Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Demagogia que mata

Ano que vem tem eleições mas a campanha já começou. Tenho visto deputados e candidatos a tal falando em tirar ou diminuir o poder dos órgãos de fiscalização de trânsito. Tudo pelo voto. Neste país da impunidade, se tem um setor que precisa de muita fiscalização e repressão é este, que envolve motoristas cada vez mais bêbados dirigindo e matando. Sem falar nos ignorantes que, mesmo sóbrios, abusam da velocidade, estacionam irregularmente, cometem todo tipo de infração e não querem pagar por isso.

Esta charge do Duke, ontem no O Tempo, ilustra bem a situação do nosso trânsito

Esta charge do Duke, ontem no O Tempo, ilustra bem a situação do nosso trânsito


As dívidas não comentadas por nós

Lá em Ipatinga, o Fernando Rocha escreveu em sua coluna no www.jvaonline.com.br , com toda razão. Veja só:

“Não vi nenhum destaque na chamada “grande” imprensa da capital, para um levantamento feito pela Casual Auditores Independentes e divulgado no site globoesporte.com, que indicou o ranking dos 21 clubes com  maiores dívidas no futebol brasileiro.

Nele, o Galo aparece  no “G-4” com a quarta maior dívida, estimada em R$ 283 milhões 334 mil e o Cruzeiro, cujos dirigentes gostam de bater no peito e dizer que não deve nada a ninguém, ocupa a honrosa décima terceira posição, com R$ 131 milhões 578 mil em dívidas.

Mas, sabem por que este fato não causou nenhum  frisson? Porque não é mais novidade neste país clube de futebol falido, quebrado, sem crédito na praça, devendo a todo mundo,  ou seja, essa notícia virou pão dormido, tal e qual os repórteres de rádio que ficam atrás do gol, depois que se multiplicaram as câmeras de TV, mostrando todos os lances de uma partida nos mínimos detalhes com precisão e nitidez.

É verdade que a atual diretoria do Galo não tem culpa desta sua situação, construída através de décadas marcadas por  desmandos e irresponsabilidades, de gente que se serviu e não serviu ao clube;   e que  até vem se esforçando para pôr a casa em ordem, mas se isso for contado lá fora, onde o mundo é mais civilizado e desenvolvido, ninguém vai acreditar.

·         Agora, que nós da imprensa precisamos tomar cuidado, ah! isso é verdade. Pois dia desses recebi e-mail de um sujeito, que nos condenava por “só falar mal dos dirigentes”, etc, coisa e tal. Então, vou discordar desse ranking ou lista de devedores, pois não acredito que o Barueri mereça a vigésima primeira colocação, com apenas R$ 539 mil em dívidas.  Se essa tal  empresa de auditoria der uma voltinha por esse interiorzão de Minas Gerais, vai encontrar   mais gente  encalacrada em dívidas, a tal ponto que se chamar alguma coisa de “meu bem”, o Oficial de Justiça faz a penhora imediatamente.

·                      Mas, deixa estar que nós só temos dois clubes nesta lista e até podemos nos dar por satisfeitos. Imaginem os cariocas, que têm o líder Vasco da Gama na Série B, puxando também este bloco dos rotos e esfarrapados, com nada menos que R$ 377 milhões 854 mil em dívidas. E pensar que tem gente ainda  morrendo de saudades do ex-presidente e ex-deputado Eurico Miranda.

·                    E não é só isso: O Flamengo com seus 35 milhões de torcedores, segundo o IBOPE, aparece em segundo lugar, coladinho no maior rival, com a bagatela de R$ 333 milhões 328 mil em papagaios. E o Fluzão, que tem 90% de chances para ser  rebaixado novamente este ano, não pode reclamar desse ranking, onde manda muito bem na terceira posição, com R$ 320 milhões 721 mil em dívidas, enquanto o Botafogo é o 5º com R$ 265 milhões 424 mil.

·                    Tudo bem que daí prá baixo está cheio de paulistas, gaúchos, paranaenses, etc, coisa e tal,  mas péra aí? Até tu Brutus? O São Paulo? Logo esse tricolor  cantado em prosa e verso pela imprensa soberba e arrogante da paulicéia desvairada, como o bam-bam-bam em tudo, exemplo disso e daquilo, está lá na listinha da Casual, ocupando um honroso 12º lugar, na frente do Cruzeiro, com uma dívida de R$ 148 milhões 380 mil? Quer dizer então que é tudo igual, a administração dos clubes neste país é tudo farinha do mesmo saco, pois todos estão mergulhados em dívidas e mais dívidas, mesmo com os Refis e Timemanias da vida, à custa do dinheiro público e do sacrifício do contribuinte.”


