Galo em noite de muitos gols perdidos, castigo no fim e mais desfalques para o próximo jogo

21 de outubro de 2014 às 22:52

Mais cedo o América fez bonito e venceu bem o Oeste, na casa do adversário. Não fosse a incompetência burocrática na utilização ilegal do lateral Eduardo, estaria bem na fita para voltar à Série A. E a diretoria ainda não demitiu ninguém e nenhum diretor pediu demissão!

CAMBAFoto: SuperFC

Bahia e Atlético entraram em campo na base do tudo ou nada, pensando mais em fazer gols sem se preocupar em tomar. E ambos se expuseram aos contra ataques que quase resultaram em gols, com lances de perigo que tornaram a partida boa de se ver. As duas defesas tiveram dificuldades para evitar gols no primeiro tempo e obrigaram os goleiros Victor e Marcelo Lomba a fazer grandes defesas.

Lamentável, mais uma vez, foi a saída do Guilherme, de novo machucado, aos 10 minutos de jogo. Fazia muito boa atuação com lançamentos milimétricos. Maicosuel entrou bem na vaga, mas quem jogou mais foram Luan, Dátolo, Tardelli e Douglas Santos.

O gol atleticano, marcado por Luan, de cabeça, no início do segundo tempo, mudou a cara do jogo. O Bahia se assustou e o Galo teve oportunidades de ampliar, mas perdeu chances absurdas com o Carlos, Tardelli e Maicosuel.

E foi castigado aos 40 minutos, quando a vitória parecia garantida. Um chutão da defesa baiana pegou a zaga atleticana desarrumada e Guilherme Santos se aproveitou para chegar na cara do Victor e empatar.

Aos 45 Tardelli fez o segundo gol mas antes empurrou o zagueiro do Bahia. Xingou o árbitro e foi expulso. Além dele, Edcarlos e Luan, que levaram o terceiro cartão amarelo, desfalcarão o time contra o Sport Recife, sábado, no Independência.

O América em campo e o meu pensamento ainda no Estádio Olímpico de Roma

21 de outubro de 2014 às 18:56

O twitter informa:

América e Oeste tem arbitragem de Pathrice Wallace Correa Maia, auxiliado por Jackson L Massarra dos Santos e… http://fb.me/1sscTXJ55

Tchô acabava de fazer 1 a 0, aos 26 minutos do primeiro tempo, mas o que ainda estava na minha cabeça era a goleada do Bayern de Munique no Roma, 7 a 1, na capital italiana e com cinco campeões mundiais em campo: Neuer, Lahm, Boateng, Müller e Götze.

Essa turma que ajudou a massacrar a seleção do Felipão no Mineirão na semifinal da Copa, dia 8 de julho. Também havia um massacrado em campo hoje novamente, Maicon, lateral do Roma e do time do Felipão.

bayerndemunique-roma-get2

O holandês Robbem marcou dois gols no 7 a 1 de hoje.

Oo

Violência no futebol: para o que não tem remédio, remediado está!

21 de outubro de 2014 às 06:40

Com frequência cada vez maior, após cada rodada do campeonato brasileiro, guerras entre gangs organizadas dividem o noticiário esportivo com destaque até maior nas manchetes, principalmente quando há mortes, também nada incomuns em todos os confrontos desse tipo. Esta semana, marginais travestidos de santistas e palmeirenses. Menos mal que foi longe do Pacaembu, local do jogo, mas na rodovia que liga a capital paulista a Santos, levando risco à integridade física de cidadãos que nada tinham a ver com essa selvageria que insiste em envolver a maior paixão popular brasileira.

Quando presos, estes marginais se fazem de bons samaritanos, juram inocência, alegam que foram perseguidos, acusam a polícia de ter sido truculenta com eles e que são vítimas de injustiças. A maioria tenta esconder o rosto das câmeras, mas não por vergonha do que fizeram, mas para não mostrar que são contumazes neste tipo de crime.

CORPO

O emaranhado das milhares de leis do país, envolvendo códigos penais, civis e a Constituição Federal, facilita a defesa deles, que muitas vezes contam com o apoio camuflado ou explícito de dirigentes de clubes, autoridades policiais, judiciárias – com fins políticos -, já que no frigir dos ovos tudo deságua no interesse político-partidário, que resulta na impunidade e na desesperança de alguma solução definitiva para o problema. Na mesma proporção que promotores de justiça, delegados de polícia, policiais militares de todas as patentes se candidatam a cargos eletivos ou comissionados, usando a notoriedade que a cobertura hollywoodiana da imprensa gera com essas imagens e textos rodrigueanos.

