariel Cabral…

    Não dá pra entender o que ocorre no futebol mineiro, sinceramente.

    • Raws disse:

      Edson, sempre falo sobre isso. Não faço cobranças sobre outras posições por entender a dificuldade de se achar talentos, porém zagueiros e médio volantes, é inacreditável não revelarem.
      Aliás, são muitos jogadores que estão jogando avançados, que com um técnico entendedor já os teria recuado, até para o banco. Kkk

  • Raws disse:

    Aproveitando o post que mostra essa leva de grandes jogadores, que era para ter ganho muito mais mas foram “podados”, segue um link de um comentário, para mim irretocável.
    https://www.falagalo.com.br/preto-no-branco/para-ganhar-um-campeonato-e-preciso-vencer-o-jogo-do-extracampo/

  • Ed Diogo disse:

    Quando ele ainda jogava no “infantil e depois no juvenil “ nos tínhamos uma grande amizade pois fomos criados no mesmo bairro jogávamos muitas peladas saiamos para as festinhas nas casas do bairro e adjacências .Sempre foi uma ótima pessoa não tenho nada a reclamar,correto e simples de boa índole .Mas depois a vida nos levou cada um para o seu destino e tenho muitos anos que não o vejo .Parabens para ele.

  • Márcio Luiz disse:

    Meu caro Raws. Eu tbm estava lá, em todas.
    Heleno foi o sucessor natural do grande Ângelo.
    Típico jogador que jogava apenas e tão somente para o TIME.
    Saudações AN!

  • Raws disse:

    Êhh… Chico.
    Você com esse saudosismo e homenagens, judia da gente.
    “Camarão”, grande Heleno. Jogador operário, jogava para o time.
    Se a memória não falha, ele tomou a titularidade da cabeça de área quando perceberam que Cerezo poderia jogar com a camisa 8 e o adiantaram.
    Essa época ainda valorizavam os regionais. Talvez por não terem dirigentes imbecis como o “fala Zezé”, para diminuírem a importância do campeonato.
    Nessa época eu ia ao estádio em todos os jogos e a dúvida não era sobre se ganharia e sim de quanto ganharia.
    Plagiando o “Lilico” do programa humorístico, “tempo bom, não volta mais, saudade…”