Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

A “ponte” do Renato e o abraço na taça da Libertadores pelo Flávio Carvalho

Minha coluna no BHAZ:

Goleiro Renato e jornalista Flávio Carvalho: duas fotos e muitas histórias

Na foto, à esquerda o Alex Elian (a quem agradeço pelo envio), Flávio, Luiz Felipe (Máfia Azul), Valdir Barbosa e um torcedor não identificado.

Tempos em que os goleiros faziam “pontes” e seguravam a bola com firmeza, sem dar rebote (Foto: arquivo/Renato Valle/Zezé

Renato da Cunha Valle, está com 78 anos de idade, mora em Uberlândia, curte vida boa, empresário, dono de padaria, com muita saúde e milhares de amigos e fãs.

E que comentários sensacionais de leitores sobre o Renato e sobre o cotidiano das pessoas naqueles idos de 1971, que você pode conferir depois dessa foto do jornalista Flávio Carvalho com a taça da Copa Libertadores da América de 1997.

A foto do Flávio com a Taça, foi no dia seguinte à conquista, sobre o Sporting Cristal, do Peru, por 1 a 0. A final foi na quarta-feira, 13 de agosto e o gol do título foi marcado pela ponta esquerda Elivélton, aos 30 minutos do segundo tempo. Ele entrou na vaga do Cleisson, que tinha sido expulso no jogo de ida, em Lima. O técnico era o Paulo Autuori, hoje diretor do Cruzeiro.Dida fez uma das maiores partidas da vida dele, fechando o gol, garantindo a Taça.O time da decisão foi: Dida; Vitor, Gélson, Gottardo e Nonato; Fabinho, Ricardinho (Da Silva), Donizete Oliveira e Palhinha; Marcelo Ramos e Elivélton.Com 95.472 pagantes no Mineirão, 106.853 presentes.

Foi uma loucura, não parava de chegar gente, de todos os cantos. Cruzeirenses lotaram o estacionamento da Band Minas. Feliz como uma criança que ganha o primeiro velocípede, Flávio não desgrudava da Taça. Passou as quase duas horas do programa abraçado com ela, o tempo todo.

Aqui os comentários sobre a foto do Renato:

Vitor Carvalho
A maior defesa que já vi um goleiro fazer. Cara a cara .Uma pancada do Gerson. Ele voou e defendeu. Obrigado Eterno Renato.

George Eduardo Sales Valadão
Renato, em minha opinião, está entre os maiores goleiros do Galo que vi jogar.
Tinha ótima colocação e uma elasticidade incrível.
Se Oldair e Dadá fizeram os gols no triangular final de 71, ele fez pelo menos duas grandes defesas contra o São Paulo e o Botafogo.

Elisson Pereira
Morava em Uberlândia e dizem que tinha um bar lá. Um dia ele foi na Caixa Econômica Federal onde eu trabalhava. Conversei muito com ele, falando das incríveis defesas que fazia e salvava o Galo. Fiquei admirando ao ver meu ídolo conversando comigo e no dia seguinte, ele me leva um poster do time campeão Brasileiro de 1971 autografado por ele e uma flâmula do Galo. Pena que numa das minhas mudanças de cidade pra cidade, ambas desapareceram.

Agostinho Fernandes
Elisson Pereira
Pra mim o melhor goleiro do galo de todos tempos

Luiz Cláudio Patrocinio
Eu assisti.
Primeiro jogo do Galo mineiro e a partir daí virei torcedor.
Uma televisão Philips a válvula preto e branca.
Vi o gol do Dadá Maravilha.

Sérgio Monteiro
Hoje em dia não há mais goleiros assim, antigamente todas as bolas eram defendidas e agarradas nas mãos do goleiro, hoje todos espalmam a bola.

Daniel Andrade
Tem que enviar para o Everson!!!

Charles Vagner
Estava no estádio; chutaço do Gerson.
Lembro que o radinho caiu das minhas mãos.
depois foi só comemorar contra o Botafogo.

Marco Antonio Souza Moreira
He Chico eu ouvi esse jogo pela rádio Guarani com Vilibaldo Alves narrando. Rapaz a pilha do rádio nas últimas, pai com o ouvido colado no rádio, nós morávamos na Fazenda Humaitá município de Itinga, não tinha luz elétrica nada. A única distração era o rádio que o pai comprou quando visitou uns irmãos dele que moravam na capital. Lembro de todos os bordões do Vilibaldo narrando.

