Blog do Chico Maia

Acompanhe o Chico

Possibilidades dos mineiros da Série B 2020

Em foto do Mineirão/Minas Arena, lance de América 1 x 1 Cruzeiro, dia 9 de fevereiro, pelo Campeonato Mineiro. Lisca já comandava o Coelho e Adilson Batista, a Raposa.

Na Série B, acredito plenamente no sucesso do futebol mineiro. O América, que foi muito bem em 2019, se reforçou dentro e fora de campo. Lisca é um bom treinador, a diretoria mantém as contas em dia, apesar da crise, que é para todos. O Cruzeiro tem a força da camisa, uma ótima comissão técnica e está montando um time que, aparentemente, tem todas as condições de ficar com uma das quatro vagas, que é o que importa nesta disputa.


Problema maior no futebol brasileiro é para o clubes “invisíveis”

Dos raros dias de casa cheia na Arena do Jacaré, do Democrata de Sete Lagoas.

Semanas atrás o Luverdense Esporte Clube soltou nota sobre uma possível desistência do Campeonato Mato-grossense e da Série D do Brasileiro. O Noroeste de Baurú fechou as portas para 2020 e dispensou os funcionários, apesar de liderar com o folga a Série A3 de São Paulo. Em Minas, quase todos os clubes do interior dispensaram seus profissionais e muitos devem fechar as suas portas em definitivo. A situação está assim em todo o Brasil.

As séries A e B do Brasileiro não são motivo para tanta preocupação, já que os clubes têm visibilidade e apoio material e financeiro da CBF, federações, governos municipais, estaduais e federal. Problema mesmo têm os das séries C, D e principalmente os demais, que não estão nas divisões nacionais. Os regionais, que antigamente eram os principais formadores e fornecedores de jogadores para os grandes. São “invisíveis”, só lembrados pelas entidades e governos, quando chega a hora de pagar as tantas taxas de inscrições, alvarás, multas e etecetera e tal, as mesmas, nos mesmos valores, que são pagos pelos maiores do futebol brasileiro.

Também a imprensa estadual e nacional, só se lembra deles quando anunciam que estão fechando as portas ou quando passam por alguma situação constrangedora, em função das dificuldades financeiras. A maioria absoluta, na penúria; vejamos quantos sobreviverão.


Democrata Jacaré elege nova diretoria e aguarda o retorno do Campeonato Mineiro

Dr. José Pedro Chamon, entre Renato e Paulinho. Ele era o presidente até quarta-feira. Uma das pessoas mais importantes da história recente do Democrata, responsável direto pelo clube não ter fechado as portas, num momento crítico, dois anos atrás.

Renato Augusto Miranda Paiva (esq.) e Paulo Daniel Gonçalves Ferreira, eleitos, presidente e vice do Democrata. Fotos: www.twitter.com/democratajacare

Nesta lista de “invisíveis”, clubes que não são ouvidos pelas entidades maiores do futebol e quase nenhum espaço na grande mídia, destaco o nosso Democrata de Sete Lagoas, que completou 106 anos de existência, dia 14 de junho. Felizmente a diretoria, cujo mandato terminou dia 30, continuará, agora tendo como presidente, de fato e de direito, Renato Paiva, que vinha atuando como coordenador do grupo de amigos que se juntou num mutirão para salvar o Jacaré do fechamento das portas. O vice, Paulinho do Beco, outro tradicional democratense, que também integrava a diretoria anterior, agora eleito com o Renato, quarta-feira, dia 1º de julho. Sucesso a eles, que com os demais integrantes, recolocaram o clube no rumo certo, chamaram a cidade para abraçar novamente o Democrata e foram atendidos, já que têm credibilidade para tal.

Eleição dia 1o

Quarta-feira, Renato Paiva e Paulinho do Beco foram eleitos, presidente e vice, por unanimidade, com 24 votos, dos 30 conselheiros aptos a votar. Seis não puderam comparecer, mas manifestaram apoio integral. Também foi eleito o Conselho Fiscal, e novamente, por unanimidade foram eleitos: Paulo Henrique R. Leão, Daniel Lanza S. Gonçalves, Lino Emanuel M. Assunção, Angelo Gonçalves, Edísio Rufino Torres e Guilherme Santos Costa, para os próximos 3 anos.


