Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Imagem do Dia: após mal estar no Mineirão, morre Dona Salomé, torcedora símbolo do Cruzeiro

Foto: TV Globo Minas

O fim de semana foi duro para os cruzeirenses. Depois de perder para o Palmeiras e ver o Ceará empatar com o Botafogo, o que confirmou o rebaixamento inédito do time celeste para a Série B do Campeonato Brasileiro, a notícia de outro duro golpe chegou na madrugada desta terça-feira: com mal estar cardíaco desde o fatídico jogo no Gigante da Pampulha, Dona Salomé faleceu aos 86 anos.

Salomé foi torcedora símbolo do Cruzeiro por muitos anos. As câmeras de TV gostavam de mostrá-la nas arquibancadas do Mineirão, muitas vezes feliz, e em outras triste, como no último domingo. Sua presença ali, como também a presença das crianças, passava a mensagem de que o estádio é lugar para a família toda, não importando a sua idade. É pena que marginais travestidos de torcedores estejam sempre dispostos a mostrar que não é sempre assim.

Roberto da Silva, o único filho da Dona Salomé, afirmou à imprensa que a mãe sofria do coração, mas que estava bem até se sentir mal no meio da partida. Ela foi socorrida por bombeiros ainda no Mineirão e esteva internada desde então. Segundo ele, o mal estar não teve a ver com a baderna promovida por marginais no fim do segundo tempo.

Meus sentimentos à família da Dona Salomé, cujo exemplo não vai morrer.

Imagem do dia é um oferecimento dos Supermercados EPA.

Supermercados EPA

 


Imagem do Dia: a selvageria que pode ter consequências na Série B de 2020

Foto: jornal O Tempo

 

Um dia após a inédita queda para a Série B, o Cruzeiro já tem que se preocupar com a competição que só começa em abril de 2020. Isso porque o comportamento criminoso dos brigões que impediram o fim da partida de ontem pode fazer o clube começar a Série B com menos seis pontos na tabela de classificação. Em um estádio cheio de câmeras e com tantos registros também nos arredores, será possível que alguns dos responsáveis vão passar impunes?

Assinada pelo Felipe Drummond Neto, a notícia foi publicada pelo jornal O Tempo, de onde retirei também a foto. Leia abaixo:

 

Não bastasse o inédito rebaixamento para a segunda divisão do Brasileiro, o Cruzeiro tem outras preocupações antes mesmo de iniciar sua campanha na Série B em 2020. O clube ainda não cumpriu punições impostas pela Fifa e o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), de perda de mando de campo e de pontos. E as tristes cenas deste domingo (8) no Mineirão podem aumentar ainda mais o problema.

Em relação à Fifa, o Cruzeiro já foi punido em duas instâncias em cortes da entidade máxima do futebol por não pagamento de uma dívida com o clube ucraniano Zorya Luhansk, no valor de 1,5 milhão de euros (cerca de R$ 7 milhões), referente à contratação em definitivo do atacante Willian, em 2014. (mais…)


As dívidas, a queda de receitas e a concorrência feroz, apresentam um quadro que exigirá competência e transparência dos futuros comandantes azuis

Parafraseando Nélson Rodrigues: “toda arrogância será castigada”.

Essa frase eu usava no Minas Esporte, da Band para enfrentar o meu chefe e amigo Flávio Carvalho, em nossos bate-bocas diários. Porém, incontáveis chavões e frases prontas podem resumir o rebaixamento do Cruzeiro, além dessa que abre esse post. Em tempos em que se fala demais em “meritocracia” no Brasil, vale ressaltar: mereceu! Fez por onde!

Importante agora é rever tudo, recomeçar e descobrir pessoas que tenham competência e acima de tudo lisura para recolocar o clube nos trilhos.

As entrevistas do Adilson e principalmente Zezé Perrela depois do jogo, foram patéticas. Inacreditáveis. O treinador (ainda em atividade), falou em título mundial daqui a dois anos. O manda chuva –mor, deu porrada nos atuais e ex-comandantes, mas não fez uma mea-culpa e nem apresentou algum plano de futuro imediato. As dívidas, as quedas de receitas e a concorrência feroz, apresentam um quadro que exigirá competência e transparência dos futuros comandantes azuis.