Fernando Santos
Me lembro de minha mãe… Atleticana fervorosa, que em casa, torcia como se estivesse no estádio! E, quando o Galo era atacado, o adversário rondava nossa meta, ela fechava as duas mãos, ficava batendo uma na outra, enquanto repetia: “Tem um paredão no gol do Renato!”

Humberto Soares
Os goleiros antigamente faziam “pontes”…Veludo, Renato, Pompeia, Manga..

Paulo Rui Silva
… o importante era segurar a bola, não tinha soco, manchete, o negócio era não dar rebote

Jose Inácio De Carvalho Apolo Moreira Izaias
Cria do Uberlândia

https://bhaz.com.br/noticias/esportes/as-pessoas-se-lembram-de-minimos-detalhes-dos-dias-dessas-conquistas/?fbclid=IwAR3BrVGvjHbrJ0qnKd7t-RpMd_lqSqSmYnLYkG-hT7Bffb6T9VNDOBYrGJQ


No Brasil, corremos risco em todo lugar: também por engano jornalista é morto em Lafaiete

Diego em entrevista com o então técnico do Cruzeiro, Adilson Batista – Foto: YouTube/Portal fatoreal.com.br

Minha coluna no BHAZ:

Também por engano, jornalista é morto em Conselheiro Lafaiete

O choque do assassinato dos três médicos na Barra da Tijuca, no Rio, ainda abala o país, e nessa madrugada tivemos assassinato em circunstâncias semelhantes em Minas, na acolhedora cidade de Conselheiro Lafaiete, a 99 Km de Belo Horizonte.
O jornalista Diego Augusto Gomes Barbosa, 38 anos de idade, especializado marketing digital, estava em um bar, na Avenida Telésforo Resende, quando foi atacado sem mais nem menos por um indivíduo que lhe acertou dois tiros. Socorrido por pessoas que se encontravam no local e pelo Corpo de Bombeiros, chegou sem vida ao Hospital e Maternidade São José. Em ação rápida, a Polícia Militar prendeu o autor, que mais tarde confessou que estava sob efeitos de drogas, confundiu o Diego com um desafeto e efetuou os disparos.
Diego era uma pessoa muito querida em Lafaiete e também nos meios jornalísticos e futebolísticos de Belo Horizonte, já que tinha um canal no YouTube, atuava na TV Máfia Azul e se relacionava bem com todo mundo, independentemente de preferência clubística.
Uma tragédia! Deixa esposa e duas filhas gêmeas.
Infelizmente, neste país que há décadas ocupa lugar de destaque como um dos mais violentos e perigosos do mundo, todos nós corremos risco, em qualquer cidade, por maior ou menor que seja.
À família do Diego, aos amigos e colegas de profissão, nossa solidariedade.

Foto: arquivo familiar

https://bhaz.com.br/noticias/esportes/diego-barbosa-deixa-esposa-e-duas-filhas-gemeas/


Apesar dos momentos difíceis a Bahia mantém o alto astral

Este estado maravilhoso nunca passou por tanta violência, mas já já sairá dessa.

Enquanto isso, felizmente, mantém o seu espírito festivo e otimista, como mostra a capa do jornal Correio, de Salvador, deste sábado


Um ótimo goleiro, defesa sensacional, que ajudou o Galo ser Campeão em 1971

Do acervo pessoal do Renato, produzida pelo Zezé, amigo dele

Tive o prazer e a honra de conhecer pessoalmente o Renato, um ídolo de infância, cuja idolatria aumentou no dia em que jogamos no mesmo time, do Skank, no Mineirão, na gravação do clipe da música Uma partida de futebol. Cada um jogou um tempo.

Foto extraída do Youtube pela minha sobrinha Bruna, do clipe da música Uma partida de futebol 

Que ser humano fantástico. Contei essa história aqui no blog. Confira, pois vale a pena: https://blog.chicomaia.com.br/2023/03/26/hoje-e-dia-de-emocao-no-mineirao-para-assistir-o-ultimo-show-do-skank/

Mora em Uberlândia, curte vida boa, empresário, dono de padaria, com muita saúde e milhares de amigos e fãs.

