Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Apito amigo do Palmeiras contra o Cruzeiro e o escorregão do América em casa contra o Amazonas

O América perdeu a oportunidade de dar uma distanciada no topo da tabela da Série B, ao empatar em casa com o Amazonas. O Cruzeiro foi derrotado pelo Palmeiras em São Paulo, mas com muitas contestações à arbitragem  .

Peço desculpas aos amigos americanos e cruzeirenses, mas sábado não tive a menor condição de assistir aos jogos de ambos. Fui à festa surpresa preparada pela esposa e filhos do Joaquim Costa, em comemoração aos 70 anos, muitíssimo bem vividos dele.

Joaquim é amigo de longa data, de Conceição do Mato Dentro. A ele, devo a honra de ser concecionense honorário, desde 1986, quando ele era vereador da cidade. O prefeito era o Dr. Juvêncio Guimarães e o presidente da Câmara Municipal, o Juju Santa Bárbara, de saudosíssimas lembranças. Gratidão eterna!

Aliás, que festa, da prateleira de cima, só gente boa, com direito à tradicional banda Boca de Sino, do grande jornalista Silvio Scalioni, com o Orlando Augusto, também concecionense, ótimo baterista, além de jornalista.

Foi muito “chá com torradas”, que começou com uma bênção, às 11 horas, sem hora pra acabar.

Ao Joaquim e família, toda felicidade do mundo, e mais uma vez, muitíssimo obrigado por tudo.

Com razão, o cruzeirense Marlon Brant, reclamou aqui no blog, que não houve nenhum comentário nosso sobre o Cruzeiro em São Paulo contra o Palmeiras. Ele e quase todos os cruzeirenses estão “P” da vida com a arbitragem, que teria dado uma mão considerável ao time da Dona Leila:

* “Chico, bom dia. … não vi nenhuma mensagem ou novo post sobre os erros grosseiros a favor de Palmeiras e Flamengo. Sábado a noite, o Cruzeiro foi garfado em SP, nunca tinha visto aquilo na minha vida e no jogo do Flamengo é melhor nem comentar. Dois árbitros totalmente tendenciosos talvez já encomendados pela comissão de arbitragens. Será que os outros clubes vão ficar calados? Não seria uma boa hora de quebrar o monopólio da CBF e criar um campeonato a parte, como foi a Copa União em 1.987? Melhor entregar a taça para um dos dois e deixar os restantes para os outros clubes. Aqui vamos caminhando para sermos um Campeonato Espanhol com apenas dois clubes brigando pelo topo do campeonato…”

Marlon Brant

– – –

O que tenho a dizer é que se trata de um problema eterno e sem solução. A cada rodada alguém reclama muito, quase sempre com razão. Mas, como os clubes são desunidos, não estão nem aí uns para os outros, a história vai se repetindo aos longo da história.

Tipo, “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Pimenta nos olhos dos outros é sempre refresco.

Ainda sobre a festa do Joaquim, a banda Boca de Sino, com o Orlando Augusto (bateria) e o Silvio Scalioni, na guitarra:

Em ano eleitoral as articulações políticas em que estão o ex-prefeito Reinaldo Guimarães e o candidato à sucessão do Zé Fernando, Otacilinho Costa, com outros ícones da política regional, como o Norinho Mascarenhas e Sessé Mascarenhas.

A partir da esquerda, Sessé Mascarenhas, este “locutor que vos fala”, Reinaldo Guimarães, Otacilinho Costa, Norinho Mascarenhas e Leo.


Atlético interrompe ascensão do Vasco com 2 a 0 e ótimo primeiro tempo

Pedro Souza / Atlético

Um grande primeiro tempo do Atlético, com o placar definitivo construído nessa etapa: dois gols do Hulk, o primeiro, depois de um cruzamento perfeito do Scarpa, o segundo, fruto de puro oportunismo do artilheiro, em arrancada fenomenal. O Vasco não deu um chute a gol sequer. Com tantas opções para o técnico Milito escalar e mexer no time, a ausência do Arana nem foi notada.

Pedro Souza / Atlético
No segundo tempo o time carioca voltou querendo mudar a história e ameaçou bastante nos primeiros 20 minutos. Depois, o jogo ficou equilibrado e o Galo administrou bem o placar. Poderia ter forçado mais para obter o terceiro gol, mas, além de diminuir o ritmo, o Vasco voltou do intervalo acordado, querendo empatar.