O futebol como desfile de Escolas de Samba e as chances do Cruzeiro escapar

Ninguém verá tudo no futebol, por mais que pense que já tenha visto tudo que fosse possível e ou imprevisível. Eu nunca imaginei ver uma situação dessas, vivida pelo Cruzeiro. Até meados da temporada 2019 era apontado pela mídia nacional e grande parte da mineira, como um dos favoritos a todos os títulos em disputa no ano, inclusive a Libertadores da América.

Hoje, alvo de uma manchete como essa, com toda razão,  diga-se; que coincide com um trecho do que escreveu o Vitor Maia (que não é meu parente e que ainda não tive o prazer de conhecer) aqui nos comentários do blog:  “… A rede Globo e a cbf tratam o Brasileirão como um desfile de escolas de samba ao manipularem resultados e deixando o resultado para a última rodada. Assim sendo, o Cruzeiro com apenas 36 pontos, apenas 7 vitórias em 37 jogos, apenas 27 gols pró, 17 gols negativos de saldo e pode sair do rebaixamento. O Galo foi rebaixado com 44 pontos…”.

Impressionante!


Imagem do dia: o aniversariante Caixa e os belíssimos gols que ele não narrou!

É sempre tempo de homenagear grandes personagens, principalmente quando se tem o privilégio de ser amigo da figura. Ontem logo cedo fui lembrado que era aniversário do Mário Henrique “Caixa”, 47 anos bem vividos, e fiquei de ligar pra ele e registrar a data aqui no blog. Com a correria do dia, passou, e, nem uma coisa nem outra. Mas, faço isso hoje!

Conheci o Mário antes que se tornasse o “Caixa”, quando ele era da Rádio Globo AM, recém-chegado da Rádio Sentinela de Três Pontas, a sua bela cidade natal, do Sul de Minas, em 1991. Em 1993 foi contratado pela Itatiaia e em 2009 assumiu as narrações dos jogos do Atlético, no lugar do saudoso Willy Gonser.E lá se vão dez anos!

Sempre a mesma pessoa simples, ótima prosa, mineiro típico do interior, que não esquece as origens e os amigos, apesar da fama e do prestígio. Desejo cada dia mais sucesso e saúde a ele, de preferência com uma quantidade maior de gols do Galo a cada ano. Comparo o talento do Caixa com o do saudosíssimo Vilibaldo Alves e fico imaginando-o narrando os gols do Reinaldo, naqueles anos 1970/80, em que o Rei encantava até quem não era atleticano mundo afora.

Infelizmente não quis o destino. Gerações diferentes. Quando o Caixa começou no rádio o Rei já tinha parado com a bola, precocemente, aos 28 anos de idade. Ainda bem que a tecnologia nos proporciona essa memória eletrônica, que nos permite rever gols dele e imaginá-los sendo narrados pelo Caixa.

Imagem do dia é um oferecimento dos Supermercados EPA.

Supermercados EPA


Em noite de Jair e atenção dividida entre o Mineirão e o Castelão

No Mineirão era um olho no gato e outro no rato. A torcida atleticana via o time fazer uma boa exibição, com destaque para Jair, contra um Botafogo que parecia estar bem desinteressado da partida. Mas também estava ligada nas informações que vinham de Fortaleza, onde o Ceará encarava o Corinthians com mais uma oportunidade de botar o pé fora da degola.

Jair e Luan fizeram os dois a zero que garantiram o Galo na Sul-americana e Gustavo fez o único gol em Fortaleza, garantindo o Corinthians na Libertadores e dando mais uma chance ao Cruzeiro de depender só dele para evitar o rebaixamento.

Nenhuma polêmica de arbitragem no Mineirão, mas no Castelão os cearenses reclamam do árbitro que não apitou o que teria sido um pênalti para o Ceará. No Rio, o comentarista

Renato M. Prado, protestou: @RMPoficial “Que vexame! Garfaram o Ceará!”