Obrigado também ao atleticano Cláudio Vaz de Melo que me enviou essa belíssima imagem.

Obrigado ao Thiago Nogueira, da comunicação do Mineirão, que postou esta foto, que por uma feliz coincidência de autoria do amigo Eugênio Sávio.


Mais uma aula do Boca e dos argentinos de como eliminar brasileiros em casa

Foto: twitter.com/BocaJrsOficial – Minha coluna no BHAZ

O Boca fez o que o Palmeiras fez com o Galo no ano passado

Valorizo muito a opinião de quem gosta de futebol e leio quase todos os comentários que me chegam via blog, facebook, twitter e instagran. Muitos, bem melhores e mais lúcidos do que de grande parte dos profissionais da mídia nacional.
Veja alguns que recebi nas últimas horas, falando da eliminação do Palmeiras pelo Boca Juniors na Libertadores:

Stefano Venuto Barbosa
O Boca fez o que o Palmeiras fez com o Galo no ano passado. Mas numa foi o Abel que tentou ensinar o Cuca como jogar com jogador a mais, no ano passado? Abel é muito agressivo, se portugueses são assim, ele tem que aprender que está no Brasil, onde foi muito bem recebido. Tudo bem, as perguntas são repetitivas e burras, mas essa grosseria não justifica. O Palmeiras fez um primeiro tempo pífio e esse ano está no seu pior momento. O Boca está com um dos seus piores times da história, mas os caras vão na bola, como um naufrago vai num prato de comida, jogador brasileiro tem só isso a aprender com eles. Os caras não perdem dividida.

Fabio Oliveira
O Palmeiras provando do mesmo remédio. Passou do galo 2 vezes com empates. Acabou a sorte né!!!

Marcos Moreira
Abel: o Boca jogou pra empatar e ir pros pênaltis! Ora, não foi o Boca que passou a maior parte do jogo vencendo???

Leopoldino José Vicente
Está mais que provado que os jogadores argentinos são mais determinados, tem sangue no olho! E o juiz deixou o pau quebrar, no segundo tempo que comecou a dar cartões e o Boca desceu o bambú mesmo com um jogador expulso!

Leandro Dornelas
Coisa que galo não fez. Com estes jogadores medianos e ruins.

Foto: (Foto: twitter.com/Libertadores)


Boca na final! Incrível como os argentinos sabem jogar sob pressão. Palmeiras fora da final

Final dia 4 de novembro no Maracanã – Foto: Conmebol

Minha coluna no BHAZ:

Boca faz valer o peso da camisa e elimina o Palmeiras em São Paulo

O Boca vai à final da Libertadores contra o Fluminense sem ter vencido nenhuma partida nos jogos mata-mata. Eliminou o Palmeiras no Allianz Park com todos os méritos, mas jogando pouco e catimbando muito. Certamente a essa altura o Abel Ferreira, que não sabe perder, deve estar acusando a Conmebol de “esquema” para evitar uma final brasileira. Bobagens ao vento do treinador português a cada mau resultado do time dele.

Sem nenhum craque para fazer diferença como em outros tempos o Boca Juniors usou a velha fórmula argentina de amarrar o jogo, catimbar, provocar e atingir os seus objetivos: primeiro, apostar em uma bola. Conseguiu, aos 22 minutos com Cavani, o experiente uruguaio de 36 anos de idade. Estaria classificado com este placar. Aí começou a catimba, comandada pelo capitão Marcos Rojo. Puxão de camisa aqui, fala no  ouvido ali, chutezinho imperceptível no tornozelo acolá e  os jogadores do  Palmeiras entrando na onda, se enervando e revidando. Jogadas mais duras e violentas não ficam fora do cardápio, e como só os árbitros brasileiros apitam qualquer falta, os jogadores do Boca ficaram mais à vontade para sentar o bambu.

Nos abusos, o árbitro uruguaio Andres Matonte já tinha amarelado o Marcos Rojo e lhe deu o vermelho aos 21 do segundo tempo. O Boca sentiu, a pressão palmeirense continuou e aos 28, Piquerez chutou bem de longe e o goleiro Romero aceitou.

Com 1×1 veio o segundo objetivo dos argentinos: ganhar nas penalidades. Aí o Romero se redimiu. Cavani errou a primeira cobrança, chutando à meia altura, do jeito que o Weverton gosta. Mas Romero pegou as batidas do Raphael Veiga e Gustavo Gomes.