Pedro Souza / Atlético


Otávio fez uma ótima partida, Hulk, além dos gols, jogou muito, assim como o Junior Alonso, Scarpa e Bernard. Fausto Vera foi razoável em sua estreia. Lyanco entrou no lugar do Scarpa, mas jogou poucos minutos.

Pedro Souza / Atlético


O Galo chega aos 25 pontos, 10º lugar e estreia no returno em casa, no próximo domingo, contra o Corinthians. às 19 horas.

Pedro Souza / Atlético

Aos 24 do primeiro tempo, Bernard fez um gol, anulado, porque a bola cruzada passou atrás do gol


E lá se foi o Moacir, ex-meio campo do Atlético, aos 54 anos

Foto: twitter/Atlético

O Atlético postou esta manhã em suas redes: @Atletico “O Galo lamenta profundamente o falecimento do ex-jogador Moacir, nessa madrugada (20), aos 54 anos. Meio-campista formado no Clube, Moacir Rodrigues Santos fez 199 partidas e marcou 24 gols com nossa camisa em duas passagens. Foi três vezes campeão mineiro (1988/89/91) e conquistou a Copa Conmebol de 1992: https://galodigital.com.br/enciclopedia/Moacir_Rodrigues_dos_Santos…


A despedida será no Cemitério Parque Renascer, hoje, a partir das 13h na
sala 2.

Na partida de amanhã, contra o Vasco, será respeitado um minuto de silêncio em memória do ex-jogador. Nossos sinceros sentimentos aos familiares, amigos e fãs. Descanse em paz, Moacir.”

Foto: twitter/Atlético

Que pena! Lutou bravamente contra um câncer, mas, não teve jeito.
Jogou muita bola, e era gente boa demais!

Também, os meus sentimentos à família, amigos e à legião de fãs que ele colecionou!
Descanse em paz, Moacir!

Uma das fotos mais recentes dele, do whatsapp


E lá se foi a Fabíola Colares, primeira mulher setorista de um clube de futebol em Minas

Rogério Perez, Fabíola, Orlando Augusto e Chico Maia – Foto: arquivo pessoal

Quase escrevi como título pra este texto, que “Lá se foi a musa da cobertura da Copa do Mundo de 1994”, mas soaria vulgar para personagem tão importante da imprensa brasileira. Fabíola foi muito mais que isso e contarei na sequência.


A primeira reação que temos sobre a perda de alguém querido é de incredulidade. Não quis acreditar quando o amigo jornalista dos tempos do jornal Hoje em Dia, Clésio Giovani, me informou que ela tinha partido.


Andou sentindo umas dores de cabeça, procurou médico, fez exames e nada de anormal fora encontrado. Mas, dormiu ontem e não acordou hoje!


O que é isso, Fabíola? Como é que você faz isso conosco, que gostamos tanto de você?

Nas praias da Califórnia durante a Copa dos EUA, Orlando Augusto fotografa Fabíola enquanto Rogério Perez soltava um dos seus sorrisos característicos


Até parece que temos poder ou autoridade para questionar ou pedir alguma coisa neste sentido, em situações com essa, não é? Nessas horas vale tudo para diminuir a dor, disfarçar o desespero e torcer pra que seja apenas um pesadelo.

Brigamos e nos divertimos muito durante a Copa de 1994


E como tenho passado por isso nos últimos tempos!

Numa das fotos mais recentes, ela, cruzeirense até debaixo d’água, com a atleticana, uma das fundadoras da Galosampa, Paula Rangel, grande amiga jornalista, que voltou a morar em Belo Horizonte depois um bom tempo como correspondente da Rádio Itatiaia em São Paulo


Não tem jeito. Não há anestesia, não há remédio, não há argumento, não há votos de pêsames que conforte! Só a resignação! Simbora que a vida continua!

Orlando Augusro, Rogério Perez, eu e ela


Que dor dá, imaginar que tantas combinações que fizemos, de nos encontrar nos últimos anos, falharam. Ela se mudou de Belo Horizonte, foi pra Fortaleza, Aracaju, Brasília e agora, só no além! Se este “além” existir. Torço fervorosamente que exista. Quanta gente eu gostaria, e quero, reencontrar!