Criatividade alvinegra para facilitar a vida dos atleticanos

Nestes tempos de pandemia, o Hissa Filho recorreu à criatividade para não perder vendas. Está facilitando a vida de quem quer adquirir produtos da Loja do Galo, do Shopping Paragem/Buritis, comandada por ele, por meio do Whatsapp ou Instagram. E ainda faz a entrega via motoboy.

Telefone: (31) 99975 – 8000


Henrique, do Cruzeiro, se acidenta numa das mais belas montanhas de Minas

Além das mineradoras criminosas, as paisagens mineiras sofrem com todo tipo de poluição visual, como placas, faixas e fios da rede elétrica.

Nossas belíssimas e castigadas montanhas são de tirar o fôlego, porém todo cuidado é pouco ao volante. Henrique caiu numa dessas ribanceiras, na região de Brumadinho, mas em princípio, nada de muito grave, pelo que informam as autoridades médicas e policiais.

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Mais informações sobre o acidente no site da Itatiaia:

* “Henrique sofre acidente de carro na Grande BH e é levado para hospital em Belo Horizonte”

O volante Henrique, do Cruzeiro, sofreu um acidente de carro na noite desta sexta-feira (26) em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte. Ele foi socorrido consciente para o Hospital Marter Dei, na capital mineira.

De acordo com a Polícia Militar (PM), o jogador do Cruzeiro estava conversando quando foi resgatado. O acidente ocorreu no mirante do Jatobá, na estrada para Casa Branca. Por ser um local de difícil acesso, Henrique foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e uma equipe do Samu o encaminhou ao hospital. Ainda segundo a PM, Henrique estava sozinho no veículo.

No final da noite desta sexta-feira, Henrique seguia sendo atendido no Mater Dei. Jogador segue acompanhando do Superintendente Médico do Cruzeiro, Daniel Baumfeld. Ele está consciente, sem fratura e sem lesão grave. O atleta foi submetido a exames para uma melhor avaliação.

A PM não soube revelar o que levou ao acidente.

https://www.itatiaia.com.br/noticia/henrique-sofre-acidente-de-carro-e-e-levado-para-hospital-jogador-do-cruzeiro-esta-consciente


78 anos: parabéns Gilberto Gil, torcedor do Bahia, Fluminense, Santos, Cruzeiro e Santa Cruz

Geraldo Afonso, eu, Gil e o professor Tomzé 

Nunca é tarde para felicitações. O aniversário foi ontem, e Gilberto Gil recebeu belíssimas e justas homenagens Brasil e mundo afora. Tive a honra de bater longo papo com ele em Conceição do Mato Dentro, em setembro de 2011, na 20ª Edição do Projeto Matriz, evento cultural que deveria se espalhar por Minas e Brasil inteiro.

Idealizado e promovido pelo João Bosco Costa Lima e Bethânia Guimarães, com três dias de música, artes cênicas e plásticas para a comunidade, em espaço aberto, em frente à Igreja  do Rosário, onde ninguém paga nada. Eu estava na mesma pousada que ele, Alto do Baú. Domingo cedo, chegando de uma caminhada, dou de cara com a figura, super gentil, carismático, sorriso largo e ainda convidando para o café, aliás, uma das atrações da Pousada.

Foi ótimo ouvir dele considerações sobre tudo, inclusive futebol, que ele gosta muito. Disse que torce para cinco times, nessa ordem: Bahia, Fluminense, Santos, Cruzeiro e Santa Cruz.

Perguntei porque nunca aceitou convite de um dos grandes jornais brasileiros para ir a uma Copa do Mundo, como convidado, e escrever uma coluna diária sobre o evento, assim como fez o Chico Buarque, na França’1998, e tantos outros:

__ Sou preguiçoso, prefiro ver os jogos sem compromisso; até escrevo, mas não é a atividade que mais gosto. Diferente do Chico, que hoje é tão bom escritor como compositor, diferente do Caetano, que adora escrever e agora tem até coluna semanal no Globo. O recém falecido Rodolfo Fernandes, diretor d´O Globo, convidou-me para escrever na Alemanha em 2006, mas agradeci; não sei teria paciência para todo dia pensar em algum assunto para escrever. Mas, quem sabe, um dia…

Foi a resposta dele.