E antes que a senhora e o senhor digam que estou sendo corporativista, deixando de citar meus colegas da imprensa, emendo que este circo tenebroso atende à ganância pela audiência e pela venda de exemplares, que resultam em mais publicidade, razão de ser das empresas de comunicação como negócio que são, e não instituições filantrópicas. Tudo isso porque o perfil da sociedade que gera audiência é assim como um todo. Notícia ruim vende mais; tragédias rendem audiência. Quando há choro então, uma maravilha! Contido, compulsivo ou desesperado, tanto faz. Claro que você percebe quando a câmera da TV de plantão começa a se aproximar dos olhos da vítima, de um parente ou mesmo do vilão: é porque uma lágrima está para cair a qualquer momento. Imagens como essas “bombam”, comovem e dão sequência ao circo.

Com as redes sociais, anônimos se tornam celebridades da noite para o dia, ao postar, muitas vezes, pancadarias, sangue e mortes. O caso das vítimas fatais da queda do viaduto da Avenida Pedro I, às vésperas da semifinal da Copa entre Brasil 1 x 7 Alemanha, é um bom e lamentável exemplo, não é!?

Imagens de corpos sob escombros ou despedaçados por bombas, degolas e qualquer que seja o meio, são pratos cheios para telespectadores e consumidores de tragédias no mundo todo. Neste aspecto, não dá para dizer que isso é característica de público de países atrasados cultural ou economicamente, já que no chamado “primeiro mundo” é do mesmo jeito.

E assim, essa violência no futebol vai continuar, principalmente em países como o nosso, onde o mundo da bola faz parte do cotidiano da maioria absoluta e as leis se contradizem para beneficiar a impunidade.

CBF convoca atacante Carlos e o volante Eduardo que poderão desfalcar o Galo em até cinco jogos

20 de outubro de 2014 às 17:29

A velha história se repete e o Atlético será desfalcado em momento importante do Brasileiro em função da convocação de dois importantes jogadores para a seleção sub-21, que disputará torneio na China. O volante Eduardo e principalmente o atacante Carlos são atualmente peças imprescindíveis do técnico Levir Culpi, respectivamente no banco e como titular nesta ótima campanha que o time faz no returno.

Por um lado, valoriza o patrimônio do clube e coloca os jovens jogadores na vitrine mundial, para a qualquer momento, aparecer uma proposta financeira fantástica por um deles ou pelos dois; por outro lado, atrapalha o trabalho do treinador e corre-se o risco de sérios prejuízos técnicos, na luta do Galo por uma vaga na Libertadores da América.

Do site da Rádio Itatiaia:

DUPLA

* “O Atlético terá duas baixas para os próximos duelos do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil. Nesta segunda-feira, o técnico da Seleção Brasileira Sub-21, Alexandre Gallo, convocou o atacante Carlos e o volante Eduardo para a disputa do Torneio Internacional da China, que acontecerá entre os dias 8 de 18 de novembro.

Mas a preparação será feita quatro dias antes, em Manchester, na Inglaterra. Assim, a dupla deverá desfalcar o time alvinegro em até cinco partidas: Palmeiras (fora), Figueirense (casa) e Flamengo (casa), pelo Campeonato Brasileiro, além do jogo de ida da semifinal da Copa do Brasil contra a equipe carioca, no Maracanã, e na decisão do torneio, caso o Atlético avance.

A CBF não divulgou a data de apresentação dos jogadores. Desta forma, contando o tempo de viagem, é provável que Carlos e Eduardo desfalquem o Galo no jogo contra o Atlético-PR, em Curitiba, no dia 2 de novembro.

O Atlético ainda pode ficar sem Diego Tardelli, que tem sido convocado para o time principal, comandado por Dunga. Na quinta-feira, o treinador divulga a lista dos atletas chamados para os amistosos contra Turquia, nos dias 12 e 18 de novembro.

A diretoria do Atlético, no entanto, estuda solicitar a liberação de seus jogadores das seleções principal e sub-21.