Eu, ela, Mestre Perez e Roberto Abras, no centro de imprensa do estádio Rose Bowl, no dia da final da Copa, entre Brasil e Itália


Antes de começar o primeiro treino da seleção brasileira para o jogo contra os Estados Unidos, pelas oitavas de final da Copa de 1994, o Juca Kfouri me perguntou:
_ Maia, seria exagero considerarmos a Fabíola como a musa da cobertura dessa Copa? _ Não! – respondi, acrescentando que, ela era mais repórter do que um rosto bonito.


Não eram tantas repórteres como hoje, mas ela ficou marcada como a mulher mais bonita entre todas daquela cobertura presencial da Copa dos Estados Unidos.


Falastrona, intempestiva, sabidona e esperta, Fabíola defendia suas convicções e enfrentava qualquer um, em defesa de seus argumentos.


Rogério Perez era o chefe da redação do Hoje em Dia e a escalou como setorista do Cruzeiro. Um “espanto”, como ele gostava de dizer. Mas naqueles tempos era assim. Lugar de mulher não era em determinados lugares do futebol, principalmente em treinos e vestiários.

Já havia pioneiras com destaque, mas no noticiário geral, como a Vânia Turci (Globo/Rádio Capital), Rasália Dayrrel (Band) e a fenomenal Tânia Mara, da Alvorada FM, Mas, setorista, do dia a dia, de um clube, a Fabíola foi a primeira. E do Cruzeiro, paixão dela!

Nos tempos dos orelhões, de ótima qualidade de som, durante a Copa dos EUA. Eu passando boletim para a Alvorada FM e ela para o Jornal Hoje em Dia


Durante da Copa dos Estados Unidos ela “arrebentou” ao dar, em absoluta primeira mão, que o quase já “fenômeno” Ronaldo, estava vendido pelo Cruzeiro ao PSV, da Holanda, por 10 milhões de dólares.


Loira bonita e conversada, ela atraiu a atenção daquele circo do futebol, que incluía torcedores, dirigentes, imprensa, ex-jogadores, “celebridades” e sub-celebridades, enfim…


A Brahma, pré Ambev, montava em toda Copa a “Casa da Brahma!, espaço que reunia convidados VIP e lobistas desse meio, e servia também como ponto de apoio exclusivo para a imprensa, com uma redação que tinha computadores, intranet, cafezinho e essas coisas, melhores que os do comitê organizador e FIFA.


Fora dessa redação, o pau comia, com samba, cerveja, rock ‘n roll e muita farra.
Nos Estados Unidos este espaço multinacional e “multifarras”, foi montado numa belíssima casa em Los Gatos, perto dos locais de treinos e concentração da seleção brasileira, de Parreira e Zagallo.

O famoso compositor e escritor Nelson Mota foi a primeira celebridade a se empolgar com a Fabíola. Estrategicamente se aproximou de mim, Rogério Perez e Orlando Augusto, que compartilhávamos com ela carro e hospedagens nessa cobertura de Copa, para o jornal Hoje em Dia, e no meu caso, a Rádio Alvorada FM.


De nosso “melhor amigo do mundo”, Mota passou a ser apenas um “olá”, depois que sentiu que a “nossa” louraça não queria nada com ele, por mais que ele investisse seu tempo e ótima conversa.


Um ex-grande jogador, atual bom comentarista de uma grande rede de televisão, também deu em cima dela, mas, igualmente sem êxito.


Numa bela tarde, depois de um dos últimos treinos da seleção na Universidade de San José, lá estávamos na “Casa da Brahma”, apinhada de gente, churrasco, comes, bebes e samba na base do 0800.


Jairzinho, o “Furacão” da Copa de 1970, intermediário da vinda do “garoto” Ronaldo Nazário, do São Cristóvão, do Rio, para o juvenil do Cruzeiro, bateu o olho na Fabíola e se entusiasmou. Chamou-a para um canto e passou quase uma hora conversando com ela. Ele na cerveja, ela só no refri. Depois de muita fala, ela subiu os degraus para o espaço dedicado à redação dos jornalistas, com vista para o jardim onde as festas rolavam, e ele voltou a se juntar a nós, na roda de samba, com direito ao ex-lateral Junior, do Flamengo, no pandeiro.


Um amigo dele, perguntou:
_ E aí, Jair?, vai rolar? E ele “p” da vida, reclamou: _ Que nada, cara; essa mulher é “boleirona” demais, só quer falar de futebol, perguntar pelo Ronaldo, de “submundo” do futebol e essas coisas. Chata pra caramba!


