Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Esta rodada mostrou a dificuldade e imprevisibilidade que é o Campeonato Brasileiro

SANTA

Antes da primeira rodada, o site torcedor.com apontou o Santa Cruz, junto com América, Ponte Preta, Chapecoense e Vitória, como um possível “Leicester” do Brasileiro 2016.

Boa parte da imprensa paulista já dava o Palmeiras como campeão até esta 11ª primeira rodada, como se estivéssemos no segundo turno. Tomou a sapecada do Cruzeiro, que saiu da lanterna ao golear a Ponte Preta fora de casa e agora já almeja brigar entre os quatro primeiros. O Galo também estava na zona do rebaixamento, mas bastaram alguns “reforços” que eram dele mesmo, para emendar três vitórias consecutivas e chegar perto dos primeiros. Erazo, Douglas Santos, Dátolo e principalmente Cazares, deram outra cara ao time. Contando ainda com boas atuações do Clayton, que finalmente começou mostrar serviço.

O Grêmio que brigava na cabeça, perdeu em casa para o Vitória, que lutava para sair da zona da degola. E agora voltou a perder, fora de casa, para o Atlético-PR, que também não está lá essas coisas. Pior fez o Inter, que poderia ter assumido a liderança com a derrota do Palmeiras, mas conseguiu perder no Beira Rio para o Botafogo, que nem assim, saiu da zona do rebaixamento. A Chapecoense foi o último a perder a invencibilidade este ano, mas tomou de 5 a 1 do Sport, que com essa vitória saiu das últimas posições. O Santa Cruz começou embalado, liderou a disputa durante três rodadas e chegou a ser citado como um possível “Leicester” brasileiro. Entrou na lista dos quatro últimos e terá sérias dificuldades para sair de lá.

Campeonato completamente equilibrado nas partes de cima e de baixo da classificação.


América errou na montagem do elenco e agora não pode errar de novo

WESLEY

Wesley Matos foi para o Goiás, que está passando aperto na Série B, mas está fazendo falta ao América na Série A

A situação do América é complicada no Brasileiro, mas a diretoria no pode cair na besteira de mudar novamente de treinador. O elenco americano é fraco para a Série A e todo o esforço deve ser feito agora para que o time fique pelo menos até a 16ª posição na tabela, depois da última rodada. O primeiro passo é dar força ao treinador, que é competente e unir o grupo cada vez mais em torno deste objetivo. O “título” do Coelho neste campeonato é conseguir ficar em até 16º lugar.

Givanildo Oliveira foi homenageado ontem, com justiça, por uma das torcidas americanas no Independência. Ele foi a primeira grande vítima dos erros da diretoria no fim do ano passado quando não impediu a saída de alguns jogadores e contratou errado. Deixar zagueiro Wesley Matos sair, foi um equívoco grave. E por falta de diálogo, já que a renovação agarrou por questões de tempo de duração do contrato.

O atacante Richarlison foi a maior revelação do futebol mineiro nos últimos anos, mas nem esquentou o lugar no América, que o negociou com o Fluminense. Claro que segurar jogadores assim não é fácil, mas é aí é que entra a competência de uma diretoria para se virar. Ou então, contratar peça de reposição à altura.

Ontem Richarlison marcou o gol da vitória do Fluminense sobre o Flamengo, em um lance parecido com o que o Higuaín deixou de marcar para a Argentina contra o Chile.


O futebol e as suas surpresas, com as vítimas do destino. Que Messi não seja mais uma!

MESSI

Difícil acreditar que a Argentina tenha perdido essa final para o Chile, pelo futebol que ambas as seleções apresentaram durante toda a Copa América. E a principal estrela de cada uma errou cobrança de pênalti: Messi e Vidal, depois de placar em branco, que só ficou intacto por defesas espetaculares do Claudio Bravo e ansiedade do Higuain, que chegou na cara dele e chutou pra fora. O fator emocional pesa demais em um jogo desses. Além de ser uma final, a rivalidade entre argentinos e chilenos extrapola os gramados e simples disputas entre seleções. Faz lembrar arquirrivalidades entre clubes da mesma cidade, tipo Atlético x Cruzeiro; Grêmio x Inter; Palmeiras x Corinthians; Flamengo x Vasco e por aí vai. E tem o componente político, que vem da época da colonização, apesar da Argentina ter ajudado o Chile em sua luta contra a Espanha pela independência. Mais recentemente quase entraram em guerra, na disputa pelas ilhas que formam o Canal de Beagle, na divisa entre os países, no pé da Cordilheira dos Andes, que movimentou tropas dos dois países quase 40 anos atrás. A guerra só não começou porque o Papa João Paulo II entrou em ação e conseguiu convencer os dois lados a dialogar.