Também na mesa, o professor Tomzé, nascido em Conceição, pôs na roda o assunto sobre os impactos causados na cidade e região pela chegada, na época, de grandes mineradoras, Anglo American, a maior delas.

Gil disse que realmente notou um certo “desassossego” das pessoas, que o assunto é realmente muito sério, especialmente num estado como o nosso, cuja atividade mineral é tradicional e muitas vezes a exploração é feita sem o respeito ao ambiente e à qualidade de vida. Ele entende que a comunidade diretamente envolvida precisa ficar atenta e se mobilizar na defesa dos seus interesses.

Quatro anos depois, em 2015, rompia a barragem da Samarco/Vale em Mariana, e em 2019, crime maior ainda, da Vale, em Brumadinho. Que Conceição e adjacências não passem por isso!

O show de Gilberto Gil foi num sábado à noite, mas ele fez questão de chegar na sexta-feira, no meio do dia, para conhecer Conceição, curtir o lugar e as pessoas. Elogiou a beleza da Serra do Cipó e gostou muito da viagem de Confins até lá.

Empolgado com tudo, deixou extasiada a multidão que foi vê-lo, num show antológico, cujo repertório, caprichou. Cantou muito mais que o tempo previsto, junto com o filho, Bem Gil. O ex-Ministro da Cultura é show, também de simpatia.

 

Gil com os donos da Pousada Alto do Baú, Leila e Geraldo Afonso.


Com o tempo que está tendo para treinar, Atlético deverá voltar a brigar no topo este ano

Jorge Sampaoli em foto do Bruno Cantini/Atlético

Futebol nunca foi e nunca será uma “ciência exata”. Já vi grandes times, no papel, com ótimos treinadores, que deram com os burros n`agua. E também o contrário, mas estou otimista com o time que o Atlético está montando para quando o Campeonato Brasileiro começar. No dia que foi apresentado, Jorge Sampaoli apresentou o seu cartão de visitas no que se refere ao estilo de jogo preferido, que é tudo que o atleticano, tradicionalmente, gosta: “Eu diria só com uma palavra: ataque. Para mim, ataque é o sonho, ainda mais para essa equipe que está um pouco golpeada, temerosa”. Com o elenco que está montando e com a torcida abraçando, há razões para ser otimista.

O diretor de futebol, Alexandre Mattos, é da prateleira de cima. Agora, o time não tem apenas um grande treinador. Contratou jogadores jovens, promissores e ainda deverá contratar mais dois, para se juntarem aos que Sampaoli selecionou do grupo que já existia. As dispensas que ele determinou, já podem ser consideradas “reforços”: Ricardo Oliveira, Franco Di Santo, Lucas Hernández, Ramón Martínez, Zé Welison, Edinho e Clayton! Ufa! Mesmo com todo o lobby que alguns deles tinham. Eu incluiria o Nathan e o Cazares nessa barca, mas, o treinador e o diretor de futebol têm experiência, e sabem o que estão fazendo.

Chegaram recentemente o zagueiro Bueno, os volantes Léo Sena e Alan Franco, e os atacantes Marrony e Keno. Possivelmente no último ano da carreira, Victor deverá ficar no banco, aguardando alguma chance que o Rafael dê. Para as laterais, Guga, Mailton, Fábio Santos e Arana, deverão resolver. Não são os melhores do país, mas satisfatórios. A zaga tem sido um ponto falho há tempos, porém Sampaoli é mestre em arrumar defesas e parece satisfeito com o que tinha e com os jogadores que chegaram: Igor Rabello, Gabriel, Réver, Bueno e Gustavo Henrique. Para o meio e ataque, entre marcadores, armadores e ofensivos, nomes consideráveis: Allan, Gustavo Blanco, Jair, Léo Sena, Alan Franco , Cazares, Otero, Nathan, Marquinhos, Hyoran, Dylan, Tardelli, Keno, Marrony, Savarino e Bruno Silva.

Com o tempo que está tendo para treinar, o técnico argentino tem tudo para montar um time altamente competitivo. Caso construa um ambiente de camaradagem e cumplicidade, ingredientes fundamentais nos esportes coletivos, o Galo tem tudo para brigar na cabeça.