_ Ué, mas você queria o quê? Ela é jornalista, de futebol, e o assunto dela só podia ser esse mesmo!

__ O quê??? Jornalista??? PQP, então é isso! Contei coisa demais pra ela. Se ela publicar, vai dar uma merda danada!

Jair olhou pra cima, viu a Fabíola, no espaço da imprensa, digitando feito uma maluca, o que daí a pouco mandaria para a redação do Hoje em Dia no Brasil, via fax.


Ele tentou subir até lá, mas, portas trancadas, esbravejou, gritou, ameaçou, mandou vários PQP, mas a “loira” não se incomodava e continuava digitando.


No dia seguinte, a manchete que iniciou o fim da “era Masci” no Cruzeiro: “Ronaldo vendido ao PSV da Holanda, por US$ 10 milhões”, com os mínimos detalhes.]


Foi uma confusão em Belo Horizonte. O então presidente César Masci convocou coletiva, desmentiu e falou horrores contra a Fabíola. Destemperado naquele momento, chamou-a de “puta” pra cima e a declarou “persona non grata” ao Cruzeiro, proibindo a entrada dela na Toca da Raposa, até que ela e o jornal desmentissem a notícia, que não foi desmentida, porque era tudo verdade.


Terminada a Copa, Brasil campeão, Ronaldo não voltou a Belo Horizonte nem para buscar as roupas dele.


Meses depois, um sobrinho do César Masci deu entrevistas complicadoras para o tio, “chutando o balde”, revelando valores, entornando o caldo.


Pouco depois da Copa de 1994, querida e respeitada por todos os colegas de profissão, resolveu mudar de ares, mudou-se para Fortaleza, onde continuou jornalista e se tornou também empreendedora no ramo de roupas femininas. Mais um tempo, se mudou para Brasília, onde, infelizmente, morreu, serenamente, dormindo, na noite dessa quinta, 19, para sexta-feira, triste 20 de julho de 2024.

Obrigado Fabíola querida, desculpe qualquer coisa, descanse em paz.

Que saudade!

Te amamos!
Até um dia!

Foto: Chico Maia

Imagem: reprodução familiar


E o Savinho, hein!? Pep Guardiola manda buscar, como o primeiro reforço do Manchester City da próxima temporada

x.com/ManCity

Hoje ele foi apresentado no CT do clube em Londres, e eu comentei no twitter:
@chicomaiablog E o Savinho, hein!? Se o Guardiola mandou buscar, é porque é bom mesmo! Mais um que sai do nosso futebol por preço de banana e rende milhões de euros na Europa.

Infelizmente essa sempre foi a realidade do nosso futebol. Muitas vezes as transações são misteriosas, ninguém fica sabendo os reais valores e quanto cada parte leva de grana. Tem empresário, tem procurador, tem agente, tem clube, tem dirigente, tem taxas, tem impostos e nego esperto de tudo enquanto é lado, oficialmente e por fora.
Com a entrada das SAF’s agora, aí que ninguém fica sabendo direito de nada mesmo. Quando era clube/associação só havia Conselho Fiscal, composto por amigos dos dirigentes, pra “fiscalizar”.
Agora, como empresas realmente privadas, os donos não têm interesse que a Receita Federal fique sabendo de muita coisa.
O Diario SPORT, da Espanha twittou: Savinho, nuevo jugador del Manchester City El brasileño, primer fichaje cityzen de la temporada 24/25 Procedente del Troyes, firma hasta 2029”
Hoje, também, o portal O Antagonista relembrou os passos da transação entre Atlético e Manchester City, em junho de 2022: “… O ex-diretor do Galo, Rodrigo Caetano, que liderou a negociação a época, comentou recentemente sobre a transação e explicou os valores envolvidos.
O jogador foi vendido ao Grupo City por 6,5 milhões de euros (R$ 33,5 milhões na época) e o Atlético manteve 12,5% dos direitos econômicos do atleta.
Além disso, o Galo ainda pode receber bonificações de até 6 milhões de euros (R$ 32 milhões), dependendo de metas alcançadas pelo jogador.
As propostas mais recentes pela compra do jogador chegariam a 40 milhões de euros (R$ 214 milhões), valores que se confirmados poderão resultar em até R$ 29,8 milhões para o time mineiro.
Rodrigo Caetano comentou os detalhes da transação e defendeu como o Atlético conduziu a negociação.
“Gostaria muito que o torcedor e vocês entendessem que do lado de cá vai sempre se tentar a melhor negociação. Só que também tem que combinar com aquele que quer pagar. Nós queríamos muito que o Savinho permanecesse por mais tempo, mas, infelizmente, o clube atravessava uma necessidade gigantesca”, explicou.
Após ser vendido ao Grupo City, Savinho foi registrado pelo Troyes, clube da primeira divisão do Campeonato Francês, que também pertence ao conglomerado inglês.
Apesar disso, o jogador foi emprestado para o PSV (temporada 22/23) e, em seguida, ao Girona, onde se destacou na campanha do time no Campeonato Espanhol…”