E em mais esta perda argentina de uma decisão importante, Lionel Messi pode estar entrando para a história como mais uma vítima do destino, ou dos “deuses dos gramados”, como diria Armando Nogueira.

Periodicamente o futebol escolhe grandes astros ou até mesmo gerações para este papel: o goleiro Barbosa e a seleção de 1950; a Hungria de Puskas em 1954; Johan Cruyff e a Holanda de 1974/78; Zico e a geração e 1982, enfim…

Abalado, Messi disse que não “deverá” jogar mais pela Argentina. Tomara que tenha sido apenas cabeça quente e que ele esteja em campo nas eliminatórias e na Rússia em 2018. O futebol agradeceria!


Na espera da queda do último

HAVAIANAS1

Dos poucos produtos em lojas norte-americanas cujos preços são mais caros que no Brasil, destacam-se as sandálias Havaianas, cujo par, do menor ao maior número e modelos, varia entre 24 e 37 dólares ou 81 a 125 reais.

***

A justiça argentina fez com o presidente da AFA (a CBF deles) o que o STF fez com o Eduardo Cunha, suspendendo o mandato e afastando-o da presidência da Câmara. Com isso a FIFA também entrou na parada e vai nomear um interventor até que nova diretoria seja eleita para o lugar do senhor Luis Segura, que está esperneando neste fim de Copa América, mas sem apoiadores que o sustentem no cargo. Com a queda dele, cujo padrinho era o Julio Grondona (que morreu sem ser pego), Marco Polo Del Nero se isola mais ainda como o único mandatário das antigas e na mira do FBI, o que é muito ruim para o Brasil. O que vi de interessante em tudo isso foi a diferença da cobertura da imprensa norte-americana numa entrevista como a deste destronado cartola argentino em relação à nossa: não dão a menor bola. Os jornalistas até comparecem, mas o espaço é ínfimo nos noticiários e páginas do dia seguinte. Dizem seria cansar o público deles com as óbvias negativas de todo acusado, por mais bandido que seja.

A credibilidade brasileira é a pior possível, não só no mundo esportivo. Nem falemos da política e diplomacia. Nestes dias em que estive nos Estados Unidos o máximo que me fez lembrar do Brasil foi uma música cantada pelo Roberto Carlos e outra orquestrada do Tom Jobim, tocadas na rádio 101,1 FM, durante uma das minhas caminhadas. Nada nos noticiários das TVs, jornais e rádios. Quando eu arrumava as malas, finalmente uma notícia emendada na outra sobre nós: o Rio decretava calamidade pública e o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), antigo Ladetec, que seria o responsável pelos exames de dopagem durante a Olimpíada foi descredenciado pela Agência Mundial Antidoping (Wada), o órgão internacional responsável pelo setor. Não é fácil não!

Fim de férias

Retorno como se estivesse voltando de férias. Trabalhar com internet 1.000%, com as melhores condições possíveis, em ambiente altamente profissional em um país onde tudo funciona é sonho. Fotógrafos tiveram seus equipamentos furtados no Centro de Imprensa do estádio Soldier Field, em Chicago, durante Chile e Colômbia, nas semifinais. Foi a única ocorrência negativa, e apenas essa envolvendo a nossa profissão. Em toda Copa América, Copa do Mundo e Olimpíada isso ocorre, em maior ou menor quantidade, dependendo do país. Ano passado, no Chile, houve duas, na Copa de 2010, seis.

Aprendi cedo que comparar tudo é importante, porém, sem perder o rumo e a noção da realidade. A sensação de retornar de quase todo país ao Brasil não é das melhores, num sentimento que faz lembrar filmes que em as portas do inferno estão se abrindo. Mas este é o nosso país, onde todos temos uma missão a cumprir. Além do mais, temos vivido situações “nunca antes vistas na história desse país”. Políticos e empresários, de todos os partidos e matizes, dos mais altos calibres, na cadeia ou perto dela, em cenas inimagináveis até outro dia nesta terra. Isso motiva e faz acreditar em dias melhores.

 

 


Problemas semelhantes, mas Argentina favorita!

SEGURA

Luis Segura é o nome da fera, que luta pra tentar se segurar, numa das maiores crises institucionais do futebol argentino.