Menos, gente, menos!

O leitor Heli Lima, de Pedro Leopoldo, enviou e-mail com o pedido “Comente, por favor”, cuja íntegra é a seguinte:

 “Bom dia Chico.

São filhos de terras vizinhas, torcemos pelo Atlético Mineiro.
Por favor, mande resposta e comente em sua coluna este texto anexo:
São 2 e 40 da manha desta terça feira e não consegui dormir depois do jogo contra o Sport.

Tenha piedade de nós Celso Roth!

Escutei de alguns comentaristas toda semana que passou que este esquema montado no Atlético com 03 zagueiros e o Tchô como segundo volante não funcionaria.

Só o Roth acreditou (?). A teimosia e a cegueira de sempre acreditou.

Tem peças não jogando e fazendo corpo mole tudo por causa da janela de transferência.

Jogador que não vai embora e não põe Euros no bolso não joga mais.

Opinião minha, mas no fundo tem fundamento. Tardelli e Eder Luis perderam a vontade de jogar. Tardelli deve respeitar o Atlético que o ressuscitou.

Então existem jogadores no Atlético que não adianta mais insistir. Como o Edson; Tchô, Alex Bruno e outros deveriam ter seus contratos rescindidos. Cuidado Kallil, o Roth é isto ai mesmo. Retranqueiro e não sabe amar uma equipe quando a situação fica pesada.

O bicho ta pegando entre os jogadores e a comissão técnica. Uma seqüência de jogos difíceis vem por ai: Inter, Santo André, Náutico e Atlético Paranaense. O titulo ainda não está longe, mas a zona de rebaixamento também não.

Em tempo: Evandro é outro que não deveria ter vindo e merece também o caminho do Edson.

Outro fator importante: Roth é como a Argentina: Tem medo do verdadeiro futebol brasileiro: na sul americana o Atlético teve volantes dos juniores jogando e não comprometaram; porque improvisar o Tchô.

Rafael Jataí e Paulinho enfrentaram o Goiás.  Alan e Diney também estão inscritos na competição.

 O meu comentário para o Heli foi o seguinte:

 Primeiro, achei estranho, ele, mineiro e atleticano, chamar o Galo de “Atlético Mineiro”. Vamos lá:

 “Heli,

Como diz o mestre Rogério Perez: “menos gente, menos!”.

Não tem nada a ver. Esse desespero é ridículo. Duvidar do caráter das pessoas é uma coisa abominável, e é o caso de quem diz que há jogadores fazendo corpo mole. Celso Roth é ótimo treinador. Montou um time com jogadores razoáveis, que está passando por mau momento em função de contusões e falhas individuais, próprias de jogadores razoáveis.

Quem lê minhas colunas há de se lembrar quando escrevi que o perigo era a torcida achar que tinha o melhor time do mundo. Não deu outra.

É preciso paciência, persistência e memória: um clube quase falido um ano atrás, com três meses de salários de jogadores e funcionários atrasados, brigando todo ano para não ser rebaixado. De repente, monta um time ao menos competitivo, porém com a conta do chá, calculando e fazendo contas de cada real que entra e cada real que sai dos cofres, para não voltar á beira do buraco.

Como o atleticano andou sofrendo demais, está entrando em parafuso porque pensou que tivesse novamente diante de si o Galo dos anos 1980. Isso pode até acontecer um dia, porém, ainda não chegou a hora. É uma reconstrução, racional, sem milagres. Porque quem acredita em milagres, fica aí “adorando o bezerro de ouro” (como diria o Leonel Brizola), vendo fantasmas e esperando mágica.

Lamento desapontá-lo com o comentário, mas não faço demagogia e manifesto o que vejo e penso, baseado no que conheço de futebol.

Há versões para determinados fatos e situações que enchem o saco: desde 1998 circula na internet um texto ridículo, escrito por algum idiota, que certamente usa pseudônimo, sob o título: “DIVULGADO O ESCÂNDALO QUE TODO MUNDO SUSPEITAVA – Fato comprovado: O Brasil VENDEU a copa do mundo para a Fifa.” 