Savinho – (Pedro Souza/Atletico-MG)


Como disse o @atleticonews “Quem não faz… Ê, #GALO! Tudo igual em Brasília!”

Bernard será muito importante para o Atlético neste segundo semestre. Foto: Pedro Souza/Atlético

Uma pena, pois o time fez uma bela partida e desperdiçou um “caminhão” de oportunidades. Bernard e Junior Alonso foram ótimos na reestreia, com destaque para o Bernard, que mostrou ser o 10 que o Galo estava precisando.

Com Arana de volta e Scarpa jogando na posição certa, o time do Gabriel Milito teve 70% de posse de bola e 87% de acerto de passes. Bom, mas a bola precisa entrar. Aí, depende da inspiração dos artilheiros, que hoje não houve. E o Juventude soube se defender muito bem.

O Atlético jogou com o uniforme 3, belíssimo, certamente o primeiro acerto da Adidas desde que a marca alemã voltou a vestir o Galo.

Alonso abriu o placar aos 17 minutos de jogo, num chute sem ângulo, quase da linha de fundo. Como diria o Toninho Cerezo, “com o oitavo dedo, no quarto gomo da bola”, ou seja: sem explicação.

O empate foi por meio do Jean Carlos, aos 42, infiltrado na defesa, num dos poucos vacilos deste setor do Galo esta noite.

O público foi muito abaixo da expectativa: 9.788 torcedores para uma renda de R$ 937.815,00. Não sei o que leva estes empresários a comprar estes jogos dos mandantes. Dá pra imaginar, mas, melhor sossegar e “guardar a minha boca pra comer a minha farinha”, como dizia o querido e saudoso comentarista de “peito aberto”, Flávio Anselmo.

O Atlético continua na 10ª posição, 22 pontos, e o Juventude, em 12º, com 20. Domingo o O Galo recebe o Vasco, às 16 horas e o time gaúcho recebe o São Paulo, 18h30, novamente no Mané Garrincha.

Arbitragem: Alex Gomes Stefano (RJ), assistido por Fabricio Vilarinho da Silva (FIFA/GO) e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (RJ). VAR: Caio Max Augusto Vieira (RN).

Foto: x.com/Brasileirao


Pesos e medidas: atletas olímpicos cumprem punições; futebolistas, mimados e protegidos

Danielzinho era apontado como uma das apostas de medalha do Brasil em Paris –

Foto: Carol Coelho/CBAt

O maratonista Daniel Nascimento, foi pego pelo exame antidoping surpresa e está cortado da Olimpíada de Paris, que começa na semana que vem. Atleta de alto rendimento, que pode tomar suspensão de até quatro anos.

Uma pena, mas todos temos que pagar pelos nossos erros, não é?

Aliás, deveríamos, já que para jogadores de futebol o tratamento costuma ser bem diferente. Os que fazem fama, marcam ou evitam gols, são cobertos por privilégios, mimos e paparicos, por parte de dirigentes, autoridades, imprensa e por consequência do grande público.

Sujeito bebe, dirige embriagado, bate em mulher, se dopa, às vezes provoca acidentes até com mortes, e quase na maioria dos casos, fica por isso mesmo.

É rara a semana em que o noticiário não informa sobre alguma aprontação de um jogador em alguma parte do mundo. No Brasil, então…

No caso de doping, o atacante Gabigol fraudou um exame, tomou dois anos de suspensão, mas conseguiu um efeito suspensivo via “decisão unânime”, e voltou a jogar normalmente.