***

Assistirei esta final entre Argentina e Chile em casa. Mesmo com a eliminação da seleção do Dunga fiquei nos Estados Unidos, por compromissos com os leitores e ouvintes. Mas, até a decisão de terceiro lugar e a final, missão cumprida. Gostei demais de mais essa cobertura internacional. Aprendizado pessoal e profissional. Bom demais comparar a evolução, ou não, do futebol e do jornalismo a cada temporada do calendário dos eventos da FIFA, Conmebol, COI e demais entidades esportivas internacionais.

Com a bola rolando, quase nada foi acrescentado. Destaque para o sucessor do Jorge Sampaoli no comando do Chile, o também argentino Antonio Pizzi, ex-jogador, que igualmente tem raízes “rosarinas”, pois foi técnico do Rosário Central e percorreu caminhos semelhantes aos do Sampaoli. Acrescentou à ótima performance tática chilena, um poder ofensivo que surpreendeu ao México nas quartas de final e que pode dar trabalho ao “rosarino” da gema, Gerardo Tata Martino esta noite em Nova Jersey. Tata continua ídolo do Newell’s Old Boys, como jogador, treinador, revelador do Messi e agora comandante da seleção nacional. Eles não ganham um título importante desde 1993, quando foram campeões da Copa América do Equador. A noite de hoje é fundamental pra eles. Messi com vontade e mostrando a cara, coisa a que nunca foi chegado. Esta semana abriu o verbo contra a direção da Associação do Futebol Argentino – AFA -, comandada pelo ex-vice-presidente e capacho do falecido Julio Grondona, e que segue o mesmo esquema do antigo chefão.

Luis Segura é o nome da fera, que luta pra tentar se segurar, numa das maiores crises institucionais do futebol argentino, contra todos os grandes clubes, inclusive o River Plate, que em princípio foi apoiador. Uma das maiores lideranças opositoras é o Juan Sebastián Verón, ex-capitão e atual presidente do Estudiantes de La Plata, cotado para ser o novo presidente da AFA.

 

O que vai dar nesta decisão, só depois que a bola rolar e o paranaense Heber Roberto Lopes apitar o fim do jogo em Nova Jersey. Aliás, ele está bem gordo, porém, teve boas atuações nesta Copa América e aparece como “prêmio consolação” ao futebol brasileiro, marcando presença na final de uma disputa que entra positivamente para história do futebol mundial. Só a média de público pagante fala por si: 45 mil até antes das semifinais Vai beirar os 50 mil depois desta noite. É uma região de latinos, maioria de quem torce pelo Brasil e, certamente, por questões sul-americanas, hoje estará contra a Argentina.

 

Hora de voltar ao país, contas feitas, a favor e contra, a vontade seria seguir de Los Angel4s, meu ponto final, direto pra Paris, cobrir a Eurocopa, que está nas oitavas de final. Que evento! Em 2012 tive esse prazer, motivado mais ainda por ter sido na Polônia e na Ucrânia, países diferentes do nosso dia a dia, que se revelaram fantásticos para mim. A França é muito especial, e apesar dos problemas iniciais de segurança, essa Euro está sendo um sucesso! Daqui há alguns dias estarei cobrindo a Olimpíada, diferente! No Brasil, no Rio, onde tudo poderá acontecer. Até um grande evento!

Os Estados Unidos querem sediar a Copa de 2026 e este é um argumento fundamental. Além da grana publicitária que o mercado norte-americano rende, incomparável ao de qualquer outra praça mundial. Possivelmente vão ganhar essa parada, principalmente porque esse jogo agora é menos nebuloso que antes.


Voltar a morar no Brasil, nem pensar!

FAMILIAPIMENTEL

Mineiro de Viçosa, Luiz Pimentel com a esposa Alessandra, de Goiânia, e a filha Vitória, de seis anos, nascida na Califórnia. A família nem pensa em voltar a morar no Brasil e há mais de um ano cancelou a assinatura da Globo Internacional, cansada de notícias ruins do nosso país.

***

Argentina e Chile decidiram a Copa América ano passado, e deu chilenos, nos pênaltis. Nesta edição jogaram na primeira rodada e a Argentina, poupando Messi, venceu por 2 a 1 em Santa Clara. De lá a San Francisco são menos de 100 Km. Foi nessa região que a seleção brasileira ficou concentrada e treinou durante quase toda a Copa de 1994. Hotel em Los Gatos, treinos na Universidade de Santa Clara e jogos no Stanford Stadium, de uma das universidades mais famosas do mundo. Durante 40 dias fiquei circulando nessas cidades e estradas, junto com os companheiros Orlando Augusto, Rogério Perez e Fabíola Colares (na época do Hoje em Dia). Ficávamos hospedados em San Francisco.