Goleiro Fábio em, “Os Canalhas”, diz que algumas declarações de Rogério Ceni azederam o clima entre ele os jogadores do Cruzeiro

Fotos: Fernando Moreno/AGIF/Uol – “Os Canalhas” é o programa do João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana, no UOL Esporte, no Youtube, Facebook e Twitter, em que eles fazem ótimas entrevistas com personalidades do esporte.

“Canalha” é o famoso apelido do João Carlos Albuquerque, um dos melhores entrevistadores do país, que fez um sucesso enorme durante quase 20 anos na ESPN, de onde saiu ano passado.

Eles entrevistaram o Fábio e a conversa irá ao ar, daqui a pouco, às 18 horas, nestes canais. Fábio nunca foi bombástico em suas entrevistas e não será diferente nessa, porém, grandes entrevistadores sempre arrancam alguma coisa que se aproveite, por mais ensaboado que seja o entrevistado. Nessa, Fábio só faltou assumir que o Ceni foi derrubado pelo grupo. E alí começou o fundo do poço que levaria o Cruzeiro para a Série B.  O Uol deu um resumo da fala do goleiro que irá ao ar:

* “Ceni não soube fazer gestão do elenco no Cruzeiro”, diz Fábio

O goleiro Fábio, do Cruzeiro, revela em entrevista exclusiva ao programa Os Canalhas, que vai ao ar no UOL Esporte nesta quinta-feira, às 18h, os bastidores da relação do técnico Rogério Ceni com o elenco do clube no ano passado e afirma que o treinador não soube trabalhar a gestão do grupo. No papo conduzido pelos jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana, o goleiro que está próximo de completar 40 anos, não poupa palavras para descrever a temporada que culminou no primeiro rebaixamento da história do Cruzeiro para a Série B do Campeonato Brasileiro e os atritos dos jogadores com Ceni  “O erro do Rogério foi não saber fazer a gestão do elenco”, diz o goleiro. “Algumas declarações que foram cruciais para esse atrito entre os atletas e o Rogério. Começou em algumas declarações que o Rogério falou que o time sentiu explicitamente, indiretamente ou diretamente, falou que o time sentiu pela idade, que alguns jogadores não podiam mais jogar juntos”. Fábio também fala sobre a ausência em seleções que disputaram as Copas do Mundo de 2006, 2010 e 2014, se vê como injustiçado, além de abordar declarações de Taffarel e Gilmar Rinaldi, e ainda sua religiosidade no meio do futebol. Ele também não alivia as diretorias passadas do Cruzeiro pelo momento que o clube vive atualmente e ainda sobre a sua relação com o clube, que tem hoje seu filho como um dos goleiros nas categorias de base.

Os Canalhas: Quando e onde?

O programa Os Canalhas vai ao ar toda semana em duas edições semanais, na terça-feira, às 14h, e na quinta-feira, às 18h, em transmissão ao vivo, ou gravado, disponível na home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte no Youtube e no Facebook e Twitter, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana entrevistando personalidades importantes do esporte brasileiro.  (mais…)


Dois grandes equívocos de boa parte dos cruzeirenses em relação a duas aquisições muito importantes para o clube

O volante Henrique, em foto do Bruno Haddad/Cruzeiro

Uma dentro e outra fora de campo. Quando Dirceu Lopes foi anunciado como coordenador das categorias de base, houve uma enxurrada de manifestações contrárias.

Fotos, O Tempo e Mauricio Paulucci/Divulgação/O Príncipe – a real história de Dirceu Lopes

Depois, percebi que a contrariedade foi mais por causa da forma escolhida pelo presidente Sérgio Santos Rodrigues para anunciar, do que contra o nome do Dirceu. Menos mal. A expectativa criada, em torno de um “grande nome” que estava chegando, (sem dizer que era para os quadros diretivos), frustou àqueles que esperavam um camisa dez para jogar. Aí sobrou, injustamente, para o Dirceu, que, sem dúvida, será utilíssimo na garimpagem e formação de jogadores para o profissional do Cruzeiro. A simples presença dele, no convívio com os jovens, já é um incentivo. E ele poderá passar conhecimentos técnicos e de vida a esses rapazes, que não estão em nenhum livro. São vivências, dentro e fora de campo, transmitidas diretamente por um mito. Este sim, pode ser chamado de mito, pelo que jogou, pelos títulos que conquistou com o Cruzeiro e pelo exemplo de caráter e atleta que sempre foi.