Em Belo Horizonte, Adroaldo Leal, da 98FM apoiou a não marcação: @AdroaldoLeal “O árbitro do jogo Ceará e Corinthians, fez o que o árbitro do jogo Cruzeiro e Vasco não fez! Checou toda a jogada, desde o nascedouro. No gol do Vasco, Ariel Cabral sofreu falta na bola que foi ao ataque cruzmaltino.”

Também em Belo Horizonte, Cândido Henrique, do portal O Tempo, lembrou: @candidoh

“Mesmo árbitro que deu o título mineiro para o Cruzeiro inventou uma mão para não dar pênalti para o Ceará. Tracy é impressionante!”, referindo-se ao apitador Rafael Traci, da federação catarinense.

Polêmicas em torno das arbitragens nunca vão deixar de existir e o VAR chegou para ampliar a confusão.

Como diz o Fernando Rocha, do Diário do Aço, de Ipatinga: “fecha o pano!”


Imagem do dia: Cruzeiro já escapou do rebaixamento em situações piores. Numa delas, perdia de 2 a 0, mas foi salvo por Toninho Cerezo

O Audísio é um colaborador antigo deste blog (que aliás, está fazendo 10 anos de existência em 2019). Sempre muito realista e não raramente duro em seus comentários. Escreveu sábias e bem lembradas palavras aqui. Ele só se equivocou quanto ao adversário do Cruzeiro na época: foi o União São João, de Araras-SP e não a Inter de Limeira.

Para acalmar cruzeirenses mais desesperados e atleticanos mais afoitos. Confira:

“Já vi Toninho Cerezo livrar o Cruzeiro contra a Internacional de Limeira quando ninguém mais acreditava, logo ele Toninho Cerezo! Tomou calote de 80.000,00 reais na época e decepcionou a torcida atleticana manchando sua participação na história do Atlético, não por ter marcado o gol mas por ter preterido o Atlético pelo Cruzeiro, dando um lençol no Afonso Paulino acertando tudo nas costas do presidente atleticano acertando sua ida para o Cruzeiro no restaurante Mala e Cuia. Ahhh Toninho, se você pudesse ver o futuro e o que lhe custou você não teria feito isso!
Já vi o Cruzeiro com o pé no abismo e sair dando uma goleada no Atlético no ultimo jogo na arena do Jacaré, desta maneira só acredito nessa queda quando consumada e aí farei meus comentários.”

A memória eletrônica está aqui, no youtube, com os gols da virada do Cruzeiro e no Globoesporte.com que relembrou o fato em 02/11/2011, com os detalhes desse drama azul, que terminou em final feliz.

https://www.youtube.com/watch?v=wkCOZALJv8M

* “Herói cruzeirense: ídolo do Galo já garantiu a Raposa na Primeira Divisão”

Em 1994, Toninho Cerezo, um dos maiores ícones do Atlético, em 1994, fez o gol que salvou o Cruzeiro da queda para a Série B do Brasileirão

http://globoesporte.globo.com/futebol/brasileirao-serie-a/noticia/2011/11/heroi-cruzeirense-idolo-do-galo-garante-raposa-na-primeira-divisao.html

Imagem do dia é um oferecimento dos Supermercados EPA.

Supermercados EPA


No dia internacional da pessoa com deficiência o belo exemplo dos estádios europeus e a picaretagem brasileira mostrada ao mundo

A Copa da Rússia deu show em acesso e comodidade para os cadeirantes, como aqui, no estádio Luzhniki, em Moscou. Fotos de minha autoria.

 

Hoje é o dia internacional das pessoas com deficiência, data comemorativa criada pela ONU em 1992 visando conscientizar as pessoas e autoridades da importância do assunto para que sejam criadas boas condições de locomoção e convivência para todos. Nos estádios de futebol a acessibilidade e locais específicos para cadeirantes se tornou preocupação e realidade na Europa, Estados Unidos e Ásia no início dos anos 1990.

A Polônia e a Ucrânia deram ótimo exemplo em suas instalações que receberam os jogos da Eurocopa em 2012, como mostra esta foto da Arena Lviv, Ucrânia.