Fui lá agora, rever tudo e matar saudade dos amigos que tão bem nos acolheram naquele mundial. Há tempos não falava nem via a Rosane Silva, Luiz Pimentel e a Alessandra, hoje esposa dele. Cada um de uma região do Brasil, que vivem há quase 30 anos em San Francisco. Luiz, mineiro de Viçosa; Alessandra, de Goiânia e Rosane, uma bela gaúcha de Capão da Canoa. De Santa Clara liguei para o Luiz e pela voz pedindo para deixar recado vi que o telefone era o mesmo. Em poucos minutos retornou a ligação com a mesma receptividade calorosa de sempre, como se o nosso último contato tivesse sido na semana passada.  Passados inacreditáveis 22 anos tudo continua muito familiar e próximo. Luiz começou a vida em San Francisco entregando pizza e hoje é Oficial de Justiça do Estado da Califórnia, onde o austríaco Arnold Schwarzenegger foi governador, eleito e reeleito, de 2003 a 2011. Neste país, um estrangeiro só não pode ser presidente da república. Alessandra mora lá desde os 14 anos, quando foi com os pais. Deste casamento, de 19 anos, nasceu a Vitória que está com seis de idade.

A última ida do casal ao Brasil foi em 2012 e eles não sabem quando voltarão.

A vida para Luiz, Alessandra e Vitória está cada dia mais enraizada nos Estados Unidos, e voltar a morar em nosso país nem passa pela cabeça deles, muito pelo contrário. Reclamam que a sensação é que o Brasil piora a cada ida, especialmente no que se refere a segurança. Os amigos e parentes fazem mil recomendações de “cuidado” com tal lugar, com tal horário, com isso, com aquilo, enfim… E o pior é que não tenho como contestar nem argumentar nada numa possível tentativa de defesa do Brasil ou num esforço de passar otimismo, pois essa é a nossa realidade. Há algumas semanas o ex-atacante Rivaldo, que mora aqui nos Estados Unidos, usou as redes sociais para recomendar a todos os estrangeiros que não se arrisquem a ir aos Jogos Olímpicos do Rio.

Rivaldo diz que quem for aos Jogos do Rio correrá todo tipo de perigo, entre a violência cotidiana e riscos de contrair uma das doenças que estão assolando o país. Em princípio achei exagerada a atitude do ex-jogador, mas infelizmente também não há como contestá-lo.

Luiz Pimentel conta que cansou de assistir o noticiário do Brasil em sua rotina em San Francisco. A corrupção e violência generalizadas cansaram a família, que há mais um ano cancelou a assinatura da Globo Internacional e não sente nenhuma falta. Infelizmente este é o sentimento da maioria dos brasileiros que optou por morar nesta terra.


Com brasileiros que vivem nos EUA, uma final que parece a mesma, mas que é diferente

REIS

Apesar de ter parado há tanto tempo e tão novo (28 anos), Reinaldo continua reconhecido nas ruas de Nova York, onde faz cursos, dentre outros, inglês, com o mineiro de Belo Horizonte, Leo Reis.

***

Ano passado, na véspera da decisão, havia uma certa dúvida quanto ao maior favorito ao título da Copa América. A Argentina de Messi e cia, um time bem melhor ou o anfitrião Chile, voluntarioso, bem treinado e dois ou três jogadores que poderiam fazer alguma diferença em um lance isolado, uma cobrança de penalidade ou na “marra”? Deu Chile, nos pênaltis! Agora é diferente. A Argentina, muito melhor que ano passado, com Messi em forma e com vontade acima do normal. Graças a Diego Maradona, invejoso, do craque que incomoda ao seu prestígio como ícone portenho. Das cutucadas de sempre, partiu para o ataque direto ao dizer que Messi não tem liderança para ser capitão, sendo que ele mesmo o promoveu a essa condição, na Copa de 2010, quando dirigiu a Argentina na África do Sul. Atualmente, pouca gente liga para o que Maradona fala, mas ele mexeu com os brios de Messi, que é um dos atletas menos vaidosos que o mundo já viu. Desses que fingem de “defunto para faturar o coveiro”. Não passou recibo publicamente em nenhuma entrevista, mas fez questão de dar o troco ao boquirroto ex-craque e chefe em um Mundial.