Ora, ora, o Brasil perdeu para a França porque mereceu. E o mais incrível é que até pessoas de bom nível intelectual costumam acreditar nessa porcaria e ainda repassam um troço desses. Ontem mesmo recebi duas vezes. De um jornalista de Belo Horizonte e de um leitor antigo, que sempre envia suas opiniões, sensatas, aliás, lá de Diamantina. Mas nessa, eles pegaram pesado e nem vou dizer os nomes deles porque os respeito muito e não vou expô-los a esse vexame.

Abraço e escreva sempre.

Chico Maia


Paz entre fãs de Israel e Palestina

Obrigado ao Ronne Franks, americano que reside na Mooca, em São Paulo, que nos trouxe ótimas e curiosas informações sobre a confusão nas arquibancadas no Independência, que acabou terminando em acordo e paz entre adeptos da Palestina e de Israel, entre os americanos.

Quem nos dera se este exemplo fosse seguido lá no Oriente Médio…

“Chico, voltando ao assunto, o Ramon, que esteve no centro do tumulto deixou um relato no forum da Avacoelhada que acho interessante vc ler 

Vou reproduzir o depoimento dele:

“Bom sobre o episódio da bandeira, tudo começou no jogo contra o Brasil, um grupo de torcedores americanos seguidores da fé judaica se sentiram incomodados com a presença da bandeira da Palestina, e solicitaram a retirada da bandeira junto a PMMG.
Após muita discussão a bandeira não foi apreendida, mas foi pedido que a mesma não volta se para o alambrado, mas poderia ser pendurada junto ao corpo, o que foi feito.
No de ontem ( América x Guaratinguetá) houve novos problemas e foi solicitado a retirada da mesma, sob a alegação que o grupo de seguidores da fé judaica iriam partir para a violência.
Eu e o Fernando retiramos a bandeira e fomos procurar o chefe do policiamento para buscar informações sobre o porque desta posição da PMMG, que deveria coibir o ato de violência por parte dos que se sentiam incomodados e garantir o direito de manifestação democrática ( a exposição da bandeira da Autoridade Palestina, entidade reconhecida pela Organização das Nações Unidas).
Ao procurarnos a autoridade policial eu e o Fernando fomos hostilizados e após trocas de insultos ( que obtiveram resposta) um senhor retirou a bandeira de minha mão, ao tentar recuperar a bandeira fui agredido pelas costa por outro torcedor , ai a briga generalizou com agressões de ambos os lados, a PMMG apartou a briga e os envolvidos detidos e encaminhados a delegacia.
Lá após os depoimentos dos envolvidos e com a presença dos advogados José Neto Santhiago ( Zé Neto) e Sergio Meira ( Serjão Pica), foi esclarecidos à aqueles que se sentiram ofendidos que a bandeira da Palestina ( que tem as cores verde, preta, branca e vermelha) eram um símbolo de ressistência , a ressistência a todoa aqueles que querem acabar com o América e NÃO UM SÍMBOLO DE AFRONTA AO ESTADO DE ISRAEL E AO POVO JUDEU, NO QUAL EM MINHAS CONVICÇÕES, DEFENDO A SUA EXISTÊNCIA , BEM COMO DEFENDO A EXISTÊNCIA DE UM ESTADO DA PALESTINA CONFORME HAVIA SIDO ESTIPULADO NA RESOLUÇÃO de 29 DE NOVEMBRO DE 1947 QUE PROPUNHA A CRIAÇÃO DO ESTADO DE ISRAEL E DO ESTADO PALESTINO, dai para frente todos sabem a História.
MAS APÓS SOCOS , PONTAPÉS, DELGACIA E TODA A HISTÓRIA PASSADA A LIMPO, FICOU ACORDADO QUE NO PRÓXIMO JOGO DO AMÉRICA AS BANDEIRAS DE ISRAEL E DA PALESTINA ESTARIMA LADO A LADO NO INDEPENDÊNCIA COM A FAIXA: A TORCIDA DO AMÉRICA UNIDA PELA PAZ.
Ramon Hendrigo de Paula Gregório. “


Só rindo, para não chorar!

Essa foi enviada pelo Antônio Machado Filho, a quem agradeço. De tão interessante, repasso aos senhores, e recomendo também as observações do professor (entre parênteses), da melhor qualidade.