Foto: twitter/Conmebol


Quem não faz, leva! Inter paga caro. Fluminense naa final

Cano (esq.) grande nome do Fluminense e John Kennedy. Dupla fez os gols da virada sobre o Inter – Foto: twitter.com/FluminenseFC

Minha coluna no BHAZ:

Inter desperdiça duas chances incríveis e paga caro. Fluminense na final da Libertadores

O velho e sempre atual ditado funcionou mais uma vez: quem não faz, leva!
Aos nove minutos de jogo o Internacional abriu o placar, com Mercado, de cabeça. se aproveitando de tropeço de Fábio no zagueiro Nino na cobrança de um escanteio.


O Fluminense tentava reagir mas o Inter estava muito bem posicionado e saía em contra ataques perigosíssimos. Parecia estar mais perto do segundo gol do que o tricolor carioca empatar.
No intervalo o técnico Fernando Diniz tirou Felipe Melo e Alexsander, colocando Martinelli e John Kennedy. Mudanças que melhoraram demais o Fluminense, mas nem assim os donos da casa pareciam incomodados.


Aos 25, Enner Valencia cabeceou mal, dentro da área e perdeu uma grande chance de matar o jogo. Aos 32 o mesmo Valencia recebeu bola açucarada de De Pena e chutou para fora, rasteiro.
Aos 35 a lembrança de outra frase que também está ficando surrada, de tão verdadeira, do Muricy Ramalho: “a bola pune”. E o castigo começou, com lançamento primoroso do Cano para o John Kennedy que chegou na cara do ótimo goleiro uruguaio Rochet e empatou.


O Internacional foi com tudo buscar o gol da vitória, mas tomou contra ataque, aos 41 minutos. Kennedy retribuiu o presente para Cano, que virou a partida.
Para a alegria incontida da equipe da Globo (aberta) que transmitia o jogo, dando a impressão de estar torcendo apaixonada e fervorosamente pelo “Flusão”. Só impressão, viu gente!

Foto: twitter.com/FluminenseFC


O arrependimento do Botafogo em contratar um português incompetente

Capa do jornal Extra, do Rio, hoje

Camarada chegou com toda pompa, impondo regras, discurso de superioridade como se o Brasil ainda fosse um país pertencente às cortes portuguesas. No primeiro revés em campo, foi pra entrevista coletiva pedindo demissão, dizendo que precisava “proteger” os jogadores e bla, bla, bla… Ninguém entendeu nada e ele continuou. Depois da derrota para o Atlético em Belo Horizonte, disse que havia um esquema para tornar o campeonato mais atraente até as últimas rodadas.

Pressionado por três derrotas consecutivas, escala mal o time e empata em casa com o Goiás.

Caiu. Já vai tarde. Parece que o Botafogo se arrependeu a tempo de tê-lo contratado e quer corrigir antes que deixe escapar o título.

A nota do Botafogo:

“Bruno Lage não é mais o técnico do Botafogo”

Confira o posicionamento institucional desta terça-feira (3) O Botafogo informa que, por decisão de John Textor e do Departamento de Futebol, Bruno Lage não é mais o técnico da equipe principal. O Botafogo destaca o profissionalismo, o caráter e o comprometimento de Bruno Lage no período em que defendeu a camisa alvinegra e fez parte da família. Apesar do início do treinador, com 10 jogos de invencibilidade, os últimos resultados não foram os esperados. Fica o agradecimento do Clube a Bruno e a toda a sua comissão técnica pelos serviços prestados ao Glorioso ao longo dos últimos meses, desejando muito sucesso em seus futuros desafios. Como família, o Botafogo vai buscar no momento soluções dentro de casa. O Clube segue com confiança inabalável e firme no propósito da temporada com o suporte incansável de uma legião de alvinegros apaixonados. Lucio Flavio e Joel Carli (na função de assistente técnico) assumem interinamente o comando do time a partir desta quarta (4) na preparação para a partida de domingo, contra o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro.