Nessa Copa América, Messi deu tudo o que tinha a partir do jogo seguinte às bobagens ditas pelo Maradona, mesmo que em alguns minutos, devidamente combinado com Gerardo Tata Martino, seu conterrâneo de Rosário, amigo da família, incentivador de primeira hora nos tempos de Newell’s Old Boys. Contra os Estados Unidos, hora em que estava valendo, só não fez chover. Bem fisicamente como está, na final, jogará tudo. Aí, o Chile deverá ser colocado no devido lugar. Uma ótima seleção, porém a mesma de 2015 dentro de campo, e fora dele, sem Jorge Sampaoli, também argentino, rosarino (nascido em Casilda, Grande Rosário), responsável por essa filosofia vencedora da seleção chilena. Messi ignora comparações entre ele e Christiano Ronaldo, mas o sangue ferve na disputa doméstica.

 

 

Celebridades, sub e gente desconhecida do mundo inteiro vive nos Estados Unidos, cada um por seu motivo. Brasileiros em toda parte. Na Califórnia tive o prazer de rever a gaúcha Rosane Silva e o mineiro Luiz Pimentel, que me receberam tão bem na Copa de 1994. Em Nova York, está o Leonardo Reis, belorizontino de Santa Tereza, que quis ser ator e acabou na terra do “Tio Sam”, em 94, depois de uma rápida passagem por São Paulo. Fez intercâmbio cultural na busca de um lugar na carreira artística por aqui. Em 2005 tornou-se Mestre em Linguística, mas na Universidade de Leeds, na Inglaterra.

 

Leo Reis retornou ao Brasil, onde foi professor de inglês em várias escolas e empresas, como Number One, FIAT e Mannesmann. Hoje vive em Nova York e leciona na Universidade de Montclair e no Hudson College. Criou seu canal no YouTube, o “Inglês com Leo Reis” (www.leoreisx.com) onde leciona de graça para milhares de pessoas. Contemporâneo dos meus tempos de Fafi-BH, hoje dá aulas também para celebridades que passam pela cidade, como o grande goleador, Reinaldo, que passa uma temporada em Nova York, e outros artistas do cinema e TV. E por incrível que pareça, apesar do tempo, o Rei continua reconhecido nas ruas de Nova York.


Copa América dos EUA na reta final. Sucesso, sem luxo nem mordomias que incomoda a muitos cartolas

VALDERRAMA

O ex-camisa 10 da Colômbia, Carlos Valderrama, torcedor ilustre do time nesta Copa América. Capitão da Seleção da Colômbia nas copas de 1990, 1994 e 1998. Sempre gentil no trato com a imprensa e torcedores, e sempre acompanhado da patroa.

***

Colômbia e Chile decidem quem enfrentará Argentina, domingo, 21 horas, em Nova Jersey. Reta final da Copa América Centenário e, de um a dez, a nota é oito. Só não ganha a máxima por causa dos problemas estruturais e de comunicação antes e até a primeira rodada da competição. Faltou água nos vestiários de alguns campos de treinamentos, alguns gramados de treinos não estavam em boas condições, a quantidade de funcionários para atender à demanda dos nem tantos jornalistas credenciados foi pequena e o centros de imprensa montados foram fraquinhos. Este último item nem faz mais tanta falta em um evento como este, já que a tecnologia transforma cada profissional em uma redação ambulante. Houve várias falhas de arbitragem, porém o nível do trabalho de apitadores e auxiliares foi até bem melhor do que se esperava. O público pagante foi fantástico e bateu todos os recordes, apesar da frieza nas ruas e nem parecer que o ano do centenário da Copa América estava sendo comemorado nos Estados Unidos.

O movimento nas ruas é um detalhe que também não pesa tanto porque o que importa é o calor humano dos estádios e a quantidade de gente lá dentro; isso funcionou muito bem.

Contra a Argentina, em Houston, a seleção dos Estados Unidos teve o melhor público da história dela dentro do país: 70.858. A média de público dos jogos da seleção mexicana foi de incríveis 70.235. Segundo o censo do Centro de Estudos de Imigração, de 2012, 42,1 milhões de mexicanos vivem nos Estados Unidos atualmente, e eles continuam apaixonados por futebol.

Muitos presidentes de federações não gostaram da realização do evento no país, como o uruguaio Wilmar Valdez e o boliviano Romero Lopes. O motivo é simples: nenhum deles teve voz decisiva ou levou nenhuma vantagem em nenhum tipo de situação, coisa rara quando se fala da cartolagem sul-americana. Nem os suntuosos camarotes nos estádios, com todas as mordomias possíveis, houve dessa vez. Tudo muito mais modesto e nada de gastança à toa, como deveria ser sempre.