Agora, foi anunciado o retorno do volante Henrique, outro exemplo de atleta, dentro e fora dos gramados, que sempre honrou a camisa cinco estrelas. Um dos que mais sofreram com o rebaixamento, um dos poucos daquele grupo que não se envolveu e não se envolve em panelas. Aí vejo notícias, como essas no Superesportes:

* “Torcedores reprovam retorno de Henrique ao Cruzeiro e ‘invadem’ redes do presidente com campanha – Depois de notícia sobre o volante, torcedores criaram hashtag”#HenriqueNão””

Injustiça e covardia!


José Luiz Gontijo, “granada sem pino”, que fazia a metralhadora do Lélio Gustavo parecer de brinquedo

A foto parece de propaganda de filme de gângsteres, mas somos nós num hotel de Santana do Livramento/RS: Gontijo, Roberto Abras, o gerente do restaurante, Uara Elias Jorge, o famoso “Turquinho”, da Rádio Itatiaia e o “locutor que vos fala”.

No título do post, eu disse “fazia”, porque me refiro aos tempos do Gontijo, do Lélio e meus na mídia formal, de rádio, TV e jornal, já que o Gontijo continua firme e forte em seu twitter @joseluizgontijo , dando tijoladas diárias, atualmente, mais sobre política do que sobre futebol. O Lélio, continua ótimo, também, na Rádio Super FM 91,7. Nessa onda de rever fatos, textos e vídeos, costuma bater saudade de pessoas importantes em nossas vidas. Gontijo foi um companheiro dos mais marcantes no Minas Esporte, da Band. Dia desses, encontrei essas fotos de uma das coberturas mais divertidas e produtivas das quais participei: a Copa América de 1995, no Uruguai, que teve os anfitriões como campeões. Há 25 anos as delegações estavam chegando ao país. A seleção brasileira jogou a primeira fase na bela e acolhedora Rivera (terra do ex-zagueiro Hugo de León), na fronteira com o Brasil, e ficou hospedada em Santana do Livramento, ótima cidade gaúcha, do outro lado da Praça Internacional, conhecida como “Fronteira da Paz”.

Eu era repórter da Rádio Alvorada FM e o Gontijo, da Itatiaia. Suas perguntas a jogadores, treinadores e dirigentes eram ácidas, longe das quicadas de bola e puxa-saquismo de boa parte dos colegas, daqueles tempos e principalmente de hoje. Valia o interesse do ouvinte e não do entrevistado ou patrocinador. Nesta foto ele entrevista o Del Solar, meio-campista, que era a grande promessa da seleção peruana naquela Copa América. Revelou-se um grande “foguete molhado”. Nos anos 2000 se tornou treinador, inclusive da seleção do país, num fracasso retumbante: último colocado nas eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2010, na África do Sul. Mas, uma figura super gentil e acessível, mesmo naqueles tempos, quando era uma das estrelas peruanas em terras uruguaias.


Aqui, nós entrevistamos o Roberto Palácios, outro candidato a astro do futebol do continente naquele 1995. Conseguiu mais sucesso que o Del Solar, inclusive com passagem pelo Cruzeiro, em 1997, porém, discreta.

Nesta foto, abaixo, José Luiz Gontijo, entre o Vinícius Araújo, atual vereador, ex-presidente da CDL de Matozinhos, e o Mário Henrique Caixa, então candidato a deputado, na campanha eleitoral de 2010, em caminhada pela cidade.

Também em 2010, eu reclamava aqui no blog, que o Gontijo faz falta à imprensa formal:

http://blog.chicomaia.com.br/2010/02/26/a-metralhadora-que-nao-tinha-rumo-jose-luiz-gontijo/

Quanto àquela Copa América, o Uruguai foi campeão sobre o Brasil, depois de 1 a 1 no tempo normal e vitória de 5 a 3 nos pênaltis.

A ficha técnica (mais…)


Página 5 de 1.155« Primeira...34567...102030...Última »