Ano passado o zagueiro Jemerson, então no Atlético, bateu o carro chegando em casa de madrugada, com sintomas de alcoolismo, segundo a polícia, mas poucos dias depois voltou a ser titular do time dirigido pelo Felipão. Seu único “castigo” foi ter marcado gol contra a favor do Cruzeiro.

Sábado passado, depois de jogar bem e marcar um dos gols do Cruzeiro na vitória sobre o Bragantino, o atacante Gabriel Verón, em alta velocidade bateu numa placa de sinalização em rua do condomínio onde mora, Alphaville em Vespasiano. Abandonou o carro, e foi para casa, antes da chegada da Polícia Militar, que foi acionada.

Foto: Cruzeiro/Gustavo Aleixo

De acordo com o relato de um morador, ouvido pela Rádio Itatiaia, o jogador vive “causando muito transtorno” para os outros moradores do condomínio.

Na imprensa, vários veículos disseram que o jogador “se envolveu” num acidente, ou “sofre acidente”. Ora, ora, ele provocou o acidente; ser envolvido é outra coisa.

Mas aí, leitores e ouvintes exageram pelo outro lado contra a imprensa, como o Jeremias, que comentou aqui no blog, às 10h10 de hoje: “Engraçado, Gabriel Veron bateu seu carro em alta velocidade e de forma suspeita de ter ingerido algo não recomendado à sua profissão e somente um veículo de comunicação noticiou o ocorrido do time blindado. O fato aconteceu em seu condomínio em Vespasiano e seus vizinhos dizem que é reincidente Quando Jemerson fez o mesmo a imprensa toda deu destaque e o atleta foi “depredado” pela oposição. Pronto falei!”

Numa busca rápida no Google, vê-se que, ao contrário do que o prezado Jeremias diz, quase toda a imprensa deu a notícia, como podemos constatar:

E vida que segue!

Amanhã ou depois será outro jogador e ninguém mais vai se lembrar do anterior.


Neymar ficaria com inveja das quedas de Vaguinho, “quase” todas de verdade!

Neymar ficaria com inveja das quedas do Vaguinho, na época do Corinthians.
Ele está time do Atlético, em 1969, e era um dos melhores pontas direitas do futebol brasileiro. Depois foi jogar no Corinthians e retornou ao Galo em 1981.
A partir da esquerda, Humberto Monteiro, Wander, Vanderlei Paiva, Djalma Dias, Mussula e Cincunegui; Vaguinho, Amauri, Dario, Oldair e Tião.

Vaguinho é de Sete Lagoas, está muito bem de saúde nos seus 74 anos de idade, curtindo vida boa em São Paulo, mas todo ano aparece em Minas para rever a família e amigos.

E com prazer, na postagem no Facebook, tive a honra e prazer de receber reste comentário do nosso conterrâneo Ronaldo Pelau, que jogou muita bola também: “Jogamos juntos futebol de salão time do Grenal e Colégio Dom Silvério. Primeiro jogo dele no Democrata foi em Uberaba o Demo ganhou de 1a0 gol dele. Excelente ponta direita.”

@chicomaiablog


Domingo de finais importantes: show de organização na Eurocopa e uma zona na Copa América

Foto: x.com/UEFA

Domingo de finais importantes: show de organização na Eurocopa e uma zona na Copa América
Óbvio que, com todo o respeito às zonas boas e organizadas, mas a Copa América, especialmente no quesito segurança, foi um horror, zona de péssima qualidade. Impressionante como os Estados Unidos estão dando péssimos exemplos nessa área, em que eram campeões: organização de grandes eventos, com segurança em primeiro lugar.

Ambos os títulos merecidos!


No momento das confusões que antecederam Argentina x Colômbia, em Miami, twittei: @chicomaiablog: A CONMEBOL vive tentando copiar a UEFA. No dia da final das duas competições continentais, a Eurocopa foi aquele show! Enquanto pelos lados de cá, que zona, de péssimo nível, essa organização da Copa América nos Estados Unidos. O jornal @marca, da Espanha, destacou: @marca: “Bochorno: duras imágenes que nos llegan desde los alrededores del estadio donde se va a jugar la final Argentina-Colombia, retrasado en su inicio por los incidentes para acceder al Hard Rock Stadium La organización de la #CopaAmérica vuelve a quedar en entredicho, una vez más”.