PROVA DE REDAÇÃO DA UFMG

Onde vamos parar? Vejam só o que alguns dos vestibulandos foram capazes de escrever na prova de redação da Universidade Federal de Minas Gerais, tendo como o tema: ‘A TV FORMA, INFORMA OU DEFORMA?’

A seleção foi feita pelo prof. José Roberto Mathias.

‘A TV possui um grau elevadíssimo de informações que nos enriquece de uma maneira pobre, pois se tornamos uns viciados deste veículo de comunicação’. (Deus!).

‘A TV no entanto é um consumo que devemos consumir para nossa formação, informação e deformação’. (Fantástica!).

‘A TV se estiver ligada pode formar uma série de imagens, já desligada não…’. (Ah bom, uma frase sobrenatural).

‘A TV deforma não só os sofás por motivo da pessoa ficar bastante tempo intertida como também as vista’. (Sem comentários).

‘A televisão passa para as pessoas que a vida é um conto de fábulas e com isso fabrica muitas cabeças’. (Como é que pode ?).

‘Sempre ou quase sempre a TV está mais perto denosco (?), fazendo com que o telespectador solte o seu lado obscuro’. (esta é imbatível).

‘A TV deforma a coluna, os músculos e o organismo em geral’. (É praticamente uma tortura !).

‘A televisão é um meio de comunicação, audição e porque não dizer de locomoção’. (Tudo a ver).

‘A TV é o oxigênio que forma nossas idéias’. (Sem ela este indivíduo não pode viver).

‘…por isso é que podemos dizer que esse meio de transporte é capaz de informar e deformar os homens’. (Nunca tentei dirigir uma TV)..

‘A TV ezerce (Puxa!!!) poder, levando informações diárias e porque não dizer horárias’. (Esse é humorista, além de tudo).

‘E nós estamos nos diluindo a cada dia e não se pode dizer que a TV não tem nada a ver com isso’. (Me explica isso?).

‘A televisão leva fatos a trilhares de pessoas’. (É muita gente isso, hein?). 

‘A TV acomoda aos tele inspectadores’. (Socorro!!!).

‘A informação fornecida pela TV é pacífica de falhas’. (Vixe!).

‘A televisão pode ser definida como uma faca de trezgumes. Ela tanto pode formar, como informar, como deformar’. (Puta que pariu, onde essa criatura arrumou esta faca???).


Todo atleticano deveria ler!

O atleticano Ricardo Marcus Guimarães Silva enviou um link cujo teor eu tinha ouvido falar, mas ainda não tinha lido. E fez a seguinte pergunta:

 “Caro Chico,

 concorda com o texto do link?

 http://www.camisadoze.net/2009/08/alexandre-o-grande.html 

 Respondi ao Ricardo que concordo 100% e que todo atleticano deveria ler.

Vale a pena.


É lamentável, mas é verdade!

Leiam essa notícia publicada pelo Fernando Rocha em sua prestigiada coluna do Jornal do Vale do Aço:

“É de cortar o coração ver hoje a situação de penúria do outrora glorioso e tradicional Valeriodoce de Itabira. No último sábado, o alvi-rubro da terra do nosso poeta maior, Carlos Drumond de Andrade, trouxe suas equipes de infantís e juvenís para enfrentar o Ipatinga, em jogos válidos  pelo Campeonato Estadual e tomou duas goleadas, 6 a 0 e 7 a 1, respectivamente. No intervalo do jogo na categoria Infantíl, o técnico Beto chamou a atenção dos meninos, que perdiam de 2 a 0 e um deles se levantou e justificou o mau desempenho do grupo: FOME. Isso mesmo: os meninos não tinham feito sequer um lanche, desde que sairam de Itabira no início da manhã. O próprio treinador reconheceu a falha do clube, que segundo ele atravessa “maus momentos” por conta da falta de apoio da Prefeitura e da madrasta Vale do Rio Doce, que por sua vez tem gasto milhões na mídia nacional para dizer que é uma empresa “verde-amarela”.


Marcelo Ramos e Marcelo Cruz

Dois Marcelos chamaram a atenção por suas atuações pelo Ipatinga em Goiânia sexta feira, conforme conta o Fernando Rocha: 

“O Ipatinga foi ao Serra Dourada na sexta à noite e quando todos esperavam que tomasse mais uma caçambada fora de casa, jogou tranqüilo como se fosse o mandante e surpreendeu o Vila Nova fazendo 2 a 0. O artilheiro Marcelo Ramos perdeu um gol sem goleiro, que não é comum  de se ver e Diego Silva  transformou-se no segundo nome do jogo, marcando o primeiro gol do Tigre e dando o passe para Márcio Diogo fechar o placar. O nome do jogo,  sem dúvida, foi o goleiro Marcelo Cruz, que voltou à titularidade em grande estilo, fazendo defesas sensacionais.”