Confira a lista dos convocados para a Seleção Sub-21:

GOLEIROS

Andrey (Botafogo)

Tiago (Grêmio)

Marcos (Fluminense)

ZAGUEIROS

Eduardo (Internacional)

Marlon (Fluminense)

Nathan (Palmeiras)

LATERAIS

Auro (São Paulo)

João Pedro (Palmeiras)

Lorran (Vasco da Gama)

Matheus Muller (Palmeiras)

MEIO-CAMPO

Danilo (Braga-POR)

Eduardo Henrique (Atlético)

Lucas Evangelista (Udinese-ITA)

Matheus Biteco (Grêmio)

Nathan (Atlético-PR)

Marcos Guilherme (Atlético-PR)

ATACANTES

Carlos (Atlético)

Gabriel (Santos)

Gerson (Fluminense)

Kenedy (Fluminense)

Thalles (Vasco da Gama)

Yuri Mamute (Botafogo)

Malcon (Corinthians

http://www.itatiaia.com.br/noticia/gallo-convoca-carlos-e-eduardo-e-desfalca-atletico-no-brasileirao-e-na-copa-do-brasil

O crescimento do Galo e a reação do Cruzeiro

19 de outubro de 2014 às 19:38

O ambiente é tão importante quanto a qualidade do elenco e comissão técnica em um time de futebol. E nem sempre um grupo vencedor é um grupo de amigos inseparáveis, onde todos se gostam e um faz tudo pelo outro. Muitas vezes há quem se deteste em um time, porém, todos pensam no coletivo e que a vitória será benéfica para cada um e as suas respectivas famílias. O Atlético está dando mostras de que Levir Culpi conseguiu montar um time no qual os interesses convergem e todos jogam juntos, dentro e fora de campo. Quem vê a vibração de um Victor, comemorando os gols como se ele tivesse sido o autor, ou um dos reservas dele, abraçando-o como se também fosse um dos principais jogadores do time, entende o porquê dessa excelente campanha do returno do Brasileiro, a melhor entre todos os concorrentes. Um Galo sem nenhuma estrela de primeira grandeza internacional, mas cheio de operários que só faltam comer grama para conquistar as vitórias de que o clube precisa. Óbvio que, com duas ou três peças acima da média, como os veteranos Victor e Tardelli, e os emergentes Luan, Jemerson e até um Guilherme que às vezes dá o ar da graça e se destaca com belo e eficiente futebol.

-

É claro que as derrotas consecutivas e a ameaça real dos concorrentes ao título assustam a qualquer cruzeirense, mas é preciso muita calma e frieza neste momento. Todo tipo de destempero costuma ser aparecer em momentos como este, mas nada que fuja do tradicional script dos grandes vencedores do futebol.  Qualquer tumulto no mundo azul é tudo que os concorrentes querem, para ter chance em suas pretensões.

Ao marcar este gol salvador contra o Vitória, Dedé se redimiu das falhas recentes e recuperou grande parte do seu prestígio com a torcida. Um gol de bela feitura, num momento em que o desespero começava a bater na porta do Cruzeiro, tanto no jogo em si quanto no momento que o time atravessa na tabela de classificação. Uma vitória que reanima os azuis e mostra à concorrência que tudo está sob controle.

CRUO que está faltando é a finalização do Cruzeiro voltar a ficar eficiente já que os demais setores do time continuam os mesmos, dentro da média. A defesa falha pouco, o meio sempre produziu o que se espera dele, mas a artilharia pesada parou de funcionar. Neste triunfo em Salvador, os atacantes continuaram em débito.

O que está fazendo a diferença a favor do Cruzeiro é a campanha impecável no turno, anormal no Brasileiro. As reclamações contra as arbitragens são exageradas, na maioria dos casos, sem razão de ser. E verdade seja dita, acobertadas por quem tem interesse direto e indireto, pela paixão azul ou interesses que movem o “futebol-comercial”, como diz o jornalista José Luiz Gontijo.

As rodadas de hoje a domingo e as semifinais da Copa do Brasil

17 de outubro de 2014 às 11:22

O América vai ao ataque esta noite, 21h50, contra o Paraná em Curitiba, ainda sonhando entrar na lista dos que vão subir para a Série A.

Amanhã o Galo recebe a Chapecoense no Independência, 21 horas, tentando se manter entre os quatro primeiros, e o Cruzeiro tentará se reabilitar em Salvador, domingo, 18h30, contra o Vitória, contando a volta  de Everton Ribeiro.

Mas atenções de Galo e Raposa hoje estão voltadas para a sede da CBF, no Rio, onde às 14 horas haverá o sorteio dos mandos de campo dos jogos deles pela semifinal da Copa do Brasil. Atlético x Flamengo; Cruzeiro x Santos.

Teoricamente fazer o segundo jogo em casa é melhor, mas são incontáveis os casos de times que eliminaram os rivais nas casas adversárias.