 

País pobre e países ricos

As recentes delações dos ex-presidentes e diretores de construtoras como Odebrecht, Andrade Gutierrez e OAS, responsáveis pela maioria dos estádios da Copa de 2014, explicam o motivo de tanto luxo e suntuosidade nos nossos reformados ou novos palcos. Um contraste com o que se vê nos estádios dos Estados Unidos, usados na Copa América ou não. O maior deles, Rose Bowl, em Pasadena, ganhou muitas melhorias em relação à final da Copa de 1994, principalmente nas instalações de imprensa. Mas nada se compara ao luxo de obras supérfluas, como as de um Mineirão, por exemplo.

Parece que país rico é o Brasil!

ROSEBOWLARQUIBANCADAS

 

Sem ostentação

Neste mesmo Rose Bowl grande parte das arquibancadas ganhou cadeiras, mas de um material parecido com madeira. Dá mais conforto que o antigo cimento, mas é material barato. Quem viu a entrada dos Estados Unidos e Argentina no gramado em Seatle, deve ter observado que as paredes do enorme túnel por onde passam os jogadores não tinham revestimento. São naturais, do próprio cimento dos blocos da construção. Mármore ou granito só em algumas áreas Vips e alguns banheiros.

ROSEBOWLINTERNAS

Estádios de hoje que fazem lembrar o saudoso Mineirão, pré-Copa, que nada tem a ver com este luxuoso e de cara manutenção depois da reconstrução.


Um dos motivos do caos no Rio de Janeiro e a calamidade pública às vésperas da Olimpíada

CABRAL

Ele estava em um canto, caladinho, torcendo pra que ninguém se lembrasse dele, enquanto o Rio de Janeiro decreta calamidade pública e a situação se complica às vésperas da Olimpíada.

Mas a Polícia Federal e a Justiça não se esqueceram dele. Além, óbvio, da memória eletrônica da imprensa:

Hoje, no Uol:

* “Odebrecht afirma que Sérgio Cabral recebeu propina em obras da Copa

… o ex-governador tinha como regra cobrar da empreiteira o pagamento de 5% do valor total dos contratos das obras.

CABRAl2

O nome de Cabral já havia aparecido em planilhas da Odebrecht apreendidas pela Polícia Federal, em março, na casa do próprio Silva Júnior.

Os documentos indicariam que o ex-governador teria sido beneficiário de R$ 2,5 milhões em propina pagos pela empresa em razão de obras da linha 4 do metrô do Rio.

Já a reforma do Maracanã, sede da final da Copa, foi orçada inicialmente em R$ 720 milhões, mas acabou custando mais de R$ 1,2 bilhão….

***

“… o uso de helicópteros oficiais para fins particulares, investigado e arquivado pelo Ministério Público … o governador e a família usavam a aeronave para ir, em fins de semana, a Mangaratiba, na Região Metropolitana do Rio, onde têm casa de praia. As viagens custariam, por ano, R$ 3,8 milhões aos cofres públicos. Na época, o governador negou irregularidades (veja a reportagem no vídeo).

Relações com empreiteiro…
(mais…)


Argentina atropela Estados Unidos e deve repetir final do ano passado contra o Chile

ARGENTINA

Faço minhas as palavras do Andre Rizek, que twittou:‏  @andrizek “O Messi não joga nada pela Argentina… Pois eu trocaria metade desse “nada” por tudo aquilo que o Neymar acha que joga pelo Brasil.”

O baixinho marcou um golaço de falta, deu passe para Lavesi e Higuain marcarem e jogou demais, outra vez.

Assumiu a artilharia da história da Argentina, 55 gols, seguido por Batistuta, 54, Crespo 35 e Maradona 34.

MESSI

Mas Agüero, com 33 e Higuaín, com 30 estão alí, na “cola” dele!

O público pagante foi o maior da história da seleção dos Estados Unidos: 70.858, neste jogo em Houston. E um fato que merece comentário: nestes 4 x 0 a seleção norte-americana não deu sequer um chute a gol para que Romero fizesse alguma defesa.

Caso prevaleça a lógica, que nem sempre funciona no futebol, o Chile deve passar hoje pela Colômbia, 21 horas, em Chicago, e repetir a final do ano passado contra a Argentina, quando venceu nos pênaltis.


Página 1 de 91912345...102030...Última »