Em português, “entredicho” é descrédito.
Sempre torço por seleções que contribuem com o engrandecimento do futebol, mas que o destino demora dar o ar da graça. À tarde, torci pela Inglaterra, que só tem a Copa do Mundo de 1966, apesar de grandes jogadores ao longo da história e da Liga mais forte, financeiramente, do mundo. A Espanha tem uma Copa (2010) e já tinha três Eurocopas. Tudo bem, deu ela de novo, tetra campeã, com todos os méritos.


Aquí por essas bandas do planeta, torci para a Colômbia, sempre com belo futebol, grandes jogadores, mas apenas com uma Copa América no curriculum de títulos. A Argentina é tri mundial e tem coleção de taças sul-americanas.

Foto: x.com/UEFA


Sobre Espanha x Inglaterra, que bom ver Yamal, um jogador que completou 17 anos de idade, ontem, sendo protagonista do ótimo time espanhol. No Brasil é uma dificuldade danada para se lançar jovens. Carlos Alberto Parreira não escalou Ronaldo Nazário, na Copa de 1994, por nem um minuto. A gota d’água para o fim do Felipão no Atlético, foi a teimosia dele em dar mais oportunidades ao Alissom. Exemplos não faltam.


A imagem do Messi saindo de campo machucado e depois chorando copiosamente, no banco, é que marcou a final da Copa América. Não queria “abandonar” seus companheiros na batalha, queria ajudar levantar mais uma taça, mas o corpo não permitia. Certamente com a lembrança de que o fim dessa carreira fantástica está se aproximando, exatamente porque o tempo é “praga, e arregaça com o sujeito”, como diz o sábio filósofo diamantinense Waldívio Marcos de Almeida.

O paulista Raphael Claus foi bem demais no comando da arbitragem da final sul-americana, com outros quatro brasileiros: Bruno Pires e Rodrigo Correa (assistentes); Rodolpho Toski (VAR) e Danilo Martins (auxiliar de VAR).

Final da Copa América marcou também a despedida de Di Maria da seleção argentina, aos 35 anos de idade. Imagem: x.com/CONMEBOL


Quem disse que Espanha e Alemanha estavam fazendo a final antecipada, acertou. E deu Espanha. A Alemanha começou perder quando Kross, grande jogador, fez o que ele nunca fez durante a vitoriosa carreira: entrar pra quebrar o maior articulador do adversário, e conseguiu. Arrebentou com o Pedri. Pediu desculpas, depois. Mas…


E que arbitragem do francês François Letexier, hein!? Ninguém lembrou dele, porque não deu motivo. Com os compatriotas Cyril Mugnier e Mehedi Rahmouni, além do polonês Szymon Marciniak, como quarto árbitro. O mesmo que apitou a final da Copa do Catar 2022 e a final da Liga dos Campeões do ano passado.
No VAR o também francês Jerome Brisard, auxiliado por Willy Delajod (francês também), pelo italiano Massimiliano Irrati e por Tomasz Listkiewicz, da Polônia.


Embalado por um excelente 10, o Cruzeiro está voltando a ser Cruzeiro. Este Matheus Pereira joga demais! América volta líder

Foto: Cruzeiro

O time já vinha jogando bem, Com a chegada dos novos contratados, tende a melhorar e facilitar o trabalho do técnico Fernando Seabra. Hoje ele já contou com o goleiro Cássio, com o meia Matheus Henrique e com o atacante Lautaro Díaz, todos tiveran boa estreia.

O adversário deu trabalho. Tem bom time e quase arrancou o empate, mas o Cruzeiro tem um jogador que desequilibra: Matheus Pereira, jogando demais.

Foto: Cruzeiro

Outro que está muito bem e crescendo é o Gabriel Verón, superando as desconfianças sobre a sua condição física.

Partida no Independência, por causa do Rock no Mineirão e terceira vitória consecutiva no Brasileiro, único time com 100% de aproveitamento em casa. Ganhou os sete em Belo Horizonte até agora.

Foto: Mourão Panda/América

Em Recife o América fez bonito, saiu na frente, aos 16 minutos, com gol de cabeça do zagueiro Eder. O Sport empatou aos 12 do segundo tempo.

Com 26 pontos, volta pra casa líder, até segunda-feira, quando o Santos (25 pontos) enfrenta o Ituano, na Vila Belmiro,  Próximo jogo do América, o Amazonas, sábado, dia 20, no Independência às 17 horas.