No Brasil, pra valer, o assunto passou a ser tratado com seriedade quando o país foi confirmado pela FIFA como sede da Copa de 2014, mas poucos dão o devido tratamento que a causa merece. Em compensação, durante a Copa de 2014 o mundo registrou o lado perverso de incontáveis brasileiros, desses que gostam de levar vantagem em tudo. Um sujeito se passava por deficiente para usufruir das comodidades exclusivas nos estádios. Foi flagrado pela imprensa, mas ficou impune, como quase sempre ocorre em nosso país. O Globo fez uma ótima reportagem sobre o assunto, transcrita aqui no blog na época:

* “Torcedor caminha após levantar de cadeira de rodas no Maracanã”

Homem foi flagrado andando sem nenhuma dificuldade no jogo entre França e Equador

http://blog.chicomaia.com.br/2014/07/08/a-falta-de-carater-de-muitos-brasileiros-denunciada-no-futebol/

 

Imagem do dia é um oferecimento dos Supermercados EPA.

Supermercados EPA

 


O Cruzeiro correu muito, mas paga o preço da bagunça acumulada e parou em um Vasco determinado

Foto: Premiere –Dignidade e vergonha na cara do colombiano Orejuela, que saiu chorando de São Januário

Determinação e vontade não faltaram aos jogadores do Cruzeiro em São Januário. Mas, nem sempre, querer é poder, especialmente quando a casa está bagunçada, como é o atual momento azul. O Vasco marcou o gol e a partir daí sofreu um bombardeio impressionante, com raras escapadas perigosas ao contra ataque. A defesa vascaína brilhou, se aproveitando da insistência cruzeirense no jogo aéreo.

A torcida do Vasco compareceu e empurrou o time, que supera tantas limitações técnicas com garra e o bom trabalho do Vanderlei Luxemburgo. A cada bola tirada da área os jogadores do Vasco e a torcida vibravam como se fosse um gol marcado. Era questão de honra dar um troco ao Zezé Perrella que semanas antes disse que o Cruzeiro corre o risco de se tornar “um Vasco ou uma Portuguesa”.

A postura de dois jogadores chamaram a atenção: o colombiano Orejuela, que saiu de campo chorando copiosamente, e o capitão Henrique, que pôs a cara, deu entrevista na saída do campo, demonstrando no semblante a dor de estar vivendo este momento, mas fazendo uma análise do que levou a isso: problemas que foram se avolumando e o clube não conseguiu resolver. Mas mantém o otimismo para os dois jogos que faltam: quinta-feira em Porto Alegre contra o Grêmio e domingo no Mineirão contra o Palmeiras.


Imagem do Dia: a inspiração do Cruzeiro para hoje à noite

 

O Cruzeiro faz hoje a primeira de três “finais” que devem decidir sua permanência na Série A do Campeonato Brasileiro. A partida acontece às 20h, em São Januário, e é mais uma chance para o time celeste deixar a zona de rebaixamento.

Agora comandado por Adilson Batista, o Cruzeiro pode se inspirar em um encontro cheio de coincidências, em 2002. O treinador era Vanderlei Luxemburgo, então iniciando sua caminhada com o time base da Tríplice Coroa de 2003. Naquela oportunidade, dois atuais comentaristas esportivos da Globo estavam em campo: Fábio Jr. pelo time mineiro e Petkovit pelo carioca. O goleiro Fábio, então camisa nº 1 do Vasco, não teve um dia muito feliz: levou gols de Marcelo Ramos, Paulo Miranda, Fábio Júnior e Alessandro, num acachapante 4×0 do Cruzeiro. Assim como a bola, o mundo também gira e Luxemburgo é hoje treinador do time cruzamaltino, enquanto Fábio é ídolo do time celeste.

No vídeo abaixo, os melhores momentos da partida. Destaque para o passe de Alex, o 10 cruzeirense, para o gol incrível que Marcelo Ramos perdeu.


Imagem do dia é um oferecimento dos Supermercados EPA.

Supermercados EPA

 


Página 1 de 1.12812345...102030...Última »