O América está voltando a render

É muito bom receber o contato permanente dos americanos novamente, coisa que não ocorria com a devida intensidade há quase cinco anos. O Coelho está gerando outra vez o interesse perdido, devido aos péssimos times montados nos últimos tempos, que tanto envergonharam os seus seguidores.

Assunto é o que não falta e argumentos, idem, como deste e-mail do Marcio Amorim:

 

“Caro amigo, Chico Maia!

Saudações americanas.
Li, no seu blog, a reclamação de um americano sobre a represália contra a bandeira ou cores, sei lá, da Palestina no meio do verde do América. Sou também contra o tipo de atitude da polícia, que, aliás, não sabe se comportar em jogos do Coelhão. Como se trata de uma torcida pequena e ordeira – claro que há exceções – a Polícia está sempre pronta para repelir com grosseria até crianças que se aproximam das telas para manifestar-se contra uma ou outra marcação errada do assistente. Quando se trata de jogo do Atlético, ela é benevolente ou medrosa, talvez por causa do volume de torcedores. Entretanto, há que se dizer que faz muito bem a FIFA, quando não permite nenhuma mistura de ideologia política ou religiosa com as manifestações esportivas. Quando a pessoa exibe, como ele disse, bandeiras com a cara do Guevara, por exemplo, é lógico que está se aproveitando do público para dar “algum recado”. E penso que, no caso do torcedor do América, não tenha sido diferente, por mais que ele tente passar o contrário. Ao meu ver, errou, sim. Lá não é lugar disto. Pode provocar reações em um ambiente que tem sido tranqüilo até hoje. Aproveito a oportunidade para dizer que voltei do campo ontem muito esperançoso. Não com o time, que ainda é limitado, mas muito forte para o nível de Série C. O meu entusiasmo é ver a volta de muitos americanos que vocês achavam que nem existiam. Quero ver o dia em que a transformação dos 8.000 lugares de hoje em 25.000 seja insuficiente para abrigar os torcedores que voltam aos poucos. Quem viver, verá. Uma palavrinha também a respeito do meu texto anterior que você pediu autorização para publicá-lo no Blog e no Super. Li-o no Blog e não o encontrei no Super da quarta-feira como você anunciara que faria. Entretanto, não sei se o cidadão leu no seu Blog, um tal Américo Coelho, fez um paralelismo, digamos assim, para não ficar feio e publicou as minhas idéias na mesma quarta-feira. Havia palavras que não deixavam dúvidas quanto ao plágio. Lamentável.”


Quem faz mais falta ao time do Atlético?

Até que ponto os desfalques estão interferindo na queda de rendimento do Atlético? E quem mais faz falta? O Marcelo Machado tem argumentos interessantes:

“Celso Roth falou ontem pela primeira vez o que já é visível há algum tempo: as ausências Serginho e Márcio Araújo foram cruciais para a queda de rendimento do Atlético.

Em um meio-campo com dois homens que praticamente só marcam como Renan e Jonilson e outro que praticamente só apóia como Júnior, Renan Oliveira ou Evandro, é o terceiro homem que tem o papel de ligar defesa e ataque e os dois vinham fazendo isso como ninguém.

Mais do que perder peças importantes, Roth precisou mexer na estrutura do time nas últimas partidas: colocar Marcos Rocha na direita e voltar Carlos Alberto para o meio; arriscar dar mais qualidade ao passe com Tchô no meio, mesmo perdendo em velocidade ou recuar Éder Luís – não para armar, mas parar conduzir a bola até perto da grande área.

Nada disso deu certo. O time perdeu a saída extremamente veloz que tinha, perdeu o elemento surpresa e o jogador com a capacidade de destruir a marcação do adversário, deixando os atacantes menos sobrecarregados e com maior liberdade para finalizar.

Para quem vê Éder e Tardelli com nove gols no campeonato cada, não imagina que dois volantes, carregadores de piano, fazem tanta diferença, mas fazem.

Leia mais em www.blogdemarcelomachado.blogspot.com