Fortaleza passa o rodo no Corinthians e vai à final da Copa Sul-americana

Minha coluna no BHAZ:

Foto: @Fortaleza Esporte Clube

cabei assistindo até o fim, o Fortaleza fazer 2 a 0 no Corinthians, para chegar à final da Sul-americana com todos os méritos. João Ricardo, goleiro (ex-América) Zé Welison, ex-Galo, são destaques do time cearense, muito bem comandado pelo argentino Juan Pablo Vojvoda. Mano Menezes estreando no banco dos paulistas, gesticulando e reclamando da arbitragem, como sempre. Castelão lotado, 59.349 pessoas, e o Fortaleza merecendo mais gols.


Além do bom time nordestino o que esperar de um adversário que tem um lateral de 38 anos (Fábio Santos), outro de 34 (Fagner), um zagueiro de 36 (Gil), e uma das estrelas do time, meio campista de 35 (Renato Augusto)? No “conjunto da obra”, não tem jeito. Apesar de bons jogadores, com tantos veteranos jogando ao mesmo tempo, o time não aguenta. Tanto que os gols do Fortaleza saíram no segundo tempo.
Bom demais ver o Nordeste com um time forte e bem administrado como o Fortaleza.

Fábio Santos, ex-Atlético, grande jogador, mas com 38 anos não dá pra jogar como lateral – Foto: Rodrigo Coca/@Corinthians

Mano Menezes estreou no Corinthians, e como sempre, reclamando da arbitragem – Rodrigo Coca/@Corinthians


Um conterrâneo campeão do Enduro da Independência

Lucas Barbosa (esq.) e Luciano Vasconcelos Paiva, campeão elite do Enduro da Independência 2024

Minha coluna no jornal SETE DIAS

Todos os “experts” do assunto apostavam que o campeão seria o principal destaque do Brasil no Enduro na atualidade, o capixaba Bruno Crivilin, da Honda Racing, mas lá estava o Luciano Vasconcelos Paiva  28 anos, que para a nossa satisfação dobrada é filho do Jader Henrique Campolina Teixeira Paiva (Japão), amigo de longa data, e Dardânia; neto do saudoso Sérgio Emilio de Vasconcelos Costa, ex-deputado estadual e um dos grandes prefeitos da história de Sete Lagoas.

Mineiramente, comendo pelas beiradas, Luciano arrebentou no quarto e último dia e papou o título, ficando o Crivillin em segundo; e o também capixaba Tiago Wernersbach, em terceiro. Também da equipe Honda Racing.

No blog MX1 mais detalhes: “… chegou ao fim o 41º Enduro da Independência, prova que reuniu 250 pilotos de 17 estados brasileiros com largada em Paraty (RJ) e chegada em Ouro Branco (MG). Foram quatro dias de disputas por um roteiro que também passou pelas trilhas das cidades mineiras de Baependi e Barbacena.

A disputa pelo principal título da tradicional prova de Enduro de Regularidade, da categoria Elite, três pilotos abriram o último dia do desafio muito próximos na pontuação. O mineiro Luciano Paiva somava 136 pontos, contra 135 do capixaba Bruno Crivilin e 121 de Tiago Wernersbach, também do Espírito Santo.

Depois de mais de mil quilômetros sobre a moto, com o melhor desempenho no quarto e último dia da competição, Luciano Paiva conquistou o título de campeão do Enduro da Independência 2023.

“Nunca imagine estar aqui correndo o Enduro da Independência. Comecei a correr em 2019, fui evoluindo e hoje estou escrevendo meu nome na história. Uma coisa que eu nunca imaginava na vida, correndo com grandes pilotos. Só agradecer à minha equipe e aos patrocinadores”, disse Paiva, piloto da Sherco Brasil. que é um dos pilotos mais promissores da nova geração na modalidade… (MX1 Motocross Brasil – Maurício Arruda – Fotos: Alberto Barbosa, Ney Evangelista e Sanderson Barbarini/Mundo Press – https://www.mx1.com.br/blog/luciano-paiva-e-campeao-do-enduro-da-independencia-2023#

Além do Luciano (direita), mais sete-lagoanos fizeram bonito no 41º Enduro da Independência, como o Lucas Barbosa, filho do Aluisio Barbosa, quarto colocado, categoria intermediária

Dupla Gustavo Figueiredo e Renê, que ficou em quarto lugar, categoria duplas iniciantes

Gustavo Henrique, quinto colocado categoria graduado

Leia mais no:

https://www.mx1.com.br/blog/luciano-paiva-e-campeao-do-enduro-da-independencia-2023#