Antigamente, quando os estádios não ofereciam segurança e as leis do futebol não eram tão rigorosas, jogar na casa do adversário era perigoso e a torcida local costumava ser decisiva. Pressionava a arbitragem e o time visitante, além de motivar os seus próprios jogadores.

Com os estádios atuais e o rigor das punições essa pressão diminuiu muito e já não exerce tanta influência.

Arbitragem argentina tirou Vitória-BA da Copa Sul-Americana

17 de outubro de 2014 às 09:36

Reclamar de arbitragem é uma prática universal e na maioria dos casos o reclamante tem razão. O justo choro do dia é do Vitória-BA que foi garfado em casa ontem e eliminado da Copa Sul-Americana pelo Nacional de Medellin. Aos 40 minutos do segundo tempo Dinei, em condição legal, marcou o que seria o gol do empate e da classificação baiana, mas o árbitro argentino, da Fifa,  Diego Abal embarcou na mancada do auxiliar Diego Bonfa, também argentino e Fifa, anulando o gol, marcando impedimento.

VITORIA

Um erro escandaloso, que tirou do Vitória a chance de chegar, pela primeira vez, às quartas de final de uma competição internacional.

Exemplo de Diego Tardelli não serviu para o goleiro Jefferson

17 de outubro de 2014 às 09:15

O bom exemplo dado pelo Diego Tardelli, que foi direto do aeroporto se juntar aos companheiros e jogar contra o Corinthians, não serviu para o goleiro Jefferson, que, no dia seguinte, não quis jogar contra o Santos.

O Botafogo tomou de 5 a 0 e foi eliminado da Copa do Brasil. Jefferson alegou que estava “cansado” e foi criticado até pelo técnico Vagner Mancini e pelo diretor de futebol, Wilson Gottardo. A seleção desembarcou quarta-feira, em São Paulo, local da partida de ontem.

A meninada do Santos não teve dó e garantiu o peixe na semifinal contra o Cruzeiro.

jeferson

Em foto do Super FC, Jefferson, o cansado!

Marcelo Oliveira tenta explicar jogos ruins do Cruzeiro

16 de outubro de 2014 às 15:44

Em entrevista ao ESPN o técnico do Cruzeiro falou sobre o sufoco para eliminar o ABC e dessa queda de produção no Brasileiro:

* “Eu poderia estar aqui e dizer que houve um pênalti para a gente, que o pênalti deles foi pênalti, mas o jogador estava impedido, e que o árbitro aboliu faltas de um lado e do outro, mas não vou falar isso”, disse o treinador.

“O Cruzeiro foi muito mal no segundo tempo, imaturo, embora tenhamos classificado. Foi um vestiário meio triste, de cobrança, porque não pode, pela grandeza do Cruzeiro, por tudo o que estamos conquistando, com todo o respeito ao ABC, passar esse sufoco. Podia ser frustrante ficar de fora da Copa do Brasil em um jogo que estava totalmente controlado”, afirmou.

MARCELO

“O Borges se machucou, mas não justifica um segundo tempo tão ruim. Vamos organizar melhor, ter uma entrega maior. Quando o jogo estava 2 a 0, e o adversário teria que fazer quatro gols, me deu a condição até de tirar o Alisson, que recebeu o amarelo, e eu estava o preservando para o próximo jogo. Nunca imaginei que fosse esse drama. Foi moleza, apatia, falta de experiência, embora o juiz tenha mudado um pouco o ritmo do jogo por deixar de nos dar um pênalti que nos daria o terceiro gol. Os times brasileiros não treinam e pode acontecer qualquer resultado em jogos. Não é desculpa, mas é uma situação que é vivida por todos os técnicos, e os times são mal treinados. Você faz mudanças, mas não consegue treinar, então o jogo vira um treino, mas eu não posso parar para chamar a atenção e arrumar um problema”.

http://espn.uol.com.br/noticia/448541_marcelo-oliveira-enumera-desculpas-mas-critica-cruzeiro-foi-moleza-apatia-e-falta-de-experiencia

Sequência de imagens do misterioso gol do Edcarlos

16 de outubro de 2014 às 15:17

Obrigado ao Anderson Magalhães que nos enviou esta sequência de fotos que ajudam a decifrar um pouco o gol que fez a alegria alvinegra ontem no Mineirão!

Foi de cabeça?

EDCARLOS1

Foi de joelho?

EDCARLOS2

Foi de ombro?

EDCARLOS3

O que importa mesmo é